Coronavirus: os especialistas fora do coro nº 2

Continuemos com o excelente trabalho de Swiss Propaganda Research e da Organização Off Guardian. Como no primeiro artigo, as declarações que se seguem são de autoria de especialistas de renome, pessoas que dedicaram a vida ao trabalho no âmbito da Medicina.

A Dra. Karin Mölling é uma virologista alemã cuja investigação está focada nos retrovírus, em particular no vírus da imunodeficiência humana (HIV). Foi professora titular e Directora do Instituto de Virologia Médica da Universidade de Zurique desde 1993 até à sua reforma em 2008, tendo recebido inúmeros prémios e distinções pelo seu trabalho. O que ela diz:

Agora dizem todas as manhãs quantas mortes de SARS-Corona 2. Mas não dizem quantas pessoas já foram infectadas com a gripe este Inverno e quantas mortes causou.

Este Inverno a gripe não é grave, mas cerca de 80.000 pessoas estão infectadas. Estes números não são comunicados. Algo semelhante aconteceu há dois anos. Isto não se insere num contexto correcto. […]

Todas as semanas, em Berlim, uma pessoa morre de germes multi-resistentes. Na Alemanha, isto equivale a 35.000 por ano. Isso está fora de questão. Penso que já tivemos situações como esta várias vezes e que as medidas foram agora tomadas em excesso.

Sou de opinião que talvez não se devesse fazer tanto contra os jovens que se divertem e se infectam uns aos outros. Temos de construir uma imunidade de alguma forma. Como é isto possível sem contacto? Os jovens lidam muito melhor com a infecção. Mas temos de proteger os idosos e protegê-los de uma forma que possa ser controlada; será razoável o que estamos a fazer agora, prolongando a epidemia de uma forma que quase paralisa toda a economia mundial? […]

Os números são fornecidos pelo Instituto Robert Koch. Depois senta-te ali como ouvinte ou espectador: 20 mortos outra vez, que horror! Sabe quando é que eu começaria a entrar em pânico? Se houvesse 20.000 mortos. Pois ficariam perto do que aconteceu em silêncio há dois anos.

A epidemia de gripe de 2018, com 25.000 mortos, nunca chocou a imprensa. As clínicas tiveram de lidar com mais 60.000 pacientes, o que também não constituiu um problema nas clínicas! […]

Este é o principal receio: a doença apresenta-se como uma doença terrível. A doença em si é como a gripe num Inverno normal. É ainda mais fraco do que na primeira semana.

[Rubikon, 20/03/2020]

O Dr. Anders Tegnell é um médico e funcionário público sueco que é epidemiologista estatal da Agência Sueca de Saúde Pública desde 2013. O Dr. Tegnell licenciou-se em Medicina em 1985, especializando-se em doenças infecciosas. Obteve posteriormente um doutoramento em Ciências Médicas pela Universidade de Linköping em 2003 e um Mestrado em 2004.

O que ele diz:

Todas as medidas que tomamos devem ser praticáveis durante um período de tempo mais longo. Caso contrário, a população deixará de aceitar toda a “estratégia da coroa”.

As pessoas idosas ou com problemas de saúde anteriores devem ser, tanto quanto possível, isoladas. Assim, não há visitas de crianças ou netos, não há viagens em transportes públicos, não há compras, se possível. Esta é a única regra. A outra é: qualquer pessoa com sintomas deve ficar em casa imediatamente, mesmo com a mínima tosse.

Se seguir estas duas regras, não são necessárias outras medidas, cujo efeito é de qualquer forma muito marginal.

[Zeit, 24/03/2020]

O Dr. Pablo Goldschmidt é um virologista franco-argentino especializado em doenças tropicais e professor de Farmacologia Molecular na Universidade Pierre et Marie Curie, em Paris. É licenciado pela Faculdade de Farmácia e Bioquímica da Universidade de Buenos Aires e pela Faculdade de Medicina do Centro Hospitalar de Pitié-Salpetrière, Paris. Actualmente reside em França, onde trabalhou durante quase 40 anos como investigador em laboratórios clínicos para o desenvolvimento de tecnologias de diagnóstico.

O que ele diz:

As opiniões infundadas expressas pelos peritos internacionais, reproduzidas pelos meios de comunicação social e pelas redes sociais, repetem o pânico desnecessário que vivemos anteriormente. O coronavírus detectado na China em 2019 causou nada menos do que uma constipação ou gripe grave, sem qualquer diferença em relação ao frio ou à gripe, tanto quanto sabemos até agora. […]

As condições respiratórias virais são numerosas e são causadas por diferentes famílias e espécies virais, incluindo o vírus sincicial respiratório (especialmente em lactentes), a gripe, os metapneumovírus humanos, os adenovírus, os rinovírus e vários coronavírus, já descritos há anos. É impressionante que no início deste ano tenham sido desencadeados alertas globais de saúde na sequência de infecções por um coronavírus detectado na China, o COVID-19, sabendo-se que todos os anos morrem 3 milhões de crianças em todo o mundo com pneumonia e 50.000 adultos nos Estados Unidos da América da mesma causa, sem que tenham sido desencadeados alarmes. […]

O nosso planeta é vítima de um novo fenómeno sociológico, o assédio dos meios científicos, desencadeado pelos especialistas apenas com base nos resultados dos testes laboratoriais de diagnóstico molecular. Os comunicados da China e de Genebra foram reproduzidos, sem serem abordados de um ponto de vista crítico e, sobretudo, sem salientar que os coronavírus sempre infectaram os seres humanos e sempre causaram diarreia e aquilo a que as pessoas chamam uma constipação comum. Previsões absurdas foram extrapoladas, como em 2009 com o vírus da gripe H1N1. […]

Não há provas de que o coronavírus de 2019 seja mais letal do que os adenovírus respiratórios, os vírus da gripe, os coronavírus dos anos anteriores ou os rinovírus responsáveis pela constipação comum.

[Clarin, 09/03/2020]

O Dr. Eran Bendavid e o Dr. Jay Bhattacharya são professores de Medicina e Saúde Pública na Universidade de Stanford.

O que eles dizem:

As projecções do número de mortes podem ser plausivelmente demasiado elevadas […] A taxa de mortalidade real é a percentagem de pessoas infectadas que morrem e não as mortes por casos positivos identificados.

Esta última taxa é enganadora devido a um enviesamento de selecção nos testes. O grau de enviesamento é incerto, uma vez que os dados disponíveis são limitados. Mas poderia fazer a diferença entre uma epidemia que mata 20.000 pessoas e uma que mata dois milhões. […]

Uma quarentena universal pode não valer os custos que impõe à economia, à comunidade e à saúde mental e física individual. Deveríamos tomar medidas imediatas para avaliar a base empírica das actuais medidas de quarentena.

[Wall Street Journal, 24/03/2020]

O Dr. Tom Jefferson é um epidemiologista britânico com sede em Roma. Trabalha para a Colaboração Cochrane, onde é autor e editor do grupo sobe as infecções respiratórias agudas da Colaboração Cochrane, bem como membro de outros quatro grupos da Cochrane. É também consultor da Agência Nacional Italiana para os Serviços Regionais de Saúde.

O que ele diz:

[…] por isso, não posso responder às minhas perguntas, não parece haver nada de especial neste surto específico de doença tipo gripe. Há, no entanto, duas consequências desta situação que me preocupam.

A primeira é a falta de credibilidade institucional sentida pelos meus amigos. Vão desde bombeiros a polícias e até mesmo a um médico de base, não o tipo de pessoas que gostariam de alienar-se numa emergência. O proprietário de um restaurante disse-me que nunca se denunciaria à autoridade sanitária, porque isso significaria pelo menos duas semanas de encerramento e que o seu negócio iria à falência.

A segunda é que, uma vez que a luz dos holofotes será deslocada, haverá um esforço internacional sério e concentrado para compreender as causas e origens das doenças semelhantes à gripe e o ciclo de vida dos seus agentes?

A forma passada diz-me que não, e voltaremos a falar da gripe como uma praga universal sob a estufa dos interesses comerciais. Note-se a diferença: gripe (causada pelos vírus influenza A e B, para os quais temos vacinas e medicamentos autorizados), não doenças semelhantes à gripe contra as quais devemos lavar as mãos durante todo o ano, e não apenas agora.

Entretanto, ainda não consigo responder à pergunta de Mario: o que há de diferente desta vez?

[British Medical Journal, 02/03/2020]

O Dr. Michael Levitt é professor de Bioquímica na Universidade de Stanford. É Fellow da Royal Society (FRS), membro da Academia Nacional das Ciências e recebeu o Prémio Nobel da Química de 2013 pelo desenvolvimento de modelos multi-escala para sistemas químicos complexos. Em Fevereiro deste ano, modelou correctamente o fim da epidemia na China, prevendo cerca de 80 000 casos e 3250 mortes.

O que diz:

Não acredito nos números de israel, não porque sejam inventados, mas porque a definição de um caso em israel continua a mudar e é difícil avaliar os números desta forma.

Há muito pânico injustificado em israel. Não acredito nos números aqui, tudo é política, não matemática. Ficaria surpreendido se o número de mortes em israel ultrapassasse dez, ou mesmo cinco agora com as restrições. […]

Para pôr as coisas em proporção, o número de mortes por coronavírus em Itália é 10% do número de mortes por gripe no país entre 2016-2017.

Mesmo na China é difícil olhar para o número de pacientes porque a definição de “paciente” varia, por isso olho para o número de óbitos. Em israel não há nenhum óbito, por isso nem sequer está no mapa mundial da doença.

[Jerusalem Post, 20/03/2020]

O Levitt analisou dados de 78 países que comunicaram mais de 50 novos casos de COVID-19 todos os dias e vê “sinais de recuperação” em muitos deles. Ele não se concentra no número total de casos num país, mas no número de novos casos detectados diariamente  e, mais importante ainda, na alteração desse número de um dia para o outro.

“Os números ainda fazem ruído, mas há sinais claros de que o crescimento está a abrandar. O que precisamos é de controlar o pânico. Tudo vai correr bem.

[Los Angeles Times, 22/03/2020]

O German Network for Evidence-Based Medicine (“Rede Alemã de Medicina Baseada em Evidências”) é uma associação de cientistas, investigadores e profissionais médicos alemães. A rede foi fundada em 2000 para divulgar e desenvolver conceitos e métodos de medicina baseada em provas e orientada para o doente, ensino e investigação, e conta hoje com cerca de 1000 membros.

O que eles dizem:

Na maioria dos casos, a COVID-19 toma a forma de uma leve constipação ou é mesmo livre de sintomas. Por conseguinte, é altamente improvável que todos os casos de infecção sejam registados, ao contrário das mortes que são quase totalmente registadas. Isto conduz a uma sobrestimação do CFR [Taxa de Letalidade, ndt].

De acordo com um estudo de 565 japoneses evacuados de Wuhan, que foram todos testados (independentemente dos sintomas), apenas 9.2% das pessoas infectadas foram detectadas com a monitorização actualmente utilizada, orientada para os sintomas da COVID-19. Isto significa que é provável que o número de pessoas infectadas seja cerca de 10 vezes superior ao número de casos registados. O CFR seria, portanto, apenas cerca de um décimo do número actualmente medido. Outros pressupõem um número ainda mais elevado de casos não registados, o que reduziria ainda mais o CFR.

A disponibilidade generalizada dos testes SARS-CoV-2 é limitada. Nos EUA, por exemplo, só está disponível, a partir de 11.3.2020 uma instalação de ensaio adequada financiada pelo Estado para todos os casos suspeitos. Também na Alemanha ocorreram ocasionalmente “estrangulamentos” que contribuem para sobrestimar o CFR.

A medida que a doença se propaga, torna-se cada vez mais difícil identificar uma fonte suspeita de infecção. Como resultado, as constipações comuns em pessoas que inconscientemente tiveram contacto com um doente com COVID-19 não estão necessariamente associadas à COVID-19 e as pessoas afectadas não vão ao médico.

Uma sobrestimação do CFR também ocorre quando uma pessoa falecida é encontrada infectada pelo SRA-CoV-2, mas esta não foi a causa da morte. […]

O CFR de 0.2% actualmente medido para a Alemanha é inferior ao CFR da influência calculado pelo Instituto Robert Koch de 0.5% em 2017/18 e de 0.4% em 2018/19, mas superior ao valor amplamente aceite de 0.1%, para o qual não existem provas fiáveis. […]

Para além das conclusões (bastante questionáveis) retiradas do exemplo histórico, há poucas provas de que as NPI [as medidas de prevenção actuadas até agora, ndt] para a COVID-19 conduzam efectivamente a uma redução da mortalidade global. A Cochrane Review 2011 não encontrou provas sólidas de controlos fronteiriços eficazes ou no distanciamento social. […]

Uma revisão sistemática a partir de 2015 encontrou provas moderadas de que o encerramento de escolas atrasa a propagação de uma epidemia de gripe, mas a um custo elevado. O isolamento em casa atrasa a propagação da gripe, mas leva a um aumento da infecção dos membros da família. É questionável se estes resultados podem ser transferidos da gripe para a COVID-19.

Não é de modo algum claro durante quanto tempo as NPI devem ser mantidas e quais os efeitos que podem ser alcançados em função da sua duração e intensidade. O número de mortes só poderia ser adiado para uma data posterior, sem que o número total se alterasse. […]

Muitas questões permanecem sem resposta. Por um lado, os meios de comunicação social confrontam-nos diariamente com as notícias alarmantes de um número exponencialmente crescente de pessoas doentes e mortas em todo o mundo. Por outro lado, a cobertura mediática não considera de modo algum os nossos critérios de comunicação dos riscos com base em provas.

Os meios de comunicação social estão actualmente a comunicar dados em bruto, por exemplo, até agora houve “X” pessoas infectadas e “Y” mortos. No entanto, esta representação não consegue distinguir entre diagnóstico e infecção.

[CEBM, 20/03/2020 Nota: o link é para a página do CEBM dedicada ao Coronavirus, na qual é possível encontrar muito material de extremo interesse, entre o qual, obviamente, as declarações acima relatadas]

O Dr. Richard Schabas é o antigo Oficial Director Médico de Ontário, Director Médico de Hastings, do Prince Edward Public Health e Chefe do Pessoal do Hospital Central de York.

O que diz:

Há muito mais casos por aí do que aqueles que são comunicados. Isto porque muitos casos não têm sintomas e a capacidade de teste tem sido limitada. Até agora, foram notificados cerca de 100.000 casos, mas se extrapolarmos a partir do número de mortes notificadas e duma taxa de mortalidade presumida de 0.5%, o número real está provavelmente mais próximo dos dois milhões, sendo a grande maioria ligeira ou assintomática.

Do mesmo modo, a taxa efectiva de novos casos é provavelmente de pelo menos 10.000 casos por dia. No entanto, se estes números parecem grandes, lembrem-se de que o mundo é um lugar muito grande. De uma perspectiva global, estes números são muito pequenos.

Em segundo lugar, a epidemia de Hubei [a província de Wuhan, na China, ndt], de longe a maior e uma espécie de pior cenário, parece ter acalmado. Qual foi a gravidade da situação? Bem, o número de mortes foi comparável a uma época média de gripe. Não é que não seja nada, mas também não é catastrófico, e não é provável que sobrecarregue um sistema de saúde competente. Nem de perto. […]

Não estou a pregar a complacência. Esta doença não desaparecerá tão cedo; devemos esperar mais casos e mais epidemias locais. E a COVID-19 ainda tem potencial para se tornar um grande problema de saúde global, com um encargo global comparável ao da gripe. Precisamos de estar vigilantes. […]

Mas também temos de ser razoáveis. A quarentena pertence à Idade Média. Guarde as máscaras para roubar os bancos. Fique calmo e siga em frente. Não vamos fazer com que as nossas tentativas de recuperação sejam piores do que a doença.

[Globe and Mail, 11/03/2020]

Em caso de dúvidas aconselho controlar os links e procurar informações (que não faltam) acerca destes especialistas.

Para acabar, vou acrescentar um dado italiano. Stefano Montanari, licenciado em Farmacologia, Director científico do laboratório Nanodiagnostics e docente de vários masters internacionais, tem publicado esta tabela:

Por uma questão de clareza é preciso especificar: o primeiro dado (mortos em 2019) é oficial (fonte ISTAT, Instituto Nacional de Estatística), enquanto o segundo dado é uma projecção do portal Italia Ora, edição italiana do Real Time Statistics Project, um projecto que reúne programadores, pesquisadores e voluntários de todo o mundo. Um trabalho bem feito, sem dúvida, mas não um dado oficial.

 

Ipse dixit.

21 Replies to “Coronavirus: os especialistas fora do coro nº 2”

  1. Existem muitas vozes de renome fora do coro , a economia começa a aproximar-se do ponto de não retorno, a paciência e as reservas para manter a quarentena começam a baixar, tudo isto deve ser considerado e tendo em conta que se aproxima o 25 de Abril … o regime deve aproveitar a data para anunciar a transição para um sistema de quarentena apenas para os as mais vulneráveis e infectados e poder manter o pais a tona .. já nem falo em navegar …

  2. Em Portugal a comunicação social continua a prestar um mau serviço aos cidadãos, praticando um jornalismo polarizado e a censura (temos que ler a imprensa internacional para obter informação) publicando notícias com declarações questionáveis por parte de entidades que apresentam recomendações ou medidas amplamente refutadas pela comunidade médica e científica a nível internacional.

    Isto é preocupante pois estão a colocar entidades e sectores profissionais da sociedade portuguesa numa situação extremamente complicada; se já antes sofriam com a falta de credibilidade, agora vai ser ainda mais difícil justificarem-se perante os cidadãos.

    Quando o espectáculo da doença do coronavírus covid-19 terminar, não sei como é que a presidência da República, o governo, e os partidos que estão na Assembleia da República (AR) irão justificar as infundadas medidas que impuseram aos cidadãos Portugueses.

    Estas entidades já estavam com uma imagem moribunda, e quando assim é este tipo de gente é capaz de tudo para se safar; veremos o que os próximos tempos nos trarão.

    1. A comunicação social Portuguesa segue o que as usas congéneres seguem… Há vários exemplos de copiarem notícias falsas de outro órgãos europeus…

      Falta de credibilidade dos sectores profissionais? Acho que não. Tirando algumas coisas menores (como o uso ou não da máscara) de resto os sectores profissionais estão a sair-se bem…

      Para mim a grande parte da população está hipnotizada! Foi o povo português que exigiu o estado de emergência! Quase todos os meus amigos pensam que o vírus é super mortífero.. .e blá blá blá… “Vê Itália, Vê Espanha, Vê França, Vê o UK”… Números sem contexto que assustam muita mas muita gente!

      Até mesmo a Suécia está agora a ceder aos números.

      O governo irá sair como vencedor! Pois temos das mais baixas mortalidades da Europa! Será esta a imagem ao sair desta “pandemia”… A enorme crise económica é um mal menor… “Protegemos” vidas! Será o que o povo recordará!

      1. «…Para mim a grande parte da população está hipnotizada! Foi o povo português que exigiu o estado de emergência!…»

        Não faço essa generalização. Não foram os cidadãos Portugueses que exigiram o estado de emergência pois o mesmo foi imposto e de forma infundada, com a agravante de que numa República democrática uma medida desse género devia ser submetida a referendo tendo em conta a situação que a despoletou.

        A implementação de um estado de emergência é prática comum em situações de guerra, ditadura, ou catástrofe natural, cenários esses que não se verificaram nem se verificam para dar sustento à medida decretada pela presidência da República e o governo, com a conivência dos partidos políticos na Assembleia da República (AR).

        Os cidadãos Portugueses mantiveram-se e mantêm-se em casa por iniciativa própria, e não foi ou é por causa da doença do coronavírus covid-19 que tiveram essa atitude mas porque sabem perfeitamente que há uma crise económica que pode evoluir para outras formas de confronto; isso gera medo/receio do que possa vir a acontecer nomeadamente o uso da repressão e violência contra as pessoas por parte da oligarquia.

        «…Quase todos os meus amigos pensam que o vírus é super mortífero.. .e blá blá blá… “Vê Itália, Vê Espanha, Vê França, Vê o UK…»

        Neste ponto você tem que compreender que existe muita gente (não me refiro aos seus amigos) que beneficia deste corrupto sistema político, financeiro, e social, que neste momento se encontra a desmoronar, não se esqueça que maioria das pessoas desde o estrato social mais baixo ao mais alto em Portugal tem trabalho à custa de cunhas (também conhecido como tráfico de influências), por isso repente sempre o mesmo discurso da situação.

        Se o sistema ruir por completo bem como as entidades políticas que o sustentam, como é que essa gente que depende desses dois, vai fazer a sua vida?

        1. “Não faço essa generalização. Não foram os cidadãos Portugueses que …”
          Bem eu nesse dia já estava em teletrabalho… e vi PS/PSD com discursos contra o estado de emergência! Afirmando que última arma do estado a ser evocada, e como tu dizes e bem, de forma infundada e prematura! Mas o presidente disse que sim! E quase todo o parlamento aprovou!
          E aliás no dia anterior bastava estar ligado ao Facebook… Era surreal os pedidos a favor do estado de emergência! … Não é o reflexo das ideias da sociedade, mas mostra muita coisa!

          “Os cidadãos Portugueses mantiveram-se e mantêm-se em casa “… Desculpa, não concordo! O pessoal está obcecado com a quarentena! Vejo amigos “enfermeiros” que ficam parvos por velhotes irem a pé fazerem várias vzs compras por dia… Vejo as criticas todas sobre o pessoal que quer dar uma volta na praia! É surreal! É ditatorial!!

          Esses meus amigos são da área da saúde como eu… Eu já lhes mostrei “N” provas daqui, Mostrei “N” provas da “Swiss Propaganda Research”… Só a resposta deles: “Tu não estás no hospital para ver; nunca vi tanto profissionais infectados, etc” (ele trabalha no Santo António Porto)… É complicado mostrar uma visão completamente diferente do que defendemos! Na ideia dele até andam a esconder a real dimensão da pandemia…

          Eles são trabalhadores do estado… principalmente… devem estar à espera que o estado nunca vá ruir…

    2. Aí é que esta o X da questão, como fazer para que todo o mundo não venha perceber o engano?
      Já tem bastante gente percebendo mas não podem deixar que acumule massa critica!
      Repito, o que “eles” podem fazer para que o engano não seja detectado, porque se forem desmascarados haverá uma revolução popular?
      Max, se arrisca a opinar?

      1. Revolução popular hahahahahaha
        Amigo, enquanto não mexerem na mesa e no bolso do povo, tudo seguirá o desejo das elites.

        1. Amigo,perceba que citei a revolução popular no caso duma percepção em massa de um engano gripal, na verdade queria que entendesse que não podem deixar que esse engano seja percebido por todos e que alguma coisa “eles” teriam que fazer para que isso não aconteça.
          Logo, penso que justamente o que você disse, mexer na mesa e no bolso do povo será a consequência desta não percepção do engano.
          Explico, no Brasil percebo que a cada dia aumenta a quantidade de pessoas desconfiadas questionando, e se continuar nesse ritmo, pelo menos aqui, logo o povo vai se revoltar pois muita gente não esta acreditando na “gripe mortal” e nos governantes autoritários.
          Agora, no resto do mundo não sei como anda.

        1. Eu compreendo meu caro defunto…, não consigo para já imaginar a forma física de materializar essa revolta ou que tipo de acções exactamente , mas esta situação começa a ter todos os ingredientes para começar a mudar o rumo das coisas , tenho a percepção ainda que não consiga fundamentar que esta mentira esta a ser grande demais para esconder, e não é apenas a mentira mas a maior sabotagem e o maior roubo da historia da humanidade feita por aqueles que são exorbitantemente pagos para nos administrar e nos proteger … Se a maioria das pessoas perceber isto, como dizem os brasileiros , vão “lançar merda na ventoinha” e o desfecho pode ser imprevisível . Tenho a sensação que estamos tão perto como nunca de fazer a maioria das pessoas perceber o engano em que vivem, o que não deixa de ser muito estranho porque normalmente sou muito…muito céptico.

          1. P. Lopes, minha esperança era que o povo percebesse a tempo e o jogasse um peido no ventilador, pois assim poderia, talvez, minimizar a catástrofe econômica.
            Mas percebo que existem forças, quiça até de outro mundo influindo para que a merda mais fétida seja espalhada.Para mim fica claro que tudo isso serve como muralha de fumaça para que não percebamos algo muito pior do que uma gripe normal e um crash econômico…

  3. O quase caos está sendo preparado descaradamente e parece que nem aqui isso é percebido…consideram uma teoria conspiratória…

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: