A cisão psíquica americana

A cisão psíquica americana também define a política global

de Alastair Crooke

 

À medida que a América se separa em duas substâncias distintas – uma nação dissolvendo-se em duas – talvez devêssemos prestar mais atenção à psicologia subjacente a esta segmentação, e não apenas à sua “política”. Claramente, esta última é vital para a compreensão dos EUA. Além disso, estes dois estados mentais psíquicos dos EUA estão a actuar em todo o Médio Oriente e mais além – não tanto de uma forma estratégica, mas como a projecção da psique interior. Esta projecção procura demonstrar a sua validação moral externamente, de uma forma que não pode ser feita internamente – pois o equilíbrio de forças interno é tal que nenhuma das partes pode, como gostaria, forçar a submissão do “outro” à sua visão do mundo; nenhuma delas pode prevalecer de forma decisiva.

Nem mesmo as eleições de Novembro irão resolver as questões de uma forma definitiva. Podem, pelo contrário, aguçar ainda mais a disputa.

Quais são os vectores chave para esta cisão? Em primeiro lugar, nos EUA, os “factos” já não são tolerados como factos. Factos como a ideologia separaram-se em dois campos irreconciliáveis. E, em segundo lugar, qualquer autoridade ou fonte para o que é afirmado como facto, no mundo de hoje, há muito que abandonou o cenário. Hoje lidamos apenas com um “emotivismo” psíquico (na formulação de Alasdair Macintyre), para cima e para baixo, contra, outro. Muito calor; nada de luz.

Aqueles que não concordam são chamados com um sem número de nomes pejorativos, mas que essencialmente destinam-se a indicar que o outro é um “bárbaro” no antigo sentido romano: isto é, alguém abaixo da relevância; abaixo da atenção; um “tagarela” (significado original de bárbaro). E pior: aquelas pessoas mentem, e baixar-se-iam até qualquer meio ilegítimo, sedicionista (isto é, inconstitucional), para obterem os seus fins ilícitos. É assim que ambas as partes, de um modo geral, se vêem uma à outra. Hiperpartidarismo.

Isto não é realmente novo – já o sabemos. Mas o que tem isto a ver com o Médio Oriente e todo o resto? A sua importância é que, em busca de validação para uma ou outra destas perspectivas psíquicas, uma facção dos EUA está preparada para forçar a submissão à “rectidão” do Messianismo Cristão fundador da América – quase esquecendo as potenciais consequências. Para este fim, uma grande parte do Médio Oriente está a ser ameaçada pelo colapso social e económico.

Claramente, a razão ou a diplomacia não valerão. Serão descartadas como balbuciantes. Também é surpreendente que alguns funcionários quase se regozijem com a dor e a fome que podem causar. A sua linguagem revela os estratos implícitos da religião: falam de “justa retribuição”. Se for o chamado “interesse” da América fazer cair o Hezbollah, o Presidente Assad da Síria ou o governo revolucionário do Irão, então o interesse americano também é que estas nações inteiras, os seus povos, sofram um apocalipse económico. Que assim seja: merecido.

Como um historiador americano, o Professor Vlahos, descreve a situação nos EUA: não só a América separou-se em duas nações, como também dividiu-se em duas seitas religiosas distintas, em desacordo uma com a outra, mas reflectindo ambos os lados polares do impulso religioso original da América. Uma, (o partido actualmente em funções), vê a identidade nacional enraizada numa era americana dourada, anterior, que defende a propriedade, o comércio e a liberdade como direitos tradicionais herdados (que significam a Graça de Deus, no estilo calvinista, protestante).

A outra (mais na veia apocalíptica), “olha para o futuro. Chamam-se a si próprios progressistas; vêem a perfeição e a pureza que está à frente, e olham para o passado como uma mancha profunda e escura – como um passado imperfeito, bárbaro e primitivo que precisa de ser descartado – e um futuro luminoso que precisa de ser sustentado”. Ambas são visões existenciais e conflituosas, diz o Professor Vlahos, “que dizendo-nos como viver; que definem o bem e o mal, não há lugar para concessões entre elas”.

O assassinato de George Floyd, no entanto, incendiou uma tréguas desconfortáveis com as chamas. O assassinato de Floyd tornou-se o símbolo icónico – ultrapassando o seu conteúdo específico – para comparar a profundidade e a intensidade das animosidades culturais de ambos os lados – com o caso Dreyfus em França entre 1897-1899. Em The Proud Tower, Barbara Tuchman escreve que Dreyfus, um oficial judeu suspeito de espionagem para os alemães, nunca uma personalidade particularmente notável tanto para começar, tornou-se uma “abstracção” para os seus apoiantes e detractores. Ela resumiu:

“Cada lado lutou por uma ideia, a sua ideia de França: uma a França da Contra-Revolução, a outra a França de 1789, uma pela sua última oportunidade de travar as tendências sociais progressistas e restaurar os velhos valores; a outra para limpar a honra da República, e preservá-la das garras reaccionárias”.

Will Collins escreve no The American Conservative que “é difícil pensar numa comparação mais adequada com o momento actual. A linguagem do conflito existencial foi integrada na Direita Americana pelas eleições de 2016. Um ensaio agora infame, “As Eleições do Voo 93″, comparou a votação em favor de Donald Trump a uma tentativa desesperada de retomar o controlo do avião sequestrado pelos terroristas no 11 de Setembro. À Esquerda, o liberalismo incremental da Administração Obama deu lugar a algo mais radical, uma completa crítica das instituições e da história americana que sugere – e por vezes diz abertamente – que a mudança revolucionária é o único caminho a seguir”.

Estas duas imagens psíquicas em conflito estão a definir não só a arena doméstica da América, mas também a geopolítica global. Conscientes destes cismas, os americanos estão a ficar facilmente agitados e irritados com a ideia de que a China ou a Rússia podem insinuar-se no vazio.

As recentes e sem precedentes sanções contra os povos sírio e libanês (através do Caesar Act) são igualmente o derrame de uma visão missionária estridente, mas contestada. Estas sanções abrangentes destinam-se precisamente a prejudicar as pessoas – mesmo para fazer-lhes passar fome, ou para as precipitar numa guerra civil. É isso que devem fazer – o Enviado dos EUA na Síria, James Jeffrey, celebrou o facto das sanções dos EUA contra Damasco terem “contribuído para o colapso” da economia síria.

E este é o temperamento “bom/mau” do momento. Pois um destino tão sombrio é precisamente o que muitos americanos conservadores gostariam de vazar sobre os compatriotas americanos que ocupam a Zona Autónoma do Capitólio em Seattle (ou agora “Zona de Protesto” – ou seja, CHAZ).

Eles gostariam de ver o corte da electricidade, da água e dos alimentos. Pois esta é a contradição interna da América: estes manifestantes do Black Lives Matter odeiam a Idade de Ouro da América: consideram esta última como uma “mancha escura”, uma era de primitivo barbarismo que tem de ser afastada. O “partido da Idade de Ouro” adoraria ver os ocupantes do CHAZ passar fome na submissão – só que eles não podem fazê-lo. Iriam desencadear tumultos internos nos EUA, e um regresso, muito provavelmente, de violentos protestos.

Mas para as pessoas sem sorte na Síria, Líbano, Iraque e Irão, ser sancionados no esquecimento não é um problema. Eles estão “moralmente manchados” em ambas as “visões” dos EUA. Um dos partidos norte-americanos não pode aceitar a rejeição da visão “moral” justa da América; e o outro vê estas nações a residirem em condições tão bárbaras, primitivas e imperfeitas, que o derrube do Estado se torna inevitável e desejado. (A maior parte da Europa cai nesta última categoria, hiperpartidária, também, se for revestida de um verniz de “liberalismo”).

Olhados através desta lente psicológica, israel e os palestinianos cabem num lugar diferente. Trata-se de um caso de “vício comum” israelita: a maioria dos americanos da “Idade de Ouro”, claro, vêem israel como um caminho paralelo ao seu próprio caminho. Há uma verdadeira empatia. Mas não é o caso da geração “despertada” de americanos, com mais de 20 anos de idade, sustentada pelo Black Lives Matter.

A sua ideologia “despertada” é radical. Eles vêem o movimento dos Direitos Civis dos anos ’60 como tendo sido inequivocamente esgotado. Agora não há lugar para compromissos: a América é simultaneamente inatamente racista e opressiva. Os seus princípios fundadores devem ser arrancados e substituídos. Black Lives Matter está a travar esta luta contra os princípios fundadores dos EUA, mas a luta contra o império dos EUA é uma e a mesma, dizem eles.

Não é claro se a geração 20+ acordada, em aliança com  Black Lives Matter, conseguiu subornar a geração mais velha e liberal de líderes democratas, CEOs e oficiais superiores da polícia e militares que ultimamente se têm ajoelhado perante o altar da agenda Black Lives Matter – ou se Black Lives Matter está simplesmente a ser usada por esta última como uma ferramenta contra Donald Trump. Se for este último caso, não será a primeira vez que a corrente dominante cooptou um movimento radical para utiliza-lo para os seus próprios fins, só depois descobrirá que ela – a corrente dominante – foi “abanada” pelo sua cauda radical. (a história do Salafismo e dos seus jihadistas vem-me à mente, neste contexto).

A questão é apenas um pormenor: o que é indiscutível é que a consciência está a percorrer partes da Europa e da América mais rapidamente do que a infecção do Coronavírus. Embora os israelitas adorem a política da diversidade, assustam-se com o discurso liberal-Black Lives Matter de uma próxima luta contra o racismo e a opressão.

A menos que este “desanuviamento” se oponha a uma “comunidade herdeira” precoce na Europa e na América, esta corrente terá um impacto na região em formas que não são neste momento previsíveis, mas provavelmente inevitáveis. Os israelitas já estão a mostrar maior nervosismo em relação à anexação na Cisjordânia e no Vale do Jordão; e os Estados do Golfo, liderados pelos autoritários Emirados Árabes Unidos, estão a preparar-se para sair do cais dos EUA, e a implorar por um novo ancoradouro num porto seguro israelita.

Estarão eles a sentir uma mudança no vento? À procura de segurança? Será que a própria geração 20+ da região irá assimilar o espírito de alerta?

 

Nota: Os pontos de vista de cada contribuinte não necessariamente representam os de Strategic Culture ou de Informação Incorrecta.

Artigo original: Strategic Culture Foundation

 

Ipse dixit.

4 Replies to “A cisão psíquica americana”

  1. Decidi traduzir este artigo porque gosto da primeira parte dele: a análise da cisão “psíquica” da sociedade americana. A segunda parte, no meu entender, é bem fraca: parece-me bastante evidente a instrumentalização do movimento Black Lives Matters por parte dos “progressistas”. Mas é sempre coisa boa e justa e apreciada pelo Senhor citar outros pontos de vistas (neste caso de Alastair Crooke, analista e ex-diplomata britânico que decidiu transferir-se para o Líbano).

  2. Olá Max: só para variar um pouco, ando lendo história recente da África, e uma certa compreensão dos acontecimentos acendeu umas luzinhas cá na minha cabeça, e acho que podem ser aproveitadas para acontecimentos em outros lugares.
    Compreendi (talvez bem tarde) porque os países africanos estão sempre em uma busca frustada pela independência e soberania. Compreendi da onipresença de governos corruptos, de grupos radicais lutando por alguma coisa, concomitante a negociações de paz mediadas pelas potências internacionais. Entendi o porque das inúmeras cisões, ditas étnicas, da onipotência de instituições internacionais legais e ilegais, sempre fazendo jorrar armamento pesado para manter vivas as cisões, as revoltas pela “independência”, ao mesmo tempo que os “tratados de paz”.
    A chave é a fabricação da cisão, o ódio dos nativos uns pelos outros no mesmo lugar. E ao fim , tudo se reduz a facilitar a exploração estrangeira do petróleo, ouro, urânio, diamantes e demais riquezas daquele continente. EUA e China escolheram a África como campo de batalha pelo acesso às ditas riquezas, apoderando-se de concessões. A China joga com infraestrutura que serve principalmente aos seus interesses. Os EUA jogam com a aliança com poderosos núcleos de contrabando em conluio com a CIA, e todos fazem de tudo para manter a divisão emocional e violenta entre povos africanos que ancestralmente viviam em paz, sem cisões.
    Ou muito me engano, está estratégia também é bem vinda a nível doméstico nos EUA. Enquanto os “cães ladram”, a dominação político, econômico e social vai se acirrando, o controle absoluto da sociedade é justificado, táticas genocidas são postas em prática. Não importa se houver guerra civil, até conveniente para os negócios funciona. Não importa se os EUA acabarem dividindo-se. Importa manter o ódio ignorante de quem nunca saberá que são insignificantes cães de briga atiçados, em nome do poder pelo poder das poderosas corporações que mandam e desmandam. Daí que tenho lá minhas dúvidas sobre por um demasiado ênfase em fatores psicológicos. Eles não são desenvolvidos por mero acaso, a genética não demanda o ódio.
    Todos nós aqui devemos lembrar o que a cisão fabricada causou em Ruanda, um milhão de mortos em cem dias, chacinados pelos seus compatriotas. A ONU poderia ter evitado o conflito, se mandasse uma força de 5000 homens bem treinados, mas enviou 120. As instituições supra nacionais fazem parte destes jogos de poder, estão a serviço das individualidades invisíveis mandantes.

    1. Caríssima, só para complementar seu comentário a propósito do que aconteceu no Ruanda, indicando um filme de 2004 que aborda precisamente esses terríveis acontecimentos numa versão bem realista, pelo que me lembro, ‘Hotel Ruanda’

  3. Falamos de países e esquecemos do básico. Todo país tem suas minorias dominantes (elites) e povos, direta ou indiretamente subjugados. Antes de qualquer visão mais abrangente, temos que abordar as relações não entre simplesmente países, mas entre, exclusivamente entre elites desses países. Atentos as tais elites, começamos a perceber que suas composições são quase que invariavelmente comprometidas com interesses externos (extra-países), mas entre elites.
    Jamais li sobre uma possibilidade das elites dos poucos países que restam, ditos “inimigos” do ocidente, como “Irã e Síria”, agirem como uma função dentro do sistema mundo, que justifique e legitime praticamente toda política externa imperialista.
    É como exercer o papel do mal perante os povos ocidentais e seus alinhados.
    Volta-se na história e veremos que a Pérsia, desde que foi ocidentalizada (isto mesmo, desde Alexandre, o grande), jamais retomou sua ampla autonomia. No longo período otomano, sua elite tinha amplos negócios com as elites ocidentais. Nem com Khomeini, cuja família real (Qajar) deposta, se manteve junto ao poder, com vários de seus membros nos governos pós Khomeini. Pensem nisso…

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: