Vacina anti-Covid? Johnson & Johnson: “É para sempre”

A vacina é para sempre: este é o aviso do Rei dos Detergentes, Alex Gorsky, CEO da Johnson & Johnson.

As pessoas podem precisar de ser vacinadas contra a Covid-19 todos os anos, tal como as vacinas contra a gripe sazonal, nos próximos anos. Infelizmente, quando [o vírus] se espalha, também pode sofrer uma mutação. De cada vez que se altera, é quase como mais um clique no mostrador, por assim dizer, onde podemos ver mais outra variante, outra mutação que pode ter impacto na sua capacidade de rejeitar anticorpos ou ter um tipo diferente de resposta não só terapêutica, mas também a uma vacina.

O comentário de Gorsky veio depois da J&J ter afirmado que tinha solicitou uma licença de utilização de emergência à Food and Drug Administration para a sua vacina contra o Coronavírus. Ao contrário das vacinas da Pfizer e da Moderna, que requerem duas doses administradas com cerca de três a quatro semanas de intervalo, a J&J requer apenas uma dose, tornando a logística mais fácil para os profissionais de saúde.

Os analistas de Wall Street aguardam ansiosamente a aprovação da vacina da J&J, o que poderá acontecer já este mês. O Presidente ZomBiden procura acelerar o ritmo das vacinações nos EUA.

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos anunciou em Agosto ter chegado a um acordo com a Janssen, a subsidiária farmacêutica da J&J, no valor de cerca de mil milhões de Dólares em troca de 100 milhões de doses da sua vacina. O acordo dá ao governo federal a capacidade de encomendar mais 200 milhões de doses, de acordo com o anúncio.

Mas Gorsky não é o único a prever uma vacina sem fim: o primeiro a dizê-lo tinha sido Stephane Bancel, CEO da Moderna, numa reunião da JPMorgan Healthcare:

Vamos viver com este vírus, pensamos nós, para sempre.

Ao mesmo tempo, funcionários da saúde pública e especialistas em doenças infecciosas disseram que existe uma elevada probabilidade de que a Covid-19 se torne uma doença endémica, o que significa que estará sempre por perto, embora provavelmente a níveis mais baixos do que actualmente.

Vamos esquecer os alarmismos e raciocinamos: não há coisa mais normal de que a presença endémica dum vírus e os exemplo são abundantes. Doutro lado, não deve ser esquecido que um vírus endémico (residente numa população, com baixos níveis de letalidade mas facilmente transmissível) é um sucesso da evolução, enquanto um vírus com altos níveis de letalidade é um fracasso do ponto de vista evolucionista, porque, ao matar o hospedeiro, limita fortemente a sua capacidade de instalar-se numa população.

A coriza (o comum resfriado), a escarlatina, o sarampo e a rubéola são doenças endémicas. A Revista Brasileira de Saúde Ocupacional já em 2010 reconhecia o vírus da Gripe H1N1 como endémico na suinicultura: na altura o vírus, que provocou o estado de pandemia declarado pela OMS, já tinha causado entre 43 e 89 milhões de casos com 18.000 mortos mas nem por isso os criadores ou a população foram obrigados a pôr máscaras ou a ficar isolados.

Todos os vírus da família A/H1N1 continuam a circular entre os humanos de forma endémica: e será bom lembrar que A/H1N1 significa Gripe Espanhola. Só que hoje não falamos de “Gripe Espanhola”, falamos de gripe. O mais provável é que o SARS-CoV-2 com o tempo se torne como uma nova gripe ou até um esfriado: em particular, foi observado que este vírus, apesar de partilhar os sintomas da MERS e da SARS, parece mais próximo dos quatro vírus que provocam o resfriado (a tal coriza).

Depois, claro está, se o desejo for espalhar o medo para convencer todos a vacinar-se, então as declarações destes “especialistas” são bem vindas. Então sim, a Covid veio para ficar, o vírus muda e resiste a tudo, as vacinas serão sempre necessárias, etc., etc.

 

Ipse dixit.

Imagem: NurPhoto / Colaborador/Getty Images

14 Replies to “Vacina anti-Covid? Johnson & Johnson: “É para sempre””

  1. Caro Max, como já tinha ouvido um tempo atrás e concordei, a máscara , o distanciamento social, o controle , na cabeça deles ( dominadores globais) é para sempre , mesmo com “vacinas”. Eles estão orquestrando tudo. Por enquanto , para eles está tudo dando certo. A agenda avança. Lembre mos: moeda digital única , religião única , líder único global. A grande maioria da população “dorme” e quando lhe passa algo na cabeça sob controle , pensam: Não , não , não pode ser. Isso é loucura . Não existe. Infelizmente estamos no mesmo barco ( planeta Terra). Quando irão acordar?

  2. “Um vírus endêmico é um sucesso da evolução, um vírus muito letal um fracasso evolutivo”, concordo. Esse mesmo raciocínio deve ser usado para a indústria farmacêutica. O que é melhor, uma doença crônica que faz o individuo tomar remédios por anos, décadas , como a hipertensão e o diabetes ou uma doença que mata o consumidor rapidinho?
    Por isso acho que as vacinas não tem a intenção de serem letais ou prejudiciais, o que a indústria quer é vender, vender e vender. Se os consumidores morrerem venderão para quem?
    Porém, como não houve tempo hábil para ensaios clínicos seguros, a própria indústria não sabe o que acontecerá a médio e longo prazo com os vacinados (cobaias).
    A declaração do CEO da Johnson vem nesse sentido, “cronificação gera vendas e lucros por décadas”, foi o que ele quis dizer nas entrelinhas.
    É tudo um grande negócio!

    1. Certo Eduardo, sempre foi por dinheiro. Por isso não consigo aceitar essa ideia de que a “pandemia” foi orquestrada por outro motivo, embora respeite a opinião dos outros leitores e do Max.
      O Bill Gates, já não tem mais onde enfiar dinheiro, mas outros também almejam chegar na mesma condição. Existe todo um jogo de poder, ganância e ostentação. É como a eterna briga do Tio Patinhas X Patacôncio.

  3. Penso que os cidadãos Portugueses ainda não se aperceberam do esquema que está por de trás das vacinas para a doença do Coronavírus Covid-19, mas é melhor começarem a reflectir por forma a desmascararem e enfrentarem tanto a união europeia (ue), como o Governo e a Presidência, que neste momento em Portugal estão a impor uma vacina quando no mercado existem outras ofertas de vacinas contra a Covid-19, demonstrando assim que não existe seriedade e transparência neste processo de vacinação que ao mesmo tempo atenta contra a liberdade escolha.

    Não pretende ser vacinado? Tem todo o direito se assim o desejar, afinal o corpo é seu e não é um partido político ou uma organização política, que vão administrar o seu corpo e o seu organismo.

    Quer ser vacinado? Força, tem todo o direito se assim o desejar, afinal o corpo é seu, mas acima de tudo é você que deve escolher a sua vacina e não um partido político ou uma organização política.

    Enquanto os cidadãos Portugueses não perceberem isto, vão continuar a ser comidos de cebolada.

    1. JF mas tu estás a falar a sério quando dizes que a vacina Russa é melhor que as outras ?
      Ter um sistema imunitário forte a custa de medicamentos é como querer ser um atleta sem nunca treinar.
      Epa … ja sei que tens uma grande admiração pela mãe Rússia mas não estava já na altura de tomares juízo ?
      Fica te apenas por tratamentos conhecidos e experimentados , assim do tipo …umas vodkas profiláticas ministradas por enfermeiras russas. JF … juízo ..Ok ?

      1. Há uma certa lógica, P. Lopes.
        A vacina deve ser muito boa, porque nenhum cientista russo gostaria de deixar o Putin emputecido.

  4. Para quem ainda acha que a fraudemia não foi orquestrada: “Estamos diante da oportunidade para uma transformação global. Tudo o que precisamos é a grande crise certa para as nações não apenas aceitarem a Nova Ordem Mundial, mas implorarem por ela.”
    David Rockefeller

  5. Olá Max: tem coisas que me apavoram. Já nem são as vacinas e suas múltiplas funções ontem, hoje e sempre, muito bem apanhadas pelos donos do mundo como vetor de medo, consentimento, controle e eliminação de grupos indesejáveis.
    Enquanto os europeus se agitam em rebeldia contra este estado de coisas, o mundo brasileirinho despeja seu ressentimento, alergia à verdade e ódio ao outro disfarçado em preocupação pelo bem comum. E isto me apavora.
    O governo baixou um decreto que despede do serviço público quem não tomar a vacina Covid -19. Nas redes sociais do município onde vivo predomina : “Agora vai”, “Quero ver, ou a vacina ou o emprego’.
    No íntimo de cada um, um tirano, a vontade de submeter o outro. E se fala dos donos do mundo… Estes têm os motivos deles, querem o poder absoluto, a certeza que nunca perderão seus benefícios, riquezas, privilégios…
    Mas e estas minúsculas figurinhas que anseiam à mesma tirania e controle, sem ter nada a ganhar, a não ser derramar o fel que habita suas mentes doentias ?!

    1. “Mas e estas minúsculas figurinhas”… que não são poucas e vão se tornar maioria, capaz de fazerem uma “caça as bruxas”, todo cuidado é pouco!

    2. Olá Maria.

      “O governo baixou um decreto que despede do serviço público quem não tomar a vacina Covid -19”

      Até agora isso não aconteceu. Não estou dizendo que não possa vir a acontecer, mas até agora , não encontrei nenhuma comprovação de que esta informação seja verdadeira.

      1. Olá Sergio, realmente não é verdadeira. O que existe são projetos em Brasília com essa proposta. O primeiro deles apresentado por um deputado de São Paulo em dezembro/2020.

Obrigado por participar na discussão!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: