Férias!

A partir de hoje, e ao longo do todo o mês de Agosto, Informação Incorrecta entra no modo “Poupança, Meditação e Descanso”.

Não que desapareça, mas o número de artigos será fortemente reduzido. Nalguns dias pode até não haver nada (ohhhhh!!!).

É o Verão.

Para todos os Leitores: Votos de Boas Férias!

Ah, uma última coisa: quem abandonar o próprio animal doméstico, faça o favor de morrer também. Possivelmente com bastante sofrimento e com toda a família. O ideal seria um aparatoso acidente rodoviário, com o carro em chamas.

Eu sei, é um desejo pouco cristão: paciência e ámen. 
Embora ache que um Leitor de Informação Incorrecta não faça estas coisas…

Fechem o gás, fechem as janelas, conduzam devagarinho, descansem 15 minutos a cada 2 horas de condução. Ou duas horas a cada 15 minutos de condução, é o Leitor que escolhe. Não esqueçam o protector solar.

É tudo? É.

BOAS FÉRIAS!!!

Max

13 Replies to “Férias!”

  1. É um desejo que poderia ser extensível a quem abandona,o povo,alguns princípios,etc….

    Qual carro?
    Quais férias?

    Umas caminhadas para arejar e desanuviar.

    Um abraço,
    mário

  2. Melhor notícia que já li em seu blog, não que as que você publica sejam ruins, muito pelo contrário. É que por convicção acho que todos deveriam tirar férias… Ainda que um mês seja pouco…melhor que nada!!

    Abraços e saludos ao Léo

  3. Boas férias: Max, Leo e Margarida.
    Se te sentires saudoso de informação incorrecta, que tal uma respostinha tua, do Leo ou da Guida sobre um comentário meu, seguido de uma pergunta no post a tragédia do povo hebreu? Gostaria de ter a opinião de vocês.

  4. Boas Férias Max e companhia! Eu nem sei o que é saír daqui, com cinco cães e três gatos para cuidar, daqueles que são abandonados em tempo de férias… taditos dos que eu, ou outros como eu ou você, não podem salvar… por isso boa dica a sua, para os que fazem isso!
    Boas férias!

    p.s.Aproveite para ler "A Sombra do Vento" vai ver que vai adorar.

    "Ao mudar-se para os Estados Unidos, Zafón ficou chocado com os enormes hangares cheios de livros antigos, verdadeiros tesouros, que estão virando supermercados e McDonald’s". "Noto uma destruição da memória e toda uma indústria da falsificação da história para justificar o presente", afirma ele. Essa preocupação do autor permeia a narrativa de A Sombra do Vento, ambientado em uma Barcelona ainda não atingida pela sociedade de consumo. Zafón justifica a ambientação de seu romance em meados do século "por se tratar de um momento histórico fascinante onde a cultura da banalidade ainda não estava tão desenvolvida, e onde os ideais ainda eram importantes".

    http://www.editoras.com/objetiva/604-9.htm

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: