Michael Shellenberger: o alarmismo ambiental prejudica todos

Michael Shellenberger é um dos ambientalistas mais conhecidos no mundo: tem uma página no Wikipedia que nunca acaba e já foi citado pela revista Time como Herói do Ambiente (2008), ganhando no mesmo ano o Green Book Award.

Shellenberger publicou um artigo interessante com o título de On Behalf Of Environmentalists, I Apologize For The Climate Scare (“No Interesse Dos Ambientalistas, Peço Desculpa Pelo Susto Climático”), logo censurado pela revista Forbes e republicado nas páginas de Environmental Progress. A melhor forma de entender a razão da censura é ler o artigo na integra. Boa leitura.

Em nome dos ambientalistas de todo o mundo, gostaria de pedir formalmente desculpa pelo alarme climático que criámos ao longo dos últimos 30 anos. As alterações climáticas estão a acontecer. Não é o fim do mundo. Não é sequer o nosso problema ambiental mais grave.

Posso parecer como uma pessoa estranha para dizer tudo isto. Fui activista do clima durante 20 anos e ambientalista durante 30 anos.

Mas como especialista em energia, a quem o Congresso pediu para dar um testemunho objectivo, e que foi convidado pelo Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC) para servir como Revisor Especialista do próximo Relatório de Avaliação, sinto-me obrigado a pedir desculpa pela forma como nós, ambientalistas, temos enganado o público.

Aqui estão alguns factos que poucas pessoas conhecem:

  • Os seres humanos não estão a causar uma “sexta extinção em massa”.
  • A Amazónia não é “o pulmão do mundo”.
  • As alterações climáticas não estão a agravar as catástrofes naturais.
  • Os incêndios diminuíram em 25% em todo o mundo desde 2003.
  • A quantidade de terra que utilizamos para carne – a maior utilização de terra da humanidade – diminuiu numa área quase tão grande como o Alasca.
  • A acumulação de lenha e mais casas perto das florestas, e não as alterações climáticas, explica porque há mais fogos, e mais perigosos, na Austrália e na Califórnia.
  • As emissões de carbono estão a diminuir na maioria das nações ricas e têm vindo a diminuir no Reino Unido, Alemanha e França desde meados da década de 1970.
  • A Holanda tornou-se rica e não pobre, adaptando-se à vida abaixo do nível do mar.
  • Produzimos 25% mais alimentos do que precisamos e os excedentes alimentares continuarão a aumentar à medida que o mundo se torna mais quente.
  • A perda de habitat e o abate directo de animais selvagens são grandes ameaças às espécies em comparação com as alterações climáticas.
  • O combustível de madeira é muito mais nocivo para as pessoas e para a vida selvagem do que os combustíveis fósseis.
  • Não é necessária menos agricultura “industrial” para prevenir futuras pandemias.
  • Para prevenir futuras pandemias é necessária uma agricultura não menos “industrial”.

Eu sei que os factos acima referidos soarão a muitas pessoas como “negacionismo climático”. Mas isto só mostra o poder do alarmismo climático.

Na realidade, os factos acima referidos provêm dos melhores estudos científicos disponíveis, incluindo os realizados ou aceites pelo IPCC, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) e outros organismos científicos importantes.

Alguns, quando lerem isto, vão imaginar que eu sou um anti-ambientalista de direita. Eu não sou. Quando tinha 17 anos, vivi na Nicarágua por solidariedade com a revolução socialista sandinista. Aos 23 anos, angariei fundos para cooperativas de mulheres guatemaltecas. No início dos meus vinte anos vivi na Semi-Amazónia a fazer investigação com pequenos agricultores que lutavam contra as invasões de terras. Aos 26 anos, ajudei a denunciar o mau estado das fábricas da Nike na Ásia.

Aos 16 anos, tornei-me ambientalista quando organizei uma angariação de fundos para a Rainforest Action Network. Aos 27 anos, ajudei a salvar a última madeira vermelha antiga desprotegida na Califórnia. Aos 30 anos, apoiei as energias renováveis e ajudei com sucesso a convencer a administração Obama a investir 90 biliões de Dólares. Nos últimos anos, ajudei a poupar centrais nucleares suficientes de serem substituídas por combustíveis fósseis a fim de evitar um aumento acentuado das emissões.

Mas até ao ano passado, evitei sobretudo falar contra o medo do clima. Em parte porque fiquei embaraçado. Afinal de contas, sou tão culpado de alarmismo como qualquer outro ambientalista. Durante anos chamei às alterações climáticas uma ameaça “existencial” à civilização humana e chamei-lhe uma “crise”.

Mas acima de tudo, tive medo. Fiquei em silêncio sobre a campanha de desinformação climática porque tinha medo de perder amigos e financiamentos. As poucas vezes que pedi coragem para defender a ciência climática daqueles que a deturpam, sofri duras consequências. E assim observei e não fiz quase nada enquanto os meus colegas ambientalistas aterrorizavam o público.

Também fiquei a assistir enquanto as pessoas na Casa Branca e muitos meios de comunicação social tentavam destruir a reputação e a carreira de um cientista notável, um bom homem e o meu amigo, Roger Pielke Jr., um democrata progressista e ambientalista de longa data que testemunhou a favor das normas do carbono. Porque é que o fizeram? Porque as pesquisas dele mostram que as catástrofes naturais não estão a piorar.

Mas depois, no ano passado, as coisas ficaram fora de controlo.

Alexandria Ocasio-Cortez disse: “O mundo acabará dentro de 12 anos se não enfrentarmos as alterações climáticas”. O principal grupo ambiental britânico afirmou: “As alterações climáticas estão a matar crianças”.

O jornalista verde mais influente do mundo, Bill McKibben, chamou às alterações climáticas “o maior desafio que a humanidade alguma vez enfrentou” e disse que “aniquilará as civilizações”.

Os principais jornalistas relataram repetidamente que a Amazónia era “o pulmão do mundo” e que a desflorestação era como a explosão de uma bomba nuclear.

Como resultado, metade das pessoas entrevistadas em todo o mundo no ano passado disseram que pensavam que as alterações climáticas levariam à extinção da humanidade. E em Janeiro, uma em cada cinco crianças britânicas disse aos inquiridores que tinham pesadelos sobre as alterações climáticas.

Quer tenha ou não filhos, tem de compreender o quão errado isso é. Admito que sou sensível porque tenho uma filha adolescente. Depois de falar sobre a ciência, sentiu-se reconfortada. Mas os seus amigos estão profundamente desinformados e, portanto, compreensivelmente assustados.

Por isso, decidi que tinha de falar. Eu sabia que escrever alguns artigos não seria suficiente. Precisava de um livro para expor devidamente todas as provas.

E assim o meu pedido formal de desculpas pelo nosso alarmismo vem na forma do meu novo livro, Apocalypse Never: Why Environmental Alarmism Hurts Us All. [Apocalipse Nunca: Porque é que o Alarmismo Ambiental Prejudica a Todos, ndt]

Baseia-se em duas décadas de investigação e três décadas de activismo ambiental. Com 400 páginas, 100 das quais são notas finais, Apocalypse Never trata de alterações climáticas, desflorestação, resíduos plásticos, extinção de espécies, industrialização, carne, energia nuclear e fontes renováveis.

Alguns destaques do livro:

  • As fábricas e a agricultura moderna são as chaves para a libertação humana e o progresso ambiental.
  • O mais importante para salvar o ambiente é produzir mais alimentos, especialmente carne, em menos terra.
  • O mais importante para reduzir a poluição atmosférica e as emissões de carbono é mudar da madeira para o carvão, petróleo, gás natural e urânio.
  • 100% de energia renovável exigiria um aumento dos terrenos utilizados para energia dos actuais 0.5% para 50%.
  • Devemos querer que as cidades, quintas e centrais eléctricas tenham densidades de energia mais elevadas, não mais baixas.
  • O vegetarianismo reduz as emissões em menos de 4%.
  • Greenpeace não salvou baleias ao mudar de óleo de baleia para óleo de palma.
  • A carne de vaca “ao ar livre” exigiria 20 vezes mais terra e produziria 300% mais emissões.
  • O dogmatismo do Greenpeace agravou a destruição da floresta tropical amazónica
  • A abordagem colonialista à conservação dos gorilas no Congo produziu uma reacção negativa que poderá ter levado ao abate de 250 elefantes.

Porque fomos todos enganados?

Nos últimos três capítulos do Apocalypse Never, expus as razões financeiras, políticas e ideológicas. Grupos ambientalistas aceitaram centenas de milhões de dólares de interesses em combustíveis fósseis. Grupos motivados por crenças anti-humanistas forçaram o Banco Mundial a parar de tentar acabar com a pobreza e, em vez disso, a tornar a pobreza “sustentável”. E o estado de ansiedade, depressão e hostilidade para com a civilização moderna estão na raiz de grande parte do alarmismo

Uma vez que nos damos conta de quão mal informados fomos, muitas vezes por pessoas com motivos claramente desagradáveis ou insalubres, é difícil não nos sentirmos enganados.

Apocalypse Never fará a diferença? Há certamente razões para duvidar disso.

Os meios de comunicação têm feito declarações apocalípticas sobre as alterações climáticas desde o final dos anos 80 e não parecem dispostos a parar.

A ideologia por detrás do alarmismo ambiental – o maltusianismo – tem sido negada repetidamente durante 200 anos e, no entanto, é mais poderosa do que nunca.

Mas há também razões para acreditar que o alarmismo ambiental, se não parar, terá cada vez menos poder cultural.

A pandemia de coronavírus é uma verdadeira crise que coloca a “crise” climática em perspectiva. Mesmo que se pense que exagerámos, a Covid-19 já matou quase 500.000 pessoas e destruiu economias em todo o mundo.

As instituições científicas, incluindo a OMS e o IPCC, têm minado a sua credibilidade através da politização repetida da ciência. A sua existência e relevância futuras dependem de uma nova liderança e de uma reforma séria.

Os factos ainda são importantes, e os meios de comunicação social permitem uma maior variedade de vozes novas e independentes para competir com os jornalistas ambientalistas alarmista de antigas publicações.

As nações estão a regressar abertamente ao seu interesse e a afastar-se do maltusianismo e do neoliberalismo, o que é bom para a energia nuclear e mau para as energias renováveis.

As provas são esmagadoras: a nossa civilização de alta energia é melhor para as pessoas e para a natureza do que a de baixa energia para a qual os alarmistas climáticos nos devolveriam.

Os apelos do IPCC e do Congresso são sinais de crescente abertura a novas ideias sobre as alterações climáticas e o ambiente. Outra foi a resposta ao meu livro por cientistas climáticos, ambientalistas e estudiosos do ambiente. “Apocalypse Never é um livro extremamente importante”, escreve Richard Rhodes, o autor vencedor do Prémio Pulitzer de The Making of the Atomic Bomb. “Este pode ser o livro ambiental mais importante alguma vez escrito”, diz um dos pais da ciência climática moderna, Tom Wigley.

“Nós, ambientalistas, condenamos aqueles que têm opiniões antitéticas a serem ignorantes da ciência e susceptíveis de confirmar preconceitos”, escreveu o antigo editor da The Nature Conservancy, Steve McCormick. “Mas com demasiada frequência somos culpados do mesmo. Shellenberger oferece “amor duro”: um desafio à ortodoxia enraizada e mentalidades rígidas e autodestrutivas”. Apocalypse Never nunca fornece visões pungentes, mas sempre bem construídas, baseadas em provas que ajudam a desenvolver o “músculo mental” que precisamos de imaginar e conceber não só um futuro esperançoso, mas também alcançável”.

Isto é tudo o que eu esperava, por escrito. Se chegou até aqui, espero que concorde que talvez não seja tão estranho como parece que um ambientalista, progressista e activista climático ao longo da vida sentiu a necessidade de falar contra o alarmismo.

Continuo a esperar que aceite as minhas desculpas.

Até que enfim. Algo está a mexer-se? Algo sim.

Pouco? Bom, Michael Shellenberger não é “pouco”, pelo contrário: é uma machadada de todo o tamanho. Mas o caminho é ainda comprido: leiam como Noam Chomsky não apenas confirma as previsões apocalípticas mas também utiliza o medo climático por razões políticas: fosse Shellenberger, teria esperado até as eleições de Novembro para publicar o livro, pois até lá qualquer tese “revisionista” acerca do clima é destinada a ficar esmagada nas engrenagens da máquina mediática.

Mesmo assim, bem vindo o mea culpa dum dos principais activistas mundiais em tema de ambiente. Confirma quanto repetido nestas páginas e vai além disso. De facto, este artigo é uma mina de informações, as mesmas que os órgãos de comunicação costumam negar e que são apoiadas unicamente por pessoas definidas como “loucas”, “fascistas”, amigas das petrolíferas”, “conspiradoras”… enfim, gente má para resumir.

Não vi o livro à venda em versão portuguesa, italiana ou espanhola, só inglesa por enquanto. O preço não é mau (uns 15 Euros, mais de 400 páginas), mas vou esperar, pode ser que nos próximos 6 ou 7 anos o livro seja traduzido: este é um livro que quero.

Ah, ia esquecer: desculpas aceites.

 

Ipse dixit.

14 Replies to “Michael Shellenberger: o alarmismo ambiental prejudica todos”

  1. Numa época onde politicos, jornalista, “especialistas”, “entendidos” e comentadores rezam as “verdades” (mentiras convenientes) em prol de alguma agenda, fica tudo cristalino nesta frase: “Fiquei em silêncio sobre a campanha de desinformação climática porque tinha medo de perder amigos e financiamentos.”
    FINANCIAMENTOS! A verdade suprema!
    Quanto aos que deveriam ser a voz da razão são silenciados e lançados ao esquecimento.
    No fim, resta o arrependimento da consciência de algum, resumindo ao peço desculpa. Tudo fica na mesma e a agenda continuará o seu rumo.

  2. Bom post.
    So um comentário à tradução da seguinte frase:
    Greenpeace não salvou baleias ao mudar de óleo de baleia para óleo de palma.

    Devia ser:
    Greenpeace não salvou as baleias, mudar de óleo de baleia para óleo de palma foi o que as salvou

    Greenpeace didn’t save the whales, switching from whale oil to petroleum and palm oil did

    Cumprimentos

  3. O cara deixa o “inferno” e sem conexão ascende ao “céu”…Por favor!!! Ele é tão confiável quantos a todos seus colegas “ativistas” e “ambientalistas” que buscam patrocínios para vender medo, desinformação conforme os interesses econômicos determinam. ONGs que se estruturam com capital judaico e que servem de fachada para todo tipo de exploração do planeta.

  4. A COMUNIDADE CIENTÍFICA SEMPRE FOI DOMINADA PELO CAPITAL JUDAICO. BASTA VOLTAR E INVESTIGAR, A COMEÇAR PELA ROYAL SOCIETY…

  5. Não tenho dúvida que o alarmismo tem comandado as leis do parlamento e a burocracia se aproveita da implantação.

  6. Confesso que este sujeito não me convenceu. Suas “novas” posições não se baseiam em uma positura ética a favor da natureza e da humanidade, simplesmente tenta negar as besteiras que dizia antes, e afirmar algumas novas besteiras.
    Não precisei de 20 ou 30 anos de conhecimento “científico” sobre clima para saber o que continuo sabendo a respeito.
    Sei que a natureza passa por ciclos de aquecimento e resfriamento; sei que os oceanos não estão subindo. O que sei é que com o advento do plástico, e por efeito da má consciência humana, os peixes estão morrendo “plastificados por dentro”, envenenados pelo vazamento de detritos da energia nuclear, que os elefantes morrem na África e demais lugares do mundo onde estão por cobiça humana e não porque os gorilas são protegidos, e o são porque não rendem dinheiro. Também sei que a criação extensiva de gado é muito mais saudável para nós e para o gado porque se assim o fosse não se estragaria o solo com monoculturas vegetais que servem para alimentar milhões de cabeça de gado confinadas, enquanto as pessoas perdem empregos e passam fome porque a agricultura familiar vai diminuindo. Não precisei saber o tanto sobre clima que o sujeito diz saber para compreender que as fontes de energia podem ser diversas, que a escassez, as secas, e as inundações são provocadas pela mão da concorrência, do poder de destruição que o homem espalha onde quer que esteja. E sei muito, mas muito mais…
    E não queira me enganar com desculpas vazias, porque não desculpo coisa nenhuma, nem da versão antiga nem da posterior.

  7. Infelizmente, tenho que a contradizer no que respeita à subida do nível dos mares…
    https://climate.nasa.gov/vital-signs/sea-level/
    Pode encontrar os mesmos dados de diversas fontes na net… não acreditando necessariamente nesta.
    Pode ser insignificante para o nível médio dos últimos 2000 ou mesmo 5000 anos, mas é real.
    Dado que a sociedade humana decidiu implementar-se à “beira de água”, impondo inclusive a sua engenharia à natureza, os impactos vão-se fazer sentir e com gravidade em determinados locais do globo. Pode já hoje, confirmar a situação em alguns ilhéus situados no meio do pacifico… a subida é bem real para os seus pobres habitantes.
    Essa subida irá ser contínua durante os próximos séculos e irá aumentar de ritmo nas próximas décadas, pois o brutal aumento de temperatura nos pólos e seu impacto no degelo do denominado “gelo permanente” da Antárctica, a isso levará.
    Pode-se pôr em causa a(s) origem/origens do fenómeno, mas não a evidência dos dados que o sustentam.
    A situação é indiferente para a continuidade da vida animal neste planeta. Adaptar-se-ão, em hábitos e rotinas ou cederão lugar a outras espécies que o farão de forma mais eficaz.
    O impacto será maior para o “status quo” do funcionamento das sociedades humanas. Qual será então o problema?
    O “macaco sem pêlo” é somente mais um por estas bandas, por isso ou se adapta ou dá lugar a quem o fará… e fá-lo-á.
    A “tragédia” da subida dos mares, somente o será para os usuais pobres desgraçados sem condições para “mudar de vida”.
    Esses, mais uma vez, terão de se virar como puderem e só poderão contar consigo mesmos. A única ajuda com que podem contar é que sabendo-o e tendo noção da sua inevitabilidade, ganham tempo, tempo para tomar hoje decisões que lhes evitem maiores problemas amanhã e que se poderão repercutir nas vidas dos seus descendentes… literalmente.
    Por favor, não lhes tirem esse tempo, não neguem o pulsar próprio, desta “nave estelar” em que residimos.
    Os fenómenos intrínsecos à sua viagem, foram, são e sempre serão inevitáveis.

  8. Olá Alfbber: assim como você tenho pena dos infelizes que são forçados a erguer suas toscas moradias em regiões perigosas.
    Assim como você leio na internet notícias a favor e contra a “subida dos oceanos”. Assim como você leio e escuto que o gelo eterno está derretendo nos pólos, mas também leio que na Antártida há mais frio e mais gelo, enquanto no pólo norte o homem já pode fazer suas perfurações em busca de petróleo, já pode atravessar zonas antes interditadas pelo gelo permanente, enfim…já pode levar a sua destruição a estes lugares. Como tudo que leio encontro o seu contrário, sou levada a prestar atenção a tudo e submetê-lo a minha lógica pessoal.
    Então veja: tenho razões para considerar mais provável o afundamento de ilhas devido a movimentos tectônicos do que uma subida desigual que ainda que o polo norte desaparecesse o volume de água adicionada, contando que icebergs flutuariam nas correntes de água gelada, não seria suficiente para fazer variar o volume dos oceanos a ponto de submergir terras litorâneas.
    Dificilmente eu coloco aqui artigos da internet, embora me considerando falível, é claro, prefiro comentar com os elementos do meu ponto de vista.
    Agradeço a atenção destinada ao meu comentário, e reitero que meu pensamento é sempre destinado a discutir hipóteses.

  9. Oi Max
    Ou meti a pata na poça, ou o comentário que aqui deixei com links auxiliares em jeito de resposta à Maria (e demais), ficou bloqueado. Podes verificar por favor?. Obg.

    1. Sem mais, é favor darem uma olhada aos artigos sobre este assunto que constam do site “www.skepticalscience.com”.
      Dele, consta um trabalho deveras interessante e tanto quanto consegui apurar nada institucional (ponto positivo).
      Procurem tb especificamente o enquadramento da situação na Antártica… é só pesquisar.
      Atenção, as exposições/explicações são dadas de 2 formas… uma básica e uma mais avançada (intermediária).

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: