Treinados para obedecer

Quando há dez anos vacinas pediátricas para doenças desaparecidas foram tornadas obrigatórias sob pena de exclusão do jardim de infância, acusando crianças inteiramente saudáveis de ameaçar a saúde das crianças doentes ou vacinadas, muitos pais protestaram e foram deixados sozinhos pelo resto da população que em geral disse: “bem, vamos lá, as vacinas são necessárias”, desafiando quaisquer estudos sobre farmacovigilância activa e passiva, relação custo/benefício, políticas criminosas das empresas farmacêuticas e conflitos de interesses envolvidos na decisão. Apenas pensavam que não lhe dizia respeito, basicamente. Mas isso dizia-lhe respeito: estavam a ser treinados. Estavam a treiná-los para aceitar o ilógico, em nome de um vago bem superior, em relação a uma autoridade superior não especificada mas indiscutível.

Abrir janelas

Várias vezes durante 2018 e 2019 o “isco” foi lançado com propostas de vacinação obrigatória para professores, médicos e profissionais de saúde. Cada vez, alguém da categoria em questão levantava os escudos, dizendo “eh não, o corpo é inviolável” e cada vez que aqueles que protestavam tomavam insultos, avisos, ameaças. O que poucas pessoas compreenderam sobre tudo isto foi que a ciência, a saúde e as próprias vacinas não tinham nada a ver com o assunto. Estavam simplesmente a treiná-los. Continuaram a treiná-los para aceitar o ilógico, em nome de um vago bem superior, em relação a uma autoridade superior não especificada mas indiscutível.

A primeira pandemia de testes na história

Em 2020 vem o fantasmagórico Covid, a superpandemia que é tão mortal que tens de fazer o teste para descobrir que o apanhaste, não te faz absolutamente nada em 98% dos casos e cujas infecções e mortes são contadas por um teste que nem sequer é certificado para uso diagnóstico. Um teste que nem sequer procura o vírus (que ainda ninguém identificou), mas apenas algo que deve assemelhar-lhe um pouco e que é verificado com uma série de ciclos que até o conseguem encontrar na Coca Cola. E no entanto obrigam-te a usar uma máscara (que não impede o contágio respiratório); encerram as tuas actividades (nas quais não há provas de qualquer risco de contágio); limitam os teus movimentos (entre áreas já alcançadas por contágio e, portanto, sem qualquer razão lógica para o fazer); impõem mesmo um recolher obrigatório (e acho insultuoso ter de explicar porque é que não tem qualquer utilidade)!

Curas? Não, obrigado.

E depois de terem escondido, prevenido e proibido durante um ano e meio qualquer possível tratamento para aqueles que foram realmente afectados por esta gripe horrível, depois de terem deixado morrer aqueles milhares de pessoas mais fracas e vulneráveis, aplicando protocolos criminosos, tentam agora impor como requisito aquilo a que chamam indevidamente “vacina”. O enésimo tratamento inútil, tão eficaz como um guarda-chuva para um peixe, imposto pela chantagem com passaportes ilógicos, e para os trabalhadores da saúde a escolha: ou renunciam ao direito ao trabalho ou renunciam ao direito à inviolabilidade do seu próprio corpo – porque agora pedir dois direitos fundamentais em conjunto tornou-se demais.

Não é que aqueles que ainda não chegaram a este ponto estejam a ser “enganados”, mas sim que não querem chegar lá. Querem aceitar o ilógico em nome de um vago bem superior, querem obedecer incondicionalmente a uma imprecisa autoridade superior. Aqueles que não protestam hoje foram simplesmente bem treinados para obedecer. Nada mais.


Nota: Esta peça foi publicada no Facebook a 26 de Maio de 2021, depois o Facebook removeu-a sem sequer indicar qual regra teria violado. Talvez seja uma nova regra, que soa mais ou menos assim: “se não gostarmos de uma das vossas reflexões, e esta receber milhares de apreciações e partilhas, nós vamos remove-la”.

 

 

Stefano Re

One Reply to “Treinados para obedecer”

  1. Olá Max e todos:
    Stefano usou o facebook para dizer exatamente o que eu diria, caso fosse escrever algo a respeito.
    A obediência voluntária é muito antiga. Data desde quando alguns homens entenderam de convencer os outros pelo hábito. E que essa subserviência lhes conviria.
    No caso específico das vacinas, desde que as mães entenderam a caderneta de vacinação para os filhos como um passaporte para a frequência escolar, para o atendimento no serviço público de saúde, para receber a bolsa família, aqui no Brazil.
    Eu só não sei ainda qual o mecanismo especial que faz de alguns partícipes da desobediência civil.
    No meu caso meus pais nunca permitiram que eu fosse vacinada. Tive o privilégio de fazer os primeiros estudos em escola particular (onde qualquer coisa pode ser negociada). As freiras colocam acima de tudo o direito paterno sobre os filhos ( de gente “bem”). Na infância tive médico particular e bolsa família nem existia na terra brasilis..
    Nunca aceitei vacinar meus cães. Boa alimentação e carinho fazem com que eles esbanjem saúde e morram de velhice. Diga-se que a maioria deles foram animais resgatados do abandono das ruas.

Obrigado por participar na discussão!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: