NWO: a estrutura dos Illuminati

Falar hoje de Nova Ordem Mundial (NWO) é mais complicado do que nunca: estão à vista os choques entre as duas principais (mas não únicas) facções da sociedade, aquela “progressista” e aquela mais conservadora. E não é um falso choque, não é uma peça montada para ocultar a verdade: há interesses particularmente profundos que justificam em pleno a luta pela supremacia, o grupo vencedor terá nas mãos as rédeas do planeta. Temporariamente, mas sempre rédeas são. O que permitirá direccionar a sociedade no sentido da “sua” NWO.

Como sabemos, procurar algo acerca da NWO não é simples: há toda a tralha que costuma ser arrastada por este termo (Reptilianos, alienígenas e outras teorias alucinadas) o que transforma o assunto numa espécie de conto para crianças. É esta a razão pela qual não gosto de utilizar o termo “NWO”. Pelo que pode surgir a dúvida: mas uma projecto de NWO existe de verdade?

O meu ponto de vista está baseado na história: não acho absolutamente estranho que um grupo de poder trabalhe para manter os privilégios actuais e deseje modificar a sociedade para adapta-la ainda mais às suas necessidades. Sempre aconteceu no passado e uma elite que não tenha um tal projecto para o futuro é destinada a ruir com uma certa pressa pois demonstra ser incapaz de gerir o poder. Acho também normal que haja mais do que um grupo a tentar isso ao mesmo tempo e é exactamente esta a nossa situação. Cada grupo de poder explora as tecnologias da época e este aspecto implica algo peculiar no presente: os meios disponibilizados hoje pela tecnologia permitem realmente pensar numa ordem “mundial”. Enquanto as NWO dos Romanos, do império chinês ou britânico abrangiam apenas aquela parte do mundo conhecida, hoje os limites geográficos, económicos e, em parte, até temporais são diminuídos ou anulados. As elites podem programar algo que consiga envolver todo o planeta.

Pelo que, o assunto é sério, demasiado sério para “cartooniza-lo” com Reptilianos, alienígenas ou reduzi-lo aos caprichos dum “grande velho” escondido.

A seguir os resultado duma pesquisa que não me convence. Mesmo assim, como forma de prosseguir o discurso acerca do Vaticano e para agradar aos adeptos da NWO, vamos apresentar algo que, alegadamente, mostra a verdadeira estrutura dos Illuminati. É importante realçar como a pesquisa original seja do ano 2011 e, entretanto, alguns dos membros indicados deixaram este mundo para juntar-se ao coro dos anjos que cantam no Céu. No entanto, o que interessa aqui não são tanto os membros quanto o esquema das estruturas envolvidas (ver nota no fundo do artigo).

Quando disponível, por cada voz é presente a ligação ao relativo artigo da Wikipedia versão portuguesa.

A NWO e a estrutura do poder oculto a nível mundial

Do meu ponto de vista, já o título contém dos erros: a) aquela apresentada é apenas um projecto de NWO b) esta é apenas uma das estruturas do poder oculto. Mas vamos em frente.

O trabalho original foi desenvolvido por um blog, Reality Research, que é acessível só com um convite. Enviei mesmo agora o pedido para o tal convite, mas já podemos prosseguir com a pesquisa porque esta foi republicada pelo blog italiano Connessione Cosciente – Altre Realtá (interessante, diga-se, mas infelizmente não activo desde 2015).

Característica principal desta pesquisa é determinar como os Illuminati afinal seriam uma emanação do Vaticano.

I. Ordens católicas fundamentais fieis ao Papa

► A Ordem Equestre do Santo Sepulcro de Jerusalém

A Ordem Equestre faz-me lembrar indivíduos que circulam em Jerusalém com cavalos. Na verdade estas pessoas não têm cavalos. São elas:

  • Soberano: Papa Francisco
  • Grão-Mestre: Cardeal Edwin O’Brian
  • Grão-Mestre emérito: Pierbattista Pizzaballa
  • Grão Prior: Patriarca de Jerusalém dos Latinos e Arcebispo de Jerusalém (actualmente não atribuído)

A ordem hoje tem cerca de 30.000 cavaleiros e damas em todo o mundo, incluindo Reis, Príncipes e consortes, chefes de Estado de Países como Espanha, Bélgica, Mónaco, Luxemburgo e Liechtenstein.

► A Ordem de Constantino de San Jorge

  • Grão-Mestre do ramo franco-napolitano: disputado entre Príncipe Pietro, Duque de Calabria, Príncipe Carlo Duque de Castro, Príncipe Carlo Duque de Parma.
    Grande prior do ramo franco-napolitano: Cardeal Albert Vanhoye (Companhia de Jesus)
  • Grande Prior da Delegação Britânica e Irlandesa do ramo franco-napolitano: Cardeal Cormac Murphy-O’Connor († 2017), arcebispo de Westminster.

Entre os membros do passado e actuais: Federico I Barbarossa, Henrique VI de Svevia, Ricardo I de Inglaterra, Filipe II de França, Pio XII, Silvio Berlusconi, Franco Frattini (ex-Comissário Europeu, agora representante especial da OSCE, Antonino Zichichi (cientista), Letsie III Rei do Lesotho.

► A Ordem de Constantino de San Jorge – ramo hispano-napolitano

  • Grão-mestre do ramo hispano-napolitano: Infante Carlo, Duque de Calabria
  • Grande prior do ramo hispano-napolitano: Cardeal Dario Castrillon Hoyos († 2018), da Colômbia
  • Vice-Presidente da Deputação Britânica e Presidente da Associação Britânica do ramo Espanhol-Napolitano: Prince Rupert zu Loewenstein, que também é membro da Sagrada Ordem Militar de Malta, conselheiro da Grande Cruz de Honra e Devoção assim como ex-Presidente da Associação Britânica da Sagrada Ordem Militar de Malta, Comandante da Ordem Papal de San Gregório, Cavaleiro de San João, Cavaleiro de San Juaneiro, Cavaleiro de Santo Stefano e grande financiador dos Rolling Stones e de Mick Jagger desde 1971 (é apelidado de Rupie the Groupie).

Ordem Soberana e Militar de Malta

  • Príncipe e Grão-Mestre da Ordem Militar Soberana de Malta: até 2018 Matthew Festing, também Cavaleiro da Grande Cruz de Justiça do ramo franco-napolitano da Ordem de Constantino; desde 2018 Giacomo Dalla Torre del Tempio di Sanguinetto, de antiga família ligada ao Vaticano.
  • Grão Prior da Inglaterra da Soberana Ordem Militar de Malta: Fredrik Crichton-Stuart, que também é Cavaleiro Comandante da Justiça do ramo franco-napolitano da Ordem de Constantino e filho de Lord Ridhian Crichton-Stuart .

Opus Dei

Entre os (numerosos) membros do Opus Dei lembramos Ruth Kelly, ex-Secretário Britânico dos Transportes (Partido Trabalhista); Patrick Ngugi Njoroge, economista queniano, banqueiro e o governador do Banco Central do Quénia; Robert Hanssen, agente do FBI; Isidre Fainé, presidente do CaixaBank, desde 2012 o maior banco em activos da Espanha; Luis Valls, de 1972-2004 presidente do Banco Popular, o terceiro maior banco da Espanha; Neil Dean, director financeiro da Allied Irish Banks, o maior Banco na Irlanda; Giovanni Trapattoni, ex-treinador de Juventus, Benfica e da seleção da República da Irlanda

II. Ordens Reais fundamentais

Ordem da Jarreteira

Entre os membros: John Major, ex-Primeiro Ministro do Reino Unido; Filipe Duque de Edimburgo; Charles, Príncipe de Gales; Edward Windsor, Duque de Kent; Ana, princesa real; Richard, Duque de Gloucester; Andrea, duque de York; William, duque de Cambridge; João do Luxemburgo, Margarida II da Dinamarca, Carlos XVI Gustavo da Suécia, Juan Carlos I da Espanha, Beatrice dos Países Baixos, Akihito do Japão, Harald V da Noruega, Filipe VI de Espanha, William Alexander dos Países Baixos.

Venerável Ordem de São João

  • Soberano: Rainha Elizabeth II da Inglaterra.
  • Grande Prior da Ordem de São João é o primo da Rainha, o Príncipe Richard, Duque de Gloucester.

Real Ordem da Escócia

  • Governador é Archibald Donald Orr-Ewing, 6th Baronete.

III. Ordens e organizações secretas fundamentais

Skull & Bones

► As ordens Ordo Templi Orientis e Igreja Católica Gnóstica

Martinistas, as sociedades Rosa-cruziansas, a Antiga e Mística Ordem Rosacruz (AMORC)

Templo de Set e Sociedade Teosófica

Universal Unity

IV. Principais personagens dos diversos ritos, ordens e estruturas colaterais da Maçonaria

Rito de Menphis e Misraim

Basicamente seria um sistema de 99 graus, mas na realidade atinge secretamente o 100º grau, o mais alto das ordens maçónicas, que é concedido na sede de Palermo, Sicília (Italia).

Maçonaria turco-otomana

Sistema com dois graus em sete ramos controlados por Fethullah Gulen e o falso maçon Adnan Oktar, também conhecido como Harun Yahia.

Rito Escocês

Sistema de 32/33 graus. As figuras principais com o cargo de Grande Comandante Soberano incluem:

  • Ronald A. Seale, 33º Grau, da Jurisdição Suprema do Conselho Supremo do 33º Grau do Sul dos Estados Unidos (trata-se da Loja principal do Rito Escocês mundial) com sede em Washington DC;
  • John Willian Naughton (que também é maçom do Rito de York e Mason Shriner) da Jurisdição Suprema do Conselho do 33º Grau do Norte dos Estados Unidos;
  • Reverendo Canon Richard Tydeman do Conselho Supremo do 33º Grau para Inglaterra e País de Gales;
  • Corrado Balacco Gabrieli do Conselho Supremo do 33º Grau Italiano.

Existem Conselhos Supremos em todo o mundo, particularmente na Italia, França, Espanha, Irlanda, Escócia, Austrália, Nova Zelândia, Canadá, Rússia, israel, Brasil, Holanda, Finlândia, Dinamarca, Suécia, Luxemburgo, Romênia e mais outros 40 Países.

Maçonaria do Rito de York

Sistema de 11 Graus subordinada à Grande Loja Unida da Inglaterra, com supervisão directa e o controlo do Duque de Kent e do Marquês de Northampton, respectivamente Grand Master e Pro Grand Master da Grande Loja Unida da Inglaterra (UGLE).

Shriners

Todos os Shriners, até recentemente, tinham que ser pelo menos Maçons do Rito escocês com 33º grau. De facto, é uma estrutura que foi criada pelos maçons do Rito Escocês e que fica sob o controle direto deles. Portanto, todos os membros devem ser regulares Master Mason; a figura à qual é concedido o potentado imperial dos Shriners da América do Norte, e também o mais influente entre os Shriners do mundo, é Douglas E. Maxwell.

V. Figuras-chave da Maçonaria nas famílias aristocráticas e reais

Príncipe Edward, duque de Kent, primo da Rainha Elizabeth II e Duque de Gloucester. O Duque de Kent é o Venerável Grão-Mestre (Most Worshipful Grand Master) da Grande Loja Unida da Inglaterra (UGLE) e é também First Grand Principal of the Supreme Grand Chapter dos Maçons do Royal Arch da Inglaterra, e também Grão-Mestre da Ordem de San Michele e San Giorgio (eng). É de salientar o facto de que a esposa Katharine, Duquesa de Kent, converteu-se ao catolicismo em 1994, assim como o filho Lord Nicholas Windsor em 2001, que mais tarde casou-se no Vaticano (2006).

Spenser Compton, 7º Marquês de Northampton: Pro-Deputy Grand Master da UGLE e também Pro-Deputy First Grand Principal do Supremo Grande Capítulo de maçons do Royal Arch da Inglaterra.

Príncipe Michael de Kent: irmão do Duque de Kent. O Príncipe Michael é o Grão-Mestre da Grande Loja dos Mark Master Masons. A esposa, a Princesa Marie Christine sempre foi e ainda é uma católica romana, Dame Grand Cross of Honour and Devotion da Soberana Ordem Militar de Malta (leais ao papa), como parte da British Association desta Ordem. A Princesa, esposa do príncipe Michael, também Dama (Dame Grand Cross of Justic) da delegação britânica e irlandesa do ramo franco-napolitano da Ordem de Constantino (leais ao Papa).

VI. Grupos empresariais e de negócio fundamentais da elite na gestão da política e da economia

Pilgrims Society

  • Padroeira: Rainha Elizabeth II
  • Presidente: Lord Inge

Grupo Bilderberg

  • Presidente: Visconde Etienne Davignon

Chatham House / The Royal Institute for International Affairs

  • Presidente DeAnne Julius

Council on Foreign Relations com sede em New York

  • Presidente: Richard N. Haas

Comissão Trilateral

Os actuais três directores da Comissão são:

  • Joseph Nye (que é também um membro activo do Bilderberg)
  • Peter Sutherland,de extracção jesuíta
  • Yotaro Kobayashi

Rand Corporation

  • Presidente e CEO James Thompson, que também é membro do CFR

Grupo dos Trinta (G30)

  • Presidente do Conselho de Curadores: Paul Volcker, fundador e membro da Comissão Trilaterale

Peterson Institute for International Economics

  • Presidente: Peter G. Peterson, Cavaleiro de Malta, também presidente do CFR

Conselho Internacional do JP Morgan Chase

O fundador do JP Morgan Chase, John Pierpont Morgan tinha muitas filiações: era um Shriner e um Cavaleiro do Papa da Ordem dos Santos Maurício e Lázaro, uma ordem que é por sua vez um ramo da ordem de São Lázaro, ordem leal ao Papa e à Casa dos Bourbon, antiga família franco-hispano-italiana empenhada no controle e na privatização dos recursos hídricos no mundo

Mesa Redonda dos Industriais Europeus

  • Presidente: Jorma Ollila, Comendador da Ordem de Orange-Nassau

Bohemian Club / Bohemian Grove, na California.

VII. Figuras e entidades internacionalista fundamentais de carácter geopolítico e económico

Nações Unidas

a ONU, um “cavalo de Tróia” ​​criado e controlado por Roma para o estabelecimento de um Governo Mundial , com sede em New York, junto com outras organizações não-governamentais como a UNESCO, localizada em Paris (França); a Organização Mundial da Saúde (OMS), com sede em Genebra (Suíça) e outros.

União Europeia

com sede em Bruxelas (Bélgica) e em Estrasburgo (França)

Conselho Europeu

o órgão político da UE mais importante da Presidência da União Europeia (eng) gira a cada seis meses entre os governos nacionais dos Estados membros e este cargo é dado a um ministro de um dos estados membros especialmente nomeados)

Parlamento Europeu

A única instituição parlamentar da União Europeia cujos membros são eleitos directamente pelo povo.

  • Presidente do Parlamento Europeu actual (2018): Antonio Tajani (monárquico, fiel aos Savoia)

Comissão Européia, o braço executivo da União Europeia.

  • Presidente da Comissão Europeia era antes José Manuel Barroso, treinado pelos Jesuítas, depois substituído por Jean-Claude Juncker, também ele de formação católica-romana.

Security & Prosperity Partnership, “cavalo de Troia” que ​​visa a criação da União da América do Norte

Asian Pacific Economic Cooperation (APEC)

VIII. Organizações fundamentais financeiras e internacionalistas

Banco de Compensações Internacionais (BIS), sediado em Basel (Suíça).

Comité de Basileia, parte integrante do BIS, é um subcomitê composto pelos Países do G10.

Fundo Monetário Internacional (FMI), com sede em Washington DC (EUA).

Banco Mundial, com sede em Washington DC (EUA)

Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Banco Central Europeu, com sede em Frankfurt (Alemanha).

  • Presidente: Mario Draghi, educado pelos jesuítas, Cavaleiro de Malta, Cavaleiro da Ordem de Constantino e Cavaleiro da Ordem do Toson de Ouro.

Federal Reserve, com sede em Washington DC (EUA).

Banco da Inglaterra, com sede na City de Londres (UK).

  • Governador: Mark Joseph Carney

IX. Organizações militares fundamentais e organizações internacionalistas privadas de carácter militar empenhadas no recrutamento de mercenários

NATO

Organização Tratado do Atlântico Norte, cujas tropas são basicamente o núcleo das forças de “manutenção da paz”.

  • Secretário-geral Jaap de Hoop Sheffer, da Ordem de Orange-Nassau e da Ordem de São Miguel e São Jorge

Blackwater International (agora Academi), um exército de mercenários controlados pelos Cavaleiros de Malta, com base em Moyock, na área da Great Dismal Swamp (Carolina do Norte, EUA).

 

Segundo esta pesquisa, portanto, tudo estaria centrado no Vaticano. Não é difícil admitir que a sede papal tenha uma influência que vai muito além do espírito, todavia é mais complicado acreditar que o Vaticano seja o centro do poder mundial. Mais provável é que o Vaticano seja uma das várias vertentes em jogo.

Nota: no prazo de 20 minutos começa o derby Genoa- Sampdoria, pelo que vou sentar-me no sofá com as pipocas para ver (ilegalmente) o jogo na tv, esperando que o Bem (Samp) prevaleça e que o Mal (Genoa) seja derrotado. Amanhã vou actualizar a parte das informações relativas às pessoas citadas nesta pesquisa e emendar eventuais erros. Força Sampdoria, sempre.

 

Ipse dixit.

Fonte: Connesione Cosciente

9 Replies to “NWO: a estrutura dos Illuminati”

  1. Max, não vi russos nem chineses entre esses nomes todos, o que me leva a pensar que existem muitas forças em permanente disputa pela supremacia nas mais variadas áreas, seja financeira, militar, etc.
    Apesar de a ideia de um governo mundial ser antiga, os sinais estão a apontar sempre no sentido contrario. Desde o muro de Trump, Brexit, Brics, ISIS e Médio Oriente, e por aí fora.
    Esses indivíduos e organizações listadas no post, sendo grupos de influência, não parecem integrar uma superestrutura com um pensamento único de governação mundial.
    Todos estes nomes um dia estarão a cantar musicas celestiais, lá para os lados do inferno, e o assunto provavelmente continuará a ser debatido.
    Por isso a NWO, Iluminatti, e companhia é tudo folclore para ocultar aquilo que sempre existiu que é uma classe privilegiada que molda a sociedade à sua maneira para poder viver bem, à custa dos outros.

    Um abraço
    Krowler

  2. Claramente existe uma luta entre várias “elites”.

    O Trump ter sido eleito vai contra a corrente dominante das ultimas décadas e não é apenas folclore.
    Basta verificar o quase unanimismo dos media contra o homem para perceber que algo não bate certo.

    Depois temos o Brexit, algo que também vem ao arrepio de tudo o que está a ser meticulosamente construido.

    Para finalizar, temos a China e a Russia, com a suas agendas próprias.

    O que escrevi está muito simplificado (muito é favor ehehe), mas a ideia está lá.

    Abraço

  3. A pesquisa é interessante,vejo uma extensa lista de entidades com capacidade de decisão ou de influência mas não vejo nada que se possa justificar um nexo de casualidade entre todas e muito menos nada que possa fundamentar uma suposta ligação ao Vaticano … O artigo tem continuação ?

    1. Olá P.Lopes!

      Pois, é por isso que estou a tentar entrar em contacto com o autor da pesquisa (o qual ainda não deu sinais de vida): pelo que a resposta é “sim, é suposto haver uma continuação” desde que o autor explique alguns pontos. Caso contrário estaremos uma vez mais perante dum elenco de indivíduos e entidades “supostamente” conectados. Só que com o “supostamente” é possível construir tudo e o contrário de tudo. É isso o mal de muitas das pesquisas acerca da NWO.

      É verdade que há na lista pessoas ligadas à religião católica, todavia é um elo fraco: não é que todos os católicos façam parte da conspiração NWO. Há também a Maçonaria, mas não em todos os casos; além de que o discurso acerca dos Maçons não é tão linear assim.

      Muito mais simples é demonstrar uma ligação de tipo económico (não neste caso específico, falo no geral): continuo a pensar que seja por aí, sempre segundo o lema “seguir o dinheiro”. E será este o caminho seguido por mim.

      Graaaaande Abraaaaçoooooo!!!!!

  4. Embora tenha uma montanha de gente nomeada aí, senti cheiro de incenso e vi coroas dançando no meu imaginário. O Krowler está certo: cadê russos e chineses? Mas também cadê os príncipes das arábias, e os judeus sempre presentes em tudo que cheire poder, diamantes e bancos? Talvez estejam metidos aí no que foi arrolado, mas eu não consigo distinguir. Também os grandes filantropos, não consigo separar nesta pequena multidão arrolada.
    Uma coisa é certa: esses fdp tem muito dinheiro obtido pelos meios mais sujos, cabeças coroadas pelas dinastias monárquicas, religiosas ou de outras agremiações, e interesses de poder permanecer como estão,ou ampliar sua dominação. Mas também temores em comum. Não fora isto não se juntavam. Neste âmbito não existe amizades, apenas cumplicidades. Há por aí poderosos, ou seja, capazes de alterar o andamento do mundo, independentes, ou seja, não pertencentes a este ou aquele guarda-chuva? Os medos deles não provém de nós, simples mortais, sujeitos aos seus genocídios programados em função da eficácia dos controles. Provém de outros grupelhos, tanto quanto poderosos. Além do mais, existe grupelhos emergentes, desgrudados dos existentes ou surgidos do casamento de circunstâncias favoráveis
    .Se eu pudesse vislumbrar as diferentes linhas de ação, projetos…eu sei que são vários grupelhos em funcionamento, e sempre foi assim. Mas o fato de eu não saber distingui-los e caracterizá-los acaba me levando para o lugar comum da dicotomia:dominante – em vias de dominação,que ganham visibilidade, é claro, mundo unipolar – mundo multipolar, estratégia de ocupação por guerras e assemelhados – estratégia de ocupação comercial…e por aí vai.
    Como tu podes ver Max, minha dificuldade é grave. E talvez não seja a única entre aqueles que leem/comentam II. Tu poderias pesquisar este assunto. Sei que demandaria uma série de escritos, não poucos, mas com certeza valeria a tentativa.

    1. Krowler

      “…Por isso a NWO, Iluminatti, e companhia é tudo folclore para ocultar aquilo que sempre existiu que é uma classe privilegiada que molda a sociedade à sua maneira para poder viver bem, à custa dos outros.”

      É!?

      Ou até várias já dominantes em disputa por seus interesses, não quer dizer que não se cominiquem directa e indirectamente (algumas com más relações ou interesses antagónicos, mais no método ou metodologia e a dosagem do que se pretende, mas para isso existem aí “grupos” que são intermediários)
      para que cheguem a acordos, outras vezes não e dai para crises, guerras… sem mexer um dedo os outros é que pagam a fatura.
      Não acredito que esteja tudo muito interligado, a variedade(como estará agora?)como em muita coisa impede que certas *vontades* vão em frente.
      Provavel que já tenham evitado coisas positivas assim como negativas.

      Maria

      “…O Krowler está certo: cadê russos e chineses? Mas também cadê os príncipes das arábias, e os judeus sempre presentes em tudo que cheire poder, diamantes e bancos? Talvez estejam metidos aí no que foi arrolado, mas eu não consigo distinguir. Também os grandes filantropos, não consigo separar nesta pequena multidão arrolada.”

      Nada melhor que participar sem dar o nome, deixar rasto ou seja da forma mais anónima possível.

      Abraços

      Nuno

  5. Ao referir os ritos maçónicos sabe o que me deixa intrigado?

    O facto de hoje praticamente não se falar do Rito Francês ou Moderno; parece que existe uma certa censura e vontade de esconder esse ritual, e a informação que se encontra disponível por aí não é muito precisa, aliás mistura uma quantidade de fantasias, esoterismo, misticismo, etc, que em nada tem a ver com o Rito Moderno, a Revolução Francesa, a Laicidade, e o Ideal Republicano.

  6. A minha visão das coisas: tal como o choque entre progressistas e conservadores na política é falso, também o choque entre progressistas e conservadores nos bastidores da mesma é falso também. É um falso embate controlado pelos titereiros que estão nos níveis acima dos nomes que já conhecemos.

    1. Também penso assim embora tudo indique o oposto. E até podem, ou mesmo variem no poder político(ai existem diferenças e grandes: ver casus paciente brazilis e outros), feito com comando à distância.
      Não passa de um palpite, um feeling sei lá uma intuição.
      A ultima frase é a ideia que (pode estar errada) com a qual concordo.

      Abraço

      Nuno

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: