Bielorrússia: tentativa de golpe?

Era suposto ser uma “eliminação selectiva”, como aquela do General iraniano Soleimani levada a cabo no ano passado em Bagdade. A operação destinava-se a decapitar o governo da Bielorrússia, permitir um golpe e uma mudança de regime em Minsk, um País considerado demasiado ligado a Moscovo.

Correu mal: segundo as páginas de Ria.ru e Rusvesna.ru o serviço de segurança russo interceptou as comunicações e neutralizou os perpetradores do plano. A revelação veio do próprio alvo, Lukhashenko: o Presidente da Bielorrússia acusa a liderança americana de tentar matar e os seus filhos também. Lukashenko anunciou a prisão do grupo que planeava o atentado: segundo ele, o grupo está directamente ligado aos serviços de inteligência dos EUA.

Foram presos o cientista político Alexander Feduta, o líder do partido Kostusev e o advogado Yuri Zenkovich, detidos em Moscovo depois de Lukashenko ter pedido a assistência do director da FSB (o antigo KGB). Lukashenko acredita que a tarefa de o eliminar, definida pelos serviços especiais dos EUA, foi aprovada pela mais alta liderança política americana. Lukashenko disse também que, numa recente conversa com Biden, Putin levantou a questão da preparação de uma tentativa de assassinato pelos serviços especiais dos EUA contra o Presidente da Bielorrússia e os seus filhos, mas não recebeu qualquer resposta.

Segundo informações recebidas pelos parceiros bielorrussos, em conversas privadas de um dos mensageiros, Yuri Zenkovich e Alexander Feduta organizaram uma discussão presencial sobre um plano para uma rebelião armada na Bielorrússia, decidindo encontrarem-se em Moscovo com os Generais da oposição.

Sempre segundo o Presidente da Bielorrússia, depois da chegada de Zenkovich e após consultas nos Estados Unidos e na Polónia, o encontro teve lugar num dos restaurantes da capital. Durante a reunião, os conspiradores disseram aos Generais bielorrussos que para a implementação bem sucedida do plano era necessário eliminar fisicamente quase toda a liderança da república. Os conspiradores tinham um detalhado plano para o golpe, incluindo a apreensão de centros de rádio e televisão para transmitir um apelo à população, bloqueando as tropas internas e as unidades da polícia leais ao actual governo. Também estava a ser preparado um encerramento completo do sistema eléctrico da Bielorrússia para dificultar as acções das autoridades e a aplicação da lei.

O objectivo final era alterar a ordem constitucional da Bielorrússia com a abolição da presidência e a imposição na liderança do País do “Comité de Reconciliação Nacional”.

Obviamente ficamos à espera dos desenvolvimentos: esta é uma notícia que precisa de ser verificada e sobretudo confirmada por parte da Rússia. Lukashenko joga há muitos anos em várias mesas ao mesmo tempo e, depois de não ter encerrado a Bielorrússia por ordem dos sionistas e relativos aliados do FMI, acabou no topo da lista dos inimigos de Sião. Mas um golpe com a eliminação física de Lukashenko seria a luz verde para Moscovo apoderar-se a Bielorrússia que, lembramos, fica exactamente por cima da Ucrânia: 90 km de capital Kiev.

Possível que nos EUA sejam tão estúpidos? Olhando para ZomBiden a resposta poderia ser “sim”, mas sabemos que a Casa Branca conta até um certo ponto. No entanto, aconselho espreitar o que se passa na Jordânia com o artigo de Thierry Meyssan (em português): com as ovelhas distraídas pela “pandemia”, todas estas são notícias que quase desaparecem…

 

Ipse dixit.

3 Replies to “Bielorrússia: tentativa de golpe?”

  1. Grande Max,

    Promover um golpe de estado como o que aconteceu na Ucrânia garantia o gasto de recursos russos a gerir uma nova província. Não soa assim tão mal, pois favorece a narrativa da malignidade da Rússia e assim mantém o medo das pessoas. Há que entender que a verdadeira guerra é mesmo contra os súbditos. Ora esta guerra ganha-se pelo medo e com o dissipar da COVID vamos precisar rapidamente de um novo bicho-papão.

  2. Já a da Jordânia é diferente, aqui é mais uma tentativa de punição por não terem aceite os acordos de paz. Não me espantava que seja ainda o plano de Trump, mas também seguido por Biden. Trata-se só de cumprir a vontade sionista, republicanos e democratas estão quase sempre de acordo nesse ponto.

  3. Nunca vi tanta conspiração para alterar governos como nessa época de Covid. Era de se esperar.
    Enquanto o pessoal treme de medo, não sabe que vacina utilizar, briga pela aquisição de vacinas, nas frestas do poder passa boi, passa boiada.
    Ainda bem que ainda existe um Putin.

Obrigado por participar na discussão!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: