2021: o novo fim do mundo (com messias novinho em folha!)

Mais um fim do mundo. De vez em quando merecemos um: Nibiru, 2012, Elenin, etc. Desta vez alguns estudiosos afirmam que foi descoberto um código bíblico oculto, que conteria uma profecia iminente sobre o “fim do mundo” em 2021 (ou melhor, sobre o fim do actual sistema-mundo). E no coração desses códigos, escreve Henry Holloway no site inglês Keep The Faith, haveria também as inevitáveis previsões de Nostradamus, que nunca pode faltar. Sempre em 2021 a vinda do messias judeu. Nada menos.

A exegese bíblica tende a “desmantelar” o carácter profético do Antigo Testamento, demonstrando – com base na datação dos textos – que são invariavelmente profecias falsas, escritas pós-evento ou até manipuladas (muitas vezes com uma tradução errada). Mas não faltam os que estão prontos para ver, naqueles versos, também acontecimentos recentes, como a tragédia da Shoah ou mesmo os ataques de 11 de Setembro e a eleição de Donald Trump para a Casa Branca.

Neste caso, a chave para descodificar as mensagens encriptadas seria a ghematric-cabalistic, que permite reconstruir qualquer conteúdo escondido atribuindo valores numéricos precisos a cada palavra, ou melhor, a cada individual letra hebraica. Depois é só saltitar em diagonal pelo texto todo: com sorte é possível conseguir palavras com sentido.

A fazer manchetes, também no YouTube, é um venerável rabino, Matityahu Glazerson (aqui uma versão em espanhol, neste link o canal do rabino com todas as “descobertas”), segundo o qual a própria Torah (lida através da nova metodologia) revelaria o que está prestes a acontecer. “Usando o algoritmo de computador”, escreve Holloway, “o rabino Matityahu Glazerson afirma que o ‘fim dos tempos’ está marcado para 2021, após uma ‘contagem decrescente’ que começou em 2016”. Começou uma contagem regressiva? E ninguém avisou? Mau…

“O fim dos dias, para o judaísmo, anuncia a vinda do messias judeu que irá inaugurar o reino de Deus: ele irá governar durante a Era Messiânica, que verá o fim do mundo tal como o conhecemos”. Para o rabino, a fonte “reveladora” seria o Livro do Levítico. O testemunho de Glazerson foi também capturado no documentário Torah Codes dirigido pelo recentemente falecido Richard Shaw (podem procurar no Youtube a expressão “Torah Codes Richard Shaw”, material em inglês não falta): “O texto bíblico quase parece um código informático por causa da forma como foi escrito”, disse o cineasta. “Com os computadores de hoje, podemos descodificar alguns dos seus mistérios”.

Se o tal código misterioso tivesse sido descoberto, então seria simples apresentar outras profecias além daquela do “fim do mundo” e da vinda do messias. E de facto no artigo Holloway há uma: o Irão irá desenvolver a bomba atómica. Wow… ficamos boquiabertos: quem poderia ter imaginado? Só um código oculto na Bíblia.

A profecia principal, no entanto, é aquela acerca do tal Messias que, nas palavras do rabino, “acabará e queimará os inimigos de Israel”. Praticamente a maior parte da humanidade. “E então a paz e o sossego virão para o mundo inteiro”. Óbvio, já não estaria aqui quase ninguém…

Mas donde poderia surgir este messias? Não sabemos ao certo, mas um influente grupo israelita, o Regavim, que considera como iminente o aparecimento do “salvador do povo judeu”, denunciou a autarquia de Jerusalém após a descoberta de túneis e escavações (não autorizadas, segundo o Regavim) entre o subsolo da Igreja Católica da Dormição de Maria e o Monte Sião, onde estariam guardadas as relíquias de David, o lendário governante bíblico. A acusação é incrível: alguém gostaria de “clonar” os restos de David para “fabricar” geneticamente um novo messias.

Como afirmado antes, a Bíblia não apresenta profecias. No limite poderia ser discutida a Apocalipse de S. João que, todavia, é um texto excepcionalmente complexo, altamente simbólico e que, em boa parte, trata de acontecimentos da altura (I – II séc. d. C.). No Antigo Testamento nada de profecias. Porque não era aquela a função da Bíblia, sobretudo da versão mais antiga.

O Antigo Testamento é um relato, cujo papel é lembrar aos fieis (judaicos mas também cristãos e islâmicos) a Aliança entre o povo escolhido e o “deus” chamado Jeová. Mas a Aliança não era a primeira do género assim como Jeová não era o primeiro “Deus”: já tinha havido uma aliança mais antiga e mais importante porque estipulada entre o “Deus dos Deuses” e povo que “trouxe” a civilização entre a espécie humana. É esta aliança original que (em parte) está na base da Grande Obra; é nela que podemos encontrar as origens da União Europeia, por exemplo.

É por esta razão que é um erro ver como motor do mundo a “conspiração judaica” ou, ainda pior, aquela sionista. Que existem, sem dúvida, mas que não são determinantes, não tendo todo aquele poder que seria necessário para governar os destinos do planeta ao longo de milénios.

Portanto, este novo “fim do mundo” com tanto de messias incluído tem o mesmo valor dum Nibiru, duma profecia Maya ou dum cometa Elenin: bons para encher as páginas da informação alternativa e do Youtube, mas nada mais. A verdade é um pouco diferente e fala dum mundo inteiro sob o domínio da hipnose da emergência da Covid, utilizada para devastar a economia e suspender a democracia.

 

Ipse dixit.

5 Replies to “2021: o novo fim do mundo (com messias novinho em folha!)”

  1. A sério Max ? E tu das-te ao trabalho de comentar isso ? Sinceramente … o que vais fazer a seguir aqui no blog? Indicar aulas para fazer bordados ? Ok mas já que falas-te nisso, poderemos ver algo de racional em toda esta irracionalidade ?
    Acho que sim, existe um padrão de comportamentos dominantes que apelam e induzem constantemente ao “medo colectivo” , o qual esta a a subir ate niveis que ha 2 anos atraz julguei que nao fosse possivel, e perante isto apenas posso concluir que …continuara a subir .
    Se convenceres um individuo que o vais matar a ele e a toda a sua familia; se o mantiveres nesse estado de sofrimento durante muito tempo… e no fim nao matares ninguem e apenas o expropriares de todos os seus bens … Não so ele ficara feliz como ainda te vai agradecer .
    Ou seja, como dizia o tal slogan … não teras nada mas seras feliz !!! Aleluia !!!

    1. Aula para fazer bordados… olha, não tinha pensado nisso!

      Na verdade I.I. sempre seguiu as chegadas dos fins do mundo, não é novidade nenhuma. Como disse: Nibiru, 2012, Elonin… tudo pode ser encontrado nestas páginas E acho ser assunto interessante: há milénios que o Homem vê chegar o fim dos tempos, em particular quando os tempos são difíceis. Há pessoas que vêem “sinais”, como por exemplo “a marca da Besta” interpretada como o chip subcutâneo, quando na verdade representava bem outra coisa. Tudo isso tem um nome: chama-se “medo”, chama-se impossibilidade de entender o que se está a passar, qual o fim.

      Neste caso há também a Bíblia, argumento que sempre me fascina e que continuo a seguir com extremo interesse, apesar de nada publicar. Por isso o artigo contém um discurso só acenado, para ver o eventual interesse dos Leitores.

      Mas agora surgiu a ideia dos bordados e pensando bem…

  2. Max digito aqui do Brasil… no intrrior do estado do Ceará…acompanho o II como leitor há tempos idos. É uma referência e fonte de ricas leituras. Meu abraço a todos. Carlos Jarbas

    1. Muito obrigado Carlos!

      Como digo: não é preciso concordar com o blogueiro, seja bem vinda a discussão; mas de vez em quando um boa palavra é um bom remédio também 🙂

      Obrigado!!!

  3. Olá Max: demonstrar como as previsões apontadas para determinar o fim do mundo são motivos de riso , e não de pânico, me parece importante. Como importante considero toda forma de desmontar as razões do medo.
    Elenin e Covid, tudo a mesma charada. Quem estiver interessado em mostrar a que vem o Covid, também estará interessado em demonstrar a que vem o Elenin.
    Por outro lado está certo. 2021 é o fim do mundo mesmo por outras razões: define o ponto de virada onde a guerra híbrida com todas suas variantes não tem ponto de retorno, “desibridar” globalmente, o que significa que será permanente,l uma nova mentalidade totalmente desinformada e inerte.
    Os poucos que se salvam deste apocalipse global, temos de encontrar jeitos de viver fora do jogo de inversão da realidade, e na medida do possível influenciar o máximo possível alguns outros no sentido de criar ilhas de lucidez para produzir outro apocalipse, o principal, aquele dos que mandam.

Obrigado por participar na discussão!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: