Operação Marquês: o sistema levanta a voz

José Sócrates, o antigo Primeiro Ministro de Portugal, foi liberto de mais de 20 crimes.

Só cinco dos 28 acusados na Operação Marquês vão a julgamento e dos 188 crimes sobraram apenas 17. Sócrates saiu do tribunal com tom vitorioso: dos 31 crimes de que era acusado vai a tribunal por seis, três de falsificação de documentos e três de branqueamento de capitais. Ricardo Salgado, antigo dono do banco Espírito Santo (um dos maiores do País, entretanto fechado), vai ser julgado por três crimes de abuso de confiança.

O que dizer? Pessoalmente sempre achei José Sócrates como um dos melhores políticos que vi em Portugal. Só que é um corrupto e como tal deveria ser julgado e condenado.

Em qualquer caso, a Justiça portuguesa sai de rastos. Se Sócrates for um corrupto (e é corrupto, não haja dúvidas), o Juiz Ivo Rosas acabou de ilibar um culpado. O que não é simpático, tendo também em conta os valores em jogo (fala-se aqui de dezenas de milhões de Euros). Se Sócrates não for corrupto (mas é corrupto), ao longo de sete anos a comunicação social jogou ao tiro ao alvo com um inocente, cúmplice um sistema judiciário que com as infinitas “fugas” de informação construiu e vendeu ao público a imagem dum culpado sem apelo.

O que estamos a ver aqui não é uma luta política mas o sistema a proteger-se. Espreitem a lista dos (ex) acusados: socialistas, jesuítas, hebreus, ligações com Merrill Lynch, Deutsche Morgan Grenfell, Warburg Dillon Read, contactos com a China, Wall Street, OCDE… nada falta. E acusar o Juiz Ivo Rosas (como curiosidade: ONU, Tribunal Central de Instrução Criminal) seria limitativo: Rosas falou especificamente em falhas no implante acusatório, em instrumentos que poderia ter sido activados e não foram. Hoje foi só o culminar de algo que foi trabalhado ao longo do tempo.

A partir de agora, a questão será rapidamente levada para a cena política. O Partido Socialista (aquele do Sócrates) a defender a legitimidade das instituições, inclusive a Justiça; a oposição (inclusive parte da Esquerda) a falar em pressões, ao realçar como esta sentença aconteça na altura em que o PS está no poder. Entretanto o amigo de Lula e outros arguidos ficarão livres, no processo continuam os peixes pequenos (o condutor de Sócrates).

Os cidadãos poderão entreter-se com as opiniões dos vários especialistas convidados, trocando as típicas acusações dos “-ismos” e, obviamente, não levantando um dedo. Depois, no Sábado jogam Porto e Benfica, no Domingo o Sporting e haverá muito para contar sobre penalidades não concedidas, fora de jogo duvidosos e outras coisas importantes na vida. Muito triste.

 

Ipse dixit.

Imagem: Marcos Borga via Visão

18 Replies to “Operação Marquês: o sistema levanta a voz”

  1. A juntar a esta, a decisão do ECHR…*ttps://www.europereloaded.com/dystopian-nightmare-as-european-court-of-human-rights-rules-mandatory-vaccination-is-legal/
    Enfim, esperar, depositar esperanças numa auto-correção do rumo do “sistema” através da intervenção de um orgão do próprio sistema, supostamente de maior ética e moral humanas, é de facto uma ingenuidade. Tenho mesmo de deixar de pensar que existe algo ou alguém, numa réstia de esperança, capaz de mudar o rumo dos acontecimentos.
    Já pedi à esposa que se ir mentalmente preparando que temos de nos pôr daqui para fora.
    Deveria ter feito planos para isso bem mais cedo de forma a poder atuar no curto prazo.
    Agora, agarro-me à ingenuidade de ainda ter uns anos pró fazer.
    Se arrependimento paga-se imposto, estava todinho carimbado.

    P.S. O artigo “A ultima barreira” está soberbo, resumo top.

    1. Meu caro alfbber eu já sai e so tenciono voltar quando isso estiver tudo a arder para ajudar … e regar com gasolina …
      nao tens tanto tempo quanto pensas …

  2. Este caso trará consequências políticas pois se a corrupção, a roubalheira, e a impunidade continuarem a democracia não vai sobreviver, o que é grave pois não sabemos o que poderá surgir no seu lugar e isso faz-me temer pela República e a liberdade.

    Portugal atravessa um momento perigoso e sombrio, onde uma minoria composta por organizações pouco transparentes e secretas se apoderaram completamente do aparelho de Estado enfraquecendo assim a sociedade civil sob a qual essas entidades possuem actualmente um domínio quase total.

    Mais do que nunca os cidadãos Portugueses devem reflectir sobre o que se está a passar, entender que o país está capturado por oligarquias e sociedades secretas, pouco transparentes, que controlam os partidos políticos e a comunicação social, destroem o Estado, e trabalham exclusivamente para atingir os seus próprios interesses financeiros nem que para isso tenham de esmagar tudo e todos ou destruir a economia do país, as leis da República e as liberdades civis.

  3. Li a entrevista de Isabel Tavares a Nuno Garoupa no portal sapo…
    Apreciei o resumo ou retrato do sistema juridico português, que julgo corretíssimo.
    Já relativamente ao caractér dos juíses cá da terra, há os para todos os gostos e entre esses, larápios (procurar origem e definição da palavra) não faltam.
    À consideração de cada português se tal definição se aplicará ao tal de Ivo Rosa.

    P.S. O mesmo se aplicará, claro está, a outros por aí, não somente aos de cá.

    P.S.2 Andam por aí a morrer uns “cara-de-cu”, nazistas inclusive, imediatamente elevados pelos meios de manipulação da manada, a santos e benfeitores da humanidade… NOJENTO.

  4. Se assim se desejasse, seria muito simples saber se um político é corrupto ou não. Bastaria verificar quão rico ou pobre era quando entrou na política de representação, e como está anos depois.
    Mas não há interesse nisso porque o sistema todo é corrupto. Para manter-se no poder realizam peças teatrais para alimentar os incautos. E só, em qualquer lugar.

  5. Meu caro Max , desculpa lá mas isto nao faz sentido : ( transcrevo)

    ” O que dizer? Pessoalmente sempre achei José Sócrates como um dos melhores políticos que vi em Portugal. Só que é um corrupto e como tal deveria ser julgado e condenado.

    Socrates é um atrasado mental , narcisista e ganancioso sem escrupulos . Comparar Socrates com Eanes é literalmente comparar merda com pasteis de nata … ( o melhor e o pior)
    Como é que um dos melhores .. pode ser corrupto ??? O que é que aquele anormal fez de util pelo pais ? Nem vou tao longe… Que exemplos bons e que ele deixou ?
    A nossa classe politica é uma merda ok, mas dizer que aquilo é um dos melhores náo pode ser aceite nem como uma piada de mau gosto.
    Agora … Socrates como vimos nao esta só … posso estar enganado mas estamos a passar o ponto de nao retorno para uma desobediencia civil generalizada ou pelo menos para uma generalizada ausencia de escrupulos por parte dos cidadaos motivada por este exemplo … a seguir é o Sagado … e a seguir vao ser indemenizados com o dinheiro dos nossos impostos … como o Ped….. Pedroso … o polvo socialista no seu melhor … o povo é sereno ? Foi em 1974 … mas nao foi em 1174 … 1385… 1640 …1910 …
    Nao posso esconder que estou ansioso por ver esta merda incendiar-se toda e linchar a classe politica no meio das ruas … é feio o que digo ? E o que teem feito nao o justifica ? Se acham que nao e porque estao anestesiados ou mal informados …

    1. O sr. José Sousa é um idiota útil, iletrado, estúpido, e ignorante, um parolo sem escrúpulos que vendeu o nome.

      É em conjunto com António Guterres, José Barroso, e Pedro Coelho, um dos piores primeiros-ministros que Portugal já viu.

      1. O sistema também cogita a situação de semianarquia civil. E sabe muito bem que a boiada não saberá se conduzir depois disso, e assim de pronto recolocada no seu lugar de sempre.

    2. Também já escondo que no fundo sinto o mesmo, mas não creio que algo do género possa vir a acontecer nos próximos tempos, não por cá, embora lá fora pela europa já tenha ocorrido e outras se irão suceder.
      O exemplo do pessoal da restauração é paradigmático… O líder que não o era, falou alto e grosso e só, mais um que se aproveitou da situação para puder “vender a alma ao diabo” em benefício próprio. Sem um paizinho a orientá-los, nem para uma passeata se conseguiram organizar e logo que lhes atiraram umas esmolas, foram fazer queixinhas ao “padrinho” que os tugas se portam muito mal e não usam a mordaça nas esplanadas e por isso o padrinho tinha que atuar (castigar aqueles desobedientes).
      No que se refere à nossa gente, julgo serem poucos, os da velha guarda que têm a real noção da situação e muitos estão “condicionados” pelas suas filiações partidárias. Decididamente serenos (q.b.), embora combativos (anos do cavaquismo pidesco) se assumiram desde 1974. Menos ainda (julgo) são os da minha geração (geração X) que detêm tal noção e não lhes reconheço a combatividade de seus/nossos pais… Pelo contrário, têm sido (julgo eu) os mais conformistas, até os mais colaboracionistas com a “administração”. A geração Y, a este nível, nem sei se sabem e conhecem o significado e importância da constituição da republica portuguesa. Os que o sabem, encaram a situação com uma leviandade constrangedora, embalados entre o tecno-consumismo e a incerteza constante de um planeado futuro incerto que lhes foi ou está a ser legado… Usam a máscara como mais um adereço da moda dos tempos atuais. A geração Z não conta para estas contas e está a sofrer a severa doutrinação do estado, da igreja e de seus pais.
      No cenário que descrevo, nada abonatório para as nossas gentes, não antevejo revolução alguma (por cá).
      Os portugueses irão ter o que no resto da europa for decidido, pelos seus povos e administradores.
      A ver vamos o que nos sai na rifa… entretanto, vou preparando “o salto”.

    3. Olá P.Lopes!

      Sei que pode parecer um sem sentido, mas para mim Sócrates foi o melhor que passou por aqui deste que estou em Portugal. Não digo “desde sempre”, disse “que vi”. Não vi Eanes, por exemplo, e muitos outros que posso encontrar apenas nos livros de História. Se calhar foram políticos fantásticos, mas eu nunca os conheci.

      Como é que um dos melhores pode ser corrupto? Da mesma forma que o melhor jogador de futebol era um drogado crónico (Maradona). Sócrates é um narcisista e ganancioso sem escrúpulos; corrupto e mentiroso também. Mas nada disso lhe impede de saber fazer política. Porque, infelizmente, “política”, “decência” e “moral” não rimam na nossa sociedade.

      Desde que pessoalmente comecei a ocupação e a conquista de Portugal vi ao trabalho:

      Durão Barroso – um verme que nem acabou o mandado: fugiu pouco depois para ocupar lugares bem mais remunerados
      Santana Lopes – um gajo simpático, diga-se, que pagou os erros dele, aqueles de Barroso e uma campanha mediática total sem saber/poder ultrapassa-la
      José Sócrates – o tal
      Passos Coelho – a propósito de “atrasado mental e narcisista”…
      António Costa – o triunfo da mediocridade
      …e seria injusto não mencionar o actual Presidente da República, de facto um co-Primeiro Ministro nesta altura (e, de meu ponto de vista, outro bom político).

      Este é o lote entre o qual posso escolher, aqueles que vi trabalhar, pois antes estava em Italia e nem sabia que em Portugal houvesse um Primeiro Ministro (pensava que governasse sempre Amalia). Já viram com que raio de indivíduos levei? Agora, encontrem um “político” aí no meio… Não tenho problema em indicar Sócrates como o melhor político com o actual Presidente em segundo lugar. E realço: “político”, termo que exclui a vertente moral.

      Percebo que Sócrates possa resultar antipático (nem tem que esforçar-se para isso, é um seu dom natural), mas é tão bom político que conseguirá reaparecer outra vez na cena política portuguesa após uma pancada (a Operação Marquês) que teria batido um cavalo. Não é uma boa notícia, longe disso, mas no actual sistema é o que acontece quando uma pessoa tem determinadas dotes e uma ampla rede de “influências” (também isso faz parte do “ser político”).

      Acerca dos “méritos” de Sócrates: houve e foram vários. Não vou escrever aqui um “louvor ao trabalho de Sócrates”, nessa altura nem me passa pela cabeça. Nesta altura é mais importante concentrar-se naquilo que se passou no tribunal e nas péssimas e devastadoras consequências duma tal decisão: mais um prego no caixão da tão decantada “democracia” e, mais grave ainda, numa “justiça” claramente vendida ao sistema.

      “posso estar enganado mas estamos a passar o ponto de não retorno para uma desobediência civil generalizada ou pelo menos para uma generalizada ausência de escrúpulos por parte dos cidadãos motivada por este exemplo. Nao posso esconder que estou ansioso por ver esta merda incendiar-se toda e linchar a classe politica no meio das ruas… é feio o que digo?”

      Até alguns anos atrás teria dito “Mas não, P.Lopes, esta não é a maneira….”. Agora já não tenho a coragem: estamos a ver tantas e tais coisas que é difícil continuar a apelar-se “às regras”, sobretudo quando os únicos que devem respeita-las somos nós.

      Não sou optimista: indignação é coisa que não falta. Agora “reacção”… pouca e confusa. A escassa participação eleitoral? Simplesmente ignorada. A Operação Marquês como gatilho? Nestes dois dias passaram no ecrã da televisão os “especialistas” que já começaram a obra de “normalização”: não a classe política, não um sistema podre, o alvo é um juiz, um único indivíduo que, sozinho, destruiu todo o implante acusatório. Demasiado simples, mas funciona: começou a circular um abaixo-assinado para remover o juiz do lugar. Abaixo-assinado enviado… ao Parlamento, que oficialmente não pode intervir em questões judiciais.

      P.Lopes, infelizmente revoluções com barrigas cheias são coisas bem raras…

  6. Meu caro Max estamos em total desacordo Socrates foi o gajo que abriu as portas a Troika e nos mergulhou na divida , o animal que alimentou e promoveu o conceito de divida perpetua, queres pior que isto ?
    Transcrevo :
    Acerca dos “méritos” de Sócrates: houve e foram vários. Não vou escrever aqui um “louvor ao trabalho de Sócrates”,
    Pois … e acabaste por escrever muito e nao referir um unico merito de socrates … é sintomatico de que afinal o animal socrates nao possui merito nenhum .
    Transcrevo :
    “político”, termo que exclui a vertente moral.
    Se assim é meu caro Max , nem vale a pena trocar argumentos , porque a vertente moral foi exactamente o que fez de Eanes para mim o melhor dos melhores … é essa a diferença dos politicos da Islandia e de como reagiram á crise da banca prendendo os banqueiros em vez de lhe dar mais dinheiro.
    Nao conheceste Eanes … ok mas se todos os que conhecestes nao passam de um monte de esterco nao tentes suavizar porque ao comparar esterco com esterco e eleger o “melhor” dos possiveis estas a baixar os criterios e a “branquear” o sistema
    É para mim completamente inaceitavel que um politico possa ser competente desassociado de conceitos morais , se assim é mais vale entregar as cartas e abrir caminho para a Inteligencia Artificial .

    1. Falta referir o aumento da censura, silenciamento, e perseguição que se instalou na sociedade Portuguesa durante os governos do sr. José Sousa, nomeadamente nas estruturas, organismos, e entidades do Estado assim como os ataques à liberdade de opinião.

      O sr. José Sousa, um parolo, iletrado, medíocre em todos os aspectos, e inculto, que foi confrontado com o facto de lhe ter sido atribuído um grau académico de forma fraudulenta; junte-se a isto o obscuro caso da Sorbonne.

      No que toca à Educação, já de si bastante destruída, deturpada, e capturada por seitas políticas e religiosas durante o governo do sr. António Guterres, com o sr. José Sousa foi o descalabro total; as «novas oportunidades» são um claro exemplo disso com alegados professores e formadores a ganhar balúrdios à custa de um esquema corrupto que se desenvolveu no âmbito das «formações», que no final não formavam nada (a não ser em embrutecimento e estupidificação mental, cultural, e profissional).

      Foi também nos governos do sr. José Sousa que o ataque à indentidade nacional e à Língua Portuguesa teve um grande impulso, com esse indivíduo que mais não é que um idiota útil pescado num sítio qualquer, a promover em força agenda, política, económica, e de engenharia social do liberalismo globalista.

    2. Olá P.Lopes!

      Como disse não vou preparar um elogio público dedicado a José Sócrates, não merece sobretudo numa altura como esta. São pontos de vista.

      “É para mim completamente inaceitável que um politico possa ser competente desassociado de conceitos morais”.
      Esta é a figura idealizada do homem político. Eu, pelo contrário, acho que é possível avaliar a actividade política não tendo como base a moral, que da política é (realço: infelizmente) um acessório.

      Exemplo trivial: uma pessoa pode ser um bom orador, pode saber como fascinar as massas, pode ter um programa genial, pode saber mediar entre as partes, pode sanar conflitos sociais… isso é: pode ter todas estas dotes que fazem dele um bom político. Mas nada impede que seja um corrupto ou um ladrão. Estes últimos são aspectos “morais” que nós julgamos como importantes e que, justamente, tentamos ter em conta na altura das eleições. Mas tecnicamente não são aspectos “políticos”.

      Na altura dos mundiais de futebol (não sei se eram aqueles de 1990) um meu amigo detestava Maradona porque era um drogado. Eu não concordava com ele: sim, Maradona era um drogado e um mentiroso (aspecto moral) mas nada disso lhe impedia de ser um génio do futebol (aspecto técnico). Percebo o que P.Lopes quer dizer e obviamente concordo com a ideia de que um político “deveria” ser honesto também, “deveria” trabalhar só no interesse dos cidadãos, “deveria” ter como único fim o supremo bem de todos os eleitores, etc. etc..

      Mas P.Lopes sabe que esta figura idealizada é mercadoria bem rara. E que, não desde hoje, o político vinga por outras razões, tal como explicou o bom Maquiavel…

      1. Meu caro Max… por isso votaremos em candidatos diferentes , é raro o que idealizo mas nao baixarei os meus criterios com base na escacez … se o fizer estarei a contribuir ainda mais para essa escacez, e convenhamos … um jogador de futebol e um politico que dirige os destinos de uma nacao … nao sao comparaveis , é como comparar batatas com cebolas , sao legumes … mas as semelhancas acabam ai .

  7. Com a descredibilização da classe política que se vê em todo o mundo, será mais fácil a aceitação da governação por uma classe não eleita e substituição do “estado”.

Obrigado por participar na discussão!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: