As fraldas inteligentes

O tempo de leitura estimado deste artigo é de 3 minutos

Se no futuro a A.I. (Artificial Intelligence ou Inteligência Artificial) será capaz de mudar o mundo (coisa da qual não tenho a menor dúvida), as primeiras aplicações práticas são bastante tristes. Por exemplo: tudo bem com o smartphone, tudo bem com a smart-tv… mas a smart-fralda? E não é uma piada. A ideia duma fralda smart já tem alguns anos e hoje é realidade: é vendida na Coreia e no Japão enquanto nos EUA e no México pode desembarcar em breve.

Há várias empresas interessadas em criar e comercializar essas fraldas “inteligentes” e outros produtos de cuidados pessoais smart. Pequeno pormenor: além de ser cara, a tecnologia Bluetooth (porque é disso que estamos a falar: uma fralda com ligação Bluetooth) emite radiações e actualmente não foram ainda estabelecidos nível de exposição “seguros” à radiação para crianças ou mulheres grávidas. Aliás, um grupo de 250 cientistas já assinaram uma petição de alerta contra vários dispositivos que emitem radiação de radiofrequência (RF) usados ​​em WiFi e Bluetooth.

Mas este é o caminho típico do nosso Capitalismo: a exploração de qualquer possível fonte de rendimento até uma conceituada instituição tiver a permissão para dizer “Olhem que temos um problema”. Dado que por enquanto as conceituadas instituições permanecem silenciosas, as fraldas inteligentes (para bebés mas também para adultos incontinentes) são lançadas no mercado, expõem à radiações e, obviamente, utilizam os sensores e as ligações sem fio para colectar dados pessoais e rastrear o uso por parte dos clientes.

As smart-fraldas não são a única novidade. Recentemente, após conselho do meu dentista,  comprei uma escova de dente eléctrica e descobri que tem ligação Bluetooth (que obviamente não utilizo) para motivos que ainda ignoro. Mas isso é nada, pois as marcas americanas por trás das principais fraldas “inteligentes” já invadiram o mercado com smart-escovas de dente e smart-lâminas de barbear: não se trata de simples ligações Bluetooth mas sim de aplicações de A.I. com as quais esperam atrair consumidores mais ricos, que podem ser persuadidos a gastar mais dinheiro.

É o caso da Procter & Gamble (que produz as fraldas Pampers) cuja escova de dentes com A.I. deveria melhor a lavagem. Pormenor: enquanto uma escova de dente eléctrica comum custa cerca de 30 Dólares, a da P&G custa 279 Dólares. Um aumento de preço enorme que prenuncia o futuro das smart-fraldas também. Na prática: tecnológicas aparentemente desnecessárias em produtos de higiene comuns, apostando que isso aumentará as margens de lucro. A Kimberly-Clark, por sua vez, prometeu mais “inovações significativas” nos seus produtos de higiene pessoal: como o papel higiénico inteligente ou até toda a smart-casa de banho, equipada com sensores que transmitem dados sobre o sabão e outras ninharias.

Voltando à smart-fralda: a versão da empresa Huggies é diferente pois consta dum sensor Bluetooth que pode ser conectado a uma fralda normal. Este sensor sintoniza um aplicativo Huggies para smartphones, o qual transmite informações sobre temperatura e qualidade do ar e, além das advertências acerca de cocô ou xix, rastreia os movimentos intestinais gerais da criança e calcula os tempos necessários para que a fralda tem que ser alterada.

Tony Park, que desenvolveu o sensor Bluetooth usado nas smart-fraldas da Huggies, explica que alguns bebés não choram quando as fraldas precisam de ser trocadas e nem todos têm o tempo para controlar constantemente a situação:

Estão bastante ocupados ao trabalhar em duas ocupações. Querem envolver-se como pais, mas não têm tempo suficiente para ser compartilhado com o seu bebé. Com o nosso dispositivo, podem ser notificados a qualquer momento e em qualquer lugar.

Dúvidas: temos a certeza de que a smart-fralda seja a melhor solução? Ou não será que o problema fica num outro lado da questão?

Quanto ao problemas das radiações, isso faz lembrar de perto a utilização da radioactividade nos anos após a sua descoberta, nas primeiras décadas de 1900. Havia produtos radioactivos para tudo: pasta de dentes, batons, cremes de beleza, chocolate, supositórios, cigarros, preservativos, água… Só mais tarde ficou claro quais consequências o rádio trazia para a saúde.

 

Ipse dixit.

Fontes: Vox, Technocracy, Cincinnati Business Courier, Business Korea

2 Replies to “As fraldas inteligentes”

  1. Obrigada pela ótima notícia Max, porque eu estou debaixo de uma enxurrada de péssimas notícias: Paulo Enrique Amorin morreu, a malfadada reforma da previdência passou com vasta maioria no parlamento, as reportagens bombásticas do Intercept sobre a lava jato não interferem na “vidinha” dos brasileiros nem nas tais instituições brasileiras, meu cachorrinho Fritz sofreu uma intervenção cirúrgica para remover uma massa estranha no pulmão e impedia a respiração mas está mais para lá do que para cá…
    Saravá!!!!Credo cruz!!! E eu continuo viva…Perco memória, perco mobilidade, mas não perco compreensão do que se passa a minha volta!! Pode!?. Mas afinal me trazes uma boa notícia: alguma coisa que os pobres não usarão vai cozinhar os miolos dos ricos desde tenra idade, e não só os miolos…rsrsrs

    1. É… Não está fácil, minha cara amiga…

      “Meu caro amigo, me perdoe, por favor
      Se eu não lhe faço uma visita
      Mas como agora apareceu um portador
      Mando notícias nessa fita

      Aqui na terra tão jogando futebol
      Tem muito samba, muito choro e rock’n’roll
      Uns dias chove, noutros dias bate o sol
      Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta

      Muita mutreta pra levar a situação
      Que a gente vai levando de teimoso e de pirraça
      E a gente vai tomando que também sem a cachaça
      Ninguém segura esse rojão

      Meu caro amigo, eu não pretendo provocar
      Nem atiçar suas saudades
      Mas acontece que não posso me furtar
      A lhe contar as novidades

      Aqui na terra tão jogando futebol
      Tem muito samba, muito choro e rock’n’roll
      Uns dias chove, noutros dias bate o sol
      Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta

      É pirueta pra cavar o ganha-pão
      Que a gente vai cavando só de birra, só de sarro
      E a gente vai fumando que, também, sem um cigarro
      Ninguém segura esse rojão

      Meu caro amigo, eu quis até telefonar
      Mas a tarifa não tem graça
      Eu ando aflito pra fazer você ficar
      A par de tudo que se passa

      Aqui na terra tão jogando futebol
      Tem muito samba, muito choro e rock’n’roll
      Uns dias chove, noutros dias bate o sol
      Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta

      Muita careta pra engolir a transação
      Que a gente tá engolindo cada sapo no caminho
      E a gente vai se amando que, também, sem um carinho
      Ninguém segura esse rojão”
      (….)

      Meu Caro Amigo – Chico Buarque

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: