Vacinas: a verdade? Em 2076

A FDA (Food and Drugs Administration, agência federal do Departamento de Saúde dos EUA) pediu a um juiz federal que fosse concedido tempo até 2076 para produzir integralmente todos os dados e informações nos quais se baseou para autorizar a vacina anti Covid-19 da Pfizer.

Cinquenta e cinco anos para divulgar as mais de 329.000 páginas que a Pfizer forneceu à FDA para autorizar a sua vacina. Interessante, porque a FDA tinha demorado exactamente 108 dias para analisar os registos para o licenciamento, operação concluída na altura em que a FDA efectivamente licenciou a vacina (a 23 de Agosto de 2021). Portanto, a FDA conseguiu uma intensa e aprofundada revisão da documentação em 108 dias, mas agora são necessários mais de 20.000 dias para tornar estes documentos acessíveis ao público.

A associação Public Health and Medical Professionals for Transparency (uma non-profit formada por pessoal médico e jornalistas) pediu que a FDA divulgasse a documentação, ao abrigo do Freedom of Information Act (a lei sobre a liberdade de informação), no prazo de quatro meses.

A FDA explicou que isso não faz sentido e, a seguir, apresentou as razões:

  • Primeiro, o curto espaço de tempo “aumenta o risco significativo de divulgação inadvertida de registos devidamente sujeitos a isenção do FOIA”.
  • Em segundo lugar, “a FDA não tem o pessoal ou recursos no seu escritório […] para processar o pedido […] a uma taxa de mais de 80.000 páginas por mês”.
  • Terceiro: “o Tribunal deveria rejeitar categoricamente o argumento ilusório do queixoso de que, dado que os cientistas conseguiram a revisão do Pedido de Licença Biológica da Pfizer num prazo acelerado, os especialistas em informação do governo devem poder fazê-lo no mesmo período de tempo. Tal como deveria ser evidente, a revisão realizada por cientistas da FDA quando se considera aprovar um produto é totalmente diferente da revisão conduzida pelos especialistas em informação do governo da FDA considerando que a FDA deve manter a confidencialidade de certas informações.
  • Quarto: “Ao contrário do argumento do queixoso, os regulamentos da FDA não exigem nem sugerem que a FDA divulgará todos os dados publicamente liberáveis imediatamente após a aprovação de um pedido de licença biológica. […] É claro que os regulamentos da FDA estabelecem quando a informação dum produto biológico é mantido em estrita confidencialidade pela agência e quando determinados dados podem ser divulgados ao público”.

Por estas razões (mais algumas que podem ser encontradas na versão integral do documento, em inglês,) “a FDA propôs a produção de 500 páginas por mês que, com base no seu cálculo e no número de páginas, significaria que completaria a sua produção em quase 55 anos – o ano 2076”.

Quinhentos páginas por mês. O que significa dezasseis páginas por dia para poder eliminar os dados pessoais de quem participou nos ensaios e as informações sobre o produto que Pfizer e FDA desejam manter confidenciais. Complicado, muito complicado considerado que a revisão do produto para a aprovação da vacina, realizada por cientistas e concluída em 108 dias “é totalmente diferente da revisão conduzida pelos especialistas da informação” da FDA, que devem analisar o que pode ou o que não pode ser divulgado ao público. E, como vimos, a comparação é um “argumento ilusório”.

Faz sentido? Absolutamente sim. Um erro por parte dos cientistas pode resultar em doenças ou mortes dos pacientes, algo potencialmente aborrecido. Mas um erro dos especialistas da informação pode desencadear hordas de advogados, tribunais, queixas, indemnizações… um autêntico inferno. Então todo o cuidado é pouco.

Já alguma vez tiveram a sensação de estarem a ser gozados?

 

Ipse dixit.

4 Replies to “Vacinas: a verdade? Em 2076”

  1. Olá Max: tenho a sensação de ser gozada quase todos os dias.
    Esse pessoal da Pfizer consegue alcançar os píncaros do cinismo: desfazem das instituições que apresentam dados de consequências, inclusive mortos causados pela aplicação da sua arma biológica, a que chamam vacinas; querem convencer que é necessário meio século para apurar dados convincentes, ou seja, quando já se produziram enfermidades ou mortes suficientes; sempre estiveram conscientes da arma que estavam fabricando porque no contrato de compra no Brazil por exemplo se eximiram de qualquer consequência perigosa e qualquer recurso à justiça contra a dita cuja.
    Isso me faz lembrar um professor de história que tive o desprazer de ter aulas na época da ditadura, que dizia que um fato histórico precisava de 50 anos para ser estudado com confiabilidade.
    Tal cidadão esquecia que os tiranizados não esquecem o que sofreram nem na décima encarnação caso elas existirem.
    Quem não sofreu, sim, pode esquecer o que disse ou escreveu, ou simplesmente ser indiferente ou ignorar o tempo todo.

  2. Muito bom Max!
    Particularmente gostei da nave ao lado da “real” imagem do vírus.
    Acho que para nós, simples mortais não há a menor chance de fazermos uma viagem interplanetária.

Obrigado por participar na discussão!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: