A triste história do Governador, de Ana, de José e do SCSS

Era uma vez um Governador que tinha que encontrar alguém que representasse a Província na capital do Reino num cargo importante: um lugar na Real Procuradoria. Um trabalho de responsabilidade: a Real Procuradoria era o órgão que combatia os crimes financeiros, a corrupção, o branqueamento de capitais… uma escolha difícil. Pelo que o sábio Governador decidiu enviar arautos para espalhar a notícia: a Província precisava dos melhores.

Nomeadamente, pedia-se que os candidatos:

  • fossem membros no activos nos serviços do ministério público ou da magistratura judicial;
  • oferecessem todas as garantias de independência;
  • tivessem as habilitações necessárias para serem nomeados para o exercício das mais altas funções judiciais e também experiência prática relevante dos sistemas jurídicos nacionais, de investigações financeiras e de cooperação judiciária em matéria penal.

Eram um pedido de relevo: poucas pessoas podiam candidatar-se. Mesmo assim, houve três candidatos, que logo foram enviados até a capital onde um painel de sábios estava à espera para avalia-los.

Após a leituras das estrelas, dos fígados de ovelhas e dos fundos do café, o painel decidiu: era Ana a melhor dos três, era ela que tinha que ser nomeada. Mas havia um problema: o Governador não gostava de Ana, preferia José. Não se sabe a razão, mas o Governador queria fortemente que fosse José o escolhido. Só que José, na avaliação dos sábios, tinha ficado em segundo lugar.

Muito triste, o Governador convocou os seus Ministros: como sair da situação? E foi aí que a Ministra da Justiça, Francisca, teve uma ideia: “Excelência”, disse Francisca, “vamos nomear José. A seguir enviamos José para a capital com uma carta onde inventamos um curriculum para demonstrar que ele é melhor do que Ana. Por exemplo; podemos inventar que José já foi Procurador-Geral Adjunto, que teve papeis importantes em julgamentos de topo…”

“Senhora Ministra!” gritou o Governador, “Está a dizer-me que temos que mentir?!?”.

“Sim”, respondeu Francisca.

“Ah, era só para perceber. Parece-me uma boa ideia: avancemos!”.

E foi assim que José foi para a capital com um curriculum falso. Só que nem todos no Reino eram parvos: a maioria sim, mas alguns ainda teimavam em usar o cérebro. E o engano foi descoberto.

Logo a Ministra Francisca admitiu alguns “lapsos“, informação “errónea” e culpou os incapazes funcionários: mas confirmou a escolha. Entretanto o Governador minimizava a coisa: “Oh, acreditem que ninguém na capital ainda fala disso: não queiram fazer mistérios onde não existem“. José, por seu lado, chorava a partir do seu novo escritório na capital: “Eu não sabia de nada, estão a pôr em causa a minha habilitação e as minhas qualidades!”.

Tarde demais: todo o Reino tinha entendido o engano. E, poucas semanas depois, o Supremo Conselho dos Sábios mais Sábios (SCSS) enviou uma carta ao Governador, exprimindo “profunda preocupação”. Dos 690 sábios reunidos, 633 votaram a favor da carta, 39 contra e 18 abstiveram-se porque tinham que ir a fazer xixí.

A carta do SCSS dizia:

O Supremo Conselho dos Sábios mais Sábios manifesta profunda preocupação com as revelações dos meios de comunicação social, segundo as quais o Governador transmitiu ao Conselho informações erróneas sobre as qualificações e a experiência do candidato classificado em segundo lugar pelo comité de selecção europeu, o que conduziu à sua nomeação para o cargo de Real Procurador.

Agora, cabe ao Leitor adivinhar qual o fim desta triste história. Há três opções disponíveis:

  1. O Governador arrependeu-se e pediu que José abdicasse do cargo e voltasse para casa. A Ministra Francisca demitiu-se voluntariamente por causa da figura triste. A candidata Ana foi nomeada para a Real Procuradoria.
  2. O Governador e a Ministra Francisca não se arrependeram, mas o SCSS, depois da profunda preocupação, decidiu afastar José do cargo.
  3. O Governador não fez nada, tal como a Ministra Francisca e o SCSS: José ainda está no cargo e continua a queixar-se.

Qual, segundo o Leitor, o possível desfecho? Já decidiu?

O Leitor escolheu o final nº 1? Isso significa que nada entende de como funciona o mundo: vive numa dimensão de pura fantasia onde o Bem triunfa sempre. Feche-se em casa, não saia, pode ser perigoso.

O Leitor escolheu o final nº 2? Isso significa que tem uma certa noção de que nem tudo está perfeito, que há podridão aqui e aí: mas, mesmo assim, continua a cultivar sonhos infantis nos quais as mais altas instituições têm coragem suficiente para fazer triunfar a Justiça. Pode sair de casa mas com cuidado.

O Leitor escolheu o final nº 3? Parabéns, acertou: entende como funciona o mundo. Mas é preciso lembrar que foi o Leitor que elegeu tanto o Governador, indirectamente a Francisca a Ministra, directamente os 690 sábios do Supremo Conselho dos Sábios mais Sábios. Pelo que: não se pode queixar.

 

Ipse dixit.

3 Replies to “A triste história do Governador, de Ana, de José e do SCSS”

  1. Boa, gostei. escolhi o 3, como era de se esperar, conforme minha mentalidade.
    Será que sou culpada ? Não voto, não elegi ninguém. Mas sou culpada, sim; não fiz o que devia ter feito.

  2. Sou culpado pelos meus actos e só pelos meus actos… a regra existencial em vigor é a do livre-arbítrio.

    Aqui pela tugalândia, em nada contribuí para a história relatada (entre outras). Pelo contrário…
    Através do voto (vários) e expressão, convencer ou influenciar, as minhas escolhas foram as de oposição.
    Acertei, claro está, nessa e em muitas outras histórias das que se sucedem por cá.
    E queixo-me, todos os dias, mesmo aos já não me podem ouvir e aos de mentes estéreis ou frias.
    Mas confesso-me desolado, pois este “Sancho” está cansado, por ver este meu povo ser o mais conformado.
    (as rimas, são para puder ainda sorrir, cá dentro de mim)

  3. Sou mais um dos estúpidos, em resultado das minhas escolhas partidárias, apesar de indirectas.

Obrigado por participar na discussão!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: