A dívida dos Estados Unidos: o mundo é salvo (vídeo)

O tempo de leitura estimado deste artigo é de 2 minutos

Mas afinal, quem são os credores?
Os Estados Unidos têm que subir o limite da dívida para pagar quem?

Eis a resposta:

a área amarela indica dívidas governamental (4.613 bilhões de Dólares, 32.3% do total).
a área azul indica dívida privada (9.656 bilhões de Dólares, 67.7% do total).

Na área governamental encontramos as despesas para os serviços e o normal funcionamento da máquina estatal: contas do Governo, fundos do serviço social, reformas e outras.

Na área privada encontramos as dívidas nas mãos de outras entidades, domesticas e estrangeiras:
investidores privados (57,7%) assim repartidos:
investidores nacionais 26,4%
investidores estrangeiros 31,4%

Entre estes últimos, os principais são a China (8,1%), o Japão (6,4%), o Reino Unido (2,3%).

Reparem na posição da Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos: não deveria estar contabilizada na área “governamental”? Pois deveria, se não fosse privada…

O total é um espantoso 14.270 bilhões de Dólares.


No entanto, o simpático Obama anunciou o entendimento, obtido após semanas de duras negociações.
E os diários portugueses não perderam a ocasião para festejar, à moda deles, claro.

Segundo o Diário de Notícias

O compromisso obtido entre os líderes do Congresso e a Casa Branca permite o financiamento do Tesouro norte-americano em troca de um corte de despesas de mais de 2 biliões de dólares (1,38 biliões de euros) a longo prazo. 

Segundo o Expresso

O Presidente conseguiu dois pontos-chave: o teto de endividamento sobe até, pelo menos, 2,1 biliões de dólares (2100 mil milhões), sem a necessidade de novas negociações de subida até março de 2013 (quando o presidente eleito nas presidenciais de novembro de 2012 tomar posse);

Assim, Obama conseguiu uma subida do endividamento de 2,1 bilhões de Dólares enquanto foi obrigado a cortes de “mais de 2,1 bilhões”?
Mais ou menos é isso, mas a notícia poderia ser explicada melhor.

O acordo permite aumentar o limite legal de endividamento em 2,4 milhões de milhões de Dólares; em troca prometeu  cortes na despesa no valor de 2,8 milhões de milhões de Dólares nos próximos dez anos.
E o aumento de impostos sobre os mais ricos, o mesmo que os democratas tinham exigido ao início?
Puff, já não é.

Isso significa que a dívida total dos Estados Unidos pode agora atingir (legalmente) uns espantosos 16,8 bilhões de Dólares (!!!).

E, claro está, é tempo de celebration.
Barack Obama disse aos jornalistas:

[o compromisso] vai assegurar que não iremos enfrentar a mesma crise daqui a seis meses, oito meses ou 12 meses.

6, 8 ou até 12 meses? Isso significa que o simpático Obama prevê atingir o novo limite da dívida daqui a 6, 8 ou 12 meses. Epá, meus senhores, esta é uma verdadeira visão de longo prazo!

Agora todos os Americanos podem ficar descansados.
O mundo é salvo.
Até 2012.

Também nós celebramos.

Premiata Forneria Marconi, Celebration (É Festa, 1974)

Ipse dixit.

Fonte: Informazione Scorretta, US Department of Treasury, Expresso, Diário de Notícias

7 Replies to “A dívida dos Estados Unidos: o mundo é salvo (vídeo)”

  1. Olá,

    O correto é US$ 16,8 Trilhões, realmente qualquer se perderia nesta montanha de dinheiro.

    Pergunto, EXISTE este dinheiro?

    Boas férias!

    ps.: Calor aí frio de matar aqui na fronteira do Rio Grande do Sul com o Uruguai e Argentina.

  2. A única coisa que posso celebrar deste post é a existência do Grande Max no mundo virtual. Você é demais!

    E desperto, totalmente desperto. Toda essa encenação de drama mexicano para atrasar o inevitável. Aff…

    Beijão Max

  3. Não faz nenhum sentido, pelas regras da atual economia estes cortes irão piorar ainda mais a atual situação do país e ainda por cima não significa que haverá redução da dívida.
    Não faz sentido essa economia!

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: