O novo Manifesto Comunista de Xi e Pepe

Comprido artigo de Pepe Escobar dedicado à China.

Demasiado comprido. Vamos ver.

O novo Manifesto Comunista de Xi

de Pepe Escobar

Marx. Lênin. Mao. Deng. Xi.

No final da semana passada, em Pequim, o sexto plenário do Partido Comunista Chinês adoptou uma resolução histórica – apenas a terceira dos seus 100 anos de história – detalhando as principais realizações e delineando uma visão para o futuro.

Na sua essência, a resolução faz três perguntas. Como chegámos aqui? Como é que nos tornámos tão bem sucedidos? E o que aprendemos para tornar estes sucessos duradouros?

A importância desta resolução não deve ser subestimada. Transmite um facto geopolítico importante: a China está de volta. Ao mais alto nível. E a seguir o seu próprio caminho. Nenhuma quantidade de medo e ódio espalhado pelo hegemone em declínio irá mudar este caminho.

A resolução irá inevitavelmente suscitar mais do que alguns mal-entendidos. Portanto, permitam-me uma pequena desconstrução, da perspectiva de um gwailo (“ocidental” na China) que viveu entre o Oriente e o Ocidente durante os últimos 27 anos.

Se compararmos as 31 províncias da China com os 214 Estados soberanos que constituem a “comunidade internacional”, cada região chinesa registou as taxas de crescimento económico mais rápidas do mundo.

Em todo o Ocidente, os lineamentos da infame equação do crescimento da China – sem paralelo histórico – assumiram geralmente o manto de um mistério insolúvel.

O famoso “atravessar o rio sentindo as pedras”, do pequeno timoneiro Deng Xiaoping, descrito como o caminho para construir “socialismo com características chinesas”, pode ser a visão geral. Mas o diabo sempre fica nos detalhes: a maneira como os chineses aplicavam – com uma mistura de cautela e ousadia – todos os possíveis instrumentos para facilitar a transição para uma economia moderna.

O resultado – um híbrido – foi definido com um encantador oximoro: “economia de mercado comunista”. De facto, esta é a tradução prática e perfeita do lendário lema de Deng “não importa a cor do gato, desde que apanhe ratos”. E é precisamente este oximoro, de facto, que a nova resolução aprovada em Pequim celebrou na semana passada.

Made in China 2025

Mao e Deng têm sido analisados de forma exaustiva ao longo dos anos. Concentremo-nos aqui na nova marca do Papa Xi.

Logo após ser elevado ao topo do partido, Xi expôs o seu inequívoco plano geral: realizar o “sonho chinês” ou o “Renascimento” da China. Neste caso, em termos de economia política, “renascença” significava realinhar a China ao seu devido lugar numa história de pelo menos três milénios: mesmo no centro. O Reino do Meio, de facto.

Já durante o seu primeiro mandato, Xi conseguiu imprimir um novo quadro ideológico. O Partido, tal como o poder centralizado, deve orientar a economia para o que tem sido apelidado de “a nova era”. Uma formulação reducionista seria O Estado Volta a Atacar. Na realidade, a estrada é muito mais complexa.

Isto não é simplesmente uma reformulação dos padrões da economia do Estado. Não tem nada a ver com uma estrutura maoísta que capta grandes sectores da economia. Xi embarcou no que poderíamos resumir como uma forma bastante original de Capitalismo de Estado autoritário, em que o Estado é simultaneamente actor e árbitro da vida económica.

A equipa de Xi aprendeu muitas lições do Ocidente, utilizando mecanismos regulamentares e de supervisão para controlar, por exemplo, a esfera do sistema bancário-sombra. Macroeconomicamente, a expansão da dívida pública na China tem sido contida e a extensão do crédito melhor controlada. Foram necessários apenas alguns anos para Pequim estar convencida de que os principais riscos da esfera financeira estavam sob controlo.

O novo sulco económico da China foi efectivamente anunciado em 2015 através do Made in China 2025, reflectindo uma ambição centralizada de reforçar a independência económica e tecnológica do Estado. Isto teria envolvido uma séria reforma das empresas estatais algo ineficientes, uma vez que algumas se tinham tornado Estados dentro do Estado.

Em paralelo, houve uma reformulação do “papel decisivo do mercado” – com a ênfase de que a nova riqueza deveria estar disponível para o renascimento chinês, para os seus interesses estratégicos – definidos, é claro, pelo partido.

Assim, o novo acordo equivalia a transmitir uma “cultura de resultados” no sector público, associando simultaneamente o sector privado à prossecução de uma ambição nacional global. Como conseguir isto? Facilitando o papel do partido como chefe executivo e ao encorajar parcerias público-privadas.

O Estado chinês dispõe de imensos meios e recursos para corresponder às suas ambições. Pequim assegurou que estes recursos estejam disponíveis para as empresas que compreendem plenamente que têm uma missão: contribuir para o advento de uma “nova era”.

Manual para a projecção de uma potência

Não há dúvida de que a China sob Xi foi profundamente transformada em oito curtos anos. O que quer que o Ocidente liberal faça – histeria sobre o neo-Maoísmo incluída – de uma perspectiva chinesa é absolutamente irrelevante e não irá fazer descarrilar o processo.

O que precisa de ser compreendido, tanto pelo Norte como pelo Sul, é o quadro conceptual do “sonho chinês”: a ambição inabalável de Xi é que o renascimento da China possa finalmente destruir para sempre as memórias do “século da humilhação”.

A disciplina partidária – a maneira chinesa – é realmente algo a contemplar. O PCC é o único partido comunista do planeta que, graças a Deng, descobriu o segredo da acumulação de riqueza.

E isto leva-nos ao papel consagrado de Xi como um grande transformador, ao mesmo nível conceptual que Mao e Deng. Compreendeu plenamente como o Estado e o partido criaram riqueza: o passo seguinte é utilizar o partido e a riqueza como ferramentas para servir a renascença chinesa.

Nada, nem mesmo uma guerra nuclear, desviará Xi e a liderança de Pequim deste caminho. Conceberam também um mecanismo – e um slogan – para a nova projecção da potência: a Belt and Road Initiative (BRI), originalmente One Belt, One Road (OBOR).

Em 2017, o BRI foi incorporado nos estatutos do partido. Mesmo considerando o ângulo “perdido na tradução”, não existe uma definição linear e ocidentalizada para o BRI.

O BRI está espalhado por muitos níveis sobrepostos. Começou com uma série de investimentos que facilitaram o fornecimento de matérias-primas à China.

Depois veio o investimento em infra-estruturas de transporte e conectividade, com todos os seus nós e hubs como Khorgos na fronteira China-Kazakh. O Corredor Económico China-Paquistão (CPEC), anunciado em 2013, simbolizava a simbiose destas duas vias de investimento.

O passo seguinte foi transformar os centros logísticos em zonas económicas integradas, por exemplo, a HP baseada em Chongjing que exporta os seus produtos para os Países Baixos através de uma rede ferroviária BRI. Depois vieram as Digital Silk Roads – 5G e AI – e as Health Silk Roads ligadas à Covid.

O que é certo é que todos estes caminhos levam a Pequim. Funcionam como corredores económicos, bem como rotas de energia suave, “vendendo” à maneira chinesa, especialmente no Sul global.

Comércio, não guerra

Comércio, não guerra: este seria o lema de uma Pax Chinesa sob Xi. É crucial que Pequim não pretenda substituir a Pax Americana, que sempre se baseou na variante da diplomacia das canhoneiras do Pentágono.

A declaração veio reforçar veladamente a ideia de que Pequim não está interessada em tornar-se uma nova potência hegemónica. O que importa acima de tudo é eliminar quaisquer possíveis restrições que o mundo exterior possa impor às suas decisões internas, e especialmente à sua própria estrutura política única.

O Ocidente pode embarcar numa histeria adequada a tudo, desde o Tibete e Hong Kong até Xinjiang e Taiwan. Nada vai mudar.

Em suma, foi assim que o “socialismo com características chinesas” – um sistema económico único e em constante mudança – chegou à era tecno-feudalista relacionada com a Covid. Mas ninguém sabe quanto tempo o sistema irá durar e sob que forma mutante.

Corrupção, dívida – triplicou em dez anos – lutas políticas internas – nada disto desapareceu na China. Para atingir um crescimento anual de 5%, a China teria de recuperar um crescimento da produtividade comparável aos tempos vertiginosos dos anos ’80 e ’90, mas isto não acontecerá porque uma diminuição do crescimento é acompanhada por uma diminuição paralela da produtividade.

Uma nota final sobre a terminologia. O PCC é sempre extremamente preciso. Os dois predecessores de Xi abraçaram “perspectivas” ou “visões”. Deng escreveu “teoria”. Mas apenas Mao foi creditado com “pensamento”. A “nova era” viu agora Xi, para todos os efeitos práticos, elevado ao estatuto de “pensamento” – e parte da constituição do estado de civilização.

É por isso que a resolução do partido da semana passada em Pequim poderia ser interpretada como o Novo Manifesto Comunista. E o seu autor principal é, sem sombra de dúvida, Xi Jinping. Se o manifesto for o mapa ideal para uma sociedade mais rica, melhor educada e infinitamente mais complexa do que no tempo de Deng, todas as apostas estão canceladas.

 

Raramente li um artigo tão vazio. Após ter passado os últimos 27 anos entre Oriente e Ocidente, Pepe Escobar descobriu que na China existe o Capitalismo de Estado; e que este é gerido pelo local Partido Comunista. Espantoso.

Mas a maravilha não pára por aqui: o partido antes importou matérias primas, depois construiu as infraestruturas. Isso dá tonturas. E agora temos a criação duma via comercial, a Belt and Road Initiative (BRI). É demais. Só um génio como Xi poderia ter imaginado algo assim. Porque Xi é um génio, disso o bom Pepe não tem dúvida.

Neste Paraíso chinês pode haver um pouco de corrupção, uma dívida que dispara, um controle obsessivo da população, direitos civis atirados para o lixo; até pode haver regiões de bandidos que não concordam com o “pensamento”, como o Tibete. Mas importa? Não, porque o magnífico Xi tem um novo plano, um renascimento cujo lema central deixa-nos pasmados e pode ser resumido desta forma: “mais do mesmo”.

Ah, esperem, falta algo. Pois é: a China não faz guerras (“ainda não”, seria melhor dizer). Limita-se a manter artificialmente baixo o valor da sua moeda e invade os outros Países com bens produzidos com mão de obra paga em feijões, o que obriga as empresas ocidentais a mudar-se para o Terceiro Mundo (ou para a China) ou a fechar. As lojas, que não podem mudar-se, fecham directamente. Dói mais uma bala de canhão? Não, é só mais imediata.

Que fique claro: não há nada de mal em apaixonar-se por um País e em adorar o seu líder. É uma questão de escolha pessoal, portanto é lícito. Agora, tentar passar este como “jornalismo” é triste. Ocultar os inúmeros aspectos negativos (sempre presentes em todos os sistemas políticos e/ou económicos, sem excepções) para enaltecer só os positivos é mesquinho. Casar um modelo económico só porque é gerido por “comunistas” (mas sempre Capitalismo é), depois de ter passado boa parte da vida a cuspir contra isso, é deprimente.

Lamento, mas ou o bom Pepe torna a fazer o que sabe fazer ou então não vou aborrecer mais os Leitores com ele.

 

Ipse dixit.

7 Replies to “O novo Manifesto Comunista de Xi e Pepe”

  1. É triste fazer passar isto por jornalismo ? Pois é …estamos de acordo. Então porque razão foi colocado no blog ? É alguma experiência sadomasoquista ?

  2. Olá P.Lopes!

    A resposta é simples:

    “O Senhor sorriu para os seus discípulos e sentou-se debaixo de uma oliveira. E eis que uma ovelha perdida se aproximou pela direita. O Senhor olhou para ela com amor e acariciou-a. E eis que outra ovelha perdida se aproximou pela esquerda. O Senhor olhou para ela com amor e deu-lhe um murro na cabeça.
    – Senhor! – gritaram os discípulos, -por que maltratais esta doce ovelha perdida? Porque não a acaricias como a outra?
    Ele respondeu: – Em verdade, em verdade vos digo: bendito é aquele a quem são mostrados os dois exemplos, o bom e o mau, pois ele aprenderá a distinguir e a escolher o caminho do Pai.
    – O pai da ovelha?
    – Não, o Pai que está no céu.
    – A ovelha tem um pai no céu? Uma ovelha voadora? – E todos os discípulos olharam para cima.
    Então o Senhor disse: – Pai, Pai, por que me abandonaste?”
    (João, 1+1, = 2)

    1. Meu caro Max, quando alguém começa uma resposta com a frase ” a resposta é simples” e a seguir escreve uma longa parábola para se justificar … no mínimo a resposta não convence. Não compreendo a obsessão de colar propaganda política travestida de jornalismo… parece um esforço para agradar a alguém … Porque é que alguém como tu que sozinho consegue escrever dos melhores artigos que já li até hoje , e estou a falar muito sério ! Cai na tentação de regularmente colar propaganda dissimulada ? Tu tens noção que com isto estás a assassinar o teu próprio blog ? Mas , em verdade em verdade vos digo : É o teu blog e podes fazer com ele o que muito bem entenderes .

      1. Olá P.Lopes!

        Sintetizando: se partilho artigos de Esquerda faço propaganda de Esquerda; se critico artigos de Esquerda faço propaganda de Esquerda. Imagino que não publicar nada de Esquerda seria também uma subtil maneira de fazer propaganda de Esquerda.

        Mas há pior: P.Lopes ridiculariza as parábolas de Nosso Senhor. E aqui não há emenda possível.

  3. Olá Max e todos:
    Acompanho o Pepe desde que ele escrevia na página cultural da Folha de São Paulo, isto é, lá se vão 40 anos.
    Desse tempo todo uns bons dois terços conheci um jornalista exemplar: inteligente, culto, avançado.
    O último terço o Pepe degringolou. Observo que ele escreve para dizer nada. Infelizmente não é o único.
    A fotografia última que vi dele pareceu-me uma pessoa doente: rosto inchado, olhos sem brilho. Algo aconteceu, e eu lamento profundamente. Nos vídeos até os gestos são diferentes, conforme a plateia, que parece ele pretende agradar.
    É como ele tivesse perdido o brilho e a inteligência do pesquisador, e quisesse se apegar à fama.
    Lamento inclusive porque perdemos nós, todos os seus leitores.
    Quanto à China, não nego a competência dos líderes em ter tirado milhões (dizem que são 800 milhões) da miséria, mas não acredito nas formas que têm sido utilizadas para tal.
    Enfim, mais um império que ressurge das cinzas e provavelmente substituirá o império do norte em decadência.
    Eu não diria sem guerras, mas a guerra de conquista de outra maneira, mais inteligente. Os chineses são mesmo pacientes e perspicazes. Não vai ser fácil nos livrarmo-nos dos seus mecanismos de dominação.

    1. Olá Maria, é verdade
      As vezes acompanho as lives que ele faz no Brasil 247 (acho que é esse nome) e realmente é espantoso como ignora todos os defeitos e problemas da China e apenas exalta os do EUA mas o inverso não acontece, na verdade ocorre mas muito raramente. As vezes acho que ele realmente acredita no “sonho” de um mundo igualitário que o comunismo Chinês vende, as vezes penso que ele fala o que fala porque é o que seus leitores, ouvintes e patrocinadores querem ouvir, mas são apenas conjecturas.

      obs: Escrevi que raramente fala bem dos EUA porque me lembrei que em uma live ele disse que o Trump não entrou em nenhuma guerra o que gerou revolta de uma parcela dos espectadores (pois o canal e a maioria esmagadora de seus telespectadores são esquerdistas) que rapidamente o taxaram de trumpista.

Obrigado por participar na discussão!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: