A circulação termoalina enfraquece

O tempo de leitura estimado deste artigo é de 6 minutos

O que é a circulação termoalina? É circulação oceânica global movida pelas diferenças de densidade das águas dos oceanos, devido a variações de temperatura ou salinidade em alguma região oceânica superficial. Isso significa que a água do mar não é toda igual: há zonas onde esta fica mais fria ou mais quente, com mais ou menos sal. Este desequilíbrio cria as correntes e a maior de todas é a circulação termoalina que abrange todo o planeta.

Uma desaceleração na circulação termoalina global está a ter um impacto não negligenciável na mudança climática: a questão é muito complexa nos detalhes, mas também pode ser resumida de maneira simples sem perder muito rigor.

As águas dos oceanos realizam um ciclo complexo de correntes que se movimentam ao redor do planeta todos os dias e condicionam o clima de inteiros continentes. Essa “serpente de água” é chamada de circulação termoalina global, ou “correia transportadora” e, como vimos, é provocada pelas diferenças de temperatura e salinidade das próprias águas, um fenómeno perfeitamente natural.

https://it.wikipedia.org/wiki/Circolazione_termoalina#/media/File:Circulacion_termohalina.jpg
A circulação termoalina – Fonte: Wikipedia

Se pegarmos num trecho desta “serpente” para seguir as águas quentes e salgadas da zona equatorial que estão a mover-se em direção ao Polo Norte, encontramos um sistema de correntes que no jargão é chamado AMOC (Atlantic Meridional Oceanic Circulation, que encerra em si também a nota Corrente do Golfo). As águas esfriam nas altas latitudes, tornam-se mais densas e pesadas, descem ao abismo continuando a viagem para depois ressurgir em outros pontos do plantea, em outros mares.

Este fluxo de água é enorme: cerca de 20 milhões de m3/segundo. E gera outras correntes, transporta oxigénio, elementos nutritivos e, entre as outras coisas, mitiga também o clima das regiões polares, porque a afundar cede o calor que armazenou nas áreas equatoriais.

Dada a importância desta circulação em influenciar o clima de uma grande região como a europeia, uma variação da sua intensidade é obviamente de grande interesse. Mas seria um erro pensar que uma alteração da AMOC possa ter consequências apenas no Velho Continente: como já lembrado, a circulação termoalina é uma estrutura global, com um impacto que não é possível limitar geograficamente em apenas algumas áreas do planeta. O clima nas nossas casas é gerado por um enorme conjunto de factores que têm origem ao longo de dezenas de milhares de quilómetros.

As hipóteses

A dúvida é: por qual razão há mudanças na circulação termoalina global? Durante anos, várias hipóteses foram estudadas e agora dois estudos que aparecem na revista Nature parecem dar razão às preocupações dos oceanógrafos.

Um estudo (Thronalley, 2018) analisa as dimensões do sedimento do fundo das zonas polares e reconstrói as velocidades da corrente que o depositou. Valor encontrado: 15% de enfraquecimento. Início: depois de um período relativamente estável começado em 450 d.C., o estudo constatou uma mudança de velocidade significativa por volta de 1850. Os autores ligam este início ao fim do período da Pequena Idade do Gelo. Traduzido: mais água chegou doso glaciares porque a temperatura da Terra aumentou, e isso começou a enfraquecer a AMOC.

Outro estudo (César, 2018) utiliza modelos matemáticos para reconstruir as correntes da região polar e compara-las com as temperaturas da água de superfície, e investiga um período mais curto. Valor encontrado: 15% de enfraquecimento. Início: por volta de 1950. Os autores associam este enfraquecimento ao aumento da concentração de dióxido de carbono na atmosfera, consequência das enormes emissões decorrentes do uso de combustíveis fósseis (gás, petróleo, carvão) pelo homem. Traduzido: o aumento dos gases de efeito estufa gerou um aumento nas temperaturas médias e um derretimento do gelo, o que aumentou a quantidade de água não salgada que prejudica a AMOC.

Os dois estudos, portanto, diferem nas hipóteses dos mecanismos iniciais desse processo e também no período (cerca de 100 anos de diferença). Mas as conclusões são as mesmas porque, em qualquer caso, surge um claro responsável: o aumento da água sem sal nas áreas polares, derivada do um aumento do derretimento do gelo. Depois, que o processo tenha tido início por causas não relacionadas com a actividade humana ou seja uma consequência destas últimas, é relativo. Porque estamos a falar dum processo aditivo, no qual é evidente o início não antropogénico (o fim da Pequena Idade do Gelo), no qual o homem pode esperar controlar apenas um desses fatores.

É importante relatar que alterações na circulação termoalina são um fenómeno não novo: registros de núcleos de gelo da Gronelândia sugerem que mudanças abruptas na força da circulação desencadearam flutuações dramáticas de temperatura durante o último período glacial. Flutuações climáticas em tal escala que, felizmente, não ocorreram na actual era interglaciar do Holoceno (pois espantem-se: vivemos no Holoceno!). Todavia, sinais de uma AMOC acentuadamente enfraquecida, relatados em 2005, provocaram preocupação de que a circulação poderia estar à beira de cair numa fase fraca, com todas as consequências que isso acarreta.

De que números estamos a falar?

A Gronelândia está a perder 280 bilhões de toneladas de gelo por ano. O que equivale a cerca de 3.000 vezes o peso do Coliseu por dia. E a AMOC está a abrandar em cerca de 3 milhões de metros cúbicos por segundo, cerca de 2000 vezes o fluxo dum rio de médias dimensões.

E nisso há uma contradição: mais calor, mais água não salgada, mais frio na Europa. Pois se a AMOC diminuir muito ou parar, devido ao aquecimento excessivo e ao derretimento do gelo, o Norte da Europa quase certamente enfrentará muito frio.

Lloyd Keigwin, cientista da Instituição Oceanográfica Woods Hole, em Massachusetts (EUA), explica que em Novembro de 2004, a Corrente do Golfo foi interrompida por 10 dias. A questão é: o bloco durou apenas 10 dias, mas vamos supor que no futuro isso possa acontecer por 30 ou 60 dias. Como podemos controlar esse evento? Não podemos: entre 1957 a 1998 houve um enfraquecimento da Corrente do Golfo equivalente a 6 milhões de toneladas de água por segundo. Se a corrente permanecesse tão fraca, levaria a uma perda de calor de 1 ° C no Reino Unido enquanto uma suspensão completa da actividade da Corrente levaria a um resfriamento de 4 ° C / 6 ° C em cerca de vinte anos.

Os efeitos das mudanças climáticas e da variabilidade natural no AMOC podem ser desvendados? E se a circulação oceânica for sensível à mudança climática (num sentido, mais quente, ou num outro, mais frio), como é altamente provável, as correntes responderão de forma abrupta e talvez violenta ou a transição será suave? Estas estão entre as questões mais urgentes da ciência do clima.

A verdade é que, apesar do nosso planeta ser composto por dois terços de água, os oceanos são a componente mais sub-amostrada do sistema terrestre. E como lembra Nature:

A AMOC é apenas uma parte de um sistema de circulação de abrangência mundial, a física – e a influência no ciclo químico – do qual é mal compreendida.

Os modelos numéricos são uma ferramenta indispensável para estudar a circulação oceânica e o clima. Mas, apesar do poder computacional cada vez maior, os modelos ficam aquém quando se trata de reconstruir algo tão variável quanto a circulação oceânica. O que está a acontecer é um exemplo perfeito de porque não podemos abordar o problema da mudança climática com o método dos compartimentos estanques: uma alteração num ponto do globo, e aparentemente nem relacionada, pode provocar mudanças do outro lado do planeta.

 

Ipse dixit.

Fontes: WUWT, AGI, Phys, Nature (1, 2)

 

28 Replies to “A circulação termoalina enfraquece”

  1. Como é óbvio, para Leitores como “pflores” & alegre companhia o título é: “Conspiração judaica enfraquece a circulação termoalina para dominar o mundo”.

      1. E regista. Cada comentário é acompanhado pelo seu endereço IP. Chaplin, vários Anónimos, peru da sadia, pflores têm todos o mesmo IP: 179.189.76.XXX (ocultei os últimos três dígitos por razões de privacidade).

        Em honra de Chaplin vou escrever algo acerca de como ocultar o endereço IP. A propósito: pare com isso e volte a comentar com o seu nick original, também porque é o único que continua com esta história dos judeus, pode trocar de nicks ou IP mas vai ser reconhecido logo.

        1. Peru da sadia ? Peru da sadia ? Chaplin por favor não me envergonhes, as pessoas sabem que sou teu tio, arranja um nick decente .

  2. Eis onde queria chegar! Este blog é o típico espaço configurado no modelo de própria web, tão “discutida” aqui. Um covil, onde há um editor, ou seja, o senhor do raio e do trovão, que intervem ao seu bel prazer, quando conteúdos são do seu desagrado. Aqui a liberdade de exposição ou conteúdo é delimitada por pseudos conceitos que servem unicamente para blindar assuntos imprescindíveis e negados pelos que sequestraram a propaganda. O que interessa ao blogueiro se alguém acessa com esse ou aquele nick? Nada! Mas está claro que abordagens que denunciem “elites do povo escolhido” acima do sionismo são insuportáveis para o editor, que, primeiro e através de alguns nicks que surgiram repentinamente, passaram, não a contrapor, mas a usar de adjetivações e grosserias baratas. E o que o editor blogueiro fez? Nada. E por que será? Depois o próprio editor/blogueiro, que ao longo dos anos sempre disse que haveria apenas dois motivos pelo qual usaria de censura nos comentários: propaganda comercial ou ofensas. Se quer defender essas elites, faça, mas seja mais competente!

  3. Dúvidas? Já anteriormente aqui postas: sec IX e XX quando viquingues ou escandinavos colonizaram a Islândia(definitivo) a Gronelândia(momentaneamente) e chegaram á terra nova e mais a sul, monumentos como L’ Anse aux Meadows(espero nao ter escrito mal) existiran uma alterações que duraram 150 ou 200 vá 250 anos? Ou os rigores em plena idade média em que rios como o Tamisa(onde faziam feiras sob o gelo) e a sul no Sena. Seja como for nessa época sécs XIV e XV são reconhecidas pelo frio rigoroso na europa ocidental (inumeros testemunhos e inclusive pintura e arte).
    Não pondo (nem é essa a ideia) nada de parte do que agora se contribui (tal de antropoceno?)e de que maneira para mudanças mais drásticas. A pergunta é simples como na altura pouco ou nada contribuiamos para essas mudanças, não poderão ao mesmo tempo que as provocadas por acção humana existir fases. Oscilações naturais que ocorrem periodicamente durante “bastante” tempo para nós mortais um pouco como não ser uma linha continua, mas uma oscilação num grafico com ligeiras variações para cima e baixo do que se considera a “recente linha media”?

    É uma questão que nunca vi completamente respondidada, nada é fixo? Até a deriva dos continentes, decerto não serão iguais daqui a milhares de anos e foi diferente no passado com pangeia ou sem ela? Mesmo as primeiras representações da zona do crescente fértil indicam (várias de pesas a sumérias) o golfo persico mais proximo por exemplo de ur uruk e minur.
    Exemplo de acção desastrada do homem(sem essa intenção, não levaram foi em conta efeitos secundários) e que está a desaparecer Mar Aral e como esse existem muitos.
    Agora em relação a ditas Oscilações a nível de temperatura (mas deve ter inúmeras vertentes/processos) que ainda nem se conhecem. O mais real será uma linha recta ou uma “linha” oscilante.

    Peço desculpa hoje deu me para isto.

    Abraços

    1. Olá Nuno!

      Consigo responder porque hoje, enquanto procurava material acerca do artigo, encontrei um gráfico que não publiquei (mas deveria) e que fala mesmo disso. Era este:

      Mostra o ciclo de variações de temperatura da AMOC, algo que está longe de ser entendido: cálculos com o computador parecem mostrar um ciclo de 20 anos, mas devem ser previstas excepções, com ciclos de 79 ou até 90 anos. Infelizmente, as medições começaram só no séc. XIX, portanto o que temos é pouco.

      Portanto, há ciclos naturais que estamos a tentar entender agora; pode haver outros ciclos, sempre naturais, que ainda não foram detectados. Sem mexer na teoria do Aquecimento Global, é óbvio que a climatologia é uma ciência nova, com ainda poucos dados espalmados sobre poucas décadas. Para entender algo tão complexo como o sistema climatérico do planeta precisamos de muito mais.

      Abraçoooooooooooooooooo!

  4. Chaplin, por uma vez diga-me a verdade: mas você é normal? Que idade tem? 15? 16? Porque o nível é este. Aparece com nick inventados, insulta os Leitores, o autor, o blog… e continua aqui.

    Meu amigo, cresça. Abra a porta da rua, viva, circule, fale com mais pessoas, tente confrontar-se com a realidade. Há um mundo lá fora e está à sua espera também. Não viva para comentar em blogues e sites (donde ainda não foi excluído, entendo, porque nem todos têm a minha paciência), viva para aproveitar a vida. Internet é apenas um acessório, não um fim para a auto-realização.

    Há semanas que continua com a história da conspiração judaica e ninguém liga. É obrigado a inventar nick para dar-se razão, provocar e depois chega aqui para dizer que no blog não há debate. Mas tem noção?

    O que quer que eu faça? Quer que lhe diga que tem razão? Ok, oiça: Chaplin, tem toda a razão, vivemos num mundo onde os judeus são maus e querem dominar o mundo, eu sou um agente do Mossad disfarçado de blogueiro, PLopes é o meu chefe, Maria é a contabilista, EXP001 é do serviço de propaganda, Nuno é das Operações Especiais, Krowler é o porteiro (desculpa Krowler mas os outros cargos já estavam todos ocupados). Na verdade o nome original de Informação Incorrecta escreve-se assim: מידע שגוי. Mais uam dica? Confronte as cores do blog com aquelas da bandeira de israel… notado algo?

    Mais: sabe como é que sei que Chaplin mora perto de Porto Alegre? Simples: estamos a rastreá-lo, a segui-lo, há anos que fazemos isso e já deve ter reparado em algo estranho. O nosso satélite Torá 004, que espia o Brasil 24h por dia, tem uma câmara de vigilância só para seguir os seus movimentos. E lamento informa-la que cedo será raptado e transportado para uma das nossas instalações no deserto do Sinai, porque Chaplin entendeu tudo e é um elemento muito perigoso.

    Sente-se melhor? E agora que descobriu a verdade, em que ficamos? O que fazemos? Tem ideias? Vai migrar para outro blog e começar a sua missão aí também?

    Chaplin, pela última vez: precisa de ajuda? Escreva-me em privado, utilize o correio do blog, não há crise. Estamos longe, você é do Brasil, eu vivo em Portugal mas hoje em dia há internet, as distâncias são reduzidas. Podemos falar, até fazer video-conferências, trocar correio. Tivemos as nossas divergências, mas percebo que haja problemas do seu lado, talvez graves: não é admissível que uma pessoa crescida tenha as atitudes dum adolescente. Já disse para Chaplin procurar ajuda e lamento que tenha tomado isso como uma provocação porque não era tal; como não é a minha oferta de ajuda aqui, hoje. Não desvalorize o que estou a fazer, não encare isso como uma ofensa ou falta de respeito. Não sou a Cruz Vermelha, mas você mete-me dó, você é uma criatura que sofre e isso não é justo.

    Claro que se depois disso Chaplin reaparece a falar de “liberdade de exposição ou conteúdo delimitada por pseudos conceitos que servem unicamente para blindar assuntos imprescindíveis e negados pelos que sequestraram a propaganda” ou outras idiotices como esta… bom, cada um se deita na cama que tem preparado e isso vale para Chaplin também.

    Abraço medicinal!

    1. Agrada-me estar encarregue do serviço de propaganda.
      Já tinha o titulo de muy nobre advogado do Blog e agora fui promovido 🙂
      Obrigado Max

        1. Sim… já reparamos que és muito dado a paneleirices
          fica com elas para ti
          Não é assunto nosso nem do foro do blog
          Há sitios na net onte te sentiras feliz. Aqui discutimos outros assuntos.
          Estamos entendidos?

          1. Sir Patrick Stewart é um respeitável ator britânico, filho de um sindicalista, casado e com 2 filhos, critico do governo do seu pais pela intervenção na guerra do Iraque e ativista das liberdades civis. Sr. Doutor , com o devido respeito, as ditas ” paneleirices” parecem existir apenas na sua cabeça, se o muy nobre advogado tivesse um pouco de civismo entenderia que se trata de uma brincadeira, ou invés do comportamento do Sr. Doutor de, tratar “como cão” um comentador que sempre o respeitou e oferecer-lhe biscoitos caninos, e que depois de civicamente interpelado sobre essa atitude se remeteu a um cobarde silêncio… ? Isso “é de macho”…? Permita-me apenas concluir que se o assunto é do foro do blog, ou não, compete apenas ao administrador aferir, portanto, a menos que o Sr. Dr. possua procuração do administrador do blog, deve abster-se de invocar esse direito.

            Estamos entendidos ?

  5. Uma última observação ao rei do raio e do trovão: não sou normal, sou louco mesmo, até porque a sociedade atual tem espaço para apenas três tipos: louco, canalha ou alienado. Escolha o teu!

    1. Ok, Chaplin, encaro isso como uma resposta. E vejo que continuam os insultos. Pelo que, a partir de hoje todos os seus comentários serão apagados. Se não gosta do blog e não tem coragem para abandona-lo, eis a minha ajuda.

      Adeus.

      1. Atenção, a palavra canalha não representa uma ofensa, eu apenas segui o pedido do Chaplin e escolhi… Ok agora que fomos descobertos … o sinal de banda da camera de vigilância que seguia o Chaplin no nosso satélite Torá 004 deixa de ser útil … hmmm acho que a posso utilizar para ver pornografia ?

  6. Olá pessoal: assim como o Nuno, eu penso que as modificações climáticas muuuito antigas existiram e eram naturais. Devem continuar existindo, e existirão até o fim do planeta, até porque, apesar do homem se considerar o único vivo que importa, o planeta também está vivo. Abaixo desta superfície estreitinha onde habitamos e onde começa nosso efeito destruidor, as coisas se movem e se modificam, nos mares e na atmosfera também, em função de pulsões naturais. É a vida que aparece, floresce e morre, tal quais todas as coisas da natureza, até as pedras (um granito pode ser expelido por um vulcão, modificar-se em rocha metamórfica, mas o mesmo granito exposto aos tempos milhares de anos vira arenito, e as 3 rochas são compostas dos mesmos minerais: quartzo, feldspato e mica). Mas aí aparece um terrível predador que, ao invés de estudar a natureza, e tentar melhor equilibrar seus surtos devastadores, ao contrário, rebenta com ela.
    Então é de se esperar que haja desdobramentos cada vez mais frequentes, acelerando o desaparecimento de espécies animais e vegetais, e até fósseis. O Homem (inteligente que é!!???), continua a criar materiais inertes que o planeta ainda vivo não dá conta de assimilar ao ciclo da vida/morte. Isso é o lixo que se acumula nos oceanos, que sai pelos navios que circulam ou já afundados ou abandonados ao desmonte.(recentemente Max dedicou um post ao assunto). Lixo, no sentido que estou a falar,ou seja, não orgânico, não degradável, é o maior produto humano (o que tem uma certa lógica). Ora, que se pode esperar, enquanto o bicho humano prevalecer no planeta?

    1. Maria (contabilista? lol )
      E o Max tinha que me colocar em op. especias ahahaha ok. é para entregar propaganda jota na residência do Chaplin? Perto da capital do RS, Novo Hamburgo serve? lol
      Não nada disso do “louco, canalha ou alienado”. Bolas Chap já cá estás à mais tempo. A impressão pode ás vezes ser essa, mas nada disso, sabes bem. Em que consiste a loucura não falo doença mental? As melhores ideias e até revolucionárias vieram de quem era dado ou rotulado por “alienados” como “loucos” riram e depois calaram e enguliram, é quase sempre o mesmo. Canalhas existem infelizmente onde existem pessoas/animais se é intrinseco na mesma porporcionalidade existem muitos mais não canalhas.
      Só assim isto tudo funciona(ou vai funcionando) senão nem isso.
      @Maria
      O que se dá importância a mais é a um animal que á milhões de anos se tornou bípedes, aprendeu a trabalhar em conjunto e começou por tentativa erro a dominar o fogo a construir ou usar utensílios
      Este animal que se acha racional e é mas por vezes se comporta como que ainda pior, porque é que racional e uma forma auto-destrutiva, pode ser ingenuidade ou receber ordens, outros é por o que gere a vida destes bipedes cada vez mais doentes com uma criação chamada dinheiro(suposto valor-os créditos/fichas/o que for é irrelevante é uma representação) de cada um como e que se bem ajude, torna-se uma obsessão que vai criar mais obsessões.
      O aumento populacional até 2050 em lugares onde uns almejam os bens minimos de outros que têm a pop. estabilizada (não é mal nenhum, aliás já á muito deviam se ter organizado/organização – um dos seus problemas, o problema é que vão querer as palermices desnecessárias criadas para serem de curto prazo obsoletas. Fora outros exemplos imbecis do dito/que se julga 1° mundo.
      Não acredito que o planeta vá aguentar com os bipedes e outros sem culpa por arrasto, aliás se continuam por este caminho acabam como a 5a/6a grande extinção de uma linhagem de catástrofes ou mudanças lentas que acabaram com especies que estiveram cá 3 a 8 vezes mais tempo que os próprios primatas e evoluções?… (aplicando a teoria da evolução, se bem que um cientista português a morar a decadas na Suécia refute, e a coisa tem lógica…não conhecemos certos factores, paciência).
      Basicamente estamos bem por enquanto, quando começar a ficar limitado ou for gastos tb os materiais que suportam tudo é um problema
      O planeta que não temos conhecimento de como sair, nem o tal de dinheiro e mesmo esses nem saberiam para onde ir, porque nem visualizar sistemas como o solar é possível, sabe-se que existem por outros métodos e especula-se isto e aquilo. Até porque muitos sabem que a coisa não irá funcionar por muito, ou a coisa muda ou não diria filhos mas netos e bisnetos vão chamar-nos muitos nomes. E o mais incrível é que grande parte já tem consciência disso.
      Até aqui no blog, mas no geral…
      Não é o ser humano, são alguns que se comportam como uma praga de gafanhotos e basta isso.

      Abraço e peço desculpa pelo texto algo difuso…

  7. Puxa vida Max!! Você me colocou na função (contabilista) que eu menos sei. Nem sou capaz de guardar na memória uma estatística, organizar contas…Vou pedir ao Krowler para a gente trocar de função. É mais adequado para ele e menos exigente para mim, tá bom?

    1. Lamento Maria, não posso aceitar o Krowler fica na portaria porque acumula funções de assassino profissional , receio que uns dias na contabilidade o iria tornar mole… as tantas até iria ter uma flor na secretária e clips em forma de coração e assim… lamento, não pode ser.

      1. PLopes, se tiver vagas abertas na organização, posso recomendar alguns amigos judeus! A maioria deles não tem muita especialização, mas bem, todos tem o perfil, afinal, são tão maus como o próprio lobo mau!

        1. Meu caro, o perfil é secundário a motivação é o essencial, envie CV dos interessados , há muitos lucros para repartir. Grande Abraço

  8. Os oceanos são, de fato, a coisa mais misteriosa que temos no planeta. Esta questão das correntes é muito interessante, conheço muito pouco disto. Acho que nossa geração nunca saberá exatamente o que levou a que, como funciona exatamente isto, mas enquanto civilização, precisamos continuar tentando. Li esses dias algo sobre a Africa do Sul querer levar um iceberg da Antártida para poder transformar em água potável, para sanar uma necessidadade deles. É uma iniciativa nobre, mas será que isto poderia ter efeitos colaterais imprevistos? Certamente que sim, só não sei quais.

    Além de tudo que foi discorrido no tema, que de fato é muito interessante, imagina quanto conhecimentos existem no fundo do oceano que não temos nem ideia? Não espero encontrar o príncipe Namor, mas deve existir uma rica flora e fauna totalmente diferente do nosso conhecimento.

    E, apenas um off-topic, mas lembrei da música “Planeta Água”, do saudoso Guilherme Arantes.

    1. Levar um iceberg da Antartida para a África do Sul parece-me um pouco abrutalhado, enfim … em sintonia com a mentalidade estupidificante dos governantes da África do Sul, seria mais fácil um pipeline mas não tenho esperanças que eles entendam , se fosse cerveja em vez de agua eles já teriam solucionado o problema…

  9. Lamento, mas da portaria já não saio.
    Sobre este tema, tentei procurar alguma mais alguma informação mas não existe muita coisa.
    Agora, está comprovado que os oceanos são o grande controlador do clima. O professor Molion, em finais do ano passado, previa que 2018 fosse um ano com as temperaturas medias abaixo da média normal, por força de uma gigantesca massa de agua no pacifico sul mais fria que o normal. Parece que estas previsões se estão a confirmar.

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: