OMS admite: falsos positivos com os testes

A Organização Mundial de Saúde emitiu uma nota no dia 14 de Dezembro, avisando que o elevado número de ciclos nos testes PCR conduzi inevitavelmente à produção de falsos positivos.

Esta é uma informação exacta e que está disponível há meses, tendo sido também relatada nestas páginas. Pelo que temos de perguntar: porque é que a estão está a ser relatada só agora? A resposta é simples e voltaremos ao assunto mais à frente.

Os testes Sars-Cov-2 estão baseados na reacção em cadeia da polimerase (PCR). A PCR funciona tomando nucleótidos (pequenos fragmentos de ADN ou RNA) e replicando-os até estes se tornarem algo suficientemente grande para ser identificado. A replicação é feita em ciclos, com cada ciclo a duplicar a quantidade de material genético. O número de ciclos necessários para produzir algo identificável é conhecido como o “limiar do ciclo” ou “valor CT”. Quanto mais alto for o valor da CT, menor é a probabilidade de detectar algo significativo (e menor será a “carga viral”).

Este novo memorando da OMS afirma que a utilização de um elevado valor de CT para testar o Sars-Cov-2 resulta em falsos positivos. Óbvio: pega-se em algo que à partida não é significativo e multiplica-se várias vezes até torna-lo algo que consegue dar nas vistas.

Para citar as palavras da OMS:

Os utilizadores do teste PCR devem ler cuidadosamente as instruções de utilização para determinar se é necessário um ajuste manual do limiar de positividade do teste para contabilizar qualquer “interferência” que possa resultar numa amostra com um limiar de ciclo elevado interpretado como positivo.

E continua:

O princípio sobre o qual o teste PCR é concebido significa que em pacientes com altos níveis de vírus em circulação (carga viral) serão necessários relativamente poucos ciclos para detectar o vírus e, portanto, o valor CT será baixo. Pelo contrário, quando as amostras devolvem um valor CT elevado, significa que foram necessários muitos ciclos para detectar o vírus. Em algumas circunstâncias, a distinção entre a interferência e a presença real do vírus é difícil de determinar.

Olha, olha, que interessante… então como fazemos com todos os testes que foram realizados entretanto? Até hoje, no mundo, foram contabilizados 77.083.243 positivos: quantos destes são falsos? Obviamente não temos e nunca teremos uma resposta.

Quantos ciclos são aconselhados geralmente? Na verdade não há um número de ciclos aconselhados. Explicava o diário francês Libération no começo de Novembro:

[…] Em França, não existe nenhuma directiva relativa a um valor CT definido. De acordo com a Sociedade Francesa de Microbiologia (SFM), o valor “situa-se geralmente entre 10 e 45”, o que é, portanto, uma gama muito ampla. O limiar é estabelecido pelo biólogo que realiza o teste, em conformidade com as recomendações dos fornecedores. Assim, para cada teste, dependendo dos reagentes e do laboratório, o CT pode ser diferente.

Entre 10 e 45? Estranho porque como explicava o Dr. Kary Mullis, que ganhou o Prémio Nobel por inventar o processo de PCR:

Se tiver de executar mais de 40 ciclos para amplificar um gene de cópia única, há algo de muito errado com o seu teste PCR.

Pois. O mesmo se passa em Italia: nenhuma recomendação quanto aos número de ciclos, o mesmo no Reino Unido, cujo Sistema de Saúde acrescenta.

Os valores CT não podem ser directamente comparados entre testes de diferentes tipos devido a variações na sensibilidade (limite de detecção), química dos reagentes, alvos genéticos, parâmetros de ciclo, métodos interpretativos analíticos, preparação de amostras e técnicas de extracção. Além disso, os valores CT não são fornecidos para todos os métodos de detecção molecular da SARS-CoV-2. Algumas técnicas comerciais de RT-PCR são sistemas fechados de “caixa negra” em que o operador não pode observar a reacção em tempo real e o resultado é interpretado por software num resultado qualitativo não questionável, positivo ou negativo.

O sitio internet do Governo da Austrália admite que os testes Covid são totalmente duvidosos. E, aqui no burgo, temos o Acordão do Tribunal da Relação de Lisboa que em data 11 de Novembro de 2020 afirma quanto segue:

Face à actual evidência científica, esse teste mostra-se, só por si, incapaz de determinar, sem margem de dúvida razoável, que tal positividade corresponde, de facto, à infecção de uma pessoa pelo vírus SARS-CoV-2, por várias razões, das quais destacamos duas (a que acresce a questão do gold standard que, pela sua especificidade, nem sequer abordaremos):
Por essa fiabilidade depender do número de ciclos que compõem o teste;
Por essa fiabilidade depender da quantidade de carga viral presente.

Há meses que é sabido que qualquer teste que utilize um valor CT acima de 35 é potencialmente desprovido de significado. No entanto, a OMS decidiu falar do assunto só agora. Por qual razão?

A resposta a esta pergunta é surpreendentemente simples e cínica: agora temos uma vacina, já não precisamos de falsos positivos. O sistema produziu uma cura “milagrosa”: depois de ter vacinado boa parte da população, todos os testes PCR serão feitos de acordo com as novas directrizes da OMS e, com um valor de CT de apenas 25 ou 30, o número de “positivos” irá cair, tendo assim a confirmação de que a nossa vacina funciona. Nada disso é novidade pois é o que está a fazer a Alemanha desde o início da “pandemia”: utiliza um CT menor para obter um número de infectados menor e o resultado é que, entre os maiores Países da Europa, é aquele que apresenta o número de casos por milhão de habitantes mais baixo:

  • Alemanha: 18.551
  • França: 38.121
  • Reino Unido: 31.008
  • Italia: 32.728
  • Espanha: 39.318
  • Polónia: 32.434
  • Rep. Checa: 60.299

Após meses a inundar o público com dados de “novos positivos”, com mortes que já nem são diferenciadas entre “por Covid” ou “com Covid”, a máquina utilizada para criar a pandemia pode começar a ser desligada. Temporariamente.

 

Ipse dixit.

6 Replies to “OMS admite: falsos positivos com os testes”

  1. Estratégia!
    Este post dá um passo importante no sentido do desmonte da estratégia por detrás da falsa pandemia, em particular no que diz respeito ao aspecto sanitário.
    Chegados a este ponto do processo Covid, entende-se a mecânica associada aos teste PCR e a metodologia utilizada na manipulação dos resultados.
    O link abaixo contem, entre outros dados, os dados reais dos testes realizados pelos países do mundo.
    Eu fiz a simulação para os países mais significativos da Europa e Portugal, e percebe-se que a acção é concertada, e obedece a critérios claros de manipulação. As vagas, por exemplo, são manipulações muito fáceis de confirmar, através da análise dos dados de testagem dos países, no seu conjunto.

    https://ourworldindata.org/coronavirus?fbclid=IwAR24_JqlHzQarXqLdPYLUmDMAaqlpwriXuve-7vpAv_9yJ7muyjtH074dc8

    Max, fiquei com a pulga atrás da orelha quando terminas com a expressão: Temporariamente
    Dá a entender que vai haver uma pausa no processo de pressão sobre as pessoas. Eu estava a apostar em algo contínuo, mas uma pausa, também faz todo o sentido.
    Gostava de saber o que os outros comentaristas pensam a este respeito.

  2. Olha só para que eu paguei mais de 1000 reais para não fazer o teste. Não era o teste em si que me preocupava, mas as consequências que poderiam advir daí.
    Muito bom esclarecimento com este artigo, Max.
    Mas Krowler, o fundamental é a continuidade do estado de pânico
    Observa que desde o início deste experimento, a OMS vem modificando suas advertências.
    Para os simples de coração basta a primeira declaração alarmante, e pronto, fica como que colado no DNA do sujeito e dali não sai . Mas existe os mais céticos, os que duvidam, os que procuram estatísticas. Alcança -los implica em ir modificando o teor das explicações, qualificando-as melhor para manter a ideia da cientificidade. Convém garantir a seriedade das instituições, mas também o medo.
    Já está a disposição do público em geral a falação sobre uma nova sepa, esta sim, mais forte e mais contagiosa. Os donos da verdade, tipo Bill Gates, mudam o teor dos seus pronunciamentos, ora afrouxando o estado de pânico, ora acentuando-o.
    E as vacinas milagrosas já estão chegando. Mas com elas também chega: as diferenças de preço e valor, o número de doses, a não garantia de sucesso (por enquanto). E o medo continua, passa do vírus para a vacina, e dela para o vizinho que precisa ser delatado. Nada melhor que o medo coroado pela sensação de insegurança.
    O objetivo é que a vinda do reset encontre o povo re educado dentro dos parâmetros necessários para a aceitação incondicional.
    Mas não te preocupa Krowler, a realidade vai ser muito pior. E não tem prazo para acabar. Relaxa porque 2019 não volta mais. E te alegra, porque nós tivemos a oportunidade de viver em uma outra época, outros mundos. Aquele tempo que para a gente pegar um avião e atravessar o Atlântico para rever um amigo, dependia só de dinheiro, e gente como nós, tinha este dinheiro; tira milha daqui, bota pra lá, e nós voávamos… sem carteira de vacinação.

  3. Olá amigos

    Lembram daqueles dias em que vc acorda cedo e logo pela manhã tudo dá errado ? E quando sai na rua alguém te cumprimenta com um “bom dia” e vc tem vontade de responder: “bom dia, porque”?

    Pois esse é um bom ano para se dizer: Feliz Natal, porque ?

    Mas, independentemente do que o Natal signifique para vcs ( ou simplesmente nada ), é quase impossível fazer com que essa data passe despercebida , principalmente para nós que moramos no lado ocidental do mundo.

    E como o homem tem quatro idades:

    – Quando acredita em Papai Noel ( ou Pai Natal ) ;
    – Quando não acredita em Papai Noel;
    – Quando é o Papai Noel;
    – Quando se parece com o Papai Noel;

    Então nesse data, desejo a todos os amigos do II, muita saúde e paz e que “a força esteja com vcs”

    Forte abraço .

  4. Este testo assume a existência do vírus, o que é algo nunca demonstrado. Note-se o fato de que nem o CDC é capaz de fornecer amostras isoladas do tal vírus.

Obrigado por participar na discussão!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: