Sputnik V: a vacina russa nas palavras dos especialistas

Os virologistas britânicos partilham as suas avaliações sobre a eficácia da vacina russa Sputnik V contra a Covid-19 na estação de televisão americana CBC. Os peritos comentam o relatório sobre os resultados da segunda análise intercalar da terceira fase dos ensaios clínicos realizados na Rússia.

De acordo com o relatório, o medicamento mostrou uma eficácia de 95%. Os cálculos foram feitos com base nos dados de 18.794 voluntários. A percentagem corresponde ao dia 42º após a primeira injecção.

Stephen Evans, professor de Farmacoepidemiologia na London School of Hygiene and Tropical Medicine:

Os dados são consistentes com a vacina que é razoavelmente eficaz. Estes resultados são consistentes com o que vemos com outras vacinas.

Evans observou também que o desempenho do Sputnik V é “uma mensagem realmente importante aos cientistas de saúde de todo o mundo” sobre a capacidade de combater a doença através de vacinas.

Pela sua parte, Ian Jones, Professor de Virologia na Universidade de Reading, salientou que o Sputnik V “será uma vacina útil”:

Não vejo qualquer razão para duvidar dos resultados. Concordo que os resultados iniciais causaram alguma perplexidade, mas não creio que seja por não terem sido válidos. Foram revelados um pouco cedo.

De acordo com os media, as avaliações positivas dos cientistas baseiam-se no conhecimento de que o método de subministração do adenovírus, que é a base da vacina desenvolvida pelo Centro de Investigação Electroquímica em Gamaleya, provou ser bem sucedido.

O que não estava claro era se o vírus da Covid teria resistido, mas Evans lembrou que os resultados positivos de outras empresas farmacêuticas sugerem que a vacina russa também seja promissora:

Temos agora quatro vacinas que têm alguma eficácia, que é muito mais do que temos para uma vacina contra o HIV ou a malária.

A ideia de que “os resultados iniciais causaram alguma perplexidade […] Foram revelados um pouco cedo” é simplesmente fantástica: perante uma alegada “pandemia” fatal e com a perspectivas de evitar milhares de mortes (?), não foram considerados os possíveis resultados apenas por questões políticas e comerciais, pois na prática tratou-se de ganhar tempo até as vacinas ocidentais estarem prontas também.

Agora que as vacinas privadas ocidentais estão prontas, não há problemas em reconhecer que já a Sputnik funciona, tanto não será utilizada por cá. Mas é mesmo esta a altura para lembrar a atitude bem diferente com a qual a Sputnik foi tratada ao longo de meses. Aqui vai uma amostra:

  • NBC News: Sem sentido e louca: porque é que a vacina russa alarma os peritos
  • Jornal Económico: “Não confio nas vacinas russas em geral e definitivamente não vou ser vacinado”. Os russos desconfiam do Sputnik V.
  • Business Insider: A vacina russa contra o coronavírus é perigosa porque pode “matar” a aceitação de futuras vacinas se correr mal, adverte a Alemanha
  • Bloomberg: A Rússia não sabe realmente se a sua vacina contra a Covid funciona
  • Business Today: Primeira vacina contra o coronavírus: porque é que o mundo duvida da reivindicação da Rússia
  • New York Post: Dr. Fauci duvida da segurança, eficácia da nova vacina russa contra o coronavírus
  • Los Angeles Times: A corrida russa pela vacina Covis-19 suscita preocupações a nível interno e externo
  • National Geographic: Fauci ‘duvida seriamente’ de que a vacina russa esteja pronta para uso generalizado

Agora os resultados da Sputnik V indicam uma eficácia de 95%. Um número, obtido 42 dias após a primeira dose injectada (e 21 dias após a segunda), obtio do exame dos resultados preliminares do ensaio, que consiste em 39 casos confirmados e 18.794 pacientes que receberam ambas as doses da vacina.

Na declaração do Instituto de Investigação Gamaleya sublinha-se que os resultados são “provisórios”, assegurando que, mesmo com uma rede de controvérsias e dúvidas sobre a vacina russa, serão “publicados numa das principais revistas médicas internacionais revistas por pares”. Uma vez concluídos os ensaios clínicos da Fase 3 da vacina, o Instituto Gamaleya “dará acesso ao relatório completo dos ensaios clínicos”.

A Rússia pretende produzir mais de mil milhões de doses de vacinas até ao final de 2021. E também Kirill Dmitriev, director do Fundo Russo de Investimento Directo (RDIF, um fundo governamental de investimento), anunciou que o preço da vacina Sputnik V será “significativamente inferior ao de outras vacinas concorrentes com níveis de eficácia semelhantes”.

No total são 40.000 os voluntários que estão a participar na fase III do ensaio. Destes, mais de 22 mil foram vacinados com a primeira dose e mais de 19 mil com a primeira e a segunda dose. lembramso que a vacina está a ser testada também na Bielorrússia, Emiratos Árabes Unidos, Venezuela (Fase III) e Índia (Fases II e III), e até agora não causou grandes reacções adversas: apenas “perturbações menores como dor no local da vacinação, síndrome gripal, febre e fraqueza”, explicam os investigadores.

E, pa  aacabar, lembramso também que a vacina Sputnik V é um medicamento de vetor viral baseado no adenovírus humano fundido com a proteína spike do SARS-CoV-2 (o vírus da Covid-19) para estimular uma resposta imunológica. Uma vacina como conceito mais próxima daquela da Astra-Zeneca/Universidade de Oxford e longe da Pfizer ou Moderna, que contêm moléculas sintéticas de RNA.

 

Ipse dixit.

18 Replies to “Sputnik V: a vacina russa nas palavras dos especialistas”

  1. O artigo começa com a menção a opinião de especialistas britânicos sobre a vacina e acaba por ser um artigo elogioso a vacina.
    Mas ao ler o artigo original da televisao americana cbs encontramos menções de especialistas russos também.
    De todas as menções chamou-me a atenção esta :

    “…A Rússia o licenciou com base em testes iniciais envolvendo apenas 76 pessoas, enquanto normalmente a maioria das aprovações vem após estudos de Fase 3 envolvendo dezenas de milhares de indivíduos. …”
    A ser verdade é assustador , mas ao ler este artigo sem consultar os links originais ficamos com a sensação que a vacina é boa …

    Hmmmmmm e eu fico com a estranha impressão que o artigo é um elogio puro & duro á vacina russa hmmmmmmm

    Meu caro Max … como ficamos ? Qual é a tua opinião sobre a vacina russa ?

    1. Gostaria de que fosse comprovado a abrangência dos tais testes envolvendo “milhares” de indivíduos. Qdo ciência e propaganda se fundem, o povo se f*de. É como 1 estado-nação cobrar uma multa vultuosa de uma grande corporação multinacional. Aparentemente pode cobrar, mas elas simplesmente pagam como e o que quiserem, por 1 único motivo: a relação de poder, onde o fator econômico (corporação multinacional) prepondera sobre o fator político-social (governança do estado-nação).

      1. Meu caro Charles estou totalmente de acordo, e nunca conheci nenhuma multinacional nem sequer uma grande empresa que tenha efectivamente pago uma multa ao estado sem que esse valor tenha sido posteriormente recaido sobre o contribuinte ou sobre o consumidor ou ambos … o bom e velho contribuinte consumidor …

    2. P.Lopes!

      “eu fico com a estranha impressão que o artigo é um elogio puro & duro á vacina russa”.

      Lololol…Chaplin vê judeus em todos os lados, P.Lopes vê os comunistas! Calma, pessoal, calma. O objectivo do artigo é um pouco mais simples e não é demonstrar uma alegada superioridade da vacina Russa mas realçar a atitude do comparto científico ocidental.

      Se o fim duma séria pesquisa contra a “pandemia” fosse debelar o mal e salvar vidas humanas, qualquer notícia acerca duma nova e possível vacina seria encarada com esperança e positividade, independentemente do lugar geográfico da descoberta. Mais: as notícias pormenorizadas seriam difundidas entre os cidadãos do planeta para dar-lhes aquela que chamamos de “esperança”.

      No caso da vacina russa, desde logo a opinião do establishment ocidental foi extremamente negativa, ainda antes de conhecer a maioria dos dados. Podemos fazer uma comparação com as declarações acerca das vacinas ocidentais, recebidas desde logo com entusiasmo? Um entusiasmo injustificado pois as pesquisas da Pfizer, por exemplo, apresentam dados amplamente incompletos, como veremos no próximo artigo.

      Então: por qual razão a vacina russa? Simples: foi a primeira a anunciar resultados positivos e tem sido a mais atacada. De outras vacinas, como veremos, o publico desconhece por completo a existência porque os órgãos de informação simplesmente as ignoram em prol dos produtos que “têm” que convencer o público.

      Estamos perante a tentativa de direccionar a opinião pública apenas num único sentido. A saúde dos cidadãos não é o foco, o que está em causa é o dinheiro, a supremacia política e mais alguma coisita. Por exemplo: segundo os órgãos de informação, quantas candidatas vacinas há? Pfizer, Moderna, Oxford e Sputnik V? Quatro no total? Na verdade as candidatas são 321 (trezentos e vinte uma), divididas em oito plataformas de tecnologia molecular. E não poucas já estão na fase II ou III da experimentação, com dezenas de milhares de voluntários submetidos aos testes. Mas não é isso que a maior parte dos cidadãos sabe, pois a prioridade não é informar mas propagandar. O que é diferente.

      Eu não sei se a vacina russa for a melhor ou se até funciona, não faço ideia nenhuma. Há não poucas “zonas cinzentas” neste tipo de anuncio, tanto no caso da vacina russa quanto no caso de outras (Pfizer). Sem dúvida, se vacina tem mesmo que ser, prefiro um produto que não recorra a novas e desconhecidas tecnologias, cujas consequências no médio e longo prazo são totalmente desconhecidas. Mas neste aspecto a vacina russa não é a única que percorre estradas mais conhecidas, aliás: a maioria das candidatas não utilizam a técnica mRNA, aquela do RNA sintético (o método da Pfizer).

      Mas disso vamos falar nos próximos artigos. Para já, a minha opinião é a seguinte: a não ser que pertençam a grupos de alto risco (idade avançada mais graves patologias já em curso), pensem bem, mas mesmo muito bem antes de aceitar qualquer tipo de vacina, seja ela vinda do futuro (Pfizer) ou menos (russa, Moderna, etc.). Estamos perante produtos desenvolvidos no prazo de poucos meses quando o normal percurso duma vacina é de anos. Mesmo na Rússia, para voltar ao assunto, é forte o movimento de resistência perante o produto local. Normal: todas as vacinas em teste estão a queimar as etapas. Portanto: façam bem as vossas contas.

      1. Olá Max . P. Lopes vê comunistas em todos os lados ? Como assim ? Estamos a falar da vacina russa mas tu mesmo disseste que já não existe comunismo na Rússia e eu concordo com isso.
        Já o facto de Chaplin ver judeus em todo o lado …Não posso deixar de concordar .
        Quanto à vacina … sem medos JF vai experimentar e depois partilha os resultados se JF deixar de comentar já sabemos que o resultado foi mau …muito mau… mas eu suspeito que JF até se recusa a morrer só para não deixar ficar mal a reputação da sua vacina de eleição . Estou errado ?

  2. Transcrição:

    “… resultados da Sputnik V indicam uma eficácia de 95%. Um número, obtido 42 dias após a primeira dose injectada (e 21 dias após a segunda), obtio do exame dos resultados preliminares do ensaio, que consiste em 39 casos confirmados e 18.794 pacientes que receberam ambas as doses da vacina. …”

    95% de eficácia ? Em laboratório !!! E mesmo em laboratorio…onde está o estudo a demonstrar ? Apenas encontrei um link para uma publicação chamada adnkronos e o artigo não está assinado …

    Querem ver que os 95% de eficácia da vacina russa apadrinhada pelo governo russo são aferidos apenas por laboratórios russos ?

    Hmmm Max… conheces a expressão brasileira : ” conversa para boi dormir … ”

    Adoro essa expressão ….

  3. E a segurança?
    Como vão avaliar a segurança da vacina para uma gravida?
    Se será também segura para o recém nascido, que leva 9 meses para nascer?
    Já vacinaram alguma gravida e aguardaram a criança nascer pra ver o que acontece?
    E a segurança da vacina para crianças de 0-5 anos?

  4. Grande Zé!!! Subscrevo as tuas questões , creio que para além do Max o nosso amigo JF poderia aproveitar para esclarecer estás dúvidas uma vez que está tão certo da eficácia da vacina que a quer tomar.
    Estou perfeitamente convencido que a decisão de JF é perfeitamente esclarecida e não uma mera crendice.
    JF , por favor , elucida-nos ?

    1. O meu corpo, as minha regras.

      Só tomo a vacina Russa, Sputnik V, a primeira a ser criada e disponibilizada a nível global, e a que melhores resultados tem apresentado tanto a nível do seu desenvolvimento como de eficácia.

      Se continua com dúvidas aqui encontra mais informação:

      – Sputnik V

      https://sputnikvaccine.com/prt/

      E pode sempre pedir um parecer médico em Portugal sobre a Sputnik V (ou outra vacina que lhe interesse tomar), inclusive entre em contacto por correio electrónico com o Instituto de Investigação de Epidemiologia e Microbiologia de Gamaleya, pois são as pessoas mais indicadas para lhe responder às dúvidas que traz.

      1. Hooo JF …essa frase : ” o meu corpo, as minhas regras” até parece que estás grávido e queres fazer um aborto …
        Tem calma páh … toma lá as vacinas que quiseres .
        Olha …eu nem sou crente mas vou rezar por ti para aquilo não trazer vestígios de novichock… ok ?

          1. De facto P.Lopes é extremamente agressivo um verdadeiro talibã , e ainda mais com o Max e nos últimos meses em que o Max esteve ausente… (…) e sim P. Lopes é muito ciumento com JF . Você está certíssimo parabéns pela perspicácia !!!

  5. «…“os resultados iniciais causaram alguma perplexidade […] Foram revelados um pouco cedo”…»

    A Federação da Rússia lixou-os bem.

    Durante meses fomos bombardeados com a teoria de que a terrível «pandemia» provocada pela doença do coronavírus covid-19, só iria terminar quando existisse uma vacina.

    – Costa: “Até haver uma vacina, não vamos retomar a vida normal”

    https://www.dn.pt/pais/costa-ate-haver-uma-vacina-nao-vamos-retomar-a-vida-normal-12092396.html

    Mas no momento em que surge uma vacina contra a doença do coronavírus covid-19, neste caso a Sputnik V (a primeira a ser criada e colocada à disposição) desenvolvida pelos cientistas Russos que se deram ao trabalho de perder o seu tempo, investir recursos financeiros e humanos próprios, para desenvolver esse tratamento e disponibilizá-lo a nível global, deixou de ter interesse.

    A partir deste momento os mídia deixaram de bombardear os cidadãos com notícias e artigos de opinião sobre a necessidade urgente de se produzir uma vacina para terminar de uma vez por todas com a abominável «pandemia» de covid-19, que segundo os governantes e a comunicação social estava e está a provocar milhares, milhões de mortos nos países da Europa e ao redor do Mundo.

    Quem tiver dois palmos de testa, perante este absurdo, tire as suas conclusões.

    No entanto, aquilo que considero mais grave é ver representantes de governos, cientistas, médicos, e especialistas na área da ciência, medicina, e virologia, politizarem esta questão quando milhares estão a morrer e milhões a sofrer por causa da covid-19.

    P.S.: Onde estavam os críticos da vacina Russa, Sputnik V, quando as vacinas desenvolvidas e administradas por empresas ocidentais (nomeadamente Anglo-Saxónicas) e Norte-Americanas, financiadas pelo sr. Bill Gates e a sr.ª Melinda Gates, criaram uma série de efeitos secundários gravíssimos em quem as tomou, inclusive provocando um elevado número de mortes?

  6. Meu caro JF estou 100% de acordo contigo a questão foi politizada.
    Não sou admirador de vacinas de nenhum país .
    Mas continuo com as mesmas dúvidas do Zé ?
    Qual o efeito em grávidas e crianças ?
    Porque é que essa vacina é “segura” como foi deteeminada eficácia de 95% ?
    Para além de quem a produz quem mais aferiu os resultados ?
    E se mais ninguém aferiu os resultados … fazer toda esta propaganda enganosa tentando colar as opinioes dos cientistas russos a dos cientistas britanicos e outros não é uma forma de politização?
    Ter um governante de um país que produz a vacina a declarar publicamente que a sua filha foi das primeiras a tomar a vacina não é.uma forma de politização ?
    Tomou a vacina ? O Marcelo tomou a da gripe pelo menos vi o vídeo
    A filha do Vladimir Pudim tomou ? Provas ? Isto não é politização ?

    1. É justamente por essas questões P.Lopes, que uma vacina demora cerca de uma década para ser testada e aprovada.
      Foi comprovada somente a eficiência de tal vacina (pra quem acredita na gripe mortal, quase espanhola 🙂 )
      Como pode ser comprovada a eficácia de 1 a 5 anos sem fazer a experiência de 5 anos?
      Como pode ser comprovada a segurança à medio/longo prazo sem fazer a experiência à medio/longo prazo e, até curto?

      Resposta:
      JF e demais pensadores como ele vão lá, tomam a picada e depois de 1 ou 2 anos sairão os dados sobre a eficácia e a segurança da vacina e assim por diante até os testes chegarem aos 10 anos.

      Eu prefiro morrer de gripe do que servir de cobaia, nada contra quem quiser.

  7. Olhem pessoal: aqui no Brazil, sem estresse. Presidente e povo declararam “não queremos vacina comunista”. Estes infelizes consideram assim as vacinas russa ou chinesa
    Os mandantes estão louquinhos para comprar a vacina da liberdade : Pfizer, Moderna etc, tudo made in EUA, e bem carinho.
    Eu, nem mais saio de casa para não ter de falar com os demais, não mais viajo, estou aposentada…logo creio que vou passar ao lado.
    E afinal, quem não sabe que isso tudo é jogo comercial e de propaganda? É, deve ter muita plateia para esse jogo.

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: