O World Government Summit e o futuro de sucesso

O World Economic Forum de Davos é apenas uma das organizações que estão a preparar o futuro da Humanidade. Outra, muito menos conhecida mas nem por isso inferior em importância, é o World Government Summit (WGS) que nas suas páginas oficiais apresenta-se desta forma:

O World Government Summit é uma organização global, neutra e sem fins lucrativos, dedicada a moldar o futuro dos governos. O Summit, nas suas várias actividades, explora a agenda da próxima geração de governos, concentrando-se em aproveitar a inovação e a tecnologia para resolver os desafios universais que a humanidade enfrenta.

O World Government Summit opera na intersecção do governo e da inovação. Funciona como uma plataforma de intercâmbio de conhecimentos que reúne líderes dos sectores público e privado para colaborar com especialistas de renome mundial na criação de impacto positivo para os cidadãos de todo o mundo.

Incluindo iniciativas e eventos realizados ao longo do ano, O World Government Summit realiza um emblemático encontro anual no Dubai.

O WGS não é uma iniciativa de segundo plano: liderado por Sua Alteza Xeque Mohammed bin Rashid Al Maktoum, Sua Excelência Mohammad Abdulla AlGergawi (Ministro dos Assuntos de Gabinete dos Emirados Árabes Unidos) e por Sua Excelência Ohood Bint Khalfan Al Roumi, Ministro de Estado para o Desenvolvimento do Governo e o Futuro dos EAU) e Sua Excelência Omar Sultan AlOlama, Ministro de Estado da Inteligência Artificial, Economia Digital e Aplicações de Trabalho à Distância dos EAU), pode contar com o apoio, entre os outros, da ONU, do Fundo Monetário Internacional, da Organização Mundial da Saúde, do Banco Mundial, da Organização Mundial do Comércio, Jaguar, Land Rover, Fuji, Mastercard, Société Generale, McKinsey, The New York Times, Financial Times, Bloomberg, CNBC, CNN, Euronews, SkyNews. E, obviamente, do World Economic Forum.

Ao espreitar as páginas do site podemos encontrar assuntos quais Covid-19 ou Aquecimento Global, mas isso não deve distrair: o verdadeiro foco do WGS é o futuro. É ao futuro que estão dedicadas as principais iniciativas do Summit:

Government 2071

Uma iniciativa lançada pelo WGS com a visão de preparar os governos para o futuro. Sendo 2071 o ano dos resultados, foram capturadas as mega-tendências das sociedades e tecnológicas. As mega-tendências previstas destacam as potenciais mudanças na vida dos cidadãos, e na forma como as sociedades irão funcionar e ser governadas. Estas descobertas foram compiladas para formar um guia destinado a orientar os governos para um futuro melhor preparado. Os governos em 2071 não só redireccionarão as estratégias de governo mas também as das entidades privadas e startups.

Mars 2117

Os EAU [os Emirados, ndt] pretendem estabelecer o primeiro assentamento humano habitável em Marte até 2117. Por esta razão, HH Sheikh Mohammed bin Rashid Al Maktoum afirmou: “O novo projecto é uma semente que plantamos hoje, e esperamos que as gerações futuras colham os benefícios, impulsionadas pela paixão em aprender a revelar um novo conhecimento”. Sua Alteza emitiu directivas para o Mohammad Bin Rashid Space Center para liderar o projecto Mars 2117 e preparar um plano de 100 anos para a implementação. De acordo com as suas directivas, o plano do Centro centrar-se-á na preparação de quadros nacionais especializados e no desenvolvimento das suas capacidades nos campos da ciência espacial, investigação, inteligência artificial, robótica, e tecnologias espaciais avançadas. Os EAU estão entre os nove principais países do mundo que investem nas ciências espaciais.

Tech Radar

Tech Radar é um estudo das tecnologias emergentes em múltiplos campos e sectores, com mais de 150 tecnologias a serem identificadas, ilustradas, descritas e avaliadas. Cada tecnologia representa uma possibilidade futura e tenta estimar quando poderá chegar-se a uma utilização global generalizada. Décadas de descobertas científicas criaram um foco de desenvolvimento em múltiplos sectores e a nossa relação com estas tecnologias tem impacto na nossa vida quotidiana.

Government 2071 é um verdadeiro guia de quase 200 páginas que descreve o futuro dos governos. É uma análise mas também algo mais: apresenta as directrizes que os vários executivos governamentais deverão aplicar.

Para o período de 2018 – 2030 são previstos: automatização do trabalho, principalmente de tarefas de colarinho azul e de colarinho branco; novas formas de contratação de trabalhadores para tarefas; financiamento de longo prazo para grandes inovação e investimentos; as indústrias recém-inventadas irão perturbar as indústrias existentes; imposto sobre robôs, violações da ciber-segurança; efeitos das alterações climáticas, por exemplo em propriedades comerciais, cadeias de abastecimento e nos consumidores.

Para o período 2030 – 2050: automatização do trabalho na maioria de trabalhos de colarinho branco; novas fontes para os grandes investimentos económicos e crescimento de mais novas indústrias; violações da ciber-segurança, aumento dos efeitos das alterações climáticas e implementação nas empresas e na sociedade civil dos critérios ESG (Ambiente, Social e Governação).

Para o período 2050 – 2071: a maioria das grandes empresas irá ser de natureza mista com fins lucrativos mas mandatada pelos governo e serão cada vez mais parte da conversa e da solução aos desafios globais; forças de trabalho mais pequenas, mas mais bens e serviços baratos; aumento dos efeitos das alterações climáticas.

Perante este conjunto de desafios, é claro que os governos terão que mudar as sua funções. Como explica o Guia:

A seguir, destacam-se algumas das principais mudanças necessárias nas funções governamentais actuais para garantir um futuro de sucesso para as nações e para a nossa comunidade global.

Se for para um “futuro de sucesso”, como resistir? Alguns pontos do Guia:

Serviços Públicos Gerais

  • Imigração: Imigração de refugiados climáticos está prevista como uma questão crítica para os governos, a menos que o nível das águas e a desertificação sejam abordadas por grandes e atempados avanços em matéria de inovação (energia solar super-eficiente e outras inovações ecológicas)
  • Legislação: Leis e regulamentos industriais têm de ser adaptados à AI (Inteligência Artificial). Isto inclui os regulamentos sobre a utilização de AI para fins produtivos, objectivos lícitos, gestão da saúde, segurança, riscos económicos associados. Adopção de AI em larga escala.
  • Serviços governamentais liderados pela AI: Avanços da AI, computação quântica, Internet das Coisas e sistemas informáticos conscientes criam cidades adaptativas e predictivas, reduzindo a necessidade de governação humana.
  • Envolvimento do Cidadão: Novas ferramentas de comunicação serão aproveitadas, com os cidadãos informados sobre a política através de meios de AI activados por voz. Big Data e Realidade Virtual serão utilizados para interagir com os cidadãos e incorporar o contributo deles nas decisões políticas.
  • Assuntos externos: Adaptação aos novos desenvolvimentos, os Negócios Estrangeiros terão de incorporar novas esferas de cooperação para as seguintes áreas: gestão da crescente ameaça no ciber-espaço, desenvolvimento de estruturas para supervisionar a AI e robôs conscientes; coordenação e respostas para o aumento das perdas de emprego devido à automação e às cidades avançadas

Cronologia prevista:

2018-2030: Introdução gradual de novos ecossistemas nos Negócios Estrangeiros. Grandes mudanças na atribuição dos orçamentos para inovação, alterações climáticas, protecções sociais, redistribuição da educação para os adultos. Novos modelos empresariais para aumentar a eficiência em gestão governamental (por exemplo, utilização de blockchains para a cobrança de impostos).

2030-2050: Continua a introdução de novos ecossistemas nos Negócios Estrangeiros e a mudanças na atribuição orçamental. A AI ajuda os governos humanos na tomada de decisões. O envelhecimento da população irá colocar pressão sobre as finanças dos governos.

2050-2071: Continua a aumentar a introdução de novos ecossistemas nos Negócios Estrangeiros devido à mudança de poder para o Oriente. Influência crescente das maiores empresas e, talvez, das comunidades de robôs.

Defesa e Segurança

  • A Gestão da Diversidade será a chave para a manutenção da ordem, incorporando os refugiados climáticos e a potencial migração da adopção da AI.
  • As respostas de emergência terão de evoluir, utilizando drones e robôs à medida que as populações aumentam e as cidades se tornam mais complexas

Cronologia prevista:

2018-2030: Resposta às emergências cada vez mais baseadas em dados e tecnologia de ponta tecnologia (por exemplo, Big Data, polícia-robô). Aumento da necessidade de ciber-segurança contra crimes informáticos e terrorismo. Aumento da agitação social e cívica, por exemplo, provocada por desemprego ou colapsos financeiros.

2030-2050: Necessidade contínua de ciber-segurança contra crimes informáticos e terrorismo. Aumento das violações de segurança nas tecnologias emergentes (por exemplo, AI). Aumento da agitação social e cívica (por exemplo, proteccionismo, reacções negativas à diversidade/pluralismo). Aumento da resposta de emergência aos efeitos das alterações climáticas
(por exemplo, furacões, calor extremo, desertificação).

2050-2071: A AI nas respostas de emergência é a norma. Aumento das violações de segurança nas tecnologias emergentes (por exemplo, implantes cerebrais). Aumento da resposta de emergência aos efeitos das alterações climáticas (por exemplo, submersão de cidades, temperaturas insuportáveis).

Assuntos Económicos

  • Empresas Mistas com Fins Lucrativos Público-Privadas, uma vez que os governos trabalharão de perto através de joint-ventures e parcerias com empresas líderes para criar cidades inteligentes e actualização das funções governamentais.
  • Transição de emprego para o rendimento universal será uma área-chave onde o governo terá de apoiar uma mão-de-obra cada vez mais deslocada em transição para novos papéis. Os governos terão de proporcionar acesso a apoio financeiro e a um rendimento como uma rede de segurança social
  • Surgirão indústrias novas e transformadoras que exigirão a supervisão governamental, fiscalidade e regulação económica, com AI e moedas criptográficas como tendências quentes.

Cronologia prevista:

2018-2030: A natureza dos mudam para tarefas temporárias. Automatização dos trabalhos, na sua maioria para tarefas de colarinho azul e de colarinho branco.  Necessidade de regulamentação das tecnologias emergentes, por exemplo blockchain.

2030-2050: Continuação da automatização do trabalho, na sua maioria agora de colarinho branco. Novas fontes de grande crescimento económico nas novas indústrias (por exemplo, implantes cerebrais). Outras indústrias podem provavelmente tornar-se menos relevantes (por exemplo, combustíveis). Significativo crescimento do PIB mundial.

2050-2071: Automatização para a maioria dos empregos, enquanto novos empregos tornar-se proeminente. Novas fontes de grandes crescimento económico (por exemplo, turismo espacial, mineração espacial). Outras indústrias podem provavelmente tornar-se menos relevante (por exemplo, comércio de produtos acabados como vestuário, comércio de matérias-primas,
formas tradicionais de educação). Crescimento significativo do PIB mundial

Valores Culturais e Ética

  • A ética da tecnologia exigirá aos governos regulamentação e orientações, com novas questões a surgirem em torno da potencial má aplicação das tecnologias com consequências de grande alcance. Por exemplo, a interacção entre robôs e humanos.

Cronologia prevista:

2018-2030: As religiões irão provavelmente experimentar um baixo nível de mudança. Aumento dos grupos extremistas devido a problemas políticos ou sociais e pressões provocados pelo sentimento de “ser deixados para trás”. Sacas sociais e cívicas de agitação, por exemplo, reacções étnicas e religiosas negativas.

2030-2050: Será procurada a coexistência pacífica das religiões. As preocupações éticas decorrem dos avanços tecnológicos e da falta de regulamentação. Possível aumento da agitação social e cívica, étnica/pluralismo.

2050-2071: Espera-se que a afiliação religiosa das pessoas esteja a um nível elevado, 85% da população mundial. Continuam as preocupações éticas decorrentes dos avanços tecnológicos e falta de regulamentação. Continua também a agitação social e cívica.

Protecção Social e Bem-Estar Social

  • As unidades familiares terão de ser protegidas pelo Estado, com esforços contínuos para assegurar que as famílias não sejam pressionadas pelo impacto económico da automação e as mudanças drásticas na educação.

Cronologia prevista:

2018-2030: Rendimento básico, especialmente para as populações jovens, devido à automatização do trabalho, até que as pessoas possam ser requalificadas para mudar de carreira, ou entrar na economia freelance. A maioria das pessoas afectadas serão provavelmente os trabalhadores de colarinho azul. Protecções sociais para as pessoas que perdem as suas propriedades e/ou são forçados a migrar, devido às alterações climáticas

2030-2050: Protecções de base, rendimentos de longo prazo contra o desemprego devido à automatização do trabalho dos colarinho branco. É provável que se verifique um aumento do nível na vida básica, a tornar-se barata ou gratuita, também pelo baixo custo/automatização de bens e serviços (educação, habitação, saúde).

2050-2071: As protecções sociais são passíveis de aumento devido ao grande aumento de desigualdade em relação aos avanços da AI.

Educação

  • A reforma da educação será integral à medida que a ênfase será deslocada desde educação precoce e inicial para uma educação contínua e adaptável.

Cronologia prevista:

2018-2030: Grande parte da aprendizagem é feita online ou através de reuniões de Realidade Virtual. Tudo é sobre aprendizagem ao longo da vida e o saber-se reciclar pelo menos de cinco em cinco anos. A capacidade de obter conhecimento é mais importante do que o próprio conhecimento.

2030-2050: Os cidadãos comuns estão a começar a tornar-se ciborgues, proporcionando ao cérebro implantes, mas é ainda coisa para os ricos ou para pessoas em alta posições, sendo caro.

2050-2071: Cada vez mais pessoas têm implantes no cérebro, tornando-as mais inteligentes do que os humanos. A educação como a conhecemos nas gerações passadas precisa de ser totalmente transformada para mantê-la relevante. Crianças e adultos terão de ser treinados sobre como utilizar os seus implantes cerebrais.

O futuro de sucesso (sem um tostão)

Um “futuro de sucesso”, não há dúvida. Talvez haja algumas pequenas arestas, mas nada de sério. Trata-se do justo complemento do programa do World Economic Forum. Não acaso, indivíduos e entidades presentes em Davos participam no Summit de Dubai também: BlackRock, Reuters, Rothschild & Co, IBM, Conselho Atlântico, Universidades de Harvard, Stanford, Maryland… estas listas começam a tornar-se monótonas: são sempre os mesmos actores.

Vai funcionar? O “futuro de sucesso” do WGS será o nosso futuro também? Acho que não.

Serão feitas todas as tentativas, disso não há dúvidas. E até será possível observar algumas aplicações práticas em determinados Países. Mas o plano global irá falhar. Não é uma questão de fé no Homem, algo que do meu lado está perto do zero absoluto. É que neste caso a “revolução” é gerida explicitamente a partir de cima: não há manobradores ocultos, como é possível encontrar em acontecimentos do passado. Aqui tudo fica debaixo da vista de todos: é o topo que deseja subverter o sistema, sem alguma participação da “base”. Um erro de arrogância, típico de quem considera vencida a guerra ainda antes de trava-la.

Na História não há antecedentes deste alcance: pela primeira vez, um grupo limitado de privados e de entidades nunca eleitas quer ré-construir a sociedade de boa parte do planeta. Trata-se da transição desde o actual modelo capitalista (o que sobrou dele) para algo novo, que tem vários pontos de contacto com o “comunismo real” da antiga URSS. Se a primeira experiência funcionou ao longo de 70 anos, por qual razão não deveria funcionar a versão definitiva com a participação dos maiores poderes multinacionais, políticos e económicos, unidos ao uníssono?

Porque o Comunismo real sempre teve um problema: a economia. E não há nada neste projecto que sugira uma solução. Bem pelo contrário: o assunto é ignorado. Apostar na condução autónoma de veículos ou nas plataformas de comunicação como novas fontes de crescimento é simplesmente hilariante. Fala-se repetidamente de “significativo crescimento do PIB mundial”, mas baseado em quê? No turismo espacial? Admite-se o desaparecimento do comércio de produtos acabados (como o vestuário), do comércio de matérias-primas, mas não há indicação acerca dos substitutos. Difícil que a indústria dos implantes cerebrais ou os carros que andam sozinhos consigam absorver legiões de novos desempregados.

Pelo contrário, o progressivo desaparecimento da concorrência e a total automação da produção irão exacerbar o problema do trabalho e da economia no geral. Um rendimento mínimo garantido nesta óptica é um paliativo, além de que não é claro onde seria encontrado todo o dinheiro necessário: vamos pôr as impressoras dos bancos centrais a funcionar sem pausas? Dinheiro a partir do nada? Funciona, sem dúvida, mas não nesta magnitude e por um tempo indefinido. Com massas de pessoas preocupadas em sobreviver, como alimentar o mercado? Com trabalhos “voláteis”, como fazer investimentos de médio e longo prazo? Num mercado de dimensões inevitavelmente mais reduzidas, o que aconteceria aos mercados financeiros?

Seria possível continuar pois estas são apenas algumas das dúvidas acerca dum projecto que mostra o seu lado mais fraco no problema da sustentabilidade económica. Um projecto que, para evitar estes impedimentos, deveria ser implementado em tempos excepcionalmente mais curtos, focando-se desde o princípio na alterações imediatas das bases económico-financeiras da nossa sociedade. Mas não é assim a cronologia apresentada e, curiosamente, o WGS evita aprofundar o assunto.

Por qual razão? Talvez porque o projecto não passe dum chamariz, algo para desviar as atenções dos verdadeiros objectivos. A realidade programada bem pode ser mais infernal do que este “futuro de sucesso”.

 

Ipse dixit.

5 Replies to “O World Government Summit e o futuro de sucesso”

  1. Faltou eles programarem o dia em que faremos contato com civilizações alienígenas.

    Sei lá, pode até ser que algumas dessas pautas, realmente sejam implantadas pela força da tecnologia em prol de benefícios financeiros de poucos.

    São muitas variáveis em questão, interesses conflitantes num mundo dinâmico e em constantes mudanças. Então fica difícil elaborar um plano para os próximos 10 anos , quanto mais para 40 ou 50 anos. Além disso, as pessoas envolvidas, provavelmente não viverão esse futuro. Ou é altruísmo demais ou fica fácil projetar um mundo para o qual eles não sofrerão as consequências futuras de seus erros atuais.

    Para mim, isso está mais para aquelas enfadonhas dinâmicas de grupo ( que as empresas nos obrigam a participar ) , no momento em que o orientador fala: “agora, vamos nos dividir em grupos e cada grupo irá apresentar a sua visão para a nossa empresa para daqui a 5 , 10 anos” . Chega uma hora em que vc não aguenta mais e projeta sua empresa como uma poderosa multinacional com total monopólio de seu mercado , só para agradar a direção e justificar os custos das despesas de hospedagem, almoços, coffee break, etc..

    Concordo mais com a sua ultima frase:

    “Talvez porque o projecto não passe dum chamariz, algo para desviar as atenções dos verdadeiros objectivos”.

    .Abraço.

  2. Uma quantidade enorme de novas instituições globais tem de se justificar com prognósticos idiotas, mas lidos com atenção e consentimento da maioria.
    Observem como elas se multiplicam.

  3. Não entendi a parte em que está escrito “030-2050: Continua a introdução de novos ecossistemas nos Negócios Estrangeiros e a mudanças na atribuição orçamental” , pergunto, se o guia é mundial, de onde são os estrangeiros para negócios ? mas , xá pra lá, o que vale mesmo é saber que a IA, vai substituir as decisões políticas e teremos a idiocrácia instalada de uma vez por todas.

Obrigado por participar na discussão!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: