A morte do petróleo americano e as consequências globais

Provavelmente nesta altura não conseguimos ter ideia de como será o amanhã. “Nada será como antes” afirmam os sabidos. Duvido que assim seja, haverá um regresso à normalidade mais cedo ou mais tarde. Mesmo assim, e pelo menos numa primeira fase, teremos que enfrentar mudanças, algumas das quais radicais.

O mundo do petróleo, por exemplo, está a atravessar uma crise até pior daquela dos primeiros anos ‘70. As mudanças neste caso irão afectar todos os Países produtores de petróleo (as monarquias do Golfo, Estados Unidos, Rússia, Venezuela, Brasil, etc.) como também os Países importadores. É o mesmo papel de “sangue da sociedade” que está em causa. Boas notícias para as energias renováveis? Longe disso.

Os perços do petróleo caíram de forma rápida e brutal: este não é um problema só dos Estados Unidos. Se o WTI (West Texas Intermediate, a referencia do mercado petrolífero dos EUA) passou dos 65 Dólares de Janeiro para os 17 de hoje, o Brent (referencia do mercado europeu e do Brasil) no mesmo período passou de 70 para 25 Dólares; o Dubai Crude passou dos 68 para 26 Dólares enquanto o Bonny Light (Nigéria) fica na casa dos 16 Dólares.

São estes os temas em foco no artigo assinado por Arthur E. Berman, geólogo petrolífero com 36 anos de experiência na indústria do petróleo e do gás. Berman é um especialista consultor de várias empresas de extracção e transformação no sector da energia, hospede regular na CBS, CNBC, CNN, CBC, Bloomberg, The Financial Times, The Wall Street Journal. É director da Association for the Study of Peak Oil, e fez parte dos conselhos de administração da The Houston Geological Society e da The Society of Independent Professional Earth Scientists.

Aqui estão as suas previsões, tais como foram publicadas nas páginas de Oil Price.

Boa leitura.

 

A Morte do Petróleo dos E.U.A.

Para a maior parte da indústria petrolífera dos EUA, os jogos são jogados.

Os preços caíram e o espaço de armazenamento está quase esgotado. A única opção para muitos produtores é fechar os poços. Isto significa reduzir os lucros a zero. A maioria deles está consideravelmente endividada e o passo seguinte será a falência.

Peggy Noonan [colunista de The Wall Street Journal e vencedora do Prémio Pulitzer, ndt] escreveu recentemente na sua coluna que “este é um desastre económico nacional numa escala nunca antes vista; não podia ser pior do que isto”. Esta é a visão superficial.

O coronavírus mudou tudo. Quanto mais tempo durar, menos o futuro se assemelhará ao passado.

A maioria das pessoas, decisores e economistas não compreende o conceito de energia e, por conseguinte, não se dá conta da gravidade ou das consequências do que está a acontecer.

A energia é a economia e o petróleo é a fracção mais importante e produtiva da energia. O consumo de petróleo nos Estados Unidos está no seu nível mais baixo desde 1971, quando a produção era de apenas cerca de 78% em comparação com 2019. À medida que o petróleo vai, a economia também vai… para baixo.

A velha indústria petrolífera e a velha economia desapareceram. O cabaz energético por detrás da economia será agora diferente. É pouco provável que a produção e os preços do petróleo recuperem para os níveis de finais de 2018. As energias renováveis ficarão para trás, juntamente com os esforços para mitigar as alterações climáticas.

É muito mau

A procura global de hidrocarbonetos líquidos em 2020 poderá ser, em média, 20 mmb/d [milhões de barris/dia, ndt] inferior à de 2019 (Figura 1). Esta estimativa é realmente uma experiência mental, porque é impossível saber qual é a actual oferta ou a procura, quanto mais no próximo trimestre e para além dele. Este é um momento de grande incerteza e fluidez, porque ninguém sabe quanto tempo a actividade económica permanecerá deprimida, quanto tempo demorará a recuperar ou se recuperará.

A estimativa da Figura 1 difere da maioria das previsões em dois aspectos importantes. Em primeiro lugar, acredito que a oferta irá diminuir muito mais rapidamente do que a maioria dos outros factores. Isto porque em breve os armazéns ficarão saturados e a paragem da produção será a única opção para muitos produtores.

Figura 1. A procura mundial de petróleo em 2020 poderá ser inferior em 20 milhões de barris por dia à de 2019.

Em segundo lugar, duvido que se verifique uma recuperação da procura no terceiro trimestre, apesar da reabertura das empresas no segundo trimestre. Isto porque nos encontramos numa depressão global. O desemprego continuará elevado e os consumidores serão prejudicados pela falta de rendimentos dos meses passados em quarentena. A verdade é que duvido que a procura possa regressar aos níveis anteriores.

As economias vão recomeçar lentamente. Uma analogia útil é imaginar estar num semáforo atrás de 25 automóveis parados. O semáforo vai mudar de verde para vermelho muito antes do nosso carro começar a circular. Pode demorar vários ciclos de luzes antes de se poder chegar ao outro lado do cruzamento.

O consumo de petróleo nos Estados Unidos diminuiu cerca de 30%, de 20 mmb/d em Janeiro para 14 mmb/d em Abril. O fluxo para as refinarias é já 25% inferior ao do primeiro trimestre do ano e irá diminuir ainda mais à medida que o consumo diminuir. As refinarias vão fechar as suas portas.

A maioria das refinarias dos EUA necessita de petróleo bruto intermédio e pesado, que deve ser importado. Poucos tipos de petróleo dos EUA podem ser utilizados para produzir gasóleo de transporte sem serem previamente misturados com petróleo importado. Isto porque são demasiado leves e não contêm os compostos orgânicos necessários para produzir combustível para motores diesel. O redesenho das refinarias não alteraria isso.

O sistema mundial de extracção, transporte e distribuição de recursos naturais é baseado no gasóleo. A medida que as refinarias encerram e produzem menos gasóleo, a extracção de recursos naturais, a produção e a compra de bens diminuirá.

O gasóleo não pode ser produzido sem primeiro produzir gasolina. Os Estados Unidos têm um excedente de gasolina desde o final de 2014 e o actual excedente é o mais elevado dos últimos 5 anos (Figura 2).

Figura 2. Desde 20 de Março, o inventário comparativo de gasolina nos Estados Unidos aumentou em 30 milhões de barris, atingindo um nível recorde de 28,4 milhões de barris, mais do que a média de cinco anos.

A procura de gasóleo é menos elástica do que a procura de gasolina, dado o seu papel no transporte pesado. O que acontecerá com a gasolina produzida em excesso se as reservas estiverem cheias? Vai ser queimada?

Aqueles que vêem uma oportunidade para as energias renováveis no declínio do petróleo fariam bem a reconsiderar. A produção de painéis solares, turbinas eólicas e carros eléctricos depende do gasóleo ao longo de toda a cadeia de abastecimento, desde a extracção até à distribuição dos produtos acabados. Um mundo economicamente deprimido mudará automaticamente para os combustíveis mais baratos e mais produtivos. O petróleo será barato e abundante durante muito tempo.

Haverá pouco dinheiro e ainda menos vontade para as enormes mudanças de equipamento requeridas pelas energias renováveis. As alterações climáticas não serão propriamente uma prioridade para as pessoas que lutam pela sobrevivência.

Uma experiência mental, na qual utilizo uma estimativa precisa dos poços de petróleo de xisto e da sua produção para avaliar os níveis futuros de produção dos EUA. A trajectória normal é uma previsão de como a produção poderá diminuir à medida que os poços fecharem, devido à falta de investimento de capital. Indica que a produção de óleo de xisto poderá diminuir cerca de 50%, de 7 para 3.5 mmb/d até Julho de 2021.

A trajectória interna sugere que a produção de petróleo poderá descer abaixo dos 3 mmb/d até Junho deste ano. Dado que o petróleo de xisto representa cerca de 55% da produção dos EUA, a produção total de petróleo bruto e condensado poderá diminuir de 12 mmb/d para 5.5 mmb/d até ao final do primeiro semestre de 2020. Esta estimativa é muito mais agressiva do que as previsões da Energy Information Administration porque a AIA não previu adequadamente a velocidade a que a produção irá parar devido ao esgotamento dos locais de armazenamento.

A energia é a economia

O Produto Interno Bruto (PIB) é proporcional ao consumo de petróleo. Isto porque o petróleo é a economia. Todos os aspectos da produção e utilização de bens e serviços exigem a combustão de energia fóssil. Há cerca de 4,5 anos de trabalho humano num barril de petróleo (N. J. Hagens, Personal Communication e The Oil Drum). Nenhuma outra fonte de energia se aproxima desse nível de densidade energética.

Figura 3: Produto Interno Bruto (PIB) proporcional ao consumo de petróleo

Aqueles que acreditam que o mundo funcionará da mesma forma com fontes de energia de baixa densidade, como a energia solar e eólica, deveriam reler os seus textos de física da velha guarda. Não é possível comprimir 4.5 anos de trabalho solar ou eólico no espaço de 158.574 litros num barril de petróleo.

Dezassete consultores financeiros estimaram recentemente que, em 2020, o PIB dos EUA sofrerá uma contracção média de 30-35%, num intervalo máximo de 9-50%. As estimativas mais realísticas sugerem que, com base na estimativa da diminuição do consumo de petróleo nos Estados Unidos, o PIB irá diminuir em média de 20-25%. Qualquer valor dentro deste intervalo é catastrófico.

O economista Lawrence Summers advertiu que o sistema financeiro dos EUA poderia entrar em colapso devido a falhas em cadeia. Em Abril, cerca de 25% dos arrendatários norte-americanos não pagaram aos seus senhorios e 23% dos americanos não pagaram as suas hipotecas. Quando as pessoas não pagam aos seus credores, os credores, por sua vez, não podem pagar aos seus credores. A título de comparação, uma taxa de incumprimento hipotecário de 28% contribuiu para o colapso financeiro de 2008.

Joseph Stiglitz explicou recentemente que a actual pandemia irá afectar o mundo em desenvolvimento de forma muito mais grave do que os países desenvolvidos. Pode conduzir a migrações em massa que podem empalidecer as transferências dos últimos seis anos de África e do Médio Oriente.

Muitos provavelmente acharão a minha análise excessivamente pessimista. Os mercados do petróleo bruto não o fazem. Os preços negativos do WTI da semana passada não poderiam ter enviado um sinal mais forte aos produtores: cessar e desistir.

Grandes segmentos da indústria petrolífera norte-americana terão de ser nacionalizados antes do final do ano. Os preços do petróleo são demasiado baixos para justificar os custos de extracção, mesmo que houvesse espaço de armazenagem disponível. O valor de um barril de petróleo, porém, é de 4.5 anos de trabalho humano e esse multiplicador de produtividade será essencial para que a economia dos EUA possa evitar o colapso ou sair dele, caso o colapso tenha sido inevitável.

Os Estados Unidos estão empenhados na louca prática de drenar primeiro a América desde o início da produção de óleo de xisto, há dez anos. Tinha feito sentido até que o petróleo nacional fosse utilizado para substituir o petróleo leve importado, mas produzir mais para exportar era estúpido. Isto é especialmente verdade agora, pois será mais barato comprar o petróleo de outra pessoa durante os próximos anos.

Há momentos em que podemos realmente dizer que agora as coisas são diferentes. Este é um desses momentos. Não sabemos que forma horrível o futuro tomará, que besta feroz se aproximará de Belém para nascer [referência a um poema de William Butler Yeats de 1919, ndt].

Para o petróleo, os jogos acabaram. Deveríamos concentrar-nos em salvar a economia.

Espero que nos sirva de lição ver o que está a acontecer como uma oportunidade para facilitar as nossas vidas e aprender a desejar apenas aquilo de que precisamos. É pouco provável que tenhamos outra escolha.

 

Ipse dixit.

9 Replies to “A morte do petróleo americano e as consequências globais”

  1. É a tal bomba-relógio, que lá para Outubro segundo as previsões vai rebentar, mas entretanto vão levantar as infundadas medidas de estado de emergência, cordão sanitário, isolamento social, distanciamento social, e quarentena, para podermos ir à praia e depois enfrentar a monstruosa crise económica que aí vem com um belo bronzeado.

  2. Caro Max

    Tempos incríveis e extraordinários que estamos a passar, nunca pensei que viveria para ver o colapso da humanidade.
    Olho para a Europa, e a vejo se desmoronar aos meus olhos, a recessão será brutal em Portugal.
    Não vivi na década de 30 e 40, mas minha mão me dizia que a fome em Portugal éra uma coisa angustiante.
    Temo que estes tempos difíceis voltem a Portugal/ Espanha e Itália.
    Minha maior preocupação agora, é o covid-19, uma arma biológica que talvez tenha escapado do laboratório chines em Wuan, talvez nunca se venha a saber algum dia, se foi acidente, ou propositado.
    Talvez seja uma oportunidade de mudança de paradigma dos seres humanos, que se enfeitiçaram pela tecnologia, e abandonaram a família, com a perda de relações entre país e filhos, numa individualide miserável, em que vemos a desumanidade de filhos abandonarem país idosos em hospitais, e lares, a espera da morte deles ………
    Nossa humanidade está doente, vejo jovens a caminhar na rua, com as cabeças curvadas nos telemóveis, com zobies, amorfos, sem personalidade, sem caracter, sem nada.
    Será caro Max, que este momento não será uma oportunidade de mudarmos nossas atitudes, e voltarmos a constituir uma família estruturada, não no patriarcado tradicional, pois este está morto, mas numa modalidade, e que a honra, dever pela família, respeito pelos mais idosos, e equilíbrio entre todos, possa ser revitalizado ????????
    Espero que consigamos sobreviver ……..
    Abraços.

    Ramiro Lopes Andrade

  3. O artigo não é mau … é muito maus, é péssimo ! Dos piores que tenho lido, uma narrativa puramente apocalítica em que os produtores de petróleo são umas pobre donzelas indefesas neste mundo louco ( E os rios de dinheiro que tem ganho até aqui não contam, apenas os pobres são estúpidos se não tiverem algumas economias de parte ) Peggy Noonan é escritora de discursos , e deve ser boa no que faz, eu quase senti pena dos pobres e indefesos produtores de petróleo suponho que este discurso sirva para o lobbye dos produtores de petróleo irem em lagrimas pedir subsídios governamentais.

    “Não sabemos que forma horrível o futuro tomará, que besta feroz se aproximará de Belém ” (Que horror … que medo !)

    “Para o petróleo, os jogos acabaram. Deveríamos concentrar-nos em salvar a economia.”
    Deixa-me adivinhar..com subsídios pagos pelos abastados contribuintes aos produtores de petróleo ?

    “Espero que nos sirva de lição ver o que está a acontecer como uma oportunidade para facilitar as nossas vidas e aprender a desejar apenas aquilo de que precisamos. É pouco provável que tenhamos outra escolha.”

    Assim é não temos escolha , temos de salvar os pobres produtores de petróleo e devemos nos sentir mal … mal.. mal… mal… , devemos desejar apenas aquilo de que precisamos pois foi os nossos desejos de crescimento que destruíram a economia … apetece-me pegar num chicote e fustigar severamente o meu corpo em penitencia….

    Então mas esta corja para quem ela fazia discursos que defendia o consumo para fazer crescer a economia ???

    Mas o que mais de preocupa é o drama de que não se consegue produzir diesel sem produzir gasolina e a gasolina não se consome… o que fazer meu Deus …???

    Acho que Peggy Noonan descobriu …ela anda a beber gasolina …

    1. Deve andar a beber gasolina lololol
      Já lí muita m* perdão bullshit agora produtores de petróleo a pedir ajuda governamental, nunca tal (excepto certos casos)

      pois

      “Grandes segmentos da indústria petrolífera norte-americana terão de ser nacionalizados antes do final do ano. Os preços do petróleo são demasiado baixos para justificar os custos de extracção, mesmo que houvesse espaço de armazenagem disponível. O valor de um barril de petróleo, porém, é de 4.5 anos de trabalho humano e esse multiplicador de produtividade será essencial para que a economia dos EUA possa evitar o colapso ou sair dele,…”

      nuno

    2. Também achei um discurso meio sem sentido.
      É como se um dono de um manancial de água estivesse preocupado em faltar consumidor para o seu produto.
      Gostaria de ver os que vivem da exploração gananciosa do petróleo, terem que tirar a bunda da cadeira e arrumarem um emprego para se sustentarem com o esforço do seu próprio trabalho, como fazem os cidadãos comuns.
      Teria o prazer de ver a babilônica Dubai , em ruínas. Mas não vai acontecer, como disse o P. Lopes: nós , os abastados contribuintes vamos pagar a conta.

    3. P.Lopes, eu vivo na cidade onde fica a maior produção de petróleo do Brasil e gostei muito de sua observação, mas que a natureza e eu vamos agradecer muito uma bela diminuição na extração de petróleo, poxa e para salvar o mundo estou trabalhando em um gerador de energia elétrica que produz muito mais do que consome.

      1. Grande Ivan : Ramiro Lopes de Andrade, frequentador deste blog há cerca de 2 anos , colocou um excelente post no seu blog, ” Cavaleiro do Apocalipse” sobre a instalação de painéis solares que fez na sua casa, contactei o-o por e-mail e muito gentilmente cedeu-me os planos da instalação que fez com preços e contactos de fornecedores, hoje parte do meu consumo ecléctico é solar, e nestes dias até a agricultura me voltei a dedicar embora em pequena escala Pois embora estes javardolas e os seus planos megalomanos para nos dominar atrapalhem muito eles não vão impedir o sol de brilhar nem o vento de soprar nem as plantas de crescer… … esse é o caminho Ivan, o caminho da auto-suficiência.

  4. Olá Max e todos:os americanos do norte se precipitaram com o fracking. Muita despesa, pouco rendimento relativo, sem contar a produção da escassez de água na costa oeste, os tremores de terra, e o provável apocalipse que iam produzir, em função do deslocamento das placas tectônicas, caso aquela loucura continuasse. Essa gente importante do petróleo está pouco ligando com os problemas que causam a sua volta. Para isso eles têm os melhores advogados, malgrado jurarem que estão falidos, no prejuízo, com a armadilha que a Arábia Saudita os enfiou.
    Mas estão chorando à toa, para justificar a salvação pelos impostos públicos encima do povo estadunidense. Na hora de socializar as perdas, eles são socialistas. Na hora dos lucros, eles são capitalistas até debaixo do poço de petróleo. Normal, e conhecido.
    Eles fingem esquecer que podem ser donos absolutos da Petrobras, velho sonho que um dia se faria realidade…e aconteceu. Está tudo pronto, eles possuem todos os planos secretos da melhor geologia do mundo, a brasileira, referentes à exploração do pré sal, a bacia de Santos já em funcionamento. Eles têm a disposição refinarias, se quiserem, super portos agora desativados no nordeste para despachar o produto, e mão de obra escrava, super, super baratinha. Estão chorando à toa, de barriga cheia. E logo, com uma forcinha a mais, terão todo o petróleo venezuelano, também à disposição. Claro vão ter de entrar de acordo com os russos, mas nada que uma boa diplomacia na base da chantagem, qualidade da qual são exímios, não possa encaminhar. Então ?!…. Quem “ter” colônias a baixo do Equador, a vida é bela. E não podem dizer que é longe, porque fizeram uma guerra, produziram o deslocamento de 2 milhões de pessoas no Iraque, destruíram o país, tudo em função dos poços de petróleo de lá. Ocorreu que os planos falharam (em parte), tinha um urso branco e um panda no meio do caminho. Na Líbia onde não toparam com o urso e nem com o panda, ficou tudo perfeito.
    Abaixo do Equador, tudo é mais fácil, e os povos daqui tem mais de 500 anos para se acostumarem com a pilhagem. Os de lá não sei porque não se acostumam: 30 anos de dominação da Indochina-Vietname, quase 3 milhões de colonizadores estadunidenses, mercenários de todo canto armados até os dentes…e nada. No final fugiram pelo telhado. No Oriente médio, outro vexame dos grandes. No Líbano também não deu certo. Palestinos, ainda não morreram todos. E cá para nós o Hesbollah sabe melhor o que faz que o Isis, que tem a marca registrada do Pentágono. Venham sem receios que aqui todos os lacaios os estão querendo de braços abertos.

  5. O pensamento dessa gente sempre foi um só. O capitalismo sociopata ou o caos. Como o primeiro precisa se revitalizar através de um novo ciclo, o caos provocado dará conta de suprir o tempo necessário para tal recomeço…

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: