FDA e Big Pharma: o caso Ivermectina

Artigo de Liam Cosgrove, editor de Real Vision Finance, publicado pelo Mises Institute de Ron Paul.

Assunto: a conexão entre FDA (A Food and Drug Administration), agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, e grandes casas farmacêuticas.

Pano de fundo: Covid!

Um legado de corrupção na FDA e nas Grandes Farmácias

O nosso sistema de saúde está em farrapos, um facto que ninguém teria contestado nos dias pré-Covid. A deriva burocrática é uma realidade e a indústria farmacêutica está cheia de exemplos. No entanto, confiámos nas parcerias público-privadas para encontrar uma solução óptima para uma epidemia global, assumindo que uma crise faria emergir o melhor das instituições historicamente corruptas.

Aqui está uma pequena lista de comportamentos menos que virtuosos demonstrados pelos nossos titãs dos cuidados de saúde:

[Nota: a Operação Warp Speed foi uma parceria público-privada iniciada pelo governo dos Estados Unidos para facilitar e acelerar o desenvolvimento de vacinas anti-Covid. Participantes: Johnson & Johnson (Janssen Pharmaceutical), AstraZeneca e Universidade de Oxford, Moderna, Novavax, Merck, Sanofi e GlaxoSmithKline, ndt]

    • Gilead Sciences pagou 97 milhões de Dólares em multas porque “utilizou ilegalmente uma fundação sem fins lucrativos para pagar as contribuições da Medicare para o seu medicamento”.
    • Em 2005, o medicamento Crestor da AstraZeneca demonstrou estar ligado a uma perigosa doença muscular, enquanto a empresa ocultava provas disso e de duas dúzias de outros efeitos secundários.
    • Em 2012, a GlaxoSmithKline pagou 3 mil milhões de Dólares em multas porque “não incluiu certos dados de segurança” relacionados com o seu medicamento, uma vez que estava ligado à insuficiência cardíaca e a ataques cardíacos.

Felizmente, os nossos guardiões da saúde pública estão no terreno para nos proteger da ganância e do engano do sector privado, certo?
Errado.

Desfrute de outra pequena lista:

    • A Food and Drug Administration (FDA) trabalhou nos bastidores com a empresa Biogen para modificar ensaios previamente realizados com os seus tratamentos de Alzheimer e “ao remover o subconjunto de pessoas para quem o medicamento não tinha funcionado, surgiu um ligeiro efeito a favor do medicamento”. Mesmo depois de o ter feito, um comité consultivo votou 10-0 contra a aprovação do medicamento. A FDA aprovou o fármaco de qualquer forma, causando a demissão de três membros do comité.
    • Um estudo da revista Science Magazine, que seguiu 107 consultores da FDA durante quatro anos, constatou que 62% tinham recebido dinheiro de fabricantes de medicamentos, 25% tinham recebido mais de 100.000 Dólares e 6% tinham recebido mais de 1 milhão de Dólares. Só são necessários alguns consultores corruptos para olear as rodas e o falso consentimento médico.
    • Em 2017, descobriu-se que o director em exercício do CDC para a prevenção de doenças cardíacas e acidentes vasculares cerebrais tinha estado secretamente em contacto com a Coca-Cola, fornecendo orientações sobre como “influenciar as autoridades de saúde globais na política do açúcar e das bebidas”.

O sistema de saúde americano continua atolado no bom e velho capitalismo de camaradagem, corporativismo, mercantilismo, proteccionismo, etc., velhos conceitos que significam que as corporações trabalham com Estados para subverter as forças da concorrência. A supressão da investigação dos medicamentos não protegidos por patentes é um sintoma deste problema.

Embora existam inúmeros medicamentos que poderíamos usar como exemplos, iremos discutir a Ivermectina.

Em primeiro lugar, a liquidação do medicamento pelo seu fabricante, a Merck, significa que a Ivermectina já não se encontra sob patente. A Merck já não tem os direitos exclusivos de produzir o medicamento e as forças competitivas reapropriaram-se do medicamento, tornando-o muito mais barato.

Entretanto, a Merck está também a lançar um tratamento oral para a Covid, ao qual o governo dos EUA está a fornecer 1.2 mil milhões de Dólares em financiamento de investigação. Esta tratamento estaria sob patente e explica a oposição da empresa à utilização de Ivermectina.

A utilidade da Ivermectina continua a ser discutível, contudo é importante notar que no início de Abril de 2020, um estudo da Universidade de Monash na Austrália confirmou a sua eficácia. Além disso, o fármaco é aprovado pela FDA, tem cerca de quarenta anos, ganhou um Prémio Nobel e é extremamente seguro quando utilizado aos níveis recomendados.

Dada a crise dum lado e do outro a segurança da Ivermectina, segura mesmo que não tivesse grandes benefícios aos doentes de Covid, a pressa em condenar a sua utilização é altamente suspeita. De facto, uma semana após a publicação do estudo australiano, a FDA aconselhou contra o uso de Ivermectina para tratar a Covid, forçando pessoas desesperadas a recorrer ao mercado negro e a autoprescrever versões do medicamento destinadas aos animais.

A FDA observou mais tarde que “são necessários mais testes”. Contudo, até à data, nenhum estudo financiado pelo governo sobre a eficácia da Ivermectina contra a Covid foi concluído.

Entretanto, milhares de milhões foram canalizados para a investigação de vacinas e tratamentos patenteados. Os Institutos Nacionais de Saúde (NIH) financiaram estudos de Remdesivir, ainda sob patente Gilead, apesar de ser menos eficaz e ter efeitos secundários mais graves do que a Ivermectina. A FDA aprovou o Remdesivir sob a Autorização de Utilização de Emergência (EUA) apesar dos estudos publicados, declarando mais tarde que o medicamento “não está associado a benefícios clínicos estatisticamente significativos”.

Poder-se-ia pensar que se os”testes adicionais” fossem tão importantes, o governo dos EUA estaria interessado em financiar a investigação para examinar os potenciais benefícios de medicamentos baratos, seguros e comprovados que demonstraram ser prometedores no tratamento do Covid. Mas isto não é claramente o que está a acontecer.

O financiamento está orientado para ajudar Big Pharma a desenvolver novos medicamentos patenteados. Enquanto Big Pharma o desejar, e se houver lucro a ser feito, o nosso governo estará lá para fornecer financiamento.

 

Ipse dixit.

Imagem: NLCS HUB

3 Replies to “FDA e Big Pharma: o caso Ivermectina”

  1. Olá Max e todos:
    Considerando o tamanho das multas e condenações, fico imaginando o tamanho dos lucros destas pessoas e instituições que asseguram o desenvolvimento idealizado pelos poderosos para talhar os organismos vivos conforme desejado.
    Achei interessantíssimo que a Moderna nunca tenha obtido aprovação para um único medicamento e tenha sido incumbida de fazer uma vacina mRNA. Que coisa linda!
    Pelo que venho lendo por aí, já há um número considerável de médicos que aprovam a Iverrmectina e a hidroxicloroquina para o tratamento da Covid com resultados satisfatórios. Mas infelizmente muitos não publicam. O medo dos prejuízos relativos à profissão que seriam grandes demais por encarar a verdade os fazem silenciar. Tempos evoluídos…

Obrigado por participar na discussão!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: