Coronavirus: o protocolo “faça você mesmo”

Algo está a mexer-se.

Antonio Laudani, um médico, escreve no Facebook:

Faço parte de um grupo de médicos no FB de todas as especialidades que estão constantemente a trocar informações sobre a COVID-19. Alguns de nós são médicos anestesistas de primeira linha que vêem doentes nas piores condições.

Recentemente, um colega de Roma, juntamente com outros, apresentou um resumo do que aprendemos até agora e uma proposta. Nas linhas que se seguem, gostaria de partilhar convosco os pontos principais.

Nas fases iniciais da epidemia, a abordagem tem sido a de manter os doentes potencialmente positivos em casa com cuidados muitas vezes inadequados. Esperam-se dias até os pacientes se tornarem críticos e precisarem de cuidados urgentes e muitas vezes muito invasivos. Isto entupiu as salas de emergência e contribuiu, numa primeira fase, para uma maior propagação do vírus (e do pânico).

O que começamos agora a compreender é que actuar durante a primeira fase com fármacos que estão disponíveis há anos e a um custo irrisório pode reduzir drasticamente o número de casos críticos e de mortes.

Na prática, o vírus actua principalmente nas células da mucosa pulmonar e das células endoteliais, causando sintomas pulmonares mas também, e sobretudo, sintomas vasculares que tinham sido ignorados no início e que, na realidade, impediram a eficácia da própria ventilação. Pelo contrário, algumas pessoas afirmam hoje que a ventilação invasiva teria criado mais danos no pulmão devido à presença de DIC (coagulação intravascular difusa).

A hidroxicloroquina (cerca de 6 Euros por 30 comprimidos), a azitromicina, a heparina de baixo peso molecular e alguns medicamentos antivirais podem representar a primeira linha para parar a progressão da doença. E tudo isto pode ser feito em casa do doente, evitando também a necessidade de uma zaragatoa que, neste momento, se torna inútil, uma vez que trataria os sintomas e não a doença.

Já podemos ver os resultados positivos desta abordagem à medida que a terapia intensiva vai sendo gradualmente drenada. Algumas das quais estão agora vazias!

O que deve ser feito?

  • Libertar o povo italiano da prisão domiciliária.
  • Constituir equipas territoriais compostas dum médico de clínica geral e um ou dois enfermeiros que se deslocauem ao domicílio dos pacientes para a) colher as primeiras amostras de sangue para análises laboratoriais, b) realizar ECG – SpO2 e c) iniciar a terapêutica medicamentosa.
  • A equipa deve visitar regularmente o paciente em casa, de acordo com as suas necessidades médicas.
  • Realizar testes serológicos em larga escala para identificar pacientes “imunes” e ainda não imunizados.

Deve-se acrescentar que um programa de medicina preventiva devidamente gerido por clínicos gerais e destinado a toda a população poderia também reduzir todas as patologias crónicas-inflamatórias que têm uma influência enormemente negativa no prognóstico da COVID-19.

Em resumo, dado o fraco conhecimento da COVID-19, as fases iniciais desta epidemia tipo-gripe têm sido geridas de forma caótica e, por vezes, incorrecta. Contudo, os conhecimentos actuais permitem-nos afirmar que a emergência pode ser gerida de uma forma “normal”, eliminando as medidas extremas tomadas até agora.

É provável que Laudani seja um dos 100.000 médicos que os principais diários ignoraram:

Covid-19. O apelo social de 100 mil médicos ao Governo e às Regiões: “Os doentes devem ser tratados o mais rapidamente possível no território”.

“…Os médicos italianos criaram um grupo no Facebook onde partilham experiências e ideias sobre a Covid-19 e alcançaram em poucas semanas 100.000 membros, depois decidiram escrever uma carta que é um forte apelo dirigido ao Ministro da Saúde, aos Governadores de todas as Regiões, ao Presidente da FNOMCEO [federação de médicos, ndt] e aos Presidentes Federais das Ordens dos Médicos Regionais. Uma carta de apelo na qual explicam as suas ideias e as prioridades identificadas para a luta contra a Covid-19: “Para além dos dispositivos de protecção e das zaragatoas, pedimos que se reforce o território, o verdadeiro ponto fraco do Serviço Nacional de Saúde” dizem, porque a infecção deve ser tratada “antes da doença propriamente dita, ou seja, a pneumonia intersticial bilateral, que quase sempre leva o doente à reanimação”.

O que acontece é o seguinte: os médicos envolvidos na linha da frente na luta contra a COVID-19 constituíram praticamente o “seu” protocolo, trabalhando, trocando ideias e soluções no terreno, independentemente das directivas e da tagarelice dos virologistas na televisão. Sem quarentena totalitária. Médicos que não concordam com “os catastrofistas profissionais ou as partes interessadas que apresentam a COVID-19 como a nova peste negra que estava a coleccionar vítimas aos milhares ou talvez milhões”.

E faz também um útil esclarecimento:

Quem estuda o vírus nos seus pormenores moleculares e conhece de cor a sequência nucleotídica não é o mesmo profissional que vê os doentes no território ou, infelizmente, no hospital. Compreender como um vírus se comporta num caldo de cultura ou num rato não é exactamente tão valioso como compreender o que o mesmo vírus produz nas pessoas vivas. Demorou meses, mas lentamente estamos a compreender os verdadeiros mecanismos fisiopatológicos da COVID-19.

O mesmo “estranho” fenómeno que acontece em França. Escreve Laurent Mucchielli (director de investigação do Laboratoire Méditerranéen de Sociologie) em Mediapart:

O Professor Didier Raoult tem vindo a dizer, desde o final de Fevereiro, que isso não é verdade e propõe um tratamento. Grupos de médicos apoiam-no e exigem a liberdade de prescrever sob o seu controlo. Milhares de médicos fazem-no sem o dizer, uma vez que não estão oficialmente autorizados a fazê-lo. A sua palavra é considerada desprezível por quase todos os jornalistas e “especialistas” que falam nos meios de comunicação social. […] Uma certa “fábrica do consentimento” está a funcionar a plena capacidade. A opinião esmagadora da elite intelectual é um juízo em quatro palavras: “Raoult é um charlatão”. E o debate estaria encerrado. Não há necessidade de mais reflexão. Não percamos o nosso tempo. As vozes discordantes também são desprezadas. A acusação de “conspiração” ou “populismo” está na boca de todos.

Resultados? Um economista estatístico, Maxime Azoulet, deu-se ao trabalho de rever as vítimas da coroa de 60 Países e mostrou que os Países que estão a utilizar a cloroquina têm menos mortes diárias.

Azoulet utilizou uma metodologia estatística dinâmica chamada ARIMA (Auto Regressive Integrated Moving Average). No site Mediapart é presente o estudo (Utilisation nationale de médicaments antipaludiques et dynamique des décès quotidiens dus au COVID-19 : Une étude économétrique temporelle) com vários gráficos; aqui reporto apenas as conclusões do estudo:

Neste estudo, encontramos grandes diferenças na dinâmica da mortalidade, com os países que utilizam medicamentos antimaláricos a fazerem melhor do que aqueles que não os utilizam. Esta análise é, evidentemente, apenas mais uma pista no debate sobre a eficácia dos medicamentos antimaláricos, e é também limitada porque ambos os grupos têm certamente outras diferenças sistémicas na forma como responderam à pandemia. No entanto, as diferenças de dinâmica são tão marcantes que consideramos que a urgência do contexto exige que este estudo seja apresentado antes de se proceder a uma análise mais aprofundada. Em última análise, estes dados poderiam fornecer quer uma indicação a favor dos medicamentos antimaláricos quer um trampolim para uma melhor compreensão do papel de outros aspectos na dinâmica das mortes devidas ao IDVOC-19.

Bastante claro.

Portanto, parece valer a pena verificar as alegações do Dr. Rashid Buttar, cujas palavras, olhem só, não aparecem nos principais meios de comunicação, apenas num blogue ambientalista:

É agora claro pelo uso em centenas de pacientes que esta combinação de medicamentos é eficaz em 99% dos casos. Falemos então de operações no terreno. São medicamentos testados, medicamentos seguros, e demonstraram grande fiabilidade, mas Fauci [o simpático Anthony Fauci, director do National Institute of Allergy and Infectious Diseases dos EUA ecolaborador de Bill Gates, ndt] diz que, se não houver estudos, não se pode utilizá-los, enquanto ele, que está a promover uma vacina da qual não sabemos quais serão os efeitos, diz que poderá ser utilizada em segurança? Se isso não mostra um conflito de interesses, não sei o que pode mostra-lo! As pessoas precisam de acordar e compreender que existe um elemento criminoso grave por baixo de tudo isto. Devemos abrir os olhos e procurar a verdade sem qualquer preconceito.

Bastante claro também. O Dr. Rashid também repete: a doença é controlável com hidroxicloroquina e Zitromax (nome do antibiótico Azitromicina).

Um aconselhamento aos interessados: despachem-se com a inútil vacina porque o ar está a mudar…

 

Ipse dixit.

6 Replies to “Coronavirus: o protocolo “faça você mesmo””

  1. Acho que descobriram, por acidente, uma “cura” para a pneumonia, ou “alguns” já sabiam e com o susto, pensando que era uma pandemia mesmo, deixaram escapar!

  2. Olá Max e todos: volto a insistir que as forças que deflagaram esta “pandemia” têm todo o interesse de contaminar o maior número de pessoas e fazer permanecer este estado de prisão domiciliar pelo maior espaço de tempo possível. É essencial ao funcionamento ideal deste processo. Então tudo que possa atenuar a situação e não seja a vacina que já determinaram que será a salvação não desejada é considerado tratamento inseguro porque não testado e estudado suficientemente. Será a tal vacina da identificação digital testada suficientemente? Claro que não, porque a intenção não é socorrer ninguém mas garantir a efetivação de dispositivos de controle, e torná-los desejáveis pela população desesperada.
    O surgimento de pessoal mais lúcido e observador, em constante aproximação com doentes vai ser um problema para os planos em curso. E eles tiveram a belíssima ideia de se manifestarem enquanto coletivo. Bom, muito bom. Não sei a capacidade de penetração de iniciativas assim, já que serão retiradas de uma divulgação maior, mas é uma luzinha que aponta para dois fatores importantes: quebrar a prisão domiciliar e favorecer que as pessoas sejam tratadas a tempo. A iniciativa contrária vem prejudicando e aumentando a possibilidade de contágio.

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: