Gesell, o Copérnico da Economia – Parte II

…dizia-se: por qual motivo a economia da nossa sociedade tem sempre que crescer? Porque estamos condenados ao eterno crescimento? Pensando bem, árvores, crianças e galinhas crescem também. Mas há uma diferença: árvores, crianças e galinhas não crescem indefinidamente, há um limite. Os processos de crescimento natural são normalmente marcados por…

Ler mais... Gesell, o Copérnico da Economia – Parte II

Gesell, o Copérnico da Economia – Parte I

Silvio Gesell foi um dos grandes génios da história. De toda a história. E provavelmente poderia ter sido o maior benfeitor da humanidade. Mas não é, porque ninguém conhece Silvio Gesell. E isso não é um acaso. Vamos ver quem ele era e começamos com a vida, que mais parece…

Ler mais... Gesell, o Copérnico da Economia – Parte I

Juros: a dívida divinal

…e falemos de Dívida. Com um curto exemplo. Estamos no Médio Oriente, ano zero. A Virgem Maria tem que enfrentar a longa viagem até o Egipto para escapar do massacre dos inocentes ordenado por Herodes. Uma chatice. Então, para enfrentar as pequenas despesas, pede emprestada 1 (uma) moeda de ouro…

Ler mais... Juros: a dívida divinal

Ideia na Fed: juros negativos!

Prontos para um artigo aborrecido? Algo de economia? Muito bem! Então vamos. Na Federal Reserve (a Fed) fala-se com cada vez mais frequência de juros negativos do dinheiro. Podemos pensar: “Então? Problema deles, nós já não queremos saber do Dólar!”. Não, problema nosso: porque BRICS & Yuan podem ser o…

Ler mais... Ideia na Fed: juros negativos!

História do Sistema da Dívida – Parte I

O Código de Hammurabi Bom, meus Senhores: estamos certos de que a Antiguidade fosse imunes aos nossos males? O dinheiro, os juros, o ouro…não, claro que não, sabemos disso. Mas até a que ponto os mesmos males de hoje atingiam os tempos antigos? Em qual medida? Eram mesmo os “bons…

Ler mais... História do Sistema da Dívida – Parte I

O horizonte dos bancos

Bancos…e está tudo dito. “A Europa redescobre o banco do Estado”, este o título do diário económico italiano Il Sole 24 Ore do passado 2 de Fevereiro acerca da nacionalização do grupo holandês Sns Reaal. Custo da operação: 3.7 biliões de Euros. Muito? Não, pouco considerada as vantagens.  A actual…

Ler mais... O horizonte dos bancos

Banco de Inglaterra: a história – Parte I

Rei Offa numa fotografia da época Rei Offa: um homem bonito, alto, um pouco baixo, magro sem deixar de ser gordo. Sem dúvida simpático e odioso. O que importa é que Offa foi soberano da Inglaterra até o ano 791 d.C. Mas porque Offa? Será que o rei tornou-se agora…

Ler mais... Banco de Inglaterra: a história – Parte I

Dos juros e do banco público

Para perceber como funciona a psicótica sociedade na qual vivemos, é importante olhar para a questão dos interesses. Esta é a base acima da qual apoia toda a construção económica actual. Os interesses não são apenas “aquela coisita” que temos de pagar ao obter um empréstimo: são o carburante que…

Ler mais... Dos juros e do banco público

A criação do dinheiro

O nome oficial é “Crise do Crédito”. Mas o termo real deveria ser “Crise da Dívida”. Não se fala aqui da Dívida Pública dos Estados, mas do drama dos privados. Italia, Espanha, Portugal. Há pessoas presas com empréstimos bancários, credito ao consumo, que chegam a “digerir” 70 ou 80% do…

Ler mais... A criação do dinheiro

O banco sem juros

Lembram-se do banco Jak? Lembram-se, não é? Não lembram? Ohhhh… Bom, breve resumo: o banco Jak é um banco (e bravo Max, que perspicácia). Só que trabalha sem juros. Sem juros??? Ahahahahah, estúpido Max, isso é impossível!!! Que coisa tão ridícula, como pode um banco trabalhar sem juros? Calma, calma.…

Ler mais... O banco sem juros
%d bloggers like this: