Coronavirus: clinicamente desaparecido

Alberto Zangrillo, chefe e director dos Cuidados Intensivos do Hospital San Raffaele de Milano (Italia), durante a sua intervenção num programa televisivo da RAI (a televisão estatal italiana), disse que “o vírus já não existe clinicamente”. O que significa isso?

Como realça Zangrillo a dizer isso são:

A Universidade Vita e Salute do San Raffaele, um estudo realizado pelo director virologista do Instituto de Virologia, o Professor Clementi, em conjunto com o Prof. Silvestri da Universidade Emory de Atlanta: as zaragatoas realizadas nos últimos dez dias têm uma carga viral infinitesimal do ponto de vista quantitativo em comparação com as zaragatoas realizadas em doentes há um mês.

E continua:

Não podemos continuar a chamar a atenção de uma forma ridícula como a Grécia está a fazer com base num motivo de ridículo, que é o mesmo que temos estabelecidos a nível do comité científico nacional e não só, dando a palavra não a clínicos e não a verdadeiros virologistas. O vírus, de um ponto de vista clínico, já não existe. […] Foram três meses durante os quais todos têm apresentado uma série de números que não têm provas nenhumas. O que é que tudo isto trouxe? Bloquear a Itália enquanto estávamos a trabalhar. Agora nós, que vimos o drama, pedimos para recomeçar rapidamente, porque queremos curar as pessoas que de outra forma não podemos curar. Não queremos saber do campeonato nem das férias, temos de voltar para um país normal. Há todas as provas para que, a partir de hoje, este país possa regressar a uma vida normal.

Possível? Possível e até explicável, como afirma Pietro Buffa, biólogo molecular:

Como tenho vindo a escrever desde Março, o beta-coronavírus SRA-Cov-2 existe sob a forma de populações mutantes em todo o mundo, devido à sua grande variabilidade genética.

De facto, mais de 6.800 mutações apareceram no genoma do vírus durante a sua corrida em todo o mundo, como revela um estudo realizado pelo University College London (UCL).

O que ressalta cada vez mais destes estudos é que o vírus acumula mutações que não desempenham qualquer papel no seu aperfeiçoamento, mas que, pelo contrário, parecem enfraquecê-lo com o tempo, como aconteceu com muitas outras estirpes de vírus.

Como biólogo molecular, tento esclarecer alguns aspectos interessantes. Basicamente, entram em jogo dois mecanismos.

O primeiro está definitivamente relacionado com o facto de estarmos a lidar com um vírus RNA, uma molécula muito instável em comparação com o DNA. Isto significa que, durante a replicação, este genoma do RNA está sujeito a erros de cópia. Aqueles que têm um mínimo de familiaridade com a genética sabem que, estatisticamente falando, é muito mais provável que um erro de cópia e, portanto, uma mutação seja desfavorável do que favorável. Por conseguinte, o vírus tem muito poucas hipóteses de se reforçar, mas muitas possibilidades de se enfraquecer a si próprio.

O segundo factor que entra em jogo no enfraquecimento do vírus está mais relacionado com o nosso sistema imunitário. Prestem especial atenção a este ponto, que é maravilhoso. A nossa resposta imunitária inata é capaz de orquestrar um sistema enzimático capaz de infligir alterações ao código genético do SRA-Cov-2 através de um mecanismo conhecido como “edição do RNA”.

Num importante trabalho publicado em Science Advances e coordenado por Silvo Conticello [do Conselho Nacional de Investigação de Pisa, ndt], é destacado o papel de dois sistemas enzimáticos-chave: ADAR e APOBEC. Neste caso, o ADAR e o APOBEC convertem dois dos quatro componentes do RNA viral, adeninas e citosinas, em inosinas e uracones, causando efectivamente alterações genéticas que o vírus acumula.

Quase poderíamos falar de um sistema de hacking que as nossas células põem em prática quando infectadas. A interacção com o ser humano influencia muito, portanto, a evolução do vírus, acelerando o seu enfraquecimento, como estamos a observar e como é observados pelos clínicos.

Concluímos ainda com Alberto Zangrillo:

Há cerca de um mês, ouvimos epidemiologistas temerem uma nova vaga no final do mês de Junho e quem sabe quantos postos de cuidados intensivos ocupados. Na realidade, o vírus já não existe de um ponto de vista clínico. O vírus ainda vive entre nós, como dezenas de outros vírus, mas o que observamos é o que eu disse.

Resumindo: na Europa o Coronavirus clinicamente já não é uma emergência. Ficará como um dos muitos vírus inócuos com os quais temos contacto diariamente.

Caso “estranho”: o mesmo destino de todos os Coronavirus das gripes que anualmente provocam mais mortos do que a Covid-19. Como se costuma dizer: quem quiser entender que entenda.

 

Ipse dixit.

7 Replies to “Coronavirus: clinicamente desaparecido”

  1. Acho que é melhor a Itália sair da união europeia (ue) para não ter mais preocupações com a doença do coronavírus covid-19.

  2. Acontece que os governos fantoches apenas cumprem cartilhas compostas por organizações/corporações globais, cuja destinação é impactar a economia mundial. Ou seja, o tal vírus gripal, na realidade, jamais foi protagonista do processo em curso, mas apenas a fonte principal de atenção e imposição do ambiente de terror sobre populações alienadas. Estamos vivendo um período onde a propaganda conspiratória mostra toda seu poder…acreditem se quiserem…

  3. Considerando os fatos apresentados, temos aqui uma prova de que essa coisa não teve um desenvolvimento natural, jamais a natureza faria um vírus que se espalhasse e regredisse em sua capacidade de forma tão rápida, evolução acontece ao longo dos anos e adaptação também nunca em questão de poucos meses 🙁

  4. Um químico no qual acredito a competência me disse: ” é da natureza dos vírus esse comportamento” (tal como descrito no artigo acima). E eu me pergunto: porque foram inventar um vírus assim tão inofensivo? E eu a fiar com meus dois neurônios: talvez porque o genocídio não fosse agora o fundamental, mas a reação das massas quando da exposição à morte, e a destruição das economias visíveis.
    O plano não deve estar completo…novidades ainda virão.

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: