A «Ciência» por trás do distanciamento social – Bloquear a economia nacional com base em modelos computacionais viciados

Artigo redigido por Jeff Harris, especialista Norte-Americano em gestão financeira; os seus artigos e outras intervenções podem ser encontrados nas páginas na Internet de Centre for Research on Globalization e em The Ron Paul Institute for Peace and Prosperity.

O mundo foi virado de cabeça para baixo com ordens draconianas do governo para «achatar a curva» com o que é chamado de Distanciamento Social. As escolas estão fechadas há meses, as empresas foram fechadas involuntariamente e as restrições de viagem desactivaram 90% das companhias aéreas. O resultado líquido é de mais de 36 milhões de Americanos que estão desempregados e o número está a aumentar.

Agora aprendemos que todo o bloqueio e distanciamento social que paralisou a nação provem de uma fonte bastante surpreendente. Um artigo de 2 de Maio no Albuquerque Journal revela que a histeria do distanciamento social NÃO é baseada em evidências científicas ou ensaios médicos clínicos para esse efeito.

Como você se sentiria se soubesse que o seu modo de vida normal tinha sido completamente perturbado com base num modelo computacional criado por uma estudante de 15 anos do Albuquerque New Mexico High School (pela sua sigla em inglês, ndt.) chamada Laura Glass?

Glass, juntamente com o seu pai Robert (um cientista do governo que então trabalhava no Sandia National Laboratories) preparou um modelo computacional caseiro para uma feira de ciência e engenharia em Maio de 2006. Robert Glass trabalhava em modelos computacionais para o Centro Nacional de Simulação e Análise de Infraestrutura (National Infrastructure Simulation and Analysis Center pela sua sigla em inglês, ndt.) em Sandia e muitas vezes a partir de casa.

Parte do seu trabalho envolvia modelos computacionais mostrando como as pessoas entram em contacto entre si durante o dia a dia. Laura Glass usou esses dados para projectar como os estudantes do ensino secundário (ensino médio no Brasil, ndt.) poderiam transmitir doenças infecciosas. O seu «modelo» sugeriu que estudantes do ensino secundário (ensino médio no Brasil, ndt.) poderiam facilmente infectar enormes faixas de uma população, por tanto, colocar um fim a esses contactos hipoteticamente «salvaria vidas».

A Srta. Glass parecia não ter conhecimento dos benefícios da imunidade de grupo. Ela parecia não saber que a maioria das pessoas saudáveis com sistemas imunológicos fortes naturalmente lutam contra os vírus e acumulam anticorpos contra infecções futuras. De acordo com uma variedade de especialistas médicos, a imunidade de grupo deve ser a principal ferramenta para combater infecções virais e apenas os doentes e idosos devem ficar em quarentena. Mas eu duvido…

Um chamado à Segurança Nacional

Os seus esforços renderam-lhe o terceiro lugar na categoria Medicina e Saúde da feira de ciências.

Mas para as conexões governamentais de Robert Glass provavelmente isso teria sido o fim de tudo. Enquanto Laura Glass, veterana do ensino secundário (ensino médio no Brasil, ndt.), criava o seu modelo computacional de contágio, a administração de George Bush trabalhava fervorosamente em contra-medidas de bio-terrorismo.

De alguma forma, as notícias do projecto escolar de ciências de Laura Glass acabaram nas mãos do Departamento de Segurança Interna dos EUA (US Department of Homeland Security pela sua sigla em inglês, ndt.). Você sabe, aqueles profissionais de segurança do aeroporto altamente treinados na arte de afagar avós em cadeiras de rodas e acariciar assustadoramente os genitais das suas vítimas.

Glass recebeu uma chamada da Segurança Interna (Homeland Security pela sua sigla em inglês, ndt.) solicitando um relatório para o Secretário Michael Chertoff. A Casa Branca (White House pela sua sigla em inglês, ndt.) de Bush realizava um briefing de gabinete contra o bio-terrorismo e nenhuma ideia era demasiado louca para se considerar. O briefing de Glass sugeriu que segmentos inteiros da sociedade deveriam ser bloqueados com base no modelo computacional de sua filha.

A ideia de bloquear enormes faixas da nação no caso de um surto de vírus encontrou bastante resistência. Mas, em última análise, os Centros de Controle de Doenças (Centers for Disease Control pela sua sigla em inglês, ndt.) tornaram oficial a política de distanciamento social em Fevereiro de 2007. Chamaram-na de Intervenções Não Farmacêuticas (Non-Pharmaceutical Interventions pela sua sigla em inglês, ndt.) e esta é a primeira vez em que foi implementada, mas definitivamente não será a última.

Por tanto, bloquear toda a nação com base em modelos computacionais viciados agora é política oficial do governo. Robert Glass está de momento aposentado e a desfrutar de uma generosa pensão do governo. Ele foi entrevistado para o artigo por telefone enquanto relaxava na sua segunda casa no norte de Idaho.

O Sr. Glass, sob o seu ponto de vista filosófico escreveu sobre o modelo computacional de bloqueio da sua filha e seu. «Qualquer coisa nova é difícil», disse ele. «Você tem que treinar as pessoas para fazer isto bem, sem descontrolarem-se e insultarem-se uns aos outros…”

Isso é fácil de dizer quando você estoura todos os meses uma choruda pensão do governo. Desfruta de um pacote abrangente de cuidados de saúde, tudo pago pelas pequenas pessoas descontroladas que se insultam umas às outras enquanto lutam para alimentar as suas famílias. As hipóteses são de que este bloqueio seja apenas o começo de muitas outras tomadas de poder pelos nossos soberanos cada vez mais totalitários – SE os deixar-mos.

A identificação de contactos (contact tracing pela sua sigla em inglês, ndt.) que nada mais é do que o monitoramento constante e em tempo real dos movimentos dos cidadãos, está neste momento a ser implementada pelos lacaios do governo. Vacinas não testadas, não comprovadas, possivelmente mortais, estão a ser produzidas em contra-relógio. O Presidente Trump garantiu à nação que autorizará os militares a distribuir a vacina pelo país rapidamente assim que ela estiver disponível.

O Advogado Constitucional (Constitutional Lawyer pela sua sigla em inglês, ndt.) e convidado de Jeffrey Epstein (que nos assegura ter mantido as suas cuecas durante as massagens na Ilha Lolita), Alan Dershowitz, diz que o Estado tem total autoridade para vacinar qualquer pessoa que julgar necessária. Isto vem numa entrevista de Jason Goodman lançada a 16 de Maio no Youtube.

Os nossos direitos inalienáveis de independência e liberdade estão sob ataque por um Estado totalitário como nunca antes. As palavras de Thomas Jefferson vêm à mente.

Quando o governo teme o povo, há liberdade. Quando o povo teme o governo, há tirania.

O Sr. Jefferson também disse:

A árvore da liberdade deve ser refrescada de tempos a tempos com o sangue de patriotas e tiranos. É o seu estrume natural.

A classe política tem uma escolha a fazer. Ou honram o juramento que todos fizeram para defender os direitos Constitucionais do povo ou enfrentam as consequências. Rezo para que façam a escolha certa para o bem de todos nós.

 

Fonte: Global Research | Social distancing born in ABQ teen’s science project | Disease Mitigation Measures in the Control of Pandemic Influenza, Biosecurity and Bioterrorism: Biodefense strategy, Practice and Science. Vol. 4, Number 4 2006 | The 2006 Origins Of The “Lockdown” Idea, Jeffrey Tucker via The American Institute for Economic Research May, 18, 2020

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: