As vacinas Covid-19 salvam vidas? Os actuais ensaios não dizem isso

O British Medical Journal, um dos periódicos mais prestigiados do mundo, rasgar as vacinas anti-Covid, pelo menos o que elas são hoje. Há falta de transparência geral sobre os dados e não é claro se funcionam realmente. Não foram recrutadas pessoas idosas suficientes, pessoas imunodeprimidas ou crianças para compreender os efeitos, nem são claros as consequências de médio e longo prazo. Além disso, a investigação adoptada pelos vários grupos que nela trabalham não vai no sentido de esclarecer estas dúvidas.

Em resumo, este é o conteúdo de um artigo publicado na revista inglesa e assinado por Peter Doshi, que é Professor associado na Universidade de Maryland e está envolvido na investigação sobre os serviços de saúde farmacêuticos. Há algum tempo atrás, o New York Times explicou que Doshi é uma das vozes mais influentes na investigação médica de hoje porque é muito eficaz a fornecer aos consumidores “o quadro completo” dos dados sobre os medicamentos. E hoje Doshi utiliza a mesma eficácia ao falar das vacinas.

Publicado originalmente no final de Outurbo, o artigo do Doshi pergunta quão fiáveis são os anúncios da Pfizer, Moderna e AstraZeneca sobre a eficácia das suas vacinas. E cita Peter Hotez, reitor da Escola Nacional de Medicina Tropical no Baylor College of Medicine em Houston, que disse:

Idealmente, queres que uma vacina antiviral faça duas coisas… primeiro, reduzir a probabilidade de ficar gravemente doente e de ir para o hospital e, segundo, prevenir a infecção e travar a transmissão da doença.

O que faz um certo sentido, não é? O problema, afirma Doshi, e que nem mesmo os estudos actuais da Fase III foram criados para mostrar se isto acontece ou não. Doshi publica uma tabela para mostrar isto e explica:

Nenhum dos actuais estudos foi concebido para detectar uma redução em resultados graves, tais como hospitalizações, uso de cuidados intensivos ou mortes. Também não estão a ser estudadas vacinas para determinar se podem parar a transmissão do vírus.

Existe basicamente uma falta de clareza e transparência nos dados relativos aos efeitos secundários, diz Doshi:

O comunicado de imprensa da Moderna afirma que 9% [das amostras] sofreram mialgia de Grau 3 e 10% fadiga de Grau 3; a declaração da Pfizer relatou que 3.8% sofreram fadiga de Grau 3 e 2% dores de cabeça de Grau 3. Mas não são números insignificantes. Os acontecimentos adversos de Grau 3 são considerados graves.

Mas em muitos casos estes efeitos assemelham-se aos sintomas da Covid. As pessoas que tomaram a vacina podem simplesmente ser positivas à Covid. Se for esse o caso, todos eles precisariam de ser submetidos a um teste antes da subministração da vacina. Mas, pergunta Doshi, será que foi feito? Esta informação não é conhecida, embora fosse vital conhecê-la. Porque se essas pessoas estivessem positivas, a eficácia de 90% e mais relatada pelas empresas farmacêuticas seria significativamente reduzida.

Pela forma como apresentam os seus testes, explica o professor, é evidente que os testes anteriores não são feitos a todos os protagonistas da experiência, mas apenas às pessoas para as quais os médicos consideram isso necessário. E isto é um problema.

Outro aspecto importante é a incerteza sobre o desempenho da vacina durante 3, 6 ou 12 meses. Também não se sabe se uma pessoa vacinada, para além de não desenvolver sintomas de Covid, pode infectar outras pessoas.

Outro problema relevante são as características das pessoas que foram recrutadas para testar as vacinas. Se as pessoas idosas frágeis, que pensa-se morrerem em número desproporcionado tanto de gripe como de Covid-19, não estiverem inscritas em estudos de vacinas em número suficiente para determinar se o número de casos fica reduzido na sua categoria, pode haver uma base demasiado frágil para assumir os benefícios em termos de menores internamentos hospitalares ou de mortalidade. Qualquer que seja a redução de casos observada na população total do estudo (a maioria dos quais entre adultos saudáveis), o benefício pode não ser aplicado à frágil subpopulação de idosos. Com o efeito de que poucas vidas poderiam ser salvas.

O vacinologista Paul Offit (famoso por receber ameaças de morte dos EUA por parte dos movimentos anti-vacinas):

Se não tivermos dados adequados na faixa etária acima dos 65 anos, estas categorias não deveriam receber a vacina, o que seria uma pena porque são as mais propensas a morrer com esta infecção.

Poucos ou talvez nenhum dos estudos parece ter sido concebido para responder definitivamente a esta pergunta: existe um benefício real para esta categoria de população, apesar da sua óbvia vulnerabilidade à Covid-19?

Outro grande problema (mais um…) é que, ao observar o recrutamento de dezenas de milhares de pessoas para os testes, apenas dois estudos estão a recrutar crianças com menos de 18 anos de idade. E todos excluem pessoas imunocomprometidas e mulheres grávidas ou a amamentar. Assim, a incerteza também reina suprema nestas categorias. E isso é fantástico: são mesmo as pessoas imunocomprometidas que falecem perante a Covid-19, são a principal (e, na minha óptica, as únicas) que arriscam a vida.

As vacinas, conclui Doshi, precisam de mais tempo para serem testadas. E só a transparência e o controlo rigoroso dos dados, que devem ser tornados públicos na sua totalidade, podem fazer-nos compreender os verdadeiros prós e contras da sua utilização.

Mas é evidente que o mecanismo de pressão desencadeado pelo vírus nos hospitais de todo o mundo, o bloqueio económico e as mortes por Covid têm colocado os governos sob pressão. Todos gostariam de uma solução simples e imediata para voltar ao normal. Os acordos comerciais entre governos e empresas farmacêuticas parecem responder a esta necessidade real, continua Doshi. Mas a abordagem que abraça acriticamente o “caminho das vacinas” pode ter efeitos mais negativos do que positivos, também porque parece movida por um desejo irracional, humanamente compreensível, mas ilógico dada a falta de transparência total dos dados.

Repito porque alguns poderiam pensar ser este um artigo dalgum site anti-vacinas. Nada disso: este é um artigo publicado pelo editor associado do British Medical Journal, Peter Doshi, uma das mais conceituadas publicações médicas do planeta. Na mesma publicação podem ser encontrados outros artigos que apresentam graves dúvidas, escritos também por outros especialistas (infelizmente estão todos em idioma inglês):

Boa leitura.

 

Ipse dixit.

4 Replies to “As vacinas Covid-19 salvam vidas? Os actuais ensaios não dizem isso”

  1. Perguntas aos especialistas a que gostava de ter resposta. Ou pelo menos a alguma:

    Porque tanto medo/panico com uma “doença” com taxa de sobrevivência acima de 90% (ou será 99,99%) ?
    Porque não se fala da taxa de sobrevivência dos idosos com patologias graves com caso de covid ?
    Qual a condição física que encontrava-se o idoso falecido?
    Porque não mencionam a causa patológica do internamento ou em cuidados intensivos ?
    Porque não se fala de imunidade de grupo e sistema imunitário quando até à data é o principal responsável pela taxa de sobrevivência acima de 90% (ou será 99,99%) ?
    Se o teste PCR é para detectar uma sequência genética e não virus em si, onde está o virus ?
    Porque criar certificados/passaportes imunitários a quem toma vacina, a imunidade natural são funciona ou apenas a imunidade artificial ?
    Se as vacinas têm até 10% de acontecimentos adversos de graves, como mencionado acima, superior à taxa da propria doença não é preocupante ?
    Se a vacina de tecnologia mRNA tem como base reproduzem partes do agente causador da doença, como travar e evitar uma doença autoimune mais tarde ?
    E a eterna pergunta que ninguém respode:
    Se os vacinados estão protegidos, porque têm medo dos não vacinados ?
    ( Igual a: Se a máscara protege porque têm medo dos que não usam ? )

  2. -https://vaccineimpact.com/2020/covid-vaccines-biological-weapons-of-mass-destruction-says-wyoming-medical-doctor-and-manager-for-wyomings-state-public-health-department/?fbclid=IwAR1pmVqZjKxmwt4m3e7pwTGuNV3g2M0aVISM4p_qOE3AJj_LqNCvA8CvdW0-

  3. Olá Max: diz o velho ditado “falem bem ou falem mal, mas falem de mim”. E todo mundo e nós aqui também falamos de vacina supostamente contra o Covid 19. É um sucesso retumbante de propaganda que requer o oficial e o chamado conspiratório (?) em relação ao tema único que absorve e mantém ad eternun as polêmicas e a pura aceitação.
    O que está acontecendo nos EUA, cujas consequências serão mais desastrosas ou terrivelmente desastrosas para todo o mundo, o que está acontecendo no Brazil e na América Latina que encaminham-se para os não declarados mas consumados Estados policiais, nada tem suficiente importância para suplantar pandemia e vacina. Nem as definitivas ligações geopolíticas com o tema preferencial têm grande espaço de enfrentamento.
    Espero que II, que tem feito um enfrentamento fabuloso sobre o tema do momento, o melhor dos que encontrei até então, ocupe alguns artigos para falar também de outros aspectos da política global, com o aprofundamento e uso da inteligência que é a marca registrada do blog.

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: