EUA: Vacinas, Clinton, Biden…

Alguns problemas nos Estados Unidos.

Titula Zero Hedge: FDA Exec Admits Biden Planning Annual Shots, Including Toddlers (“Executivo da FDA admite que Biden está a planear inoculações anuais, mesmo para os mais pequenos”). Nenhuma surpresa, apenas uma confirmação. Mas vale a pena espreitar porque há mais do que conta o título.

Como sabemos, a FDA (Food and Drug Administration) é a agência federal dos EUA que autoriza a comercialização de medicamentos após verificação científica da sua eficácia e inocuidade. Em teoria. É também responsável pela regulação dos produtos alimentares; depende do Departamento de Saúde dos EUA e deveria representar o protótipo do organismo público “cientificamente autorizado” e incorruptível, cujas autorizações são aceites como textos sagrados e servem também como fundamenta para outras agências farmacêuticas: impossível que um medicamento autorizado pela FDA seja banido na Europa, por exemplo.

Em vez disso o executivo da FDA Christopher Cole, sem suspeitar de estar a ser gravado pelas câmara pelo Project Veritas, revela que a agência é paga pelas empresas privadas e que por isso pretende impor como política oficial as vacinações anuais contra a Covid-19:

As companhias farmacêuticas, as empresas das vacinas, as companhias alimentares, pagam-nos milhões de Dólares por ano para que os seus medicamentos e alimentos e bebidas sejam aprovados.

O vídeo, uma de duas partes duma curta série sobre a FDA, também apresenta os comentários de Cole sobre os lucros que empresas farmacêuticas como a Pfizer irão obter quando obtiverem a aprovação da vacina para uso anual:

Será uma fonte periódica de receitas para eles. Pode não ser muito no início, mas será recorrente se conseguirem obter que cada pessoas solicitadas faça uma vacina anual, é um retorno de dinheiro recorrente que vai para a empresa.

“Pode não ser muito”? Pontos de vista… Mas talvez a parte mais interessante do vídeo seja a altura em que Cole fala descaradamente sobre o impacto que uma licença de utilização de emergência tem na superação das preocupações regulamentares sobre a imposição de vacinas a crianças. Perante a pergunta “se há realmente uma emergência para as crianças”, Cole responde:

São todas aprovadas ‘com base na emergência’ só porque isso não tem o impacto legal das outras aprovações.

Definir “explosiva” esta revelação é demais, porque quem segue os acontecimentos ligados à podridão das vacinas já tinha intuído isso e não desde hoje. Mas, como afirmado, é uma “agradável” (por assim dizer…) confirmação das suspeitas, parte duma série de escândalos que os meios de comunicação oficiais dos EUA estão a tentar abafar.

O vídeo pode ser visionado na plataforma Rumble ou aqui (legendado em inglês):

“Parte” porque na terra do Tio Sam os media têm que lidar com outros problemas também.

Um é a evidência de que Hillary Clinton, quando fazia campanha contra Donald Trump, trabalhou com a sua equipa para construir material sobre os laços entre o candidato Trump e a Rússia. Mas agora sabemos que a simpática Hillalry trabalhou também com o FBI para fabricar o Russiangate. como confirma o jornalista John Solomon com base em documentos desclassificados.

Desta vez temos um podcast (sempre em inglês):

Solomon, ex-Washington Post, afirma perante os documentos:

São ordens de serviço. É o FBI sentado com um informador a dizer-lhe: ‘É assim que queremos que espie a campanha Trump’. Aqui está um cenário. Se não obtiveres algo com Carter Page passas para Mike Flynn, se não obtiveres algo de Mike Flynn passas ao George Papadopoulos… [Page, Flynn e Papadopulos foram todos apoiantes de Trump durante a campanha presidencial, ndt]. Isto é um documento de espionagem? Absolutamente, sim. É o roteiro para a vigilância.

Como responde a directa interessada, Hillary Clinton? Responde assim:

E Hillary não estava sozinha. As contas reveladas Washington Free Beacon mostram que a campanha presidencial de JoeBiden pagou à mesma empresa tecnológica que Hillary Clinton utilizou para espiar Donald Trump durante a campanha de 2016.

A campanha de Biden pagou quase 20.000 Dólares a uma empresa de cibersegurança agora no centro de investigação do consultor especial John Durham sobre as origens da investigação Trump-Rússia. Pelo que, a simpática Hillary não foi a única que recorreu aos serviços das empresas informáticas para espionar Trump. Biden fez o mesmo em 2020, quando Trump já era Presidente, utilizando a mesma agência de espionagem tecnológica, a Neustar Inc..

Quem é a Neustar Inc.? É uma empresa de informática fundada por Lockheed Martin e que trabalha com Google, Facebook, Amazon, Adobe, Twitter, Pinterest…

 

Ipse dixit.

Obrigado por participar na discussão!

This site uses User Verification plugin to reduce spam. See how your comment data is processed.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: