Nova terapia para as crianças hiperactivas (TDAH)

O tempo de leitura estimado deste artigo é de 3 minutos

Criança hiperactiva? E que tal acorrentá-la à cadeira? Ou seria melhor um colar elétrico? São todas soluções que merecem atenção, mas na Alemanha, por enquanto, escolheram outro caminho: coletes de 6 quilos cheios de areia. Já são populares em 200 escolas: os professores gostam, as crianças gostam, os pais gostam… talvez a solução ideal?

“As crianças adoram usar os coletes e ninguém é forçado a usa-los contra a sua vontade” afirma Gerhild de Wall, chefe da unidade de inclusão na escola Grumbrechtstrasse, no distrito de Harburg, em Hamburgo, que foi uma das pioneiras neste âmbito.

Barbara Truller-Voigt, cujo filho de nove anos, Frederick, usou um colete de areia de 2 kg numa escola de Hamburgo nos últimos três anos, diz estar convencida de que isso influenciou positivamente a criatura: “Ele coloca-o voluntariamente e tem a sensação de que isso o ajuda. Pode concentrar-se melhor e é mais capaz de participar activamente nas aulas, porque não passa o tempo todo tentando manter os braços e as pernas sob controle.”

E a criatura Frederick confirma: “O colete me ajuda a acalma, quando tenho-o a minha caligrafia não é tão assustadora”. Dois quilos de areia e a caligrafia fica melhor. Notável.

A chefe De Wall encontrou os coletes pela primeira vez quando lecionava nos Estados Unidos, onde às vezes são usados ​​para crianças com autismo e são chamados de “coletes de compressão”. Ela afirma que, longe de constranger a criança, podem ajudá-las a sentir-se concentrada. “As crianças incomodadas ou que têm um distúrbio sensorial, muitas vezes têm problemas em distinguir um estímulo de outro. Os coletes ajudam a ter um melhor sentido deles mesmos, e isso ajuda a concentrar-se”. E disso não temos dúvidas: não deve ser simples para uma criança distrair-se com quilos de areia nas costas.

Os coletes nunca devem ser usados ​​por mais de 30 minutos de cada vez, mas De Wall afirma que o peso não é um problema para a maioria das crianças, porque é espalhado uniformemente pela parte superior do corpo (como diziam os soldados romanos enquanto olhavam para Jesus que carregava a cruz).

Também diz que há uma grande competição na escola para usar o colete. “Os alunos aproveitam as oportunidades para usá-lo, então nos certificamos de fazer que sejam vestidos também por crianças que na verdade nem precisam dele, o que ajuda a garantir que não haja nenhum estigma associado a ter um”. Claro: quilos de areia nas costas de todas as crianças, porquê só em algumas?

Uma professora, que não quer ser identificada (mas quem sabe qual a razão?), disse que a experiência de usar os coletes é como “colocar uma mão no ombro de uma criança… ou dar-lhes um abraço do qual as crianças frequentemente precisam”. A doçura duma mão com vários quílos de peso.

A maior parte dos psicólogos acha a ideia péssima. Doutro lado é este o resultado após ver crianças hiperactivas em todos os lados. Nem alguns dos pais estão muito convencidos: talvez seria melhor continuar com os tais comprimidos que o simpático médico receita sempre.

Se o Leitor gosta da ideia do colete, tem que saber que o custo ronda os 140 – 170 Euros. Não é pouco. Uma corrente custa muito menos, até um colar eléctrico é mais económico. O colete consegue competir só com a gaiola. E as crianças adoram a gaiola também.

 

Ipse dixit.

Fotografias: The Guardian

8 Replies to “Nova terapia para as crianças hiperactivas (TDAH)”

  1. Antes de existirem estes métodos modernaços para a hiperactividade, havia o ‘pau de marmeleiro’ que não funcionava mal.
    Conheci casos em que o tratamento incluiu carregar sacos de 40 kg de cimento, nas obras.
    A desvantagem dos coletes de areia, é tornar os hiperactivos fisicamente mais fortes, o que não sei se será bom.

    Krowler

  2. Crianças hiperativas…há jovens, adultos e velhos hiperativos. Há pessoas cuja hiperatividade corporal requerem mais movimento. Há pessoas cuja hiperatividade cerebral exigem mais estímulos. Não é um desvio de conduta, ou uma doença. As pessoas são diferentes entre si e reagem diferentemente aos afagos ou maus tratos, ao isolamento ou ao compartilhamento…reações de fundo emocional, mais provavelmente. Uma carga a mais pode estimular a resistência física de qualquer um. Imagine-se uma futura mãe que carrega uma criança no ventre por 9 meses, ocasionalmente por 10 ou mais vezes. Suponho que ela deve ficar bem fortinha com esse tratamento natural, ou afinal, ela resiste. Imagine-se os obesos, carregando 30 quilos a mais o tempo todo. Será que diminuem seu grau de hiperatividade compensada pela ingestão exagerada de comida? Quanto a acalmar-se com um colete pesado, acho que pode acontecer com certas crianças, não só por serem tolhidas do movimento corporal que naturalmente fariam, mas pela proteção e segurança que a sensação da cobertura pela roupa pesada possa estimular. Não é a toa que velhos abandonados tentam agasalhar-se sem necessidade. Não é a toa que moradores de rua procuram envolver-se em cobertores, mesmo sob altas temperaturas. No entanto, já duvido que os considerados loucos estejam aderindo à camisa de força para sentirem-se protegidos.O que é o colete? Um objeto de compra e venda, mais uma invenção de necessidade para competir com a ritalina. Não demora, e os brilhantes especialistas a serviço de uma ou outra corporação estejam despejando artigos em revistas para o consumo desnorteado de pais crentes.

  3. Maria, no meu comentário acima fui irónico, pois existe muita tendência para se confundir a hiperatividade com má educação.
    É uma fronteira por vezes difícil de definir, cujos métodos de atuação, naturalmente diferentes, se confundem.
    Este método do colete de areia, faz tábua rasa do problema, como a psicologia utilizada para tratar uma criança mal educada, também faz.

    Krowler

  4. Maria e Krowler: no tempo de nossos avós, diziam que “depressão de pobre, é preguiça”

    Giorgio Tsoukalos ( do “Alienigenas do Passado”, canal History ) diria que as crianças hiperativas são descendentes dos alienigenas.

    Brincadeiras a parte, esse tal colete, é similar ao uso do bico ( ou chupeta ) pelas crianças. É um paliativo muito mais para os pais, mas o custo beneficio nem sempre compensa, pois terão gastos futuros com aparelhos dentários e psicólogos.

    No entanto, confesso a todos, está cada vez mais difícil entender e saber como educar , as gerações posteriores a nossa.

    Abraços

    1. Não! Fui ver na pasta do Spam e dos Pendentes (à espera de aprovação) mas não está.

      Lembro: os comentários são automaticamente bloqueados (“Pendentes”) caso apresentem dois ou mais links. Spam é… spam (e, infelizmente, vejo que algo passa na mesma). Mas o comentário de P.Lopes não apareceu mesmo, lamento.

      Fui!

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: