Repórters Sem Vergonha

Já encontrámos o economista e analista geopolitico William Engdahl. Na altura falou dos problemas do Dólar. Desta vez o seu alvo é uma organização não governamental, Repórter Sem Fronteiras.

Um artigo cumprido. Mas vale a pena, pois explica quem são as pessoas que controlam a liberdade de expressão. E como esta seja constantemente manipulada pelos mesmos indivíduos que deveriam protege-la.

Uma organização que se auto-denomina “Repórteres Sem Fronteiras (Francês: Reporters Sans Frontiéres, ou RSF) acaba de nomear o primeiro-ministro russo Vladimir Putin, o presidente da China Hu Jintao, Mahmoud Ahmadinejad do Irão, Nursultan Nazarbayev do Cazaquistão e o Presidente da Bielorrússia Alexander Lukashenko na lista dos quarenta piores predadores da liberdade de imprensa em 2010. A coisa mais importante nesta lista de “maus” é a relação geopolítica dos líderes desses Países e a actual lista dos ‘inimigos’ do Departamento de Estado dos EUA. Este não é um acidente, como fica claro quando olhamos de perto quem fundou a RSF.

RSF afirma: “Desde que esses predadores têm uma cara, nós temos que conhece-los melhor para melhor denuncia-los.”

RSF decidiu pintar o retrato deles. A linguagem colorida não é um acidente. O termo predador evoca imagens de horror na maioria das pessoas.

Na sua mais recente lista de “maus” acabada de publicar, da Rússia de Putin observa: “Também com a manipulação de grupos e instituições, Putin tem vindo a promover um clima de orgulho nacional bombeado que incentiva a perseguição de dissidentes e livres pensadores e favorece um nível de impunidade que continuamente enfraquece o Estado de Direito “. RSF disse que Putin, “o ex-agente da KGB”, exercitou tanto controle sobre todos os aspectos da vida na Rússia que “as estações de TV nacionais, agora, falam a uma só voz “. É interessante notar que a citação e um relatório da menção de Putin apareceram no media do Estado Russo, RIA Novosti.

Com relação à China, a RSF afirma: “Em honra da Expo Mundial de Shanghai, a maior exposição do poder (sic) chinês desde os Jogos Olímpicos de 2008, Repórteres Sem Fronteiras pediu na semana passada aos utilizadores da Internet para visitar uma página especialmente criada no próprio Web site dedicada às liberdades que na China são ridicularizadas “.

Talvez tão importante como a lista dos maus de RSF são os nomes que esta não contém. Alguém poderia perguntar porque os nomes desses inimigos do mais alto nível de liberdade de expressão e de imprensa como o ditador da Geórgia, Mikhail Saakashvili, o ex-Presidente da Ucrânia Viktor Yushchenko, ou o deposto ditador do Quirguistão , Bakiyev, estão ausentes. Todos os três chegaram ao poder através de golpes de estado apoiados por Washington, também chamados de revoluções coloridas.

Pelo contrário, as pessoas nomeadas como “predadores” pela RSF, nos últimos anos têm sido alvos de esforços de desestabilização financiados por Washington.

Quem está por trás da RSF?

A imagem brilhante que RSF mostra ao mundo, como o uso do termo “predadores”, não é um caso. É o produto da agência de publicidade da RSF. Ao anunciar no dia 3 de Maio a lista dos quarenta no próprio site, RSF afirma que “A lista de Predadores da Liberdade de Imprensa, publicada hoje, apoiada por uma campanha publicitária produzida pela Saatchi & Saatchi … Na lista de predadores deste ano existem 40 nomes … que não conseguem lidar com a imprensa, tratam-na como um inimigo e atacam directamente os jornalistas. São poderosos, perigosos, violentos e acima da lei. “

A Saatchi & Saatchi é um dos persuasores “ocultos” ou empresas PR mais influentes no mundo. A empresa conduziu a campanha que levou ao poder Margaret Thatcher e é a empresa de publicidade do Partido Trabalhista de Gordon Brown. Os seus clientes incluem Citigroup, Hewlett-Packard, DuPont, Proctor & Gamble. Alguém poderia perguntar onde RSF obtem os financiamentos para contratar um conselheiro de elite como este.

Atrás RSF está escondido o NED. A questão mais interessante não são as acções de Hu Jintao ou de Putin ou Ahmadinejad no ano passado em relação à própria imprensa nacional, mas antes quem julga estes líderes. Podemos muito bem perguntar: “Quem julga os juízes? A resposta é Washington.

Repórteres Sem Fronteiras é uma organização não governamental (ONG) internacional. De acordo com o seu site, tem sede em Paris, França. Paris é um lugar curioso para uma organização que, como mencionado, é financiado pelos Congresso dos EUA. e por agências ligadas ao governo EUA.

Se entrarmos no site da RSF para descobrir quem está por trás desses juízes da liberdade de imprensa mundial, não encontramos nada. Nem o conselho de administração é nomeado, nem os financiadores. O balanço anual publicado não oferece nenhuma pista sobre quem está por trás financeiramente.

Milhões de dólares de rendimento anual ficam divulgados como decorrentes da “venda de publicações”. Não cita os nomes das publicações ou para quem foram vendidas. Como observou um pesquisador, “Mesmo considerando que os livros são publicados a título gratuito, deveria ter vendido 170.200 livros em 2004 e 188.400 livros em 2005, para ganhar os 2 milhões de Dólares que a organização pretende ganhar a cada ano, 516 livros por dia em 2005 . O dinheiro chega a partir de outras fontes, é óbvio, como de facto tem ocorrido “. Uma tentativa de ir ao site da RSF para encomendar uma publicação qualquer não encontrou nenhuma ligação para informações, nem lista de preços ou resumo dos livros. Muito curioso.

Nas próprias declarações financeiras e nas contas económicas publicadas em Setembro de 2009, afirma: “As finanças da organização, em 2008, foram marcados pelo final da campanha (iniciada em 2001) para os Jogos Olímpicos de Pequim, que afectaram significativamente as receitas e as saídas.”

Isto significa que a RSF passou oito anos e ocultos montantes de dinheiro para uma campanha contra o governo da China nas vésperas dos Jogos Olímpicos de Pequim de 2008. Porquê? Particularmente, RSF nomeou o presidente chinês, Hu Jintao como “predador” deste ano pelas suas acções na repressão das manifestações no Tibete em Março de 2008 e em Xinjiang em Julho de 2009, ambas as quais foram operações clandestinas de uma ONG financiada pelos EUA e chamada National Endowment for Democracy (NED). Hmmm.

Depois de anos passados a esconde-lo, Robert Menard, secretário-geral da Repórteres Sem Fronteiras ou RSF, confessou que o orçamento de RSF foi financiado principalmente por “organizações EUA estritamente ligadas à política externa dos EUA.”

Essas organizações que ajudam RSF incluem a Agência para o Desenvolvimento Internacional (USAID) e o National Endowment for Democracy (NED) do Congresso. Também incluem o Center for Free Cuba, cujo administrador, Otto Reich, foi forçado a renunciar por George W. Bush após a denúncia do seu papel numa tentativa de golpe apoiada pela CIA contra o presidente democraticamente eleito da Venezuela Hugo Chavez.

Como um pesquisador descobriu, depois de meses tentando obter uma resposta do NED sobre o financiamento de RSF, que incluíu a rejeição pelo Director Executivo da RSF Lucie Morillon, o NED revelou que Repórteres Sem Fronteiras tem recebido doações em pelo menos três anos pelo Instituto Republicano Internacional. O IRI é uma das quatro filiais do NED.

O NED, como descrevi em detalhe no meu livro “Full Spectrum Dominance: Totalitarian Democracy in the New World Order”, foi criada pelo Congresso dos EUA durante o governo Reagan, por iniciativa do então diretor da CIA, Bill Casey, para substituir os programas de acção ilegal da CIA na sociedade civil, e que foram revelados pela Comissão Church em meados dos anos 70. Como admitiu anos depois Allen Weinstein, que elaborou a legislação que criou o NED, “Muito do que fazemos hoje era feito de forma encoberta pela CIA 25 anos atrás.”

Talvez uma organização que se proclama juiz da imprensa mundial deveria praticar um pouco mais de honestidade e transparência acerca de onde se origina o seu apoio. Caso contrário, temos que pensar que há algo a esconder.

Fonte: Global Research

Tradução: Informação Incorrecta

Obrigado por participar na discussão!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: