Covid: os efeitos das vacinas na Escócia e na França

Covid, mais uma vez. Ao longo deste ano (um pouco mais, na verdade) os dados divulgados sofreram dum evidente bipolarismo. Numa primeira fase prevaleceu a atitude pessimista ao ponto que, por exemplo, desapareceu a distinção entre mortos “de Covid” e “com Covid”: muito cedo passaram a ser todos mortos “de Covid”. Numa segunda fase, vice-versa, ganhou a fase optimista: as vacinas só fazem bem, até o ponto de poder mistura-las porque é toda saúde. Mortos por causa das vacinas? Residuais, pontuais, episódicos. Mesmo que, como será observado amanhã na actualização dos dados da EMA (Agência Europeia do Medicamentos) os óbitos ultrapassem as 10.000 unidades só no velho Continente.

Hoje vamos ver o que se passa na Escócia com outros dados oficiais, aqueles fornecidos pela Public Health of Scotland, o sistema de saúde escocês, gerido pela Convention of Scottish Local Authorities e Governo da Escócia. E os dados não são nada simpáticos: as vacinas totalizaram um número de mortes que já é a metade das mortes “de Covid”.

Na verdade é provável que os números sejam até piores: as mortes devidas às vacinas costumam ser contabilizadas de forma conservadora enquanto as mortes “de Covid” são sempre… abundantes. Mas há uma enorme diferença: o número de pessoas que morreram na Escócia por causa das vacinas é detectado num período de mais de 6 meses, enquanto o número de pessoas que alegadamente morreram “de Covid” acumulou-se ao longo de mais de 15 meses.

Vamos ver os dados.

Segundo o Governo da Escócia, os óbitos provocados pela Covd-19 foram até hoje 7.683.

Segundo o documento do sistema Sanitário Escocês Public Health Scotland COVID-19 Statistical Report publicado no dia 7 de Junho, entre 8 de Dezembro de 2020 e 28 de Maio de 2021, um total de 3.752 pessoas morreram no prazo de 28 dias após terem recebido uma vacina Covid-19. Mais em pormenor: 1.289 pessoas morreram no prazo de 28 dias após a vacina da Pfizer, 2 pessoas morreram no mesmo prazo após a vacina Moderna e 2.461 pessoas morreram após a vacina AstraZeneca.

Portanto: 7.683 mortos de Covid (em 15 meses), 3.752 mortos de vacinas (em 6 meses).

Entretanto, na França…

Um salto até o outro lado do Canal da Mancha e entramos na França. Aqui, enquanto as autoridades políticas estão a considerar tornar obrigatória a vacinação anti-Covid mesmo para crianças, os centros de farmacologia estão inundados com relatórios provocados pelos efeitos secundários.

Já em Abril, o jornal Ouest-France publicava um artigo realçando um “surto” de efeitos adversos:

Os relatórios sobre os efeitos adversos das vacinas anti-Covid e do Centro Regional de Farmacovigilância (CRPV) em Tours têm de lidar com um surto na sua actividade. Face à situação, foi pedido a pacientes e médicos que não declarassem tudo para dar prioridade aos relatórios mais graves. […] No final de Março, o Centro Regional de Farmacovigilância de Tours (Indre-et-Loire) já tinha realizado o equivalente de toda a sua actividade em 2020. De facto, como noticiado pela France 3 Centre Val-de-Loire, os relatórios sobre os efeitos adversos das vacinas anti-Covid, particularmente os relativos à AstraZeneca, fizeram explodir o número de casos.

Desde Janeiro, dizia o artigo, o centro “recebeu 1.400 relatórios e por vezes mais de 200 numa semana. Um fenómeno para o qual não estava preparado”.

No final de Maio, o jornal regional Le Populaire du Centre, intitulava: “Vacinas Covid-19: cerca de 4.000 relatórios de efeitos secundários em Limousin”. Também neste caso, o Centro Regional de Farmacovigilância foi esmagado por um aumento dos efeitos adversos ligados à vacinação anti-Covid:

Desde o início de 2021 este é um afluxo sem precedentes para o Centro Regional de Farmacovigilância de Limoges, que recolhe todos os relatórios de reacções adversas aos medicamentos. Entre estes, um dos 34 casos franceses de trombose atípica ligada à injecção da vacina AstraZeneca.[…] O Centro Regional de Farmacovigilância (CRPV) tem sido sobrecarregado por relatórios pós-vacinação Covid-19 desde Janeiro passado. Mais precisamente, 4.000 em quatro meses e meio (de 283.000 pessoas que receberam uma ou duas doses de vacina em Limousin): um recorde para esta estrutura que recolhe declarações de efeitos adversos de medicamentos e relata as suas observações à Agência para a Segurança Nacional de Medicamentos, a ANSM.[…]

“Em tempos normais, recebemos cerca de 1.200 casos por ano, incluindo apenas dez notificações para vacinas convencionais”, diz a Professora Marie-Laure Laroche, directora do centro”.

Mais ao pormenor, o Populaire assinala que “25% dos relatórios “dizem respeito a efeitos graves: “uma proporção semelhante àquela do nível nacional”, explica o diário que no artigo lista os principais efeitos secundários incapacitantes: “taquicardia, herpes zóster, hipertensão, paralisia facial, urticária”.

Acabou? Nem por isso. Mais ao Sul, na região de Toulouse, o diário Le Journal Toulousain foi obrigado, a 25 de Maio, a fazer o mesmo tipo de observações:

Devido à utilização de vacinas anti-Covid , o Centro Regional de Farmacovigilância de Toulouse, que recolhe todos os relatórios de reacções adversas aos medicamentos, registou, desde Janeiro, cinco vezes mais declarações do que o normal. […] 4.000 relatórios para os primeiros quatro meses de 2021… Isto é inédito no Centro Regional de Farmacovigilância (CRPV) em Toulouse, que recolhe relatórios de reacções adversas a medicamentos, antes de enviar as suas observações à Agência Nacional para a Segurança dos Medicamentos (ANSM).

“O aumento é significativo, é cinco vezes mais do que no ano passado no mesmo período” afirma o Professor Jean-Louis Montastruc, director da CRPV e membro da Academia Nacional de Medicina. (…)

Normalmente, a estrutura anexa ao Hospital Universitário de Toulouse regista uma média de 2.100 declarações por ano. Dos quais um número muito reduzido está relacionado com as vacinas convencionais. É obviamente a campanha de vacinação contra a Covid que está na origem deste espectacular aumento.

Continua o diário:

O Centro Regional de Farmacovigilância não se limita a registar relatórios. Tem também a onerosa tarefa de autenticar cada relatório. Dado o afluxo desde o início do ano, é dada prioridade aos efeitos graves e inesperados que representam, segundo o director da CRPV, cerca de um terço das declarações neste momento. “O que é muito difícil neste período em que toda a população está a ser vacinada é distinguir entre eventos que teriam ocorrido sem a vacina e aqueles devidos à injecção de uma ou duas doses. Os AVCs, por exemplo, acontecem todos os dias”, diz ele.

Para tal, a CRPV conduz investigações reais chamadas imputabilidade, que por vezes demoram várias horas. “Com análises clínicas ou farmacológicas e estudando a cronologia dos acontecimentos, conseguimos sempre identificar se um relatório de uma reacção adversa está ou não ligado à vacina”, diz Jean-Louis Montastruc.

Entre os relatórios sérios, a CRPV teve de investigar casos de hemofilia, ataques cardíacos, hipertensão arterial e paralisia facial. “A grande novidade específica da campanha de vacinação são obviamente os casos de trombose venosa de que muito se tem falado”, acrescenta o especialista em farmacologia.

Para além destes casos específicos atribuídos à vacina AstraZeneca, as declarações processadas pelo Centro Regional de Farmacovigilância de Toulouse não indicam que uma vacina seja mais susceptível de gerar efeitos secundários do que outra. Sendo a mais prescrita, a vacina Pfizer está na origem de uma grande maioria dos relatórios registados, muito à frente da AstraZeneca, depois Moderna e finalmente Janssen, a última das vacinas autorizadas em França.

Cambada de conspiracionistas… são todos conspiracionistas. o sistema de saúde da Escócia, os diários franceses….malditos.

 

Ipse dixit.

12 Replies to “Covid: os efeitos das vacinas na Escócia e na França”

    1. Espero estar enganado, mas não creio que tornem a vacina obrigatoria , eles conseguiram voluntariamente uma quota de mercado superior a 90% na europa, forçar para quê ? Só vai atrair polemicas desnecessarias e polemicas são más para os negocios , para além dos que regeitam a vacina há também alguns que são alergicos a vacinas e a mdicação intravenosa e outros que por rzões de cirurgia e implantes principalmente relacionados com o coração são medicamente aconselhados a não tomar a vacina .

  1. O CDC fez (ou não) marcha-atrás na vacinação de jovens (menos de 30), devido a “eventos” reportados?
    Concordo com a análise (preliminar) do PLopes. Realmente, com uma adesão destas!!!
    Previsões para o desenrolar do programa eugénico em curso?
    1- A 1ª fase da “terapia genética” matará pelo menos o dobro dos que efetivamente morreram de COVID19.
    2- A 2ª fase, o reforço, a implementar (julgo que) no início de 2022, matará pelo menos outros tantos.
    3- De reforço em reforço, implementação prática de sistema idêntico ao da vacinação da gripe, ao longo dos próximos 10 anos ficará institucionalizado (de facto) o novo parâmetro para a mortalidade mundial pretendida para o sector da saúde, numa ordem de grandeza de várias vezes superior à atual… o triplo talvez?
    É acompanhar-se o registo pós-covid19, da mortalidade associada a doenças do foro vascular (todas elas).
    Paralelamente, as cobaias sobreviventes ampliaram o valor financeiro (corporativo) do sector da saúde também em várias vezes a ordem de grandeza atual, fruto das inúmeras maleitas que estão e viram a desenvolver… progressivamente. Desta forma, na só o objectivo eugénico é obtido (até….), mas também a transferência de enormes ativos financeiros para este eleito sector (entre outros) está assegurada, proveniente dos sectores a abandonar… programa em curso.
    (qd reencontrar o link do programa em curso cuja sigla começa por E…, anexo)
    Se algum de vós o poder disponibilizar, agradeço.
    Sugestão: Vasculhar os interfaces entre o dito programa e o GEF (Global Environment Facility).

    1. alfbber existe um sabio proverbio que diz ” mata-se o cão, acaba-se a raiva” não existe o objectivo de eliminar esta população porque se a eliminarem deixam de ter clientes , 90% fidelizados, amedrontados e ansiosos por mais, e estes clientes são os que tem mais formação para manter a funcionar um mundo digital cada vez mais complexo, o objecto é apenas escravizar , aumentar a idade de reforma e dimnuir a esperança media de vida…

  2. Não me parece que o objectivo, por agora, seja matar a população, senão os israelitas, líderes em vacinação, iam ser rapidamente substituídos por árabes. Programação de ADN, implantação de microchips, talvez por aqui.

  3. Efeitos secundários das vacinas mRNA:

    ‘Se tiver mais de 70 anos e tomar estas vacinas, provavelmente morrerá entre 2 a 3 anos. Se tiver menos de 70 anos, qualquer que seja a idade, irá morrer entre 5 a 10 anos. Até lá vai experimentar um conjunto de graves problemas de saúde. Estas vacinas não foram aprovadas porque todos os ensaios feitos a animais, com estas vacinas, resultou na morte de todos eles.’ – Professora Dolores Cahill.

    1. Krowler isso é forte , tens algum link para me poder informar um pouco sobre isso ? Repara , só não descarto ja essa informação porque tu és um gajo sério , se fosse o JF a dizer isso classificava ja como treta …

      1. Se isso for verdade então trata-se de um plano par exterminar os Judeus (paradoxal) e quase toda a população Norte Americana e boa parte dos Europeus.
        Em Israel usou-se em larga escala a vacina da Pfizer e nos EUA esta e a da Moderna.
        Não faz o menor sentido.

      2. P.Lopes, o vídeo onde vi estas afirmações está no link abaixo. Vale o que vale, mas existem alguns detalhes a ter em conta, e que me levaram a não descartar logo esta hipótese:
        – Dolores. Cahill tem um curriculum respeitável na área da Biologia Molecular, e tem sido uma voz muito activa na denuncia desta ‘pandemia’.
        – Afirmações semelhantes já foram feitas por outros cientistas, também com passados respeitáveis, e aparentemente bem fundamentadas.
        – A natureza de alguns efeitos secundários, já conhecidos, é consistente com o que ela diz.
        Por outro lado:
        – A hipótese de uma redução da população global carece ainda de argumentos fortes para me convencer. As ‘Pedras da Georgia’ não bastam.
        – Contudo, a forma com esta ‘pandemia’ está a ser conduzida desde o seu inicio, obriga-me a deixar em aberto todas as possibilidades.
        – As coisas estão a evoluir muito depressa, ao ponto de surgirem constantemente novos dados. Excelentes exemplos para pesquisa: PolyMag da OZBiosciences, Magnetofection, Apijet Systems.

        Sugiro também a chamada de atenção, tipo ‘murro no estômago’, publicado no Off-Guardian, baseado num texto do CJ Hopkins. Link abaixo.

        https://rumble.com/vf8ht3-professor-cahill-warns-of-the-dangers-of-the-mrna-medical-experiment.html

        https://off-guardian.org/2021/06/07/the-wuhan-lab-leak-story-is-just-more-fear-porn/

      3. P.Lopes, o excerto que coloquei no comentário, está no vídeo do link abaixo. Não descartei logo esta informação por diversos motivos:
        A Prof. Dolores Cahill, especialista em Biologia Molecular, tem um curriculum respeitável e o que ela afirma também já foi dito por outros cientistas de renome, e com passados igualmente respeitáveis.
        Pese embora tenha alguma dificuldade em aceitar a hipótese da redução da população, tipo ‘Pedras da Geórgia’, é uma possibilidade que, por agora, prefiro manter em aberto.

        https://rumble.com/vf8ht3-professor-cahill-warns-of-the-dangers-of-the-mrna-medical-experiment.html

  4. Pode-se duvidar da existência de uma metodologia eugénica em curso.
    Eu não tenho quaisquer duvidas da mesma, é pois para mim uma certeza.
    Observo que os que estão a morrer, fazem parte da uma quota destinada a ser eliminada.
    Os que ficam/sobrevivem serão parte da quota que irá alimentar e aumentar o valor do sector.
    As necessidades de trabalho serão suprimidas pela imigração, que oferece trabalho barato e servil.
    As contas da economia de consumo de topo, fazem-se em modo macro, pois o corporativismo é global.

    Mercado? É verificar se a população mundial diminuiu… não, continua a aumentar.
    E, o pretendido é uma diminuição… controlada.
    Notoriamente, começaram pelos mais fracos e dispensáveis (neo-darwinismo).

    O aumento da base precária, da miséria económica, das disfunções sociais, servem para quê?
    Criam as condições de suporte a conflitos introduzidos e induzidos e a mentalidade social para…
    Uma GUERRA, se e quando necessário.
    A decisão, julgo não estar tomada, mas a sua viabilidade é para mim outra certeza.
    No entanto, considero que não o será entre todos os que detém o verdadeiro PODER.
    É-o, particularmente entre alguns dos mais importantes detentores desse PODER.

    Continuo a manter as minhas apostas pela minimização destes e de futuros eventos no lado de lá.
    Assim como a futura, mesmo que longínqua, “domesticação” dos psicopatas do topo da pirâmide.

    Até lá e para a institucionalização da economia digital, vão continuar a eliminar os “supérfluos”.
    A narrativa covid-19 está nas últimas. Será preciso introduzirem algo novo?
    Serão os cenário das “estirpes” e das “terapias genéticas” suficientes para levar este 1º acto até ao fim do estipulado? Ou, será introduzido um novo ícone mediático na linha do existente?
    Ando a ouvir por aí uns ruídos algo… galináceos?

Obrigado por participar na discussão!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: