Como o Coronavírus Vai Mudar o Mundo Para Sempre

Romana Rubeo e Ramzy Baroud escreveram um interessante artigo nas páginas de MintPress: Como será o futuro depois do COVID-19? O Dr. Ramzy Baroud é um autor amplamente publicado e traduzido, colunista e editor internacional do PalestineChronicle, doutorado em Estudos Palestinianos pela Universidade de Exeter (UK) e bolsista não residente do Orfalea Center for Global and International Studies na Universidade da California em Santa Barbara.

Apesar de ter no activo já cinco livros traduzidos em vários idiomas, é completamente ignorado por Wikipedia, o que é sempre um óptimo sinal. Doutro lado, quando publicas algo com o título de Estas correntes serão quebradas: Histórias Palestinianas de Luta e Desafio nas Prisões Israelitas é difícil que Wikipedia ou outros medias oficiais do Ocidente cantem os teus louvores.

Romana Rubeo é uma tradutora freelance com sede em Itália. Tem um mestrado em Línguas e Literaturas Estrangeiras e pesquisadora no âmbito da política e da geopolítica.

Eis o artigo cuja versão original, como afirmado, pode ser encontrada nas páginas do óptimo MintPress:

 

Uma Nova Ordem Global? Como o Coronavírus Vai Mudar o Mundo Para Sempre

As profecias estão aí e são uma conclusão precipitada: o mundo pós-coronavírus será fundamentalmente diferente de qualquer coisa que tenhamos visto ou experimentado, pelo menos desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

Mesmo antes da “curva achatada” em muitos países que sofreram altos números de mortes – sem falar na devastação económica – como resultado da disseminação sem obstáculos da doença do COVID-19, pensadores e filósofos começaram a especular, a partir do conforto de suas próprias quarentenas, sobre os muitos cenários que nos esperam.

A devastação infligida pelo coronavírus provavelmente será uma consequência assim como “a queda do Muro de Berlim ou o colapso da Lehman Brothers”, escreveu a revista Foreign Policy numa análise amplamente lida, intitulada “Como o Mundo se parecerá depois da Pandemia do Coronavirus”.

Enquanto os principais jornais e meios de comunicação social aproveitam-se da situação actual na tentativa de construir as várias possibilidades pós-coronavírus, o Foreign Policy procurou a opinião de doze pensadores, cada um fornecendo a sua própria leitura do futuro.

Stephen M. Walt concluiu que “o COVID-19 criará um mundo menos aberto, menos próspero e menos livre”.

Robin Niblett escreveu que é “altamente improvável… que o mundo retorne à ideia de globalização mutuamente benéfica que definiu o início do século XXI”. “Mutuamente benéfico” é uma frase que merece uma dissertação completamente diferente, pois é uma afirmação que pode ser facilmente contestada por muitos países pequenos e pobres. Seja como for, a globalização foi um ponto focal de discussão entre muitos dos doze pensadores, embora um dos principais pontos de discórdia fosse se a globalização permaneceria em vigor na sua forma actual, se ela será redefinida ou descartada completamente.

Kishore Mahbubani escreveu que, “a pandemia COVID-19 não alterará fundamentalmente as directivas económicas globais. Só vai acelerar uma mudança que já havia começado: um afastamento da globalização centrada nos EUA para uma globalização mais centrada na China”. E assim por diante…

Enquanto os economistas políticos concentraram-se no impacto do COVID-19 nas principais tendências económicas, na globalização e na consequente mudança do poder político, ambientalistas enfatizaram o facto de que a quarentena, que afectou a grande maioria da população mundial, levanta esperanças de que afinal não seja tarde demais para o Planeta Terra.

Inúmeros artigos, citando pesquisas científicas e acompanhados por galerias de fotos que ilustram o céu azul sobre Délhi e as águas limpas de Venezia, todos sublinham o ponto de que a próxima “mudança” será mais consequente para o Meio-Ambiente. Com profecias em andamento, até filósofos desacreditados como Slavoj Zizek, tentaram encenar um retorno, oferecendo as suas próprias previsões de “vírus ideológicos”, incluindo “o vírus de pensar sobre uma sociedade alternativa, uma sociedade além do Estado-Nação, uma sociedade que se concretiza nas formas de solidariedade e cooperação global”.

No seu artigo, publicado no jornal Alemão, Die Welt, Zizek propõe o que descreve como um “paradoxo”: enquanto o COVID-19 constitui um “golpe para o capitalismo” ele “também nos obrigará a reinventar o comunismo baseado na confiança no povo e na ciência”.

Ironicamente, apenas alguns anos atrás, Zizek, que é muitas vezes referido como um “filósofo celebridade”, defendeu um discurso etnocêntrico voltado para os refugiados, imigrantes e muçulmanos.

“Eu nunca gostei dessa abordagem humanitária de que se você realmente falar com eles (ou seja, refugiados de guerra que buscam segurança na Europa) você descobre que somos todos as mesmas pessoas”, disse Zizek em seu livro ‘Refugiados, Terror e outros Problemas com os Vizinhos”. “Não, não somos – temos diferenças fundamentais.”

Num artigo que discutia o livro de Zizek, publicado no Quartz, Annalisa Merelli escreveu: “Após os ataques terroristas em Paris em 2015, Zizek alertou que os liberais precisam deixar de lado os tabus que impedem a discussão aberta dos problemas que surgem ao admitir pessoas de diferentes culturas na Europa e, em particular, a negação de qualquer perigo de segurança pública causado pelos refugiados.”.

Este suposto “filósofo Marxista” foi ainda mais longe, usando-se da teologia Cristã ao explicar que “o lema Cristão “ame o próximo como a si mesmo” não é tão simples quanto parece”, criticando a alegada “proibição” por alguns círculos esquerdistas de “qualquer crítica ao Islão”.

“É um facto de que a maioria dos refugiados vêm de uma cultura incompatível com as noções de direitos humanos da Europa Ocidental”, escreveu Zizek, omitindo convenientemente que é o imperialismo Ocidental, o colonialismo e as guerras de dominação económica que têm sido os principais gatilhos das crises do Médio-Oriente há pelo menos um século.

Seria seguro assumir que a “reinvenção do comunismo” pouco ortodoxa de Zizek exclui milhões de refugiados que estão a pagar o preço, não pelos males da “economia global” – como ele convenientemente propõe – mas pela hegemonia Ocidental e neocolonialismo, impulsionados pela guerra.

A nossa ênfase aparentemente desproporcional nas ideias perturbadoras de Zizek destina-se apenas a ilustrar que a “filosofia das celebridades” não é apenas inútil neste contexto, mas também uma distracção da verdadeira discussão urgente sobre a mecânica da mudança equitativa na sociedade, um processo actualmente dificultado pela guerra, racismo, xenofobia e ideologias de extrema-direita centradas no populismo.

Na verdade, é muito mais fácil prever o futuro da globalização ou da poluição do ar quando os analistas são confrontados com indicadores directos – avanço tecnológico, exportações, valorização da moeda e qualidade do ar.

Mas falar da reinvenção da sociedade, com pouca credibilidade para arrancar, é a equivalência da adivinhação intelectual, especialmente quando o chamado intelectual está quase inteiramente desvinculado dos julgamentos da sociedade quotidiana. O problema com a maioria das análises dos vários “futuros” que estão por vir é que muito poucas dessas previsões se baseiam num exame honesto dos problemas que atormentaram o nosso passado e afligem o nosso presente.

Mas como vamos traçar uma melhor compreensão e uma resposta adequada ao futuro e aos seus muitos desafios se não confrontarmos e dissecarmos verdadeiramente os problemas que nos levaram a este ponto sombrio da crise global?

Nós concordamos. O futuro trará mudanças. Deveria ser. Deve ser. Porque o status quo é simplesmente insustentável. Porque as guerras no Yemen, Líbia, Síria e Afeganistão; a ocupação israelita da Palestina; a desumanização e o estrangulamento económico da África e da América do Sul, e assim por diante, não se devem permitir que se tornem uma ocorrência quotidiana.

Mas para que esse futuro melhor e mais equitativo chegue, a nossa compreensão sobre isso deve estar situada dentro de uma visão historicamente válida, ideologicamente defensável e humana do nosso mundo conturbado, de nós mesmos e dos outros – e não dentro da visão descolada e insensível dos principais economistas Ocidentais ou filósofos celebridades.

É realmente estranho como Zizek e os seus semelhantes ainda podem abraçar uma visão etnocêntrica da Europa e do Cristianismo enquanto ainda são vistos como “comunistas”. Que estranha raça de comunismo é essa ideologia que não reconhece a centralidade e a história das lutas de classes globais?

Se quisermos colocar a luta de classes Marxista em termos mais amplos e globais, é apropriado e sustentável, então assumir que as potências Ocidentais historicamente representaram as “classes dominantes”, enquanto o Hemisfério Sul colonizado e historicamente oprimido compõe as “classes subordinadas”.

É essa dinâmica de opressão, usurpação e escravidão que alimentou o “motor da história” – a noção Marxista de que a história é impulsionada por contradições internas dentro do sistema de produção material.

Seria simplesmente ingénuo assumir que o surto de uma pandemia pode automaticamente e inexoravelmente, em si mesmo, impulsionar e produzir mudanças, e que tal “mudança” romantizada favorecerá intuitivamente as “classes subordinadas”, seja dentro das estruturas sociais locais ou a nível global.

Não há negação de que a crise actual – seja económica ou dentro do sistema de saúde – seja fundamentalmente uma crise estrutural que pode ser traçada para as numerosas falhas dentro do sistema capitalista, que está suportando o que o intelectual e político antifascista Italiano António Gramsci chama de “interregno”.

Em “Cadernos da Prisão”, Gramsci escreveu: “A crise consiste precisamente no facto de que o velho está a morrer e o novo não pode nascer; neste interregno, uma grande variedade de sintomas mórbidos aparecem.”.

A “variedade de sintomas mórbidos” foi expressa nas últimas duas décadas na decadência gradual, se não dizimação, do próprio sistema global que foi construído tão diligentemente pelas forças Ocidentais capitalistas, que moldaram o Mundo para perseguir os seus próprios interesses por quase um século.

O colapso da União Soviética no final da década de 1980 foi feito para inaugurar um mundo totalmente novo – incontestável, de núcleo militarista e assumidamente capitalista. No entanto, pouco disso se concretizou. A primeira aventura militar no Iraque liderada pelos EUA (1990-1991), a “nova ordem mundial” paralela e o subsequente “novo Médio-Oriente”, e assim por diante, em última análise, não foi nada.

Frustrados pela sua incapacidade de traduzir a sua superioridade militar e tecnológica para o domínio sustentável no terreno, os EUA e os seus aliados Ocidentais foram desmoronando-se a um ritmo muito mais rápido do que o esperado. O “Pivô para a Ásia” do governo de Barack Obama – acompanhado de uma retirada militar do Médio-Oriente rico em petróleo – foi apenas o início de um inevitável curso de declínio que nenhuma Administração dos EUA, por mais beligerante e irracional que seja, poderá parar.

Em grande parte desamparadas diante de crises implacáveis da ordem capitalista outrora triunfante, as instituições Ocidentais dominantes, como a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) e a União Europeia (UE), tornaram-se inúteis e disfuncionais. Não são necessárias profecias aqui para assumir que o mundo pós-coronavírus irá minar ainda mais a própria ideia por de trás da UE. Curiosamente, embora não surpreendentemente, a “comunidade Europeia”, no momento da maior crise da Europa desde a Segunda Guerra Mundial, acabou por ser uma farsa, uma vez que foi a China e Cuba que estenderam uma mão amiga à Italia e à Espanha, não a Alemanha, a França ou os Países Baixos.

É bastante irónico que as próprias forças que defenderam a globalização económica – e ridicularizaram os países relutantes que se recusaram a participar – sejam as mesmas que agora defendem alguma forma de soberania, isolacionismo e nacionalismo.

Este é precisamente o “interregno” que Gramsci falou. Não se deve tomar como certo, no entanto, esse vácuo político pode ser preenchido através do desejo de um pensamento isolado, pois uma mudança real, duradoura e sustentável só pode ser o resultado de um processo consciente, que tenha em mente a natureza dos conflitos futuros e a nossa posição ideológica e moral em resposta a esses conflitos.

Os filósofos celebridades certamente não representam, nem ganham o direito de falar em nome das “classes subordinadas” – nem localmente nem globalmente. O que é necessário, em vez disso, é uma contra “hegemonia cultural”, defendida pelos verdadeiros representantes das sociedades oprimidas (minorias unidas pela solidariedade mútua, nações oprimidas, e assim por diante), que devem estar cientes das oportunidades históricas e desafios que estão por vir.

Um sintoma distinto de “interregno” é o descolamento palpável exibido pelas massas em direcção às ideologias tradicionais – um processo que começou muito antes do surto do coronavírus.

“Se a classe dominante perdeu o seu consenso, ou seja, não está mais ‘liderando’ mas apenas ‘dominante’, exercendo apenas força coercitiva, isso significa precisamente que as grandes massas se desvincularam das suas tradicionais ideologias, e não acreditam mais no que costumavam acreditar anteriormente”, escreveu Gramsci.

É certo que há um problema com a verdadeira representação democrática em todo o mundo, devido ao surgimento de ditaduras militares (como no caso do Egipto), e ao populismo de extrema-direita (como no caso dos EUA, vários países Ocidentais, Índia e assim por diante).

Tendo tudo isso em mente, simplesmente contar com a “confiança no povo e na ciência” – como desconcertantemente prescrito por Zizek – não vai “reinventar o comunismo”, restaurar a democracia ou redistribuir a riqueza de forma justa e equitativa entre todas as classes. E, é desnecessário dizer, não vai acabar com a ocupação israelita ou acabar humanamente com a crise global de refugiados. Na verdade, o oposto é verdade. Sob a fachada de tentar controlar a propagação do coronavírus, vários governos realizaram medidas autoritárias que visam apenas fortalecer o seu poder, como foi o caso da Hungria e de israel.

Não que a Hungria e israel tenham sido governados de acordo com altos padrões democráticos antes da propagação do coronavírus. O pânico colectivo resultante do alto número de mortes de uma doença mal compreendida, no entanto, serviu como o necessário “choque colectivo” – ver a “Doutrina do Choque” de Naomi Klein – exigido por regimes autoritários para aproveitar o momento e corroer ainda mais qualquer aparência de democracia em suas próprias sociedades.

Após cada crise global, analistas, estrategistas militares e filósofos usam qualquer plataforma disponível para profetizar mudanças sísmicas e falar de alterações no paradigma. Alguns vão tão longe quanto declarar o “fim da história“, “confrontos de civilizações“, ou, como no caso de Zizek, uma nova forma de comunismo. O crítico e jornalista francês Jean-Baptiste Alphonse Karr (nascido em Novembro de 1808), escreveu que “quanto mais as coisas mudam, mais elas continuam a ser a mesma coisa”.

De facto, sem uma forma de mudança impulsionada pelo povo, o status quo parece estar constantemente a reinventar-se, restaurando o seu domínio, hegemonia cultural, reivindicando o poder de forma antidemocrática.

Inegavelmente, a crise global convidada pelo surto da epidemia de coronavírus incorpora dentro dela a oportunidade de mudança fundamental (para maior igualdade ou maior autoritarismo), ou nenhuma mudança.

Somos nós, o povo e as nossas vozes verdadeiramente autênticas – os “intelectuais orgânicos“, não os filósofos celebridades – que têm o direito e a legitimidade moral de se erguerem para recuperar a nossa democracia e redefinir um novo discurso sobre uma forma global, não etnocêntrica, de justiça.

Ou exercemos essa opção, ou o actual “interregno” se transformará em mais uma oportunidade perdida.

7 Replies to “Como o Coronavírus Vai Mudar o Mundo Para Sempre”

  1. Portanto… uma tradutora e um escritor escreveram um artigo sobre um resumo da opinião de 12 pensadores, filósofos e economistas (sem explicar porque escolheram esses e não outros) . E sobre esses 12 , dissertaram sobre o que os 2 inicias escolheram dissertar inclusive com retrospectivas sobre esse visados numa linguagem algo confusa em que muitas vezes é difícil perceber qual era a opinião do visado e qual é a opinião dos autores …
    Epá … acho um pouco aborrecido e no fim, não acrescenta nada de novo. Já tivemos aqui melhores opiniões.

  2. Eu por acaso, acho que a análise deste texto foi na “mouche”. Ou o poder de “baixo” se alevanta ou então vai ser mais do mesmo ou pior.

  3. Olá Max e todos: é difícil eu não gostar de alguma coisa aqui, mas sinceramente este artigo faz-me lembrar um carro velho que a gente liga, e ele faz nharrr, nharrrr, vuuuun, e quando a gente pensa: agora vai…ele morre.
    Quem escreve se comporta exatamente como aqueles que critica, que montam numa teoria e fazem a vida encima dela, uma esperteza típica da delinquência acadêmica globalizada, poderia ser um resumo das inúteis teses da área de humanas que li a minha vida toda. Quem escreve montou na teoria de um camarada que encarcerado, “entendeu” como o mundo e a humanidade funcionam, são defensores do papel do intelectual orgânico para a superação das continuidades político-econômicas do mundo.
    Gostaria de lembrar que só no Brazil, uma chusma de intelectuais está esperando o advento do intelectual orgânico e tentando se comportar como tal desde que eu sei ler, e…nada, o carro morre.
    Da minha parte, conheço em parte, mas deploro este povo que fala, fala, fala…e pouco diz. Para muitos deles deu e dá certo: ficam famosos e ganham dinheiro. Mas para a atuação concreta no mundo do aqui e agora pouco sabem fazer alguma coisa.
    Conheço e gosto de poucos intelectuais que prescrevem ações concretas, estudam o que ocorre ou ocorreu, fazem da história uma ferramenta, não só para entender o que os outros não haviam entendido, como para inserir-se no mundo como alguém que percebe o cotidiano e sai na frente da história.
    E nós aqui, gente comum, mas com boa dose de sabedoria, nos encontramos em II porque o Max é sério e inteligente no seu trabalho de investigação e é capaz de pensar o pensável, mas não pensado todavia. Creio que no fundo nos encontramos aqui em busca de produzir descontinuidades, rupturas num sistema que não nos cheira muito bonito, e com isso vamos nos ajudando.
    Quanto a minha opinião pessoal sobre o futuro que nos espera, me baseio nos resultados do exercício militar que entendo em curso. E não dá para negar que os resultados são “top” para os estrategistas que o fizeram funcionar globalmente. Então, se vislumbramos o que pretendem, e inclusive as estratégias que virão, só podemos imaginar uma dose ótima de eficácia em termos globais. Claro que dissidentes há, e cada vez mais. Recentemente descobri uma rádio na Argentina, em Salta, noroeste do país e seu lugar mais pobre, e de lá suas modestas ondinhas irradiam a contestação do absurdo que vivemos. Pena que são católicos até a raiz dos cabelos, mas convenhamos que por o dedo na ferida do sistema, e continuar existindo, requer uma bela tábua de salvação, e o Vaticano pode servir para isso, em função de interesses diversos. E é na comunicação midiática dissidente, clara, pormenorizada, mostrando exemplos locais que vejo possibilidades de interferência nos resultados benéficos que o sistema ostenta.

  4. É a filosofia sob domínio da tecnocracia. A arte da retórica…A narrativa que seduz mas que sabe, de antemão, que não levará a nada. E simplesmente, por um único motivo. A qualidade da população mundial. Somos uma péssima civilização, e até aqui sobreviveu sustentada pela propaganda das minorias. Propaganda da ciência, propaganda da igrejas, propaganda dos media, propaganda da grande maioria das tradições baseadas em mitos fundadores, que legitimaram essas minorias, de alguma forma, ao longo do tempo. Pergunte-se. Quem precisa de propaganda? Deus ou o diabo? Não aquele diabo judaico-cristão, mas como representação do mal que o homem produz contra o próprio semelhante e contra a natureza.
    Vivemos num mundo de propagandas, vivemos num mundo do mal…

    1. Depois de assistir Planet of the humans (documentário livre no youtube) corroborar tudo o que o Max já escreveu aqui, eu definitivamente acredito que o Diabo é o homem.

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: