A greve como chantagem

O tempo de leitura estimado deste artigo é de 2 minutos

A greve dos trabalhadores é um direito reconhecido nas Constituições dos Países mais avançados. Em Portugal, os motoristas transportadores de mercadorias estão em luta para obter condições de trabalho mais justas e melhores tratamentos salarial. Aquela de Agosto será a segunda greve dos auto-transportadores este ano: a primeira teve lugar no passado mês de Abril. É justo que os auto-transportadores lutem para os seus direitos? Sim, sem dúvida. Mas espero sinceramente que não consigam obter nada daquilo que reivindicam, nem um cêntimo.

A primeira greve, como afirmado, foi durante o mês de Abril e precisamente ao longo do período pascoal; a segunda greve está agendada para este mês, a partir do dia 12. Reparem nas datas: a greve de Abril foi durante as férias da Páscoa, a segunda durante as férias de Agosto. Pelo que a dúvida: mas os auto-transportadores estão em greve contra os “patrões” e o Estado ou contra os portugueses?

Contra os patrões não de certeza: as greves foram ambas marcadas numa altura em que as empresas trabalham em regime reduzido por causa das férias, períodos em que menor é a necessidade de mercadoria para produção e venda.

Discurso parecido pode ser feito no caso do Estado: menores produção e venda significam menos impostos cobrados (é o caso do IVA), é verdade, mas em alturas já por si de “vacas magras”.

Vice-versa, as greve provocam as maiores dificuldades aos que desejam viajar: nada de combustível, nada de carro abastecido, nada de férias. Ou, em qualquer caso, planos familiares virados de avesso.

Portanto é simples entender a dinâmica adoptada pelos sindicados dos auto-transportadores: provocar o máximo desconforto aos cidadãos, não às empresas ou ao Estado. É como se os sindicados tomassem os cidadãos quais reféns: se os patrões e o Estado não cederem, ameaçam estragar as férias a todos. É esta luta sindical? Não, é apenas chantagem.

Estes vermes de sindicalistas nem têm a coragem de enfrentar a causa dos problemas deles, os donos das empresas; nem lhes passa pela cabeça de provocar-lhes verdadeiros prejuízos económicos. Fazem exactamente o contrário: escolhem as alturas do ano em que os impactos nas grandes empresas serão menores. Vice-versa, tentam maximizar o desconforto de quem nada tem a ver com o assunto: não apenas os portugueses que desejam gozar as férias, mas também todos os turistas que em Agosto visitam o País e todas as empresas de pequenas dimensões, muitas vezes a condução familiar (como os restaurantes), que terão falhas no abastecimento.

Por isso espero que os auto-transportadores não consigam obter nada e estou ao lado da ANTRAM, a associação que reúne as empresas que desenvolvem a actividade de transportes rodoviários de mercadorias por conta de outrem (portanto a associação dos “patrões”): ameaçar turistas, cidadãos e pequenas realidades económicas, minimizando os prejuízos dos verdadeiros reesponsáveis, não é greve, é pura chantagem nada mais.

Nota: o depósito do meu carro já está atestado, o próximo refornecimento será em Espanha, as minhas férias não estão em risco. Que se lixem os sindicados e todos os auto-transportadores que os seguem como ovelhas sem raciocinar.

 

Ipse dixit.

6 Replies to “A greve como chantagem”

  1. Greve… servia quando a paralisação significava parar as máquinas e prejudicar os lucros industriais, servia quando os anarquistas em geral trabalhavam com a sabotagem, não com a chantagem, quando a economia era movida à indústria e não a papel, finanças, ações. Parar o que? Parar para que? Para dizer que existe oposição política, quando não existe? Para manter vivo o espetáculo? Fora do palco, não existe trabalho, não existe sindicato, tudo é terceirizado e precarizado. Perdemos, e temos que admitir que ainda não inventamos as saídas do atoleiro.

  2. Também concordo, isto tem mais característica de chantagem que de greve.
    O advogado do sindicato, Pedro Pardal Henriques, será com certeza o estratega desta encenação.

  3. Quando algo me parece demasiado óbvio… aprendi a desconfiar, outra coisa que também aprendi é a não criticar sem ter uma alternativa credível.
    Meu caro Max se ao fazer greve se garantem serviços mínimos e para além disso a policia é chamada para conduzir alguns dos camiões de combustível isso significa que o governo vai fazer de tudo para minimizar o impacto (já não basta o simples mentir das estatísticas), considerando essa redundância parece-me lógico que os grevistas escolham um período critico ou o impacto seria nulo ou melhor… seria apenas no seu próprio bolso , um autentico tiro no pé e os “vermes” como lhe chamas, não são estúpidos nem são uma comunidade religiosa contemplativa e de oração… ok? E insultar não faz parte da estratégia da informação nem prestigia quem o faz, antes pelo contrario, o combustível ainda não faltou e já está a trazer ao de cima o mau feitio social .
    No teu artigo nada foi dito sobre as condições e reivindicações dos motoristas, se são justas ou não… acho que deverias ter começado por ai, seria um serviço cívico inestimável, factos! porque de opiniões esta a Internet cheia.
    Porque se as reivindicações são justas então quem faz a chantagem são os patrões e nesse caso o mau caro Max esta do lado dos chantagistas … e enquanto não se souber exactamente se tem razão ou não a dúvida persiste…
    Por outro lado… o facto de haver uma ameaça de greve parece ser a única forma de fazer pensar que afinal , não temos reservas para superar um período critico , nem de combustível, nem de comida nem agua em casa é só pelos motoristas nos confrontarem com esta realidade já é algo pelo qual deveríamos ficar gratos e era ai que um blog de informação alternativa prestaria outro serviço cívico inestimável, algo que nem o governo parece fazer, os imprevistos acontecem, como estar preparado para minimizar os danos…
    Meu caro…lamento mas vou ter de ter de te retirar 2 pontos da tua carta de bloquista… e devo fazer uma solene advertência sobre os fundamentos do projecto informação incorrecta ou qualquer dia ainda vamos ver aqui no blog entrevistas dos famosos e considerações sobre a vestimenta do jet7 … Juizo !

  4. Não sei Nuno, nunca conduzi camiões de matérias perigosas… mas tu se recebesses sufrivelmente e em parte por baixo da mesa e isso te desse no futuro regalias sócias baixíssimas e visses os teus patrões a ludibriar o estado para engordar os bolsos pornograficamente … o que fazias ?
    A greve em curso é uma lição extremamente valiosa não só para a população que ignora que o sangue da economia é o petróleo e se ele para ou diminui tudo entra numa gangrena social inimaginável que ao fim de 72 horas pode entrar numa expiral dramática. A 3 dias de começar a greve já há filas nas bombas de combustível …
    A cantiga de embalar de que somos um pais de brandos costumes é de quem desconhece a historia …1143…1385…1640…1911…1933 não foi nada brando 1974 foi apenas uma excepção na metrópole, nas ex-colonias não foi nada…nada brando.
    Sócrates… Mexias… Salgados …Berardos… Constancios … impunes; e resgates do FMI que nos deixam literalmente de cuecas criam um terreno propicio para toda a espécie de revolta e a sua conjugação na tempestade perfeita, daquelas situações em que de súbito a maquina do estado perde o pé e afoga-se no seu próprio sangue pode estar ao virar da esquina.
    O que querem ? alguns querem justiça … outros já passaram para o outro lado e só já querem a revolta pela revolta, a ultima oportunidade de deixar de ser mais uma ovelha no rebanho.

  5. P.Lopes concordo mas isto é algo para ser resolvido pelas partes(e como em tudo muita negociação). Apontas aí algo importante o FMI (e vários resgates) e o que descraves a seguir é obviamente verdade, quem paga somos todos nós(e bem).
    Tens visto o que tem passado nessas revoltas muito bem aproveitadas por outros para outros fins(pelo mundo e alguns locais da Europa?)…governos populistas, pergunta aos nossos amigos brasileiros que frequentam este blog ou a base de falta de estado(a proposito onde é mais forte “em democracia verdadeira” é o norte da Europa , a culpa não será do dito mas como é governado) e sem estado temos a lei do liberalismo(de liberal nada tem é e só o maior controle do sistema financeiro sem fronteiras) mais confusão(evitável a nível social) e uns contra os outros.

    abraço

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: