Actiquê???

O tempo de leitura estimado deste artigo é de 4 minutos

Reza o lema: a publicidade é a alma do negócio. O que faz sentido.

O problema nasce quando a publicidade se torna um sistema para espalhar ideias erradas; quando o marketing tenta vender objectos ou serviços dos quais ninguém tem necessidade; e quando chega a mentir de forma descarada para obter o efeito.

Mas o problema ainda maior é quando a sociedade aceitar tudo isso com a máxima naturalidade.
Este é o sintoma de que já não existem os anticorpos necessários para impedir a progressiva estupidificação do consumidor: é o triunfo dos “criativos” do marketing sobre a decência.

Pegamos no caso Danone e do seu produto “Actimel”.

Sites na internet, publicidade nas televisões, cartazes ao longo das ruas, Europa ou América tanto faz: todos a espalhar as mágicas propriedades da ampola: Actimel não é um simples yogurt, é muito mais: Actimel reforça o sistema imunitário, tudo graças ao extraordinário fermento L. casei.

Ohhhh, o L. casei!!!
Mas que raio é este L. casei? E onde é que a Danone descobriu este elixir de longa vida?


Explica Danone na página Actimel:

Actimel é um alimento lácteo fermentados por três culturas lácticas específicas: os fermentos do iogurte (Lactobacillus bulgaricus e Streprococus termophillus) e o exclusivo fermento Lactobacillus casei Danone.

Lactobacillus casei

L. bulgaricus e S. termophillus são bactérias, ingredientes utilizados desde sempre na preparação do yogurt; que, é bom lembrar, não é uma invenção da Danone mas existe há algumas dezenas de séculos.

No séc. XIX os Turcos utilizavam o yogurt para limpar as ovelhas.

Mas o “exclusivo fermento Lactobacillus casei Danone“?

Este último foi descoberto pela Danone, fruto da investigação levada a cabo durante vários anos.

Foi isolado do ambiente, identificado, caracterizado e patenteado pela Danone, sendo por isso único e exclusivo.

Culturas desta estirpe são guardadas no Instituto Pasteur de forma a assegurar a preservação da mesma.

Assim, os cientistas da Danone passaram anos na tentativa de descobrir o L. casei.
Podemos imaginar expedições nas florestas mais impenetráveis, nos desertos mais secos, entre perigos indescritíveis: tudo para obter o elixir de longa vida, a bactéria que traz felicidade e eterna juventude.

Uma espécie de Sagrado Cálice, de Graal.

Até que, um dia: “Eureka! É Ele! É Ele! É o L. casei!!!”.
Um dia histórico no mundo científico: a Danone tinha conseguido encontrar o misterioso L. casei.
A Humanidade estava salva.

O tesouro foi estudado, patenteado e umas amostras foram guardadas no Instituto Pasteur, para preservar esta dádiva da Natureza e para que o Homem nunca pudesse perder a chave da felicidade. 

Falta apenas um pormenor: onde é que a Danone tinha encontrado o L. casei?
No estômago. No nosso estômago. O L. casei é uma bactéria naturalmente produzida por cada um de nós: cada ser humano tem no próprio estômago (e na garganta também) o mítico L. casei.

Querem ver a bactéria? Cuspam no chão e a seguir observem o resultado: aí, no meio líquido, estarão alguns L. casei. Que desesperadamente gritam: “Queremos ir num yogurt da Danone!”.

É isso mesmo: a Danone patenteou uma coisa que cada um de nós tem. Esta é a grande descoberta científica, até conservada no Instituto Pasteur.

Actimel estraga as torradas

Mas há mais.
Afinal o que faz o L. Casei mergulhado no yogurt da Danone?

Porque uma coisa é produzir de forma natural a bactéria, outra coisa é fecha-la num frasco no meio de leite fermentado, xarope de glucose, leite concentrado, crema de leite, dextrose e açúcar.

Em 2008, uma acção levada a cabo por um grupo de consumidores dos Estados Unidos obrigou a Danone a pagar 35 milhões de Dólares de indemnização e a retirar da publicidade a palavra “imunidade”.

Porque os “benefícios visíveis” estavam presentes apenas nos cérebros do departamento de marketing.

A Advertising Standards Authority (ASA) do Reino Unido bloqueou duas publicidades, uma em 2006 e outra em 2008, porque baseadas em mensagens falsas: na primeira, a Danone afirmava que Actimel era capaz de bloquear as infecções bacterianas, na segunda sempre a Danone avançava com a ideia de que documentos científicos comprovavam a bondade de Actimel na saúde das crianças.

O Departamento de Ciências da Nutrição da Universidade de Viena confrontou as bebidas probioticas (como Actimel) e os yogurtes normais, sem encontrar diferenças significativas. Além do preço, óbvio.

Mesmo resultado suportado pela Universidade de Munich, Alemanha, Departamento das Doenças Metabolicas e Nutrição: os yogurtes e as bebidas probióticas fazem bem, mas Actimel não faz nada mais do que isso. Simplesmente custa mais.

Actimel não é para todos.

Doutro lado, existem estudos, como o publicado pela revista Nature, que relacionam o aumento das bebidas probióticas com o geral aumento de peso nos últimos 20 anos.  

Resumindo: os yogurtes e as bebidas probióticas fazem bem. Se ingeridos com moderação, como acontece com todos os alimentos.

Observem o rótulo dos ingredientes: há leite? Há Lactobacillus bulgaricus? Há Streprococus termophillus? Então podem tranquilamente comprar e consumir. 

E esqueçam a marca, o L. casei e o Instituto Pasteur.

Ipse dixit.

Link: Actimel.pt, Actimel Brasil, CTV, Der Spiegel, ASA, BBC, NCBI, Nature

4 Replies to “Actiquê???”

  1. Mas ainda há outro pormenor, é que ao ingerirmos o L.Casei habituamos o nosso corpo a não produzi-lo, e adivinhe o que acontece quando deixamos de ingerir L.Casei, ou actimel.

    Exactamente! ficamos doentes!

    É tudo uma questão de lógica ! E como a treta das vacinas, e eu sei do que falo, pois trabalho diariamente nesse ramo.

    Uma vacina é um vírus neutralizado que injectamos no organismo para que o nosso S.I produza defesas contra esse mesmo vírus.

    Tem alguma lógica isto ?

    Se o nosso organismo tem a capacidade de produzir defesas, ele assim o fará quando, por falta de sorte, apanharmos um vírus.

    Então para quê injectar propositadamente um vírus no organismo ??

    Deixei de tomar vacinas à vários anos, quando descobri como funcionavam, e adivinhe… não me lembro de ficar doente, tirando um pequeno resfriado de vez quando, que rapidamente passa.

    Um bem haja por esse otimo artigo.

    cumps

    anónimo

  2. Haha! Boa!
    Vo manda já esse artigo pra minha irmã! kkk! Aqui no Brasil o iogurte do momento é o tal de Activia, mema balela, só muda o nome da bactéria exclusiva, o gosto e a cor da embalagem. E ele é indicado para mulheres para ajudar em algum problema feminino. Só ajuda mesmo se for pra ativar o placebo nos cérebros dos consumidores. Tipo pílula de farinha.

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: