Coronavirus: confirmado, as crianças não contagiam

E voltemos a falar de Coronavirus, desta vez com um estudo do Instituto Pasteur focado no contagio entre as crianças e a transmissibilidade da doença por parte das mesmas. Os dados da pesquisa forma publicados no dia 23 de Junho de 2020.

Cientistas do Instituto Pasteur, com o apoio da Agência Regional de Saúde de Hauts-de-France e da Autoridade de Educação de Amiens, realizaram um inquérito epidemiológico a 1.340 pessoas ligadas às escolas primárias de Crépy-en-Valois, no departamento de Oise.

Graças à cooperação da população de Crépy-en-Valois, o inquérito, que recorreu aos testes serológicos desenvolvidos pelo Instituto Pasteur, revelou que a proporção de alunos das escolas primárias infectados pelo novo Coronavírus era de 8.8%. Com base em alguns casos de infecção detectados nos alunos antes do encerramento das escolas, parece que as crianças não propagaram a infecção a outros alunos ou a professores ou outro pessoal das escolas.

Eis os pontos salientes do estudo:

  • O vírus tinha circulado na comunidade a partir de finais de Janeiro de 2020. O número de casos aumentou gradualmente até ao início de Março, antes de se estabilizar, e depois começou a diminuir no final de Março.
  • Das 1.340 pessoas incluídas no estudo, 139 tinham sido infectadas pelo vírus, o que representa 10.4% da população em estudo.
  • 510 estudantes de seis escolas primárias foram incluídos no estudo. Houve três casos prováveis de infecção pelo SRA-CoV-2 em três escolas diferentes antes do encerramento das escolas para as férias de Fevereiro e depois para o lockdown em Crépy-en-Valois. Estes casos não deram origem a casos secundários entre outros estudantes ou pessoal docente das escolas.
  • Os professores foram apenas marginalmente afectados, com apenas 3/42 (7.1%) professores infectados no total, um número semelhante ao de pais de crianças, não infectadas, que foram infectados pelo vírus (6.9%). Para o pessoal não docente, a proporção de infecção foi de 1/28 (3.6%).
  • A taxa de infecção foi muito elevada entre os pais das crianças infectadas (61.0%), mas apenas 6.9% entre os pais das crianças não-infectadas. Isto sugere que os pais foram a fonte de infecção dos seus filhos em vários casos.
  • Apenas dois indivíduos foram admitidos no hospital (1.4%) para a Covid-19 dos 139 casos registados de infecção por SRA-CoV-2, um número que não é surpreendente para uma população relativamente jovem. Ambos os indivíduos admitidos no hospital eram pais. Não se registaram mortes.
  • As crianças apresentavam formas menores da doença, com sinais clínicos que não eram particularmente indicativos da Covid-19. Os únicos sintomas tipicamente associados à doença eram diarreia, experimentada por 10 das 58 crianças infectadas, e fadiga, experimentada por 15 delas.
  • Nos adultos, 90.7% dos que perderam o olfacto e 75% dos que perderam o paladar durante o período do estudo foram infectados pelo SRA-CoV-2, confirmando o forte valor preditivo destes sinais.
  • A proporção de formas assintomáticas em indivíduos infectados foi estimada em 8/81 (9.9%) em adultos e 24/58 (41.4%) em crianças.

Comenta Arnaud Fontanet, primeiro autor do estudo, chefe da Unidade de Epidemiologia de Doenças Emergentes do Instituto Pasteur e professor na Escola Pública Médica do Cnam:

Globalmente, os resultados deste estudo são comparáveis aos de outros estudos internacionais, que sugerem que as crianças dos 6 aos 11 anos de idade são infectadas em casa e não na escola. A principal informação nova deste estudo é que as crianças infectadas não transmitiram o vírus a outras crianças, professores ou outro pessoal escolar. Contudo, estes resultados precisam de ser confirmados noutros estudos, dado o baixo número de introduções do vírus nas escolas que poderiam ser estudadas. […] Este estudo confirma também que as crianças pequenas, quando infectadas com este novo Coronavírus, na maioria das vezes não desenvolvem sintomas da doença ou apresentam sintomas menores que podem não levar a um diagnóstico. Os sinais muito característicos de perda de gosto e cheiro nunca foram observados em crianças com menos de 15 anos de idade, enquanto que foram relatados por metade dos adultos.

O estudo confirma quanto anunciado por Informação Incorrecta já no mês de Abril no artigo Coronavirus: as crianças não contagiam e baseado numa notícia do diário inglês The Telegram, segundo a qual:

Embora os peritos tenham dito que são necessárias mais provas, notam que não houve um único caso de uma criança com menos de 10 anos que transmitisse o vírus, mesmo em rastreio de contacto efectuado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em Janeiro e Fevereiro.

Alguém deveria explicar as medidas de contenção aplicadas nas creches, nos jardins de infância ou até a separação entre netos e avós…

 

Ipse dixit.

One Reply to “Coronavirus: confirmado, as crianças não contagiam”

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: