Pfizer: receitas em alta com a vacina (78 / 80 mil milhões de Dólares)

Boas notícias para todos os adeptos das casas farmacêuticas: as impressionantes vendas da vacina anti-Covid ajudaram a Pfizer a quase duplicar as suas receitas no segundo trimestre deste ano e a aumentar os lucros em 59%, superando as projecções de Wall Street e levando o gigante farmacêutico a rever dramaticamente em alta as previsões de vendas e lucros para 2021.

Durante uma conferência sobre o assunto, no passado dia 28 de Julho, a Pfizer disse aos investidores que tinha aumentado a sua projecção das receitas que agora espera se situe entre os 78 mil milhões e os 80 mil milhões de Dólares. Destas, as receitas provenientes apenas da vacina anti-Covid deverão atingir 33.5 mil milhões de Dólares, um aumento de 29% em relação aos 26 mil milhões de Dólares anteriormente estimados. E são boas notícias, sem dúvida.

A nova previsão de lucros ainda não inclui o contrato assinado na semana passada com a Administração ZomBiden para o fornecimento de 200 milhões de doses adicionais aos EUA.

Um funcionário da Casa Branca disse na semana passada à CNN:

O governo federal está a exercer uma opção no seu contrato com a Pfizer para comprar 200 milhões de doses de vacina Pfizer a serem entregues entre o Outono de 2021 e a Primavera de 2022 para se preparar para futuras necessidades de vacinação, incluindo vacinas para crianças com menos de 12 anos e possíveis doses de reforço se os estudos mostrarem que forem necessárias.

E serão necessárias, tranquilos, mesmo que o vírus desapareça por completo. E mesmo após a subida dos preços: se antes cada dosa era vendida em troca de 19.50 Dólares, agora são necessários 24 Dólares. A razão? Explica a Pfizer:

O preço desta encomenda representa o investimento adicional necessário para fabricar, embalar e entregar novas formulações da vacina, bem como o aumento dos custos associados à entrega da vacina em embalagens mais pequenas para facilitar a entrega em locais de fornecedores individuais, incluindo pediatras.

Com certeza, um aumento de 5 Dólares cada dose, deve ser culpa das embalagens mais pequenas. Malditos pediatras, são eles que arruínam a sociedade. Pena que já em Março a empresa declarou que tinha planeado aumentar o preço assim que a pandemia baixasse e a sociedade não estivesse mais num “ambiente de preços pandémico”. Pelo visto, a pandemia baixou e agora é possível aumentar as margens de lucro, com ou sem as embalagens pequenas dos pediatras. Justo assim, é “o mercado que funciona”.

A vacina anti-Covid está actualmente em vias de tornar-se o medicamento mais vendido no mundo de todos os tempos, sobretudo agora que as farmacêuticas estão a pressionar para a administração duma terceira dose.

A Pfixer acredita que “é provável que seja necessário um terceiro reforço dentro de 6-12 meses após a vacinação completa para manter os mais altos níveis de protecção, e estão em curso estudos para avaliar a segurança e a imunogenicidade da terceira dose”. Sempre a Pfizer afirma ter novos dados que mostram que a terceira dose da vacina aumenta significativamente os níveis de anticorpos contra a variante Delta.

A ideia é simples: mais anticorpos = mais protecção. E isso apesar dos epidemiologistas salientaram que níveis mais elevados de anticorpos não equivalem a uma maior protecção porque além da “quantidade” é preciso ter em conta a “qualidade”: para que ter o corpo cheio de anticorpos se depois estes não são eficazes contra as novas variantes? Além de que, como afirma David Dowdy, epidemiologista de doenças infecciosas da Johns Hopkins, se as duas doses da Pfizer são eficazes contra a variante Delta, só porque uma terceira dose significa mais anticorpos não significa que seja necessário.

Bla, bla , bla… estas pessoas têm um horizonte limitado e bem fizeram os executivos da Pfizer a reunir-se em privado com cientistas e reguladores norte-americanos no passado dia 12 de Julho para pressionar a aprovação antecipada das vacinas de reforço sem assim e ameaçar o fluxo de receitas multibilionárias do gigante farmacêutico.

Durante a citada videoconferência, a Pfizer também anunciou planos para lançar um estudo de imunogenicidade e segurança e avaliar uma versão actualizada da sua vacina. A nova versão foi especificamente concebida para visar a variante Delta (mas não era já visada pela actual vacina?), que aguarda a aprovação.

Doutro lado, como a mesma empresa afirmou no começo do ano, a Pfizer não apenas poderia obter lucros significativos cobrando preços mais elevados (algo que já começou a fazer) mas também implementando doses de reforço de rotina para novas variantes do vírus, assegurando aos investidores que a empresa não via isto como um evento ocasional mas “como algo que continuará no futuro previsível”.

No detalhe, eis o que pensa a Pfizer (pág. 4 do encontro com os investidores do passado dia 11 de Março de 2021):

we believe it’s becoming increasingly likely that an annual revaccination is going to take place. And we believe that, that’s going to take place for the foreseeable future, most likely a single dose, but that’s what we see based on what we’ve seen to date. S so we don’t see this as a onetime event, but we see this as something that’s going to continue for the foreseeable future.

“acreditamos que se está a tornar cada vez mais provável que uma revacinação anual venha a ter lugar. E acreditamos que isso vai acontecer num futuro previsível, muito provavelmente numa dose única, mas é isso que vemos com base no que vimos até à data. Por isso não vemos isto como um evento único, mas como algo que vai continuar num futuro previsível.”

Entendido o joguinho? Lembram-se da ideia segundo a qual são as vacinas a criar as variantes? Ora bem.

E as crianças? Pois é, as crianças. Podemos deixar que estes seres subdesenvolvidos escapem às leis do mercado? Mesmo que não estejam vulneráveis aos piores efeitos do vírus? Claro que não. É por esta razão que, até ao final de Setembro, os testes a voluntários com idades compreendidas entre os 5 e os 11 anos irão produz os dados de segurança e eficácia necessários para se candidatarem como remédio para esse grupo etário. Obviamente, a seguir os testes a crianças com idades compreendidas entre os 6 meses e os 5 anos.

Não encontrei nada acerca dos testes para os bebes abaixo dos 6 meses, mas com certeza que na Pfizer alguém já pensou nisso, apesar de nenhuma vacina anti-Covid ter ainda recebido a aprovação dos EUA para crianças com menos de 12 anos de idade. Mas é só uma questão de tempo.

 

Ipse dixit.

7 Replies to “Pfizer: receitas em alta com a vacina (78 / 80 mil milhões de Dólares)”

  1. O que está em cima da mesa, é só uma questão de dinheiro?
    Alguém aqui já mudou de opinião sobre o propósitos das vacinas?

  2. Não é só o dinheiro ( lucro) em si, mas o assegurar do seu constante fluxo.
    Esse permitirá a já referida “mudança dos trilhões”. Um novo mercado, um novo paradigma de gestão da saúde pública, modelado para uma economia circular de investimento e desenvolvimento do produto, sua disseminação com retorno assegurado para reinvestimento, etc, etc.
    Execução futura, através da implementação do que passo a denominar de SO “iSickMan” (esta tem direitos de autor ok), abreviatura de interconnected sickness management… como já aqui referi, tratar-se-á da substituição do nosso sistema imunológico natural por um sistema operativo biotecnológico, concebido também com finalidades de controlo populacional e comportamental.
    Até lá, estamos na fase da criação artificial do mercado, da demanda por esse produto, através da destruição progressiva do sistema imunitário natural. Os mais fracos serão eliminados no processo, considerados á priori como não essenciais, as referidas ” bocas inutéis”, efeitos colaterais previstos e desejados. A vasta maioria, adaptar-se-á biologicamente ao produto, uns melhor outros pior, mas sempre dependentes dos seus “upgrades” e “patches” para uma “vida normal” até ao momento em que se tornarem “dispensáveis” (por quaisquer razões), momento em que serão “desligados”.

    Hoje é o tempo das ações de protesto, pacifícas q.b. e em defesa das constituições républicanas, em busca da justiça através das instituições criadas para o efeito (TPI, etc), em busca da inversão e responsabilização das ações promovidas pela oligarquia tecnocrata, fascista e feudalista.
    Amanhã será outro tempo, caso o atual termine sem resolução apropriada.
    Convém mentalizarmo-nos, talvez prepararmo-nos para tal possibilidade.

    P.S. Coloquei um post num outro artigo, o qual continha uns links. Não entrou.
    Subsistem problemas com links?

    1. Olá alfbber!

      E peço desculpa pelo atraso na resposta, estes dias estão cheios.

      O problema com os comentários é o seguinte: para evitar spam (que infelizmente abunda), cada artigo pode ter no máximo dois links. Quando um comentário tiver três ou mais links, automaticamente fica retido para avaliação. Dado que neste período o tempo é pouco, não vou todos os dias a controlar a caixa de entrada com relativos comentários em suspenso. Mas isso dura até o dia das eleições, depois volta tudo à normalidade com caixa de entrada controlada diariamente.

      O problema dos links é dado pelo facto que a internet está cheia de pessoas que querem sacar dinheiro aos outros ocupando indevidamente o espaço com comentários enganoso repletos de ligações. Um clássico é o fulano X que recomenda o professor Y dono duma cura milagrosa que consegue derrotar câncer, AIDS e outras doenças. Mas há também “Como fazer dinheiro com o sito offline” e o imortal “Sou um advogado e informo-o que você tornou-se titular da maioria das acções da empresa petrolífera nigeriana XYZ….”. É precisa paciência.

  3. Bingo, alfbber! Em poucas palavras resumiu-se tudo.
    Quanto ao artigo a justificação de Mais anticorpos= Mais protecção, esbarra numa simples abordagem: se uma pessoa infectada necessita de elevada quantidade de anticorpos pressumindo a necessidade da quantidade pela quantidade também de “virus” dentro do corpo, e sendo assim porque não uma autopsia para procurar o dito bicho que pelos vistos ainda ninguém o isolou? Estamos a falar de fantasmas?
    É incrivel como o Deus Dinheiro consegue impor-se a tudo e todos, mesmo sobre livros que estão nas bibliotecas, pois bastaria uma simples pesquisa dos estudos pre-pandemia sobre o uso das máscaras em ambiente hospitalar e seus problemas, da consulta dos manuais escolares da disciplina de Biologia sobre Sistema imunitário (imunidade inata, Imunidade adquirida e MEMÓRIA IMUNOLÓGICA) para ficar bem esclarecidos (no Youtube tem inumeras aulas do assunto).
    A ciência silenciada perdeu toda a credibilidade por imposições ideológicas capitalistas e, “peritos” e “especialistas” que debitam conforme a conta bancária. E isso irá traçar o único rumo à humanidade: a Estupidez de Rebanho.
    Se a publicação de links não funcionar pesquisar pelo que está abaixo:
    https://www.gavi.org/vaccineswork/natural-immunity-covid-19-may-be-long-lasting
    “Until now, we didn’t know how long immunity after infection with COVID-19 would last – new research suggests it could be long-lasting.”
    https://www.cidrap.umn.edu/news-perspective/2008/08/researchers-find-long-lived-immunity-1918-pandemic-virus
    “researchers find long-lived immunity to 1918 pandemic virus”
    e
    Fica o “Quiz” alguém sabe responder que medicamento atribuiu o Premio Nobel da Medicina em 2015? Alguém?

  4. Presumo que te refiras a Sr.ª Tu Youyou e à sua descoberta da artemisinina e derivados no tratamento da malária. O contexto para o tratamento da covid19 é direto, pois a artemisinina veio substituir a cloroquina no tratamento da malária devido à resistência criada pelos parasitas a esta última ao longo do tempo. Logo, se a cloroquina deu resultados positivos no tratamento da covid19, seria de esperar que a artemisinina também o fizesse (de alguma forma).
    O facto de Madagáscar ter implementado um tratamento à base na artemisinina e ter apresentado resultados muito bons, recusando-se desde sempre a aceitar as directivas da OMS, adicionado ao facto do seu presidente ter sido alvo de uma tentativa de assassinato, à semelhança de outras infelizmente bem sucedidas a seus congéneres, bem como a imediata e contínua vilipendiação pela MSM de mais esta solução de tratamento, diz-nos tudo (minha opinião) o que efetivamente precisamos saber sobre a eficácia desta substância.

    Info para o pessoal: Artemisia annua, planta donde se extrai a artemisinina, é muito usada na medicina tradicional chinesa, onde é conhecida como Qing Hao. É habitualmente utilizada para tratar febres de doenças associadas a parasitas, onde se inclui também a tuberculose e daí o seu uso na malária, possuindo propriedades antibacterianas e antifúngicas.
    Os tratamentos contendo artemisinina (ou derivados), são chamados de terapias de artemisinina-combinação (ACTs) e passaram a constituir tratamento padrão para o combate à malária.

  5. Olá Max e todos: às vezes eu deliro e tento arranjar um raciocínio que aproxime a realidade da minha vontade.
    Felizmente II logo me acorda, e eu retorno à realidade. São fatores demais, minuciosamente planejados por quem pensa o mundo aos seus interesses e faz acontecer.
    Max, Alfbber e Yin e Yang, todos estão plenos de razão.
    Acrescento este artigo abaixo:
    https://resistir.info/pandemia/vighi_16ago21.html; Uma profecia auto- cumprida, como título.
    Será que, tirando os 0,0001 % estamos todos condenados à prisão, agora titulada confinamento ?
    Essa ideia me apavora. Então os desenvolvimento tecnológico de séculos, que possibilitava os deslocamentos viáveis pelo planeta, devo ser levada a crer que não eram para nós, simples mortais! Estamos condenados a nos comunicar somente através desta porcaria de telinha ? E o abraço corpo a corpo deixará de ser necessário?
    Então o melhor dos mundos para nós será esta prisão, e para aqueles dispensáveis entre nós, a fome, a miséria, a vacina que os fará extinguir.
    É esse o futuro, quem sabe o presente…não consigo aceitar isso.

Obrigado por participar na discussão!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: