Novo estudo: confinamento inútil, até perigoso

Um novo estudo realizado por especialistas da Universidade de Stanford na Califórnia demonstrou que as severas restrições, tais como o confinamento em casa (lockdown) ou encerramento das empresas, não produziram nenhum claro benefício na prevenção da Covid-19 e podem, em vez disso, aumentar o risco de contágio.

Os bloqueios nacionais ou individuais têm sido a táctica seguida pelos governos desde o início da “pandemia”, mas a nova investigação mostra que tais medidas draconianas são, de facto, totalmente ineficazes.

No dia 5 de Janeiro deste ano, o Dr. Eran Bendavid e o Professor John Ioannidis, em colaboração com Christopher Oh e Jay Battacharya, publicaram um artigo intitulado Assessing the Effects of Mandatory Home Stay and Business Closures Due to COVID-19 (“Avaliação dos efeitos do confinamento em casa e do encerramento dos negócios devido à COVID-19”). Os quatro professores leccionam em quatro departamentos diferentes na mesma Universidade, incluindo o Departamento de Medicina, o Centro de Saúde Pública, o Centro de Cuidados Primários e Investigação de Resultados, e o Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública; para este estudo decidiram juntar os esforços para analisar a situação.

Os autores pesquisaram o efeito das “intervenções não-farmacêuticas” (INF), distinguindo-as em “muito restritivas” (INFmr) e “minimamente restritivas” (INFpr). Os lockdowns e o encerramento das empresas foram definidos como “algumas das obrigações mais restritivas”.

Com base nos resultados obtidos nos Países onde as INFmr (as medidas “muito restritivas”) foram amplamente utilizadas, em comparação com os resultados dos países com INFpr (“minimamente restritivas”), o estudo demonstrou “a ausência de benefícios reais em termos de contenção do contágio como resultado de regras demasiado restritivas”.

Relativamente à hipotética diminuição da taxa de infecção devido aos lockdowns na Primavera de 2020, o estudo relatou que “não há provas de que as INFmr tenham contribuído substancialmente para a diminuição da infecção no Reino Unido, França, Alemanha, Itália, Irão, Holanda, Espanha, ou Estados Unidos no início de 2020”. Os autores admitiram que, embora “modestas diminuições no crescimento diário” não pudessem ser descartadas em alguns Países, a possibilidade de grandes diminuições devidas às INFmr é inconsistente com os dados acumulados.

Os oito Países que tomaram medidas drásticas para impedir a propagação do vírus (Estados Unidos, Grã-Bretanha, Alemanha, França, Itália, Irão, Países Baixos e Espanha) foram comparados com Países que adoptaram regras menos restritivas, como a Suécia e a Coreia do Sul, e os autores observaram que “não há dados que demonstrem que em qualquer dos Países com regras restritivas a infecção tenha diminuído”.

Na verdade, em 12 das 16 comparações verificou-se o exacto contrário, ou seja: “o aumento diário dos casos foi uma consequência das INFmr”. Como afirmam os autores “É possível que a obrigação de permanecer em casa possa facilitar a transmissão do vírus nos casos em que aumente o contacto onde a transmissão é muito mais fácil, tal como em locais fechados”. Dito de outra forma: com o confinamento obrigatório é aumentado o contacto entre pessoas que vivem na mesma casa, facilitando desta forma o contagio (por exemplo através dos indivíduos assintomáticos).

As provas apresentadas mostram que as INFmr como os lockdowns não eram sequer necessários uma vez que “a redução das actividades sociais que provocava um abrandamento do crescimento estava a ocorrer antes da implementação do lockdown porque as pessoas nos Países afectados estavam a absorver o impacto da pandemia na China, Italia e New York e estavam a observar um crescentes conjunto de recomendações para reduzir o contacto social. Tudo isto aconteceu antes das INFmrs”. Ou seja: dado que as notícias circulavam, as pessoas já tinham começado a adoptar uma atitude mais cautelosa.

Os autores analisaram de perto as lacunas de um estudo bem conhecido e altamente considerado, publicado em Junho do ano passado, que afirmava que as INFmrs, e especialmente os lockdowns, “eram particularmente eficazes na limitação da infecção”. O Professor Bendavid e o Professor Ioannidis observaram que, no estudo de Junho, os efeitos dos lockdowns na transmissão foram “assumidos em vez de avaliados”. De facto, o estudo de Junho atribuía falsamente “quase toda a redução na transmissão à última intervenção, seja ela qual for”.

As conclusões de Bendavid e Ioannidis foram confirmadas, quase de forma involuntária, pelo Grupo Consultivo Científico para as Emergências (SAGE) da Inglaterra. Em Setembro de 2020, um documento em que a SAGE apelava a outro bloqueio nacional e ao encerramento das empresas, declarava que “a eficácia e os danos destas medidas são geralmente fracos”.

Portanto, apesar de ser fortemente favorável ao encerramento, a SAGE admitia que as medidas que tinha pedido teriam um efeito relativamente menor. O grupo acrescentou que “poderia haver efeitos sinergéticos (ou mesmo antagónicos) da tomada de múltiplas medidas e que os impactos benéficos para a saúde seriam apenas modestos”.

Para além da falta de benefícios das INFmr, Bendavid e Ioannidis alertaram para os graves danos que poderiam resultar para além do aumento das infecções: as “intervenções não-farmacêuticas” (INF) podem provocar mais danos do que benefícios, e alguns danos são mais pronunciados com algumas INFs do que com outros.

O estudo salienta o efeito que o encerramento das escolas teria tido nas crianças americanas, estimando os danos em “um equivalente a 5.5 milhões de anos de vida para as crianças nos Estados Unidos durante o encerramento de escolas na Primavera de 2020”. A este número acrescenta-se uma estimativa de “168.000 mortes adicionais de crianças” que um outro estudo afirmou poder ocorrer nos Países mais pobres até 2022.

Bendavid e Ioannidis mencionaram uma série de outros efeitos significativos e prejudiciais das INFmrs, incluindo fome, overdose de opiáceos, falta de vacinação, aumento de doenças não Covid devido a saneamento inadequado, abuso doméstico, saúde mental e suicídio, bem como uma série de consequências económicas com implicações na saúde.

Também são importantes os números que mostram que as mortes em lares de idosos foram mais elevadas em áreas onde havia medidas mais restritivas do que em áreas onde as medidas eram menos restritivas. Estes números “sugerem também que as medidas restritivas não vão suficientemente longe para proteger totalmente os grupos de risco”. De facto, o estudo apontou outras evidências para sugerir que durante as INFmr “as infecções podem ser mais frequentes em ambientes onde residem pessoas em risco do que em ambientes frequentados por pessoas saudáveis”.

As provas apresentadas neste novo estudo não têm falta de precedentes, uma vez que mesmo a OMS em 2019 aconselhava não utilizar medidas altamente restritivas como o encerramento de empresas e fronteiras. Relativamente ao encerramento de empresas para evitar a propagação de vírus semelhantes à gripe, a OMS escreveu: “existe uma qualidade geralmente muito baixa de provas de que as medidas e os encerramentos no local de trabalho reduzam a transmissão do vírus”.

As conclusões finais apresentadas no estudo de Bendavid e Ioannidis são dignas de serem republicadas na íntegra:

  • Em resumo, não podemos encontrar provas consistentes para apoiar medidas mais restritivas no controlo do Coronavírus no início de 2020. Não questionamos o papel de todas as intervenções para preservar a saúde pública ou as comunicações coordenadas sobre o surto, mas não podemos encontrar qualquer benefício adicional nas obrigatoriedade da permanência em casa e no encerramentos das empresas.

  • Os dados não podem descartar completamente a possibilidade de alguns benefícios. No entanto, mesmo que existam, estes benefícios podem não compensar os muitos danos causados por estas medidas agressivas. Intervenções de saúde pública mais direccionadas, que reduzam mais eficazmente o número de infecções, podem ser importantes para o controlo de futuros surtos, sem os danos das medidas altamente restritivas.

E dado que mesmo hoje o governo de Portugal tem estabelecido o fecho de todas as escolas, lembramos quanto escrito pela UNESCO:

Consequências adversas do encerramento de escolas

O encerramento de escolas acarreta elevados custos sociais e económicos para as pessoas em todas as comunidades. Contudo, o seu impacto é particularmente severo para os rapazes e as raparigas mais vulneráveis e marginalizados e para as suas famílias. As perturbações resultantes exacerbam as disparidades já existentes dentro do sistema educativo, mas também noutros aspectos das suas vidas. Estas incluem:

    • Interrupção da aprendizagem: a escolarização proporciona aprendizagem essencial e quando as escolas fecham, as crianças e os jovens são privados de oportunidades de crescimento e desenvolvimento. As desvantagens são desproporcionadas para os alunos desfavorecidos que tendem a ter menos oportunidades educativas para além da escola.
    • Má alimentação: muitas crianças e jovens dependem de refeições gratuitas ou com desconto fornecidas nas escolas para alimentação e nutrição saudável. Quando as escolas fecham, a nutrição é comprometida.
    • Confusão e stress para os professores: quando as escolas fecham, especialmente de forma inesperada e para durações desconhecidas, os professores estão frequentemente inseguros das suas obrigações e de como manter ligações com os estudantes para apoiar a aprendizagem. As transições para plataformas de aprendizagem à distância tendem a ser confusas e frustrantes, mesmo nas melhores circunstâncias. Em muitos contextos, os encerramentos de escolas conduzem a licenças ou separações para os professores.
    • Os pais não estão preparados para o ensino à distância: quando as escolas fecham, os pais são frequentemente solicitados a facilitar a aprendizagem das crianças em casa e podem ter dificuldade em realizar esta tarefa. Isto é especialmente verdade para pais com educação e recursos limitados.
    • Desafios para criar, manter, e melhorar o ensino à distância: a procura de ensino à distância dispara quando as escolas fecham e muitas vezes ultrapassa os portais existentes para o ensino à distância. Mudar a aprendizagem das salas de aula para as casas em grande escala e com pressa apresenta enormes desafios, tanto humanos como técnicos.
    • Lacunas nos cuidados infantis: na ausência de opções alternativas, os pais trabalhadores deixam muitas vezes as crianças sozinhos quando as escolas fecham e isto pode levar a comportamentos de risco, incluindo uma maior influência da pressão via internet e o abuso de substâncias.
    • Custos económicos elevados: os pais trabalhadores são mais propensos a faltar ao trabalho quando as escolas fecham para cuidar dos seus filhos. Isto resulta em perda salarial e tende a ter um impacto negativo na produtividade.
    • Tensão involuntária nos sistemas de cuidados de saúde: os trabalhadores da saúde com crianças não podem facilmente trabalhar devido às obrigações de cuidar das crianças que resultam do encerramentos das escolas. Isto significa que muitos profissionais médicos não se encontram nas instalações onde são mais necessários durante uma crise de saúde.
    • Aumento da pressão sobre as escolas e sistemas escolares que permanecem abertos: os encerramentos de escolas sobrecarregam as restantes instituições à medida que tanto os governos como os pais redireccionam as crianças para escolas que permanecem abertas.
    • Aumento nas taxas de abandono escolar: é um desafio assegurar que as crianças e os jovens regressem e permaneçam na escola quando as escolas reabrem após os encerramentos. Isto é especialmente verdade no caso de encerramentos prolongados e quando os choques económicos pressionam as crianças a trabalhar e a gerar rendimentos para famílias em dificuldades financeiras.
    • Aumento da exposição à violência e à exploração: quando as escolas fecham, os casamentos precoces aumentam, mais crianças são recrutadas para as milícias, a exploração sexual de raparigas e mulheres jovens aumenta, as gravidezes adolescentes tornam-se mais comuns e o trabalho infantil cresce.
    • Isolamento social: as escolas são centros de actividade social e de interacção humana. Quando as escolas fecham, muitas crianças e jovens perdem o contacto social que é essencial à aprendizagem e desenvolvimento.
    • Desafios para medir e validar a aprendizagem: avaliações calendarizadas, nomeadamente exames que determinam a admissão ou o avanço para novos níveis de ensino e instituições, são lançadas ao desarranjo quando as escolas fecham. Estratégias para adiar, evitar ou administrar exames à distância levantam sérias preocupações sobre a equidade, especialmente quando o acesso à aprendizagem se torna variável. As interrupções das avaliações resultam em stress para os estudantes e as suas famílias e podem desencadear o desinteresse.

Mas tudo isso interessa? O Presidente quer o fecho, os médicos querem o fecho, o povo quer o fecho: portanto que se feche e que os jovens aprendam a desenrascar-se.

 

Ipse dixit.

15 Replies to “Novo estudo: confinamento inútil, até perigoso”

  1. Como já tive oportunidade de referir, a prisão domiciliária dos cidadãos (denominada de «confinamento»), é infundada e não possui evidência médica e científica, pois nunca na História da Humanidade se isolou a população saudável para combater uma doença.

    No entanto, estes confinamentos são um excelente método para impedir que os cidadãos Portugueses contestem as más políticas que têm vindo a ser praticadas pelo Governo e a Presidência, pois isso provavelmente levaria à demissão do primeiro.

    Em Itália acho que nem o confinamento evitará a queda do Governo chefiado pelo sr. Conte, mas posso estar enganado, e a propósito, já repararam na escassez de notícias sobre a presente crise política nesse país?

    Max, qual o ponto de situação?

  2. Cidadãos levariam a demissão do governo? É muita ingenuidade! Quem derruba governos são os meios de comunicação, ou seja, a propaganda de massas, que instigam e manipulam a ratatulha a fazer o trabalho sujo.

  3. Vocês dois não aprenderam nada em todos estes anos de Blog? Não há governos, há equipes que trabalham para o regime. entendam isso de uma vez por todas. Tudo não passa de teatro.

        1. Será mesmo “sorte” estratificar o “verdadeiro poder” exclusivamente entre forças liberais, conservadoras, sionistas e vaticanas? Será que não há um poder acima que direcione ideologicamente as mais variadas interações entre estas forças e outras de grandezas similares?
          Antes de identifica-lo, precisa-se entender minimamente o que move primariamente o verdadeiro poder.
          E para isso é necessário identificar que as elites desde a antiguidade se formaram sob uma mesma lógica.
          Poucos dominando muitos. Entre os poucos (elites) os conflitos sempre foram equacionados por tratados/acordos, mesmo que para isso, morressem milhares e até milhões de buchas de canhão (utilitários). As oscilações do verdadeiro poder jamais deixaram de estar na órbita das elites.
          Ocorre que houve um processo longo e lento (e que não tem como periodizar) de depuração entre essas elites, onde um segmento ascendeu constantemente através de meios quase imperceptíveis pelas gerações posteriores, sob vários rótulos (como burgueses, liberais, protestantes, republicanos, libertadores, democratas, capitalistas, etc) e que interage entre todas as forças destacadas nas matérias reproduzidas pelo blog, assim como em outras tantas ali desprezadas.
          E para desacreditar um qualquer entendimento maior foi criado já no séc. 20 um slogan sarcástico: “Teoria da conspiração”, onde todo desenvolvimento que buscasse demonstrar tal lógica, era de pronto desqualificado. E para ajudar neste desacreditar foram difundidas amplamente teorias esdrúxulas e cuja visibilidade prevaleceram de longe em relação a qualquer tentativa mais fundamentada.

  4. Está lançado um desafio a todos sábios do blog. Deixar de identificar algo abstrato como um tal “regime” e tentar expor um organograma por mais sintético que seja dos cordeis que os conduzem.

      1. O conteúdo citado tem seu valor, mas baseia-se numa única fonte, ignora elites chinesas e se contradiz em alguns aspectos. Se atentar para vários comentários pertinentes as essas matérias perceberás muito do aqui observado.

  5. Após o primeiro confinamento, no verão passado, em conversa com uns amigos disse que outros confinamentos viriam a caminho. Eles responderam que era impossível pois o país não iria aguentar mais confinamentos. Nessa altura toda a gente dizia o mesmo, ‘o país não aguenta mais confinamentos, blá, blá, blá.’
    Chegados a este ponto, resta-me acrescentar que a seguir ao actual, virá um confinamento duro, com medidas muito mais gravosas que aquelas que estamos agora a ter, e a coisa não vai parar por aí, é para continuar. Não tenho jeito nenhum para adivinhar, mas sei somar dois mais dois.
    Os governos estão a seguir um guião internacional, parece óbvio, e que coloca os políticos (não governantes) que ocuparam os lugares de governação, no papel de lacaios do tal poder supranacional, que manda nesta cangalhada toda.

  6. Tenho observado por tudo que leio, inclusive em II, que as medidas tomadas pela OMS e pelos governos, em função da “pandemia” não tem nada a ver com ela, e se tiver, trata-se de dar uma forcinha para a doença.
    Esse fechamento das pessoas saudáveis em casa, é certo que facilita muitas doenças inclusive esta gripe. Portas e janelas fechadas, o ar saturado pela respiração de várias pessoas nunca foi medida para proteger.
    Mas, por outro lado impede a conversação boca a boca com inúmeras outras pessoas favorecendo a aceitação desta e outras medidas. Toda gente fica sujeita a “saber” pela TV e internet, mecanismos de informação tendenciosos. Os meios alternativos via internet, principalmente através de vídeos, os preferidos por gente que outrora ouvia vozes de outros, pouco pesquisam, interessados em fazer audiência, e por vezes também exageram para facilitar seus argumentos.
    O distanciamento social é um complemento que dificulta a comunicação, exacerba o medo, ambos objetivos de quem planejou todos estes comportamentos. Pessoas com medo tendem a se isolar e ver no semelhante um possível “inimigo sanitário”
    O uso de máscaras adoece pessoas, prejudica a respiração, faz com que pessoas com problemas respiratórios que necessariamente precisam de ar puro sejam prejudicadas. Quanto ao suposto vírus que não atravessa a máscara é brincadeira para crianças muito pequenas ou adultos infantilizados. Além disso deixa toda gente com caras semelhantes, sendo difícil reconhecer um amigo. mais um elemento para deixar em solidão pessoas que se deprimem, se suicidam, relações familiares que se destroem, tudo de acordo com objetivos para a “nova normalidade”.
    Os tratamentos em hospitais, rejeitam ou liberam cirurgias para muito depois, causando novas mortes para uma maioria que depende de serviços públicos. Os que podem ser tratados como a gripe do momento, por vezes são sujeitos a respiração artificial por pessoal mal equipado e mal treinado. Todos que morrem se atesta ao terrível vírus. O medo vira pânico, com estatísticas manipuladas, e acentua a corrida para o isolamento.
    Então surgem as vacinas, que farão o milagre. Mas, decepção, elas não fazem o milagre, mantém-se o isolamento, precisa-se de mais de uma dose, a validade é de 6 meses, e alguns vacinados morrem. Mas o povo continua a ser vacinado para encher os cofres de quem faz a vacina.
    E aí vem a nova sepa do vírus mais forte, que demandará novas vacinas.
    Tudo vai bem, só no mundo dos ricos, que não sofrem nada disso e para os globalistas que atingem suas metas muito mais rápido do que imaginavam. A maioria do povo é dócil e acredita em especialistas (pagos) e nas instituições (financiadas pelos donos dos planos do novo reinício).

Obrigado por participar na discussão!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: