Quantos anos viveu Jesus Cristo?

Vamos pôr de lado as dúvidas acerca da historicidade de Cristo e perguntamos: quando nasceu? Quando morreu? Quanto viveu?

A tradição é simples: Jesus fez a sua vida privada até a idade de 30 anos, depois começou a vida pública com o baptismo de S. João Baptista, a predicação e os milagres. Na casa dos 33 anos foi preso, julgado e crucificado. Fim (excluindo a Ressurreição, óbvio).

A História diz algo um pouco diferente. Nós contamos os anos tendo como ponto de partida a data de 1.d.C., pois o ano “zero” não existe. Portanto, actualmente vivemos o ano de 2021 depois do nascimento de Cristo (d.C.). Acho que até aqui todos podemos ficar de acordo. Mas Jesus nasceu no ano 1 d.C.? De certeza que não. Vamos ver a razão.

Morte de Herodes: 4 a.C.

Ponto de partida são os Evangelhos, as únicas fontes “históricas” (com muitas aspas…) contemporâneas à vida de Cristo. O problema é que os Evangelhos fazem bastante confusão. O Evangelho de Matias, por exemplo, indica Herodes I (Herodes o Grande) como rei da Palestina na altura do nascimento de Jesus e autor do Massacre dos Inocentes (facto que nunca aconteceu, diga-se). Herodes I é uma figura histórica, acerca do qual temos muitos amplos testemunhos. Mas tinha morrido na cidade de Jerico em 4 a.C., muito provavelmente vítima de doença renal crónica complicada por gangrena de Fournier. Portanto, Herodes morreu quatro anos antes do nascimento de Jesus. O que não faz sentido. Se Jesus nasceu durante o reinado de HErode o Grande, então nasceu antes do 4 a.C..

Segundo o historiador Flávio Josefo (séc. I d.C.), a morte de Herodes foi precedida por um eclipse lunar. Um tal eclipse de facto teve lugar no dia 13 de Março de 4 a.C., e pode ser aquele citada por Josefo. Houve, no entanto, outros eclipses nesta altura, como aquela de 5 a.C.; mas sabemos que os seus filhos, entre os quais seu reino foi dividido, dataram os seus governos a partir de 4 a.C., que fica assim como data lógica do óbito.

Pelo que está confirmado: Jesus nasceu antes do 4 a.C., data na qual Herodes já estava em Jérico em péssimas condições de saúde. Mas quanto “antes”?

O Censo: 8 a.C.

Segundo os Evangelhos, Jesus nasceu depois do censo da população e antes da morte de Herodes. O censo ordenado antes da morte do rei foi o censo de Augusto, no ano 8 a.C..

Segundo o Evangelho de Lucas (2,1-2), o censo foi aquele de Quirinius realizado “sobre toda a terra” por ordem do Imperador Augusto, altura em que o nascimento de Jesus teve lugar em Belém, no tempo do rei Herodes. Mas trata-se dum erro cronológico, um dos muitos cometidos por Lucas: Publio Sulpicio Quirinius foi governador das Províncias de Síria e Judeia só a partir do ano 6.d.C, quando já Herodes tinha morrido há quase 10 anos. Pelo que, é evidente que o censo do qual se fala tem que ser anterior à morte de Herodes. E, de facto, é historicamente conhecido o censo do Imperador Augusto, no ano de 8 a.C..

Problema: o censo universal de Augusto (censo populi Romani) contava só os indivíduos que gozavam do estatuto privilegiado de cidadãos romanos. Uma vez que estes eram os únicos admitidos no exército romano, o objectivo dos censos era avaliar o poder militar em que se podia confiar. Augusto chamou três censos universais, em 28 a.C. (ainda não era Imperador), 8 a.C. e 14 d.C..

O censo de 8 a.C. é cronologicamente compatível com o censo evangélico, mas não pode ser imediatamente identificado com este dado que, como vimos, apenas cidadãos romanos do império eram contados: José de Nazaré não era cidadão romano e nem sujeito directamente ao Império (vivia no reino de Herodes o Grande).

A grande maioria dos estudiosos modernos, tanto seculares como cristãos, sustentam que o autor do Evangelho, Lucas, cometeu um erro ao relacionar o censo de Quirinius, que teve lugar em 6-7 d.C., com os acontecimentos do nascimento de Jesus, que teve lugar antes da morte de Herodes o Grande. Segundo estes estudiosos, o erro foi causado pela necessidade de fixar o nascimento de Jesus em Belém a fim de cumprir uma profecia do Antigo Testamento, que indicava precisamente Belém como o lugar do nascimento do Messias (Livro de Miqueias 5:1). A referência ao censo, com a necessidade de José e Maria viajarem, seria também uma forma de explicar porque é que Jesus nasceu em Belém e foi criado em Nazaré.

Pelo que: houve sim um censo antes do nascimento de Jesus (foi o censo ordenado pelo Imperador Augusto) no ano de 8. a.C.; mas este não teve nenhuma consequência na vida do Messias: nada de mudança até Nazaré.

Concluindo, é possível afirmar que o Jesus histórico nasceu entre os anos de 8 e 4 a.C.: a maioria dos pesquisadores apontam para o biénio 7-6 a.C. como a data mais provável.

Baptismo: 26 d.C.

Depois do nascimento seguem-se décadas de silêncio, das quais nada sabemos. A próxima data significativa é aquela do baptismo de Jesus, muito importante porque marca o “quase” início do Ministério de Jesus Cristo. “Quase” porque, como veremos, Jesus terá que esperar ainda muito tempo antes de começar a predicação.

É possível estabelecer com certeza a data em que João Baptista baptizou Jesus: o ano de 26 d.C.. A certeza deriva do facto que o Evangelho de João fala da primeira Páscoa depois do Baptismo, dia em que Jesus expulsa os mercantes do templo. João deixa uma nota na qual é explicado que os judeus da altura lembravam como o templo tinha sido construído há 46 anos. Dado que sabemos que a construção do templo teve início no ano de 20 a.C., somando 40 anos obtemos o ano em que Jesus expulsou os mercantes, que é o mesmo ano em que foi baptizado: 26 d.C.

O episódio da expulsão dos mercantes é algo anómalo, que mereceria muita mais atenção. Mas dado que a finalidade deste artigo é estabelecer as datas da vida de Jesus e nada mais, continuemos observando apenas que após os acontecimentos do templo Jesus desaparece. Literalmente. Entre a expulsão dos mercantes no templo e o início do Ministério activo há só o episódio das tentações no deserto, um evento plenamente simbólico e historicamente nulo.

A morte do Baptista: 34-36 d.C.

Quando é que Jesus começa a parte mais activa do seu Ministério? Após a morte de João Baptista. O óbito teve lugar na fortaleza de Maquero, não depois do 36 d.C.. Sabemos isso porque Herodes Antipas, filho de Herodes o Grande, perdeu a fortaleza depois da derrota sofrida contra Areta, rei de Petra, que destruiu Maquero. Segundo Flávio Josefo, os judeus viram na derrota de Herodes Antipas a justa punição por este ter morto João Baptista, episódio que assim podem ser datado antes de 36 d.C., provavelmente por volta do 34 ou no máximo 35 d.C.

Sabemos também que Herodes Antipas pediu vingança ao Imperador Tiberius: a expedição militar foi preparada durante o inverno do 36-37 d.C. mas entretanto Tiberius morreu em Março de 37 d.C.

Pelo que: entre 34 e 35 d.C. morre João Baptista; Jesus entra em plena actividade na mesma altura e na primeira Páscoa é capturado e condenado à morte.

Resumo:

  • 8 a.C. Censo
  • 7-6 a.C. nascimento Jesus
  • 4 a.C. morte Herodes o Grande
  • 26 d.C. baptismo de S. João
  • 34-35 d.C. morte de S. João
  • 36 d.C. crucificação de Jesus Cristo

Considerada a data de nascimento (7-6 a.C.) e aquela da morte (36 d.C.), temos a idade do Messias aquando da sua crucificação: entre o intervalo de 41 e 43 anos, mais provavelmente 42 anos. Esqueçam os 33 anos.

 

Ipse dixit.

5 Replies to “Quantos anos viveu Jesus Cristo?”

  1. Olá! Max,

    Obrigada pelo seu trabalho, mas pela primeira vez eu não concordo consigo.
    Gostaria de saber onde foi buscar as informações. Queria saber os livros, blogs, documentos, autores, etc… a onde foi pesquisar para chegar ás conclusões do seu artigo. Gostaria de fazer a minha própria pesquisa ( embora não tenha muita experiência em fazer pesquisas em termos de metodologia).
    Obrigada
    Teresa

    1. Olá Teresa!

      Sem problemas! Vou dedicar um artigo ao assunto também para responder às dúvidas que aparecem nos restantes comentários. O assunto “Jesus” é muito complexo mas também muito importante: é um prazer ver que consegue despertar interesse!

      Obrigado!!! 🙂

  2. Esse Jesus É só um personagem de uma novela escrita pelo Sogro de Júlio César, imperador de Roma, Calpurnius Piso, um senador romano, na verdade nunca existiu, mas serviu e serve até hoje aos propósitos do império Romano. Tudo uma novela para iludir e amaciar os povos.

  3. Interessante Max. Com todo este trabalho de pesquisa, tudo leva a crer que tu consideras fato dado a existência de Jesus.
    A Igreja deve ter feito estas contas antes de ti. Com todo o tempo livre daqueles sábios, porque eles manteriam estes erros ?
    Nos concílios a igreja católica modifica, inventa, desinventa tanta coisa, aparentemente uma correção de datas não influenciaria em nada seus interesses. Ou influenciaria? Não sei. Tu sabes?

Obrigado por participar na discussão!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: