França, a democracia feliz (com morto)

Um idoso no chão, estrangulado por um policia. Deve ser na Rússia. Só pode ser na Rússia, pois é aí que o regime actua contra os seus próprios cidadãos com estes métodos. Aqui, na Europa da livre Democracia, tais coisas não acontecem. Não somos bárbaros, há direitos. Mas então por qual razão a fotografia não foi publicada nos jornais? Por qual motivo não foi mostrada nos telejornais?

Porque aconteceu em Nantes onde, no passado dia de Sábado 3 de Agosto, ocorreu o protesto dos coletes amarelos. E o polícia é um dos homens que o Presidente verme Macron (leia-se Rothschild) envia regularmente contra os seus opositores. No silêncio total dos meios de comunicação europeus, os mesmos que depois dedicam páginas e reportagens aos “600 manifestantes presos em Moscovo” (e seria interessante poder conta-los).

O protesto de Nantes nasceu depois do desaparecimento de Steve Maia Caniço, de 24 anos. Steve “evaporou-se” na noite de 21-22 de Junho, durante uma carga da polícia para encerrar um concerto não autorizado durante o Festival de Música (este autorizado). A pergunta: “Onde está Steve?” apareceu nas paredes da cidade mas não houve respostas da polícia ou do Ministério do Interior. Eis uma fotografia de Steve:

Steve, que trabalhava como animador nas escolas, foi encontrado cinco semanas depois, afogado. O seu corpo emergiu do rio Loira, um quilómetro de distância do lugar onde teve início a carga policial. Os gases e os cassetes atiraram muitas pessoas para as águas, mas os outros voltaram para a costa, Steve não. A polícia diz que não vê a relação entre a carga e a morte de Steve.

E o idoso da fotografia? A culpa do homem que se vê no chão foi aquela de tentar atrair a atenção dos agentes longe dum outro manifestante que estava a sufocar por causa da saturação de gás lacrimogéneo. Eis a cena de outro ângulo:

Mas estas são coisas que os media não contam e nem mostram porque a França é uma Democracia e numa democracia, como todos sabem, a população é feliz. A seguir algumas imagens da festa de Nantes:

 

Ipse dixit.

Fonte: Libération

15 Replies to “França, a democracia feliz (com morto)”

  1. A França é uma tragédia anunciada e muito bem escondida, a segurança social está em queda vertiginosa o clima nas forças armadas é de raiva e revolta apesar de não terem como a canalizar e o aumento da violência policial é um indicador de que a pressão aumenta e o mal estar social começa a fervilhar …como um vulcão.
    Mas meu caro Max, o teu artigo é ilustrado por 8 imagens de violência policial sobre cidadãos que se manifestam, deduzirão alguns que os policias são portando umas bestas …as imagens a isso inspiram.
    Porém, por cada uma das tuas imagens de violência policial pelo menos 3 policias já se suicidaram em Franca este ano… 29 até Abril. O ano passado foram mais de 50 que se suicidaram … mas desta realidade não há imagens para mostrar portanto não choca , além disso são menos 70″bofias” (apenas em 2 anos) a menos para importunar os manifestantes , alguns dos quais coitados, apenas partem montras e viram e incendeiam carros , mas nada de grave nem a loja nem os carros são teus …Alias se fosses policia e estivesses cercado desses digníssimos incendiários como reagias ? oferecias chá e biscoitos para apaziguar a malta?

    2 conselhos :
    1- As fotos podem ser manipuladas como muito bem verificaste com as fotos da menina da Líbia e que prespicasmente aqui explicaste, ou apenas as fotos da Líbia podem ser manipuladas? Em França por ser uma democracia se calhar não se manipulam fotos… mesmo a ser verdade aqueles momentos duraram segundos e não sabemos o que aconteceu antes deles, mesmo a serem abusos, existem em França só na policia são 140.000 agentes e Gendarmes mais 100.000. eu vejo 8 fotos (…)

    “… Os gases e os cassetes atiraram muitas pessoas para as águas, mas os outros voltaram para a costa, Steve não. …”

    Parece -me que partimos de um pressuposto de que no meio das “muitas pessoas” estava efectivamente Steve . Estava ? E “os outros” ? Não viram Steve ?

    “… A polícia diz que não vê a relação entre a carga e a morte de Steve….”

    2 – Existe uma relação de circunstancia mas não me parece para já demonstrado uma relação causa-efeito, directo … até lá que tal aguardar pelo fim da investigação ? contrariamente ao nosso instinto, demasiado frequentemente familiares e pessoas próximas são os responsáveis pelos mais hediondo crimes.

    Meu caro Max, não vais levar a mal mas tenho de te retirar mais 2 pontos da tua carta de bloguista… eu sei que isto é constrangedor mas alguém tem de o fazer … Max… Juizo… ok

    1. Caro P. lopes

      Não quero aqui passar por advogado do Max, porque ele sabe se defender sozinho. Mas a idéia aqui é mostrar o que a mídia dominante prefere focalizar e também a truculência exagerada da policia.

      Já participei de vários protestos e te garanto: o vandalismo provem daquela turminha que não tem os mesmos objetivos e ideais da grande maioria dos manifestantes. Sempre condenei isso.

      Porém , existe uma desproporção na aplicação da justiça. Quando um baderneiro é pego pelas autoridades, ele é punido com prisão ou mais violência sobre ele. Já a reciproca , não é verdadeira, os excessos da autoridade policial tendem a cair no esquecimento , até porque eles são julgados por um tribunal deles próprios ( pelo menos aqui no brasil).

      Se vc não teve a infelicidade de nascer no brasil, saiba que: se um cidadão civil atentar contra um militar ( força armada ou policial ) ele será julgado por um tribunal militar. E a partir de alguns anos atrás ( herança do presidente golpista Temer) , se um militar atentar contra um civil, também será julgado num tribunal militar. Ou seja, eles podem botar a mão em você, mas você não pode botar a mão neles ( só se eles deixarem). Como deixaram isso ser aprovado? Os parlamentares estavam preocupados com seus mandatos e o cidadão brasileiro preocupa-se mais pelo final da novela ou por saber se a bunda da Anita tem celulites.. mas essa já é outra estória.

      Abraço.

      1. Caro Sérgio não há necessidade de defender ninguém, porque ninguém esta a ser atacado ou lesado nos seus direitos, é apenas uma discussão académica bem temperada.
        Desconheço a realidade da policia no Brasil, mas em Portugal temos este ano indivíduos que insultam a policia e foram absolvidos e indivíduos que maltrataram animais e foram condenados (e muito bem condenados).
        O Fenómeno dos suicídios entre os policias é uma realidade camuflada pelo regime mas um fenómeno que traz latente a desagregação do sistema a partir do seu interior, porém essa é uma interpretação extensa e parece-me que ninguém por aqui esta interessado em saber a realidade dos policias , Mas se voce se interessa pesquise sobre a desistência da carreira policial na Suécia e os suicídios em França e em Portugal. Você é inteligente, voce chega lá , depois… se também for paciente e bom camarada, explique ao Pedro … eu não tenho paciência…
        Abraço !

  2. Olá P. Lopes!

    P. Lopes segue-me há um tempo, é suposto saber como trabalho e, mais no geral, como funciona o blog. Não acaso pus o link de Liberátion: ao confrontar o artigo do diário francês com o meu, é evidente que pouco têm em comum. Doutro lado, reportar só a opinião da oposição não faria sentido nenhum, seria apenas um copy/paste traduzido e não objectivo, coisa que não me interessa e, suponho, interessa pouco aos Leitores também. É por esta razão que as fontes são bem outras, a começar pelo filo-governamental Le Monde (muito próximo de Macron), que dedicou nestas semanas amplos espaço ao factos de Nantes (sugestão: ir à pagina de Le Monde, procurar no campo de pesquisa “Nantes” e ler com a ajuda do tradutor de Google se for o caso).

    Pergunta: mas antes de pôr em causa tudo o que publico, P. Lopes faz a sua pesquisa? Então será simples mostrar a falsidade das imagens e estou verdadeiramente interessado nisso porque, se forem falsas, terei que mudar algo na lista das minhas fontes pessoais.

    Lembro: este blog está aberto a qualquer crítica, desde que fundamentada. Isso é: se o Leitor faz a sua santa pesquisita que demonstra o contrário de quanto escrevi, então tem todo o direito de pôr em causa a minha seriedade. E, como os Leitores mais antigos bem sabem, nunca me sonhei de apagar comentários que demonstrassem minhas falhas (que aconteceram), também porque se erro quero saber a razão: isso ajuda-me em futuras pesquisas.

    Se é comentar só para pôr em dúvida tudo quanto publicado mas sem o apoio de algo, só “porque sim”, então gostaria de entender qual o sentido: entramos no âmbito da dúvida eterna e absoluta, onde nada fica demonstrável e onde pode ser afirmado tudo e o contrário de tudo. É um âmbito arriscado, no qual seria simples, por exemplo, demostrar que P. Lopes não existe, que existem vários P. Lopes, que P. Lopes nunca comentou neste blog, etc. Mas é um âmbito pouco sério e que não me interessa.

    A dúvida interessa só se for fundamentada. E para poder fundamenta-la é preciso mexer os dedinhos no teclado (por exemplo) e procurar.

    Fui!

  3. P. Lopes, não há desculpa para violência quando se grita a céu aberto que se vive em uma democracia, nem para as forças policiais nem para os civis, violência não se defende. Ou tu achas que violência não gera apenas mais violência? Se ainda te enganas neste aspecto, posso estar errado mas pelo seu texto pide entender que é válida a violência, quer dizer que falhastes em entender o por que da existência de uma democracia.

    1. Pedro … Pedro… Pedro… o meu texto PIDE que defende a violência ? Permite-me dissertar que a ” violência” genericamente possui situações especificas, como a “Legitima defesa” , imagina que um qualquer energumeno virava e incendiava o teu smart cor-de-rosa ? ou partia a montra da tua sex-shop ? Obviamente jamais ousarias usar a força física para defenderes os teus bens porque isso era … exacto! Violência! e Pedro não é violento … Pedro é contemplativo …
      Mas de facto eu falhei em entender a razão de uma democracia o teorema de que a nossa liberdade termina quando começa a liberdade do outro é uma aberração é pidesco ao que parece, o ideia era envergar um colete amarelo e sair por ai qual super heroi a espatifar esta merda toda para os desgraçados que veem o seu parco património a arder, terem depois de se ir de novo endividar aos bancos para comprar outro carro ou restaurar a loja…
      Pedro, admiro a tua visão; de um texto a apelar á racionalidade consegues ver a apologia da violência qual Dom Quixote que perante um simples moinho de vento vê monstros gigantes … Pedro faz um favor há humanidade, usa a tua capacidade criativa e escreve o guião de uma telenovela , assim tipo novela mexicana a apelar ao sentimento e á emoção … só de imaginar já estou com uma lágrima ao canto do olho , shimmpfff …
      Pedro, grande abraço e obrigado pela partilha da tua capacidade criativa .
      Pedro forever !!!

      1. O que eu me ri com este comentário… excelente. Quanto ao Pedro deve ser demasiado novo, pois só assim se entende a ilusão do mundo em que vive. Por alguma razão os mais novos são os mais fáceis de iludir… Andam por aqui há pouco tempo.

        1. O Pedro esteve bem, foi á luta pelo que acreditava e foi educado, não se limitou a ler e acatar, contribuiu para o nosso ecossistema virtual , pode ser um rapaz novo mas ele chega lá . Grande Pedro!

  4. Meu caro Max não me referi á : “falsidade das imagens” essa frase é tua apenas ,eu referi-me a uma possibilidade através da frase ” As fotos podem ser manipuladas como muito bem verificaste com as fotos da menina da Líbia ” e admiti mais ” …mesmo a ser verdade aqueles momentos duraram segundos e não sabemos o que aconteceu antes deles”
    O meu ponto de vista resume-se a isto:
    Usar imagens de violência policial, e no mesmo artigo a imagem de um morto no contexto de uma outra manifestação e carga policial , lançando a suspeita de que existe uma relação directa entre a actuação da policia e a morte do rapaz antes da investigação estar concluída é no mínimo prematuro !
    As imagens apresentadas de violência policial não correspondem a situação onde o rapaz desapareceu. Facto.
    Do mesmo modo que resolveste, e muito bem apresentar uma visão alternativa do que circula nos meios de comunicação também eu no mesmo contexto me pareceu justo mostrar a minha opinião sobre e literalmente : ” o outro lado da barricada” neste caso os policias.
    Quanto á pesquisa , os dados que apresentei sobre a situação dos policias em França faz parte de trabalho de pesquisa sobre o meu ponto de vista que procurei assim que fosse fundamentado.
    Portanto, diz-me exactamente o que é que eu disse que não está fundamentado?
    Em tempos disseste dos leitores que são ” o sal do blog” se achas que P.Lopes , o personagem virtual que aqui utilizo está a ” salgar” o blog, temos uma solução civilizada , a saída de P.Lopes como comentador com a garantia de que o homem físico que utilizada o pseudónimo se afastar completamente do blog através de qualquer pseudónimo outro pseudónimo , é só sugerir.
    Se comento no blog com mais ou menos afinco isso significa que aprecio o blog e ao dar uma opinião diferente , suponho dar o meu contributo para a liberdade de opinião e embora use em abundância o sarcasmo e a ironia nunca em circunstancia alguma ofendi ninguém na sua pessoa. Se o objectivo é que todos aqui se inclinem na direcção do dono do blog como se orassem na direcção de meca … tô nem ai …

    1. Olá P. Lopes!

      Repito porque acho ser muito importante. Sempre disse que é preciso duvidar de tudo e de todos, blogueiro inclusive. E quanto mais o tempo passar, mais convencido fico disso. Todavia é essencial que haja alguns pontos firmes, porque o risco é aquele de cair num caos no meio do qual pode perde-se o sentido da realidade também. E isso significa abrir as portas para as teorias da conspiração construídas apenas por cima da mera especulação. Algo que o blgo tentou sempre evitar.

      Para isso servem os tais pontos firmes, por isso falo de dúvidas fundamentadas.

      No comentário anterior, P. Lopes põe em causa:
      – as imagens
      – que o rapaz morto estivesse no meio da manifestação
      – que a carga policial tenha algo a ver com a morte do jovem
      – que a polícia francesa esteja a utilizar em demasia a força.

      Para ter obra completa falta apenas duvidar que exista um País chamado “França”.

      Em vez que acusar o blogueiro de não ter feito bem o trabalho dele (porque é disso que estamos a falar, sem muitos rodeios), teria sido suficiente uma rápida volta entre os meios de comunicação franceses (oficiais e alternativos) para verificar que toda esta história tem pé para andar. Sim, existia um jovem chamado Steve Maia Caniço, de 24 anos, que participava na manifestação de Nantes. Sim, o jovem caiu no rio Loira tal como aconteceu com outros participantes envolvidos na mesma manifestação. E sim, a polícia e o Ministério do Interior não conseguem ver um nexo entre a carga e a queda de Steve, que é um pouco como dizer, “Olha que azar, o jovem decidiu suicidar-se mesmo durante a nossa carga”.

      “Contrariamente ao nosso instinto, demasiado frequentemente familiares e pessoas próximas são os responsáveis pelos mais hediondo crimes”.

      Ou seja: Steve foi morto pelo irmão porque invejoso da mota que Steve tinha acabado de comprar. Conseguiu atrair Steve para junto da manifestação e, quando teve início a carga policial, aproveitou o caos para estrangular Steve e atira-lo ao rio gritando “Ahahahahah, minha, a mota será só minha agora!”. Elementar, Watson.

      São meses que as manifestações dos Coletes Amarelos procedem, Nantes não foi novidade nenhuma. E desde do começo o regime de Macron reagiu com uma brutalidade desproporcionada, o que é normal no caso dum Presidente cuja popularidade se encontra em queda constante, sendo até o mais detestado da história republicana francesa. Macron não tem problemas em usar a violência, P. Lopes sabe à qual “igreja” pertence o fulano. Os problemas podem eventualmente surgir entre os policiais (e surgem). E, como bem disse Pedro, violência chama violência: é por esta razão também que num Estado de Direito as forças de segurança deveriam utilizar a força unicamente como extremo recurso.

      “Porém, por cada uma das tuas imagens de violência policial pelo menos 3 policias já se suicidaram em Franca este ano… 29 até Abril. O ano passado foram mais de 50 que se suicidaram … mas desta realidade não há imagens para mostrar portanto não choca…”

      Errado: no blog já foi dedicado um artigo ao assunto.

      “…além disso são menos 70 ″bofias” (apenas em 2 anos) a menos para importunar os manifestantes, alguns dos quais coitados, apenas partem montras e viram e incendeiam carros, mas nada de grave nem a loja nem os carros são teus”

      Errado também. Se P. Lopes achar que eu justifico tudo o que os manifestantes fazem, está muito longe da realidade porque ainda não entendeu como eu raciocínio. Os Coletes Amarelos são mais uma das “Revoluções Coloridas” que alastram pelo planeta. Nasceu como manifestação espontânea, mas há tempo que deixou de ser apenas um grupo de automobilistas enervados: hoje são uma força enquadrada que actua segundo um esquema pré-determinado. Isso não significa que no meio deles não haja pessoas honestas, pelo contrário, acho que a maioria dos manifestantes participa porque realmente farta da situação política e económica do País. Mas isso não retira a existência dum “cérebro” que manobra.

      “Alias se fosses policia e estivesses cercado desses digníssimos incendiários como reagias ? oferecias chá e biscoitos para apaziguar a malta?”

      P. Lopes acha mesmo que o velhote estendido no chão era um feroz incendiário que partia montras e incendiava carros? Ou acha que a foto é manipulada? É o velhote que, estendido, está a imobilizar o polícia para perto do chão?

      “Em tempos disseste dos leitores que são ” o sal do blog” se achas que P.Lopes , o personagem virtual que aqui utilizo está a ” salgar” o blog, temos uma solução civilizada , a saída de P.Lopes como comentador com a garantia de que o homem físico […] Se o objectivo é que todos aqui se inclinem na direcção do dono do blog como se orassem na direcção de meca”.

      Parece existir nos Leitores uma Síndrome do Indesejado. Há anos que noto isso. Funciona desta forma:
      1. o blogueiro publica algo.
      2. o Leitor não concorda e comenta criticando quanto publicado pelo blogueiro.
      3. O blogueiro defende o seu ponto de vista.
      4. O leitor fica indignado porque (escolher uma das hipóteses):
      – neste blog não há respeito pelas opiniões dos outros.
      – o blogueiro quer que todos os Leitores concordem sempre com ele.
      – o blogueiro tem manias de grandeza, acha-se o depositário da Verdade Absoluta, praticamente um Deus.
      – o Leitor é incómodo porque recusa dobrar-se perante a prepotência absolutista do blogueiro.

      Síntese: o Leitor tem plena liberdade para criticar o blogueiro mas o blogueiro não pode defender as suas posições e tem sempre que reconhecer que errou. Se o blogueiro responder às críticas, então o Leitor medita abandonar tudo. Uma espécie de Democracia Unidireccional, onde se o blogueiro se atreve a defender quanto escreveu, é mau.

      Vamos fazer assim, algo novo tanto para variar: tentem imaginar um mundo onde o blogueiro escreve, os Leitores discordam, o blogueiro pode defender quanto publicado sem que isso signifique que deseje a morte do Leitor. Vamos chama-la de “Democracia Bidireccional”, onde o blogueiro não tem sempre razão mas nem o Leitor. Pode ser?

      Fui!

      1. O teu artigo reporta-se a um evento ocorrido entre 21/ 22 Junho de 2019
        Em Nantes.
        É ilustrado com 8 imagens.
        Pesquisei um pouco ( Botão direito do rato- clicar sobre a imagem – opção 5- pesquisar imagem no Google ), das 8 encontrei 5 imagens idênticas atribuídas a eventos em datas anteriores e até a cidades diferentes :

        Mulher de capacete rosa cercada de policias em 16 de Fevereiro de 2019 em: https://www.mediapart.fr/en/biographie/carine-fouteau

        A mulher a levar um pontapé de um policia, 29 maio 2016 em: http://www.communisteslibertairescgt.org/Violences-policieres-une-info-de-Tours.html

        O policia com escudo e bastão no ar – 08 de Fevereiro de 2019, em : https://www.matierevolution.fr/spip.php?article5251

        Policia a manietar um colete amarelo , 08 de Abril de 2019 em: https://fr.blastingnews.com/politique/2019/04/gilets-jaunes-un-colonel-de-gendarmerie-reconnait-des-violences-policieres-002889905.html

        Policia a pulverizar manifestante de braços abertos , 14 setembro 2017 em ; https://www.anti-k.org/2018/01/28/violence-structurelle-travail-violence-contre-lautogestion-travailleurs/

        Sobre a morte do rapaz, não tenho opinião formada até saber o resultado da investigação uma vez que até agora apenas surgem suspeitas, logo reservo-me ao direito de duvidar da versão “assassinato policial” que parece ser o que genericamente se sugere. E parece que não sou o único:

        “…Apesar do relatório ter desculpabilizado a intervenção policial, a advogada da família de Steve Maria Caniço considera que nesta altura “não é possível descartar responsabilidades de quem quer que seja”. Reforça a importância de prosseguir a investigação “em condições de serenidade, independência e confidencialidade como a justiça deve fazer
        .” https://ionline.sapo.pt/artigo/666695/advogada-da-familia-do-lusodescendente-encontrado-morto-em-franca-diz-que-caso-e-assunto-de-estado?seccao=Portugal

      2. “Errado também. Se P. Lopes achar que eu justifico tudo o que os manifestantes fazem, está muito longe da realidade porque ainda não entendeu como eu raciocínio. Os Coletes Amarelos são mais uma das “Revoluções Coloridas” que alastram pelo planeta. Nasceu como manifestação espontânea, mas há tempo que deixou de ser apenas um grupo de automobilistas enervados: hoje são uma força enquadrada que actua segundo um esquema pré-determinado. Isso não significa que no meio deles não haja pessoas honestas, pelo contrário, acho que a maioria dos manifestantes participa porque realmente farta da situação política e económica do País. Mas isso não retira a existência dum “cérebro” que manobra.”

        EXACTAMENTE

        N

  5. É natural que numa situação em que nada é o que parece, as pessoas inteligentes duvidem de tudo. Mas, mas, mas nada como a experiência para dissolver as dúvidas. Não sei se o P. Lopez participa habitualmente de manifestações, onde intervem a polícia. Eu sim, por sinal guardo com muito carinho um achatamento do lado esquerdo do crânio provocado numa destas guerras urbanas, o que sempre foi disfarçado com o cabelo, e talvez tenha excitado meus dois neurônios definitivamente. Essa experiência acumulada me informa que nas manifestações há infiltrados de ambos os lados. Que a quebradeira em geral é produzida por infiltrados e quando não é se justifica porque ninguém enfrenta causas com flores e essas são batalhas desiguais onde a polícia está muito mais preparada técnica e mentalmente para destruir que os manifestantes.
    Só para exemplificar, os policiais e o exército brasileiro é treinado nos seus exercícios acompanhados de palavras de ordem e cantos. O nosso aqui atualmente é assim:” Um, dois, três. degola, corta a cabeça e pendura…pena de morte a moda brasileira”.
    Tudo indica que este povo policial não vai te jogar flores, e tu vais ter de usar muita imaginação para não ser abatido,
    Quanto aos suicídios de policiais, acho um ato digno por parte dos franceses e dos veteranos nos states. Isso não acontece aqui porque o treinamento é supimpa e os cuidados entre eles mesmos bonitos de ver.
    Agradeço ao Max trazer ao blog ocorrências difíceis de aparecerem. Concordo com o Sérgio, que mostra ser experimentado no assunto. Abraços a todos

    1. Olá Maria. Não participo habitualmente em manifestações e nas que participei não vi violência, não advogo a violência pelo simples facto de que é um inútil dispêndio de energia cujo retorno só pode ser mais violência e descontrolada, e que nos afasta cada vez mais do objectivo, não defendo sequer a greve de fome mas constatei que tem mais impacto no alcance de objectivos sociais do que a violência, Entendo que a resistência pacifica inteligente e organizada é o caminho nesse âmbito o boicote organizado de marcas ou produtos, por exemplo, tem um poder destrutivo enorme e com nenhum dispêndio de tempo nem energia.
      Mais uma vez … policia portuguesa nada tem a ver com policia brasileira , policia francesa, desconheço .

      Não compreendo esta observação : “Quanto aos suicídios de policiais, acho um ato digno por parte dos franceses e dos veteranos nos states.”

      O que significa ?

  6. Significa que depois de torturar e ceifar a vida de tantos inocentes,, quem tiver um pingo de consciência só pode mesmo suicidar-se. Interessante, como tu ,eu não gosto de violência, poderia até se dizer que sou pacifista porque defendo a desmilitarização de todos, me negaria sob qualquer hipótese a servir em qualquer guerra, só mato qualquer ser vivente por eutanásia…
    Porém, em qualquer lugar as manifestações iniciam pacificamente com vistas a tornar claro o descontentamento ou aprovação de medidas governamentais. No entanto, se puserem a cavalaria encima de mim, se me jogarem gás pimenta nos olhos etc, etc não vou ficar quieta, não? Abraço P. Lopes

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: