Global Freedom 2010

O tempo de leitura estimado deste artigo é de 2 minutos

A liberdade de expressão é fundamental para todas as outras liberdades. O ordenamento legislativo, as livres eleições, os direitos das minorias, a liberdade de associação e um governo responsável dependem de uma liberdade de imprensa que pode exercitar a função de controle e vigilância.

Música e letras de Jennifer Windsor, director executivo da Freedom House.

Como cada ano, a organização publicou o próprio boletim com a classificação dos Países segundo o respectivo grau de liberdade na imprensa.

Os Países com a máxima liberdade pertencem à Europa do Norte: Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia ocupam ex-aequo a primeira posição. Dinamarca (5ª), Bélgica e Luxemburgo (6ª), Andorra e Suíça (8ª), com o Liechtenstein a fechar o elenco dos primeiros 10.

Eis a situação global:

Não faltam as surpresas.

Os Estados Unidos ocupam só a 24ª posição, Reino Unido 26ª, França 40ª, Espanha 47ª. Resultados muito fracos considerado o status de democracias modernas. Pior só a Italia, 72ª.

Como é a situação na área lusófona?

Numa classificação mundial, com 196 Estados considerados, o primeiro País de língua portuguesa é Portugal, em 16º lugar; Cabo Verde e São Tomé e Príncipe são os segundos, em 60º . Estes são os Países pelos quais é possível falar de imprensa livre.

A seguir encontramos Timor Leste (78ª posição), Moçambique (87ª), Brasil (88ª) e Guiné (110ª) com uma imprensa parcialmente livre.

A situação pior pertence à Angola: 139º lugar e uma imprensa não livre.

Mas o dado mais preocupante é o seguinte:

Nos últimos 8 anos os Países com uma imprensa não livre diminuíram; mas também aqueles com uma imprensa totalmente livre. Aumenta assim o número de Estados onde a informação vive num limbo, com uma imprensa só parcialmente livre e onde é difícil para o cidadão obter uma informação isenta de pressões. E onde é difícil poder distinguir a verdade da verdade manipulada.

Esta situação abrange todos os continentes, com a única excepção da África do Norte e do Médio Oriente, onde a situação permaneceu inalterada.
Desde o ano 2000 a imprensa independente diminuiu de 6 pontos em percentagem no continente americano, de 5% na Europa de Leste, de 3 pontos em Europa e na África subsariana , de 1 ponto na Ásia.

Para descarregar a classificação completa é possível aceder à página de Global Freedom e seguir os links.

Ipse dixit

Fonte: Global Freedom

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: