Estudo demonstra: a máscara é inútil

Um grande estudo publicado na semana passada na revista Annals of Internal Medicine não encontrou nenhuma diferença estatisticamente significativa nos casos de Covid-19 entre os portadores da máscara e o não portador. O estudo randomizado dinamarquês tem sido o primeiro no mundo a testar a eficácia das máscaras em evitar que o portador contraísse o coronavírus e a ser submetido à avaliação entre pares.

1.8% das pessoas a quem foi pedido que usassem as máscaras foi considerado infectado com o Coronavírus, de acordo com testes dos anticorpos, reacção em cadeia da polimerase (PCR) ou diagnóstico hospitalar; vice-versa, no grupo de controlo, 2.1% foram os positivos. Uma discrepância aquela entre os dois grupos (0.3%) que os mesmos autores do estudo consideraram como “não estatisticamente significativa”.

O principal investigador do estudo, Thomas Lars Benfield, lamentou a rejeição do estudo pelo Lancet, o New England Journal of Medicine e a revista da Associação Médica Americana JAMA porque os resultados não eram “politicamente correctos”. Quando perguntado acerca da publicação do estudo (já pronto há um mês), Benfield tinha respondido: “Assim que um jornal se mostrar suficientemente corajoso”.

A Dra. Christine Laine é a editora-chefe dos Anais de Medicina Interna. Ela optou por considerar o estudo porque é “o único estudo de controlo aleatório sobre máscaras para infecção por SRA-CoV-2 feito até agora” e responde à pergunta específica “as máscaras protegem ou não o utente em áreas com baixas taxas de infecção e altos níveis de distanciamento físico?”.

Uma rápida revisão do estudo por parte do Instituto Norueguês de Saúde Pública também encontrou insignificante do ponto de vista estatístico a diferença de 0.3% e aconselhou o governo norueguês no combate contra a Covid-19 nos seguintes termos:

Dada a baixa prevalência actual da Covid-19, mesmo assumindo que as máscaras sejam eficazes, a diferença nas taxas de infecção entre o uso ou não o não uso de máscaras seria mínima. Assumindo que 20% das pessoas infectadas com SRA-CoV-2 não têm sintomas, e assumindo uma redução de 40% do risco através da utilização de máscaras, na actual situação epidemiológica apenas uma nova infecção por semana poderia ser evitada com a utilização das máscaras por parte de 200.000

Era preciso um novo estudo? Nos factos sim, pois ninguém até agora tinha efectuado e publicado uma pesquisa que responde aos moldes exigidos pela comunidade científica. Em teoria não, pois é apenas uma questão de usar o cérebro: se o vírus da Covid-19, o SRA Cov-2, tem um diâmetro entre 0.06 e 0.14 microns e os poros das melhores máscaras cirúrgicas não podem filtrar partículas com um diâmetro inferior a 0.3 microns, a máscara serve para quê?

No entanto, o “politicamente” continua a dominar cena e a ignorar as pesquisas. Desde a publicação do estudo, a Pensilvânia impôs novas restrições que incluem a obrigatoriedade de usar as máscaras em casa na presença de estranhos à família, mesmo que o distanciamento físico seja mantido.

E o futuro Presidente dos EUA, o catatónico Joe Biden, é a favor de uma obrigatoriedade de nível nacional, exortando todos os americanos a usar máscaras no exterior:

Sabem, todas as pessoas importantes nos cuidados de saúde dizem “podemos salvar 100.000 vidas até 21 de Janeiro usando estas máscaras”.

As “pessoas importantes” devem ser Anthony Fauci. E isso enquanto um editorial no New England Journal of Medicine, sobre a questão da utilização de máscaras contra a Covid-19, avalia a situação da seguinte forma:

Sabemos que o uso de máscaras fora dos estabelecimentos de saúde oferece pouca ou nenhuma protecção contra infecções. As autoridades de saúde pública definem a exposição significativa à Covid-19 como um contacto próximo dentro de um metro e meio com um doente com Covid-19 sintomático, que dure pelo menos alguns minutos (alguns dizem mais de 10 minutos ou mesmo 20 minutos). A possibilidade de ser infectado com Covid-19 para interacção temporária num espaço público é, portanto, mínima. Em muitos casos, o desejo de utilização generalizada é uma reacção reflexiva à ansiedade pandémica.

Como afirma o Dr. Scott Jensen, Senador do Estado do Minnesota e professor de medicina, numa recente entrevista recente, usar uma máscara é “como colocar um reticulado e esperar que mantenha os mosquitos de fora”.

Verdade. Mas o politicamente correcto…

 

Ipse dixit.

2 Replies to “Estudo demonstra: a máscara é inútil”

  1. O uso de máscaras generalizado pela população (excepto pelos profissionais de saúde) voltou a ser recusado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a 06 de Abril de 2020, por as mesmas serem ineficazes na protecção contra as contaminações; as máscaras servem somente para proteger os doentes/pacientes das gotículas de suor ou saliva que possam eventualmente cair ou ser expelidas pelos profissionais de saúde:

    – Conselhos sobre o uso de máscaras no contexto do COVID-19 (Advice on the use of masks in the context of COVID-19, 6 April 2020)

    https://www.euro.who.int/en/health-topics/health-emergencies/coronavirus-covid-19/publications-and-technical-guidance/2020/advice-on-the-use-of-masks-in-the-context-of-covid-19-interim-guidance,-6-april-2020

    Esta medida infundada de impor o uso de máscaras aos cidadãos fora do contexto hospitalar, só faz lembrar o método de humilhação e tortura Inglês, «Scold’s bridle»:

    https://en.wikipedia.org/wiki/Scold%27s_bridle

  2. Olá Max: primeiro não entendo quando uma pesquisa parte de diagnósticos com 3% de certeza, e os demais são falsos positivos. Mas, de qualquer forma quando a maioria dos humanos se acha protegida usando focinheira até aquilo que chamam ciência é desvalorizado. Simplesmente todas as cabeças estão voltadas para o uso desse trapo que tapa boca e nariz, e também impede o reconhecimento imediato de uns com os outros.
    Nem uma discussão acontece, quando o futuro da humanidade balança com uma luta de poder apocaliptica entre globalistas e soberanistas nos EUA, nada cabe na cabeça dos aterrorizados com o vírus, e dispostos a morrer com vacinas perigosas que não seja Covid 19 e vacinas.
    Quem sabe fosse detonada a terceira guerra mundial, os meios de comunicação suspendessem o Covid e tocassem a cantilena da terceira guerra. Não falo de II que busca e encontra coisas importantes a dizer sobre o único assunto do momento.

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: