Meus Deus: o Fim!!!

Já que o assunto foi introduzido, mais vale começar: não vou continuar com Informação Incorrecta. Além das razões publicadas no artigo anterior, (que são deveras importantes porque acho que em parte o blog falhou os seus objectivos) quero citar outras.

Como já tive ocasião de afirmar, no meu entender este blog cumpriu a sua função: quem tiver paciência poderá encontrar no arquivo os instrumentos necessários para formar-se uma ideia do sistema no qual vivemos. Atenção: não encontrará “a verdade”, porque eu não sou detentor dela, mas os instrumentos com os quais cada um poderá continuar a pesquisa e construir a sua própria ideia do presente. Este blog começou com o falar da Economia, depois dedicou muito espaço à História porque pessoalmente estou convencido de que as chaves para perceber algo estejam aí. Obviamente posso estar errado, mas até hoje esta continua ser a minha ideia.

Leitores desesperados na Coreia do Norte

Outra razão que determina o fecho do blog é muito mais simples: desde a abertura de Informação Incorrecta os tempos mudaram. Quando comecei não tinha cabelos brancos, agora apareceram alguns. Não são muitos, mas então aí estão para lembrar que tudo passa. O mundo da informação foi devastado pelo tsunami da “informação” do Facebook e do Twitter, dois tumores que se enquadram perfeitamente no ecossistema soporífero de Google e que tem como objectivo atropelar o cidadão com uma mole de dados, pensamentos e imagens para abalar qualquer nossa certeza.

Hoje, qualquer pessoa a partir do seu computador pode encher-se com a pesquisa de Google e, em seguida, atirar para a web (dos medias sociais até jornais online) tudo o seu “conhecimento”, reivindicando, com habilidade, a sua competência e ganhando até dinheiro. O resultado é uma hiperinflação estilo Weimar de personagens grotescas, comentaristas (mas até jornalistas) que disparam pseudo-factos a cada hora e 24 horas por dia, sete dias por semana, totalmente fora de controle.

Tragicamente, eles têm massas crescentes de audiências que seguem cada pseudo-facto e proclamam “aqui está a verdade!”. É precisamente este público que exige que as notícias e as reflexões se tornem entretenimento instantâneo a apenas um clique de distância no smartphones.

Fãs desesperadas na Coreia do Sul

É o encontro entre procura e oferta: os factos surgem mais depressa porque o público tem mais pressa e isso inicia uma espiral cada vez mais rápida na qual há cada vez menos tempo para verificar, controlar, reflectir. Que porra é essa frenesim? O que é esta pressa toda? Isso nunca será informação. E, de facto, não é, pois trata-se duma deformação cerebral muito bem conhecida e que tem um nome também: Short term, dopamine driven, feedback loop (literalmente: “Curto prazo, dopamina acionada, realimentação em círculo”).

É uma forma de toxicodependência estudada nos Laboratórios do Facebook desde 2004 para diante. O Short term, dopamine driven, feedback loop vive sobre a gratificação imediata (dopamina) das respostas (feedback como comentários ou Likes) que se torna um círculo vícioso como nas drogas (loops).

Para quem, como eu, escolheu um sector de nicho (uma informação alternativa baseada em pesquisas fundamentadas), este até poderia não ser um grande problema. Sempre longe dos grandes números de seguidores (segundo o lema “menos quantidade, mais qualidade”), apesar das dificuldades para seguir uma realidade que evolve com uma velocidade absurda e no meio da qual é muito complicado (para quem escreve mas também para o Leitor) orientar-se, seria possível continuar desta forma até o infinito ou quase, ignorando o frenesim. Mas aconteceu algo.

Leitores desesperados na Coreia do Meio

Desde muito cedo comecei a criticar aquela parte da informação alternativa que apostava nas notícias “bombásticas” e superficiais (quando não absurdas mesmo) em detrimento da seriedade. Aconteceu que não apenas aquela parte ganhou (em termos de seguidores e, em alguns casos, até em termos monetários), como o mesmo estilo foi adoptado cada vez mais qual modus operandi pelos órgãos de comunicação oficiais. Hoje já não há “acidentes”, há “catástrofes”, “tragédias” e “cenários dantescos” (em Portugal há os “Alerta CM”), tudo exasperado para capturar a atenção dos Leitores ou espectadores. Dúvida: onde encontrarão as palavras no dia em que algo de verdadeiramente “catastróico” irá acontecer?

Isso não é comigo? Errado: é. Porque eu, como autor do blog, faço parte deste mundo da informação alternativa, não posso chamar-me fora, seria um hipócrita. Não posso dizer “eu sou melhor”: não tenho o direito de fazer isso porque o meu blog, por pequeno que seja, alimenta esta loucura, faz parte do tsunami de “informação” que atropela tudo e todos. Mas eu estou farto desta fantochada.

Recentemente, uma pessoa disse-me que se calhar o meu “caminho” é mesmo este: ajudar as pessoas a despertar. Problema: eu não sou Neo, não foi retirado da Matrix, não visitei Zion (sem contar que este nome já irrita-me bastante). Sei que há uma espécie de Matrix na qual todos vivemos como escravos, mas não conheço a verdade, só suspeitas. O máximo que posso fazer é mesmo isso: dizer “olhem pessoal que somos escravos”. E foi isso que o blog fez. Pelo que: o blog falhou parte dos seus objectivos mas não todos. Missão parcialmente cumprida, é já algo e fico feliz com isso.

Todavia há algo que não posso ignorar: mesmo não sendo heróico como Neo, gosto de pesquisar, gosto de (tentar) entender as coisas, gosto de partilhar. Acompanhados por poucos Leitores, sem ganhar um tostão com isso? Pouco importa, acho ser este um dever não apenas meu mas de cada um de nós: dar um sentido à nossa passagem por aqui, perceber qual o nosso verdadeiro fim, tentar fazer as coisas que achamos melhores. Portanto…

Portanto o blog Informação Incorrecta acaba aqui (com o “Testamento” a seguir, como anunciado), depois férias durante as quais tentarei pensar em algo novo. Não perguntem o quê porque ainda não tenho ideia nenhuma. Mas prometo manter informados os Leitores eventualmente interessados, através destas mesmas páginas. Aliás, se alguém tiver uma ideia, seria excelente uma sugestão. Qualquer sugestão será muito bem vinda, por mais parva que possa parecer.

Depois tenho que revelar uma coisa: tudo acaba. What starts, ends.

Agradecimentos, saudações e lágrimas compulsivas só depois do Testamento (publicado a partir de amanhã).

 

Ipse dixit!

Imagens: Leitores da Coreia (onde Informação Incorrecta foi sempre um dos blogues mais lidos) desesperados perante a notícia do fecho.

19 Replies to “Meus Deus: o Fim!!!”

  1. Entendo e respeito a decisão, mas fico triste.

    O Informação Incorrecta e o Rede Voltaire em vias de desaparecer num curto espaço de tempo…

  2. Ora bolas caro Max, continua p.f. nem que seja noutro moldes. Isto que criaste com muito trabalho é um oásis. Agora mais que nunca é que este excelente blog tem razão de existir.
    Redes sociais, memes burros e pensamentos curtos estou eu e muitos mais que fartos.
    Podes pensar o contrário mas estás a prestar um grande serviço.
    Por favor pensa bem.

    Abraços

    Nuno

  3. Olá Max,

    Queres algo para as férias? Começa a ler sobre a Doutrina Espírita (Alan Kardec, Chico Xavier, Divaldo Franco, André Luiz, Ramatis, entre outos), Universalismo Crístico (Roger Bottini Paranhos) e Medicina Espiritual (aconselho o Dr. Paulo César Frutuoso).

    E vais conhecer sobre o “outro lado” da Matrix.

    Avisa quando quiseres tomar um café pela Margem Sul. 🙂

    Abraço.

  4. Compreendo, respeito, mas tenho muita pena Max!
    Pode pensar que é pouco, mas o seu blog era uma ponte com a realidade e elo de ligação com outras pessoas que partilham essa preocupação. Nesta actualidade/realidade de loucura e alucinação aceleradas, proporcionava-nos o conforto de saber que outros ainda reflectem, preocupam-se e querem voltar a integrar a Terra, com outros princípios e valores.
    Espero que a sua despedida não seja definitiva. Entretanto saúde, tranquilidade e sabedoria para usufruir da vida em toda a sua plenitude. Teresa Faria

  5. Beleza… tens uns poucos cabelos brancos? Ótimo, então ainda podes fazer muita coisa: escrever, experimentar, viajar…É um tempo precioso que não deverias desperdiçar, mas tratar de fazer o que gostas e confessas que te moveu no empreendimento do blog.
    Cuidado! Não vai demorar muito para que todos os teus cabelos fiquem brancos, assim como os meus ficaram. E aí te restará praticamente o que me restou. E te garanto que te sentirás bastante aborrecido.
    Grande abraçooo, da amiga de sempre

  6. Max,há anos que presto atenção no que vc diz…tomei um susto agora …quando mais uma vez a impermanência das coisas vem e captura o pouco de lucidez que se pode contar nessa avalanche de desinformação. Espero que de alguma forma vc continue compartilhando seu olhar conosco,desse mundo caoticamente em mudança,no qual me sinto desloucada… Não some de uma vez não!!!! Grande abraço e muito agradecida por suas pesquisas e reflexões que tão generosamente alcançou muita gente,acredite. Se algo falhou,foi o sistema , que não é pra dar certo.

  7. Caro Max.

    Não tenho o direito de questionar a sua decisão. Sempre pensei no trabalho e no tempo despendido para se manter um blog como esse. Cheguei até a comentar sobre o dia em que isso não fosse mais prazeroso para vc. Parece que esse dia chegou.
    Pra mim foi um grande prazer acompanhar o blog por muito tempo, a ponto de arriscar em deixar meus comentários ( aos quais peço desculpas por eles ).

    Paz, “Vida longa e próspera.”

    PS: Não se preocupe quando falhas em divulgar a verdade. Tudo que está em nossa volta, é o que os nosso rudimentares olhos conseguem ver. É uma grande mentira, se comparada a imensidão do que não conseguimos enxergar.
    Além disso , ( usando o seu adorável sarcasmo) : você avisou: a Informação era Incorrecta.

    Forte abraço.

  8. Max,

    Depois destes anos todos, esta noticia não é das que mais gostaria de ler, mas percebo a decisão. Eu próprio já acuso algum cansaço na análise dos males desta sociedade, como se pode verificar pela menor quantidade de comentários que ultimamente tenho feito.
    O II contribuiu e muito para a construção da minha visão do mundo. Hoje, possuo uma série de filtros que me permite uma análise mais cautelosa das noticias e que não tinha antes de 2011, quando conheci o blog.
    É provável que com o passar do tempo, e sem os posts do II, estes filtros comecem perder características, mas alguma coisa sempre irá ficar.
    Actualmente prefiro procurar aquilo que a vida tem de bom. Hoje, cheguei a casa mais cedo, peguei na mota e fui acelerar. É bom estarmos bem informados, mas ver as vistas e levar com o vento no capacete é muito melhor.
    Espero que arranjes um projecto interessante que possas partilhar com o pessoal. Como sempre, eu vou continuar a passar por aqui para ver se há alguma novidade.

    Um grande abraço

    1. Amigo Max! Sentiremos sua falta. Obrigado por compartilhar tuas palavras – em português, mesmo sendo você italiano. Se possível, não feche o blog, manter ele aberto traz um pouco de sanidade nessa caixa de Pandora chamada internet. O II eh um marco em minha vida e de muitas pessoas. Quem sabe alguém possa vir aqui beber dessa fonte no futuro.

      Esperamos ouvir notícias de você.

      Um grande abraço de quem te admira muito, mesmo sem te conhecer.

      Tony/PCPONS

  9. Compreendo-te Max.Sigo o teu blog desde 2014 e aprendi muito contigo. Sem dúvida voltarei inúmeras vezes aqui para reler muita coisa. Como dizes, a informação está na história. Um muito obrigado por tudo! Espero que a vida te corra pelo melhor.

    1. Olá P. Lopes!

      Não sei se se apercebeu, mas estas suas últimas intervenções parecem cada vez mais o sintoma duma aflição naquela zona do membro que fica entre o braço e o antebraço. É difícil interpretar de outra forma este seu ridicularizar os comentários de saudações propostos pelos outros Leitores. Juízo, ok?

      1. Ilustre Max, Digníssimo : Não pretendo ridicularizar ninguém pois como bem notou não me dirigi ao comentário de saudação de nenhum outro comentador aqui do blog. Respeito e compreendo todos. Esta é a minha forma de lidar com o facto do fim do blog que segui desde o primeiro artigo, obviamente lamento a decisão.
        Existe um largo espectro de formas de lidar com a situação, uma delas é o humor ( no meu caso a tentativa dele) e que afinal até vem na sequência das Norte Coreanas a chorar, isso é humor, eu aceito e aprecio… então porque não aceitar as minhas manifestações de humor, não seria reciproco ?
        Se me permite o conselho, o humor é uma forma de lidar com factos adversos que comprovei ao longo da minha vida , e recomendo. Não possuo ” dor de cotovelo” aliás … não compreendo esse sintoma nem a alusão aqui sugerida, senti que fiz parte de um ecossistema virtual na personagem do “velho marreta” apesar de largas vezes interpretado como “advogado do diabo” , sou grato, queria manter-me fiel ao meu personagem e terminar com humor, sem querer ferir as susceptibilidades dos refinados e distintos comentadores do blog de V. Ex.ª dos quais aqui me despeço com elevada consideração e estima.

        1. Olá P. Lopes!

          Foi um erro de interpretação minha. É o limite da escrita e também a interpretação errada de quem, como eu, muitas vezes utiliza o ironia sendo levado a sério (isso acontece aqui como, mais vezes ainda na vida real).

          “Se me permite o conselho, o humor é uma forma de lidar com factos adversos que comprovei ao longo da minha vida , e recomendo”.

          Concordo em pleno, acho ser a forma melhor, a única que consegue trazer de volta a verdadeira dimensão dos acontecimentos e da nossa passagem por aqui. O humor (que neste caso não tinha entendido) retira parte das camadas trágicas (que existem e provocam dor), conseguindo criar um filtro que permite observar os factos de forma mais objectiva, obrigando a analisar os acontecimentos à procura de pontos de vista diferentes. Algo saudável.

          Vou apagar o meu anterior comentário porque injusto. Aliás, não: vou deixar porque errare humanum est, apesar de eu nunca errar 🙂

          Fui!

  10. Sugestão: Crie um canal no Patreon. Poderá compartilhar com os interessados e gerar alguma remuneração pelo benefício gerado.

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: