A Venezuela no quintal

Será que o regime da Venezuela entrou na sua recta final? Não sabemos ainda. Tudo é muito convulso, mas temos que admitir: o País está acostumado a sobreviver em condições de emergência, pelo que não seria uma surpresa se Nicolas Maduro continuasse no poder.

Se o Leitor deseja ler um apelo à resistência do povo venezuelano ou uma firme condenação dos ataques norte-americanos contra o governo de Caracas, então ficará desiludido; mas pode facilmente consolar-se com uma rápida pesquisa no Google, pois artigos neste sentido não faltam. Por aqui podemos, no máximo, constatar como o reconhecimento do auto-proclamado novo Presidente, Juan Guaidó, por parte dos Estados Unidos de facto seja uma gratuita e pesada ingerência nos assuntos internos da Venezuela. Mas temos também que acrescentar que isso faz todo o sentido na óptica da “eterna” luta entre Washington e Caracas e do controle que os Estados Unidos querem exercer naquele que consideram como o “quintal” deles (o continente sul-americano).

Muito mais interessantes são as reacções de Moscovo e Pequim. Interessantes e bastante ignoradas: a maior parte das páginas online que estão a arrancar-se os cabelos por causa do golpe contra Maduro nem param para reflectir acerca do que está a acontecer. E é uma pena, porque um mínimo de atenção seria suficiente para entender que estamos perante dumas defesas de circunstância ou pouco mais.

Diário Público, hoje:

A Rússia e a Turquia manifestaram esta quinta-feira o seu apoio ao Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, contra o reconhecimento de Juan Guaidó como Presidente interino pelos Estados Unidos e outros países.

Em declarações à agência Interfax, o presidente da câmara baixa do Parlamento russo, Viacheslav Volodin, disse que Moscovo pode vir a pôr fim à sua cooperação com Caracas se Maduro for deposto.

Uhi, simplesmente aterrador: será que em Washington conseguirão dormir após uma ameaça destas? Mas a dúvida é: trata-se duma ameaça ou duma promessa para deliciar as petrolíferas norte-americanas?

Ainda melhor a tomada de posição da Turquia:

No mesmo sentido, o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, telefonou a Nicolás Maduro e manifestou-lhe o seu apoio.

“O nosso Presidente ligou ao Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e disse-lhe: ‘Maduro, meu irmão! Mantém-te firme, nós apoiamos-te!'”, disse o porta-voz de Erdogan, Ibrahim Kalin, no Twitter.

Comovente. Em Washington tremem os pulsos.

Página online de Terra:

A Rússia alertou os Estados Unidos nesta quinta-feira (24) a não intervir militarmente na Venezuela, dizendo que uma medida desse tipo desencadearia um cenário catastrófico, segundo a agência de notícias “Interfax”.

O ponto é que aos EUA nem passa pela cabeça de enviar tropas para a Venezuela: seria um erro crasso, por múltiplas razões. E os russos bem sabem disso. Pelo que: ameaças vazias.

Conclusão da China. La Repubblica:

Pequim convidou os EUA a não interferir na actual situação da Venezuela, opondo-se a qualquer intervenção externa no País sul-americano. “Todas as partes envolvidas devem permanecer racionais e equilibradas”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Hua Chunying, segundo o qual a prioridade deve ser a procura de “uma solução política para a questão venezuelana com um diálogo pacífico no marco da Constituição da Venezuela “.

Resumindo: um firme apoio ao regime de Maduro, mas um apoio feito só de palavras e que, pelo menos no caso da possível interrupção da cooperação entre Moscovo e Caracas, pode ser lido de várias formas. Não há aqui navios da Frota Vermelha que se aproximam às costas sul-americanas, não há baterias de S-300 camufladas na vegetação. Há palavras que em nada mudam os equilíbrios internos, presentes e futuros, de Venezuela.

O quintal

É impossível não observar a diferença de atitude de Moscovo entre um Assad ameaçado por Washington, Tel Aviv e Isis dum lado e um Maduro que tenta sobreviver na América do Sul do outro. Podemos afirmar que estas são duas situações profundamente diferentes, e são de facto: a Síria fica no “quintal” da Rússia, deixar instalar um regime pró-ocidental a poucos quilómetros das suas fronteiras teria sido uma ameaça demasiado grave aos olhos de Moscovo. Lógico o uso de meios e homens para travar a avançada muçulmana “radical” e aquela sionista-ocidental, não apenas defendendo mas até libertando e restabelecendo os confins e a plena soberania síria.

E a Venezuela? O problema está tudo no tal “quintal”: a América do Sul é o “quintal” de Washington, onde Moscovo não intervém de forma directa. A única vez que isso aconteceu foi durante a Crise dos mísseis de Cuba, em 1962. O susto foi tão grande que serviu como lição para todos: nunca mais a Rússia tentou uma intervenção directa no continente americano. E também os EUA utilizam os pés de lã em territórios demasiado perto das fronteiras russas: alguém ouviu falar de projectos para instalar mísseis balísticos no Afeganistão?

Há regras não escritas que determinam a extensão das respectivas zonas de influências. É por esta razão que o destino da Venezuela está já estabelecido: pode demorar alguns anos, com sorte algumas décadas, mas Caracas voltará para as fileiras dos “meninos bem comportados” aos olhos de Washington. Até lá, terá que sobreviver com uma vida perigosa, entre constantes ameaças. Cuba resistiu mais de 50 anos? Sim, mas isso teve um custo muito elevado; e, em qualquer caso, no final foi obrigada a capitular.

Pergunta: mas realmente acham que uma Rússia ou uma China estariam dispostas a arriscar uma Terceira Guerra Mundial para defender um modelo que elas mesmas já abandonaram nos factos?

As esperanças da América do Sul

Significa isso que não há esperança para a América do Sul? Terá que ficar sempre e só como “quintal” de Washington? Absolutamente não. Significa outra coisa: se o desejo da América do Sul não for continuar a ser um pião nas mãos de dois blocos (ou três ao contar a China), então tem que encontrar o seu próprio caminho. E este não pode ser feito de velhas ideologias importadas, mas deve ser um movimento autenticamente sul-americano, capaz de estabelecer uma identidade comum e abranger não apenas um território limitado (como o enclave socialista da Venezuela) mas boa parte do Continente.

Inútil iludir-se: não vai ser nada simples, não vai ser nada rápido: Washington sempre tentará sufocar qualquer movimento realmente independentista. Mas os Estados Unidos estão numa fase de franca decadência, o que abre novas perspectivas para o futuro.

Paradoxalmente o problema maior reside na América do Sul: qual movimento verdadeiramente autóctone é possível encontrar? O anacrónico socialismo de Maduro? O patético esquerdismo de Lula? Isso para não falar dum caso-limite como a Colômbia, nos factos uma extensão do território geridos por Washington. Sobram um Brasil e uma Argentina que acabam de voltar para o coro dos tais “meninos bem comportados”. Mais interessante parece ser a experiência de Evo Morales, apesar de ainda ser demasiado avermelhado: todavia o seu esforço na recuperação e na defesa dos princípios indígenas pode constituir uma base fundamental para o futuro.

No caso do Brasil, o maior País da América Latina e origem de muitos Leitores, continuo a ficar pasmado com a energia utilizada para individuar os culpados (Estados Unidos, israel, até a época colonial de Portugal, faltam só os antigos Egípcios) e os bem poucos esforços para desmarcar-se dum passado que é apenas isso (passado, que já foi) e para procurar uma nova linguagem, realmente sul-americana, que consiga ir além das velhas ideologias e propor algo autêntico. Mais uma vez: não que seja simples, mas é a única saída possível.

Observando a situação a partir do Velho Continente, parece não haver muito mais na América do Sul além dum “Capitalismo” teleguiado por Washington e um estéril anti-imperialismo de marca vetero-socialista. Tudo demasiado “velho” para poder constituir a base duma Nova América do Sul. Mas esta é a limitada visão dum europeu, para a qual apresento desde já as desculpas: talvez a realidade seja bem diferente. Neste caso, apelo aos Leitores para que aportem novos e mais confiáveis elementos, correcto?

 

Ipse dixit.

Fontes: No texto.

25 Replies to “A Venezuela no quintal”

  1. O problema é que o povo brasileiro se acha superior ao resto dos países latinos, acho muito difícil construir uma ideia de união com os países vizinhos, infelizmente, vide, por exemplo a atitude do nosso novo ministro da economia que está nem aí para o comércio com o mercosul.

    (Max, os e-mails não sao privados, ao procurar pelo meu e-mail no Google apareceu uma postagem minha no site)

    1. Você tem razão, em parte, Luizheg. O governo Lula foi o único que tratou de igual para igual os paises sul-americanos. Também não baixou a cabeça para os norte-americanos. Daí saiu boa parte do ódio que alguns setores da população tem por ele.

      1. kkkk! me poupe! vivemos em um mundo globalizado!!! lula não baixou no nariz!!! vocês estão assistindo muito netflix!! A vida é real, a pessoas precisam de trabalho, comida e saúde, crianças de educação… E como se faz isso?? com dinheiro!!!! E não com ideologia e discurso semelhante bobo, lunático!!

        A vida é agora, Brasil, país rico, que fica viajando na maionese com estas teorias, perdendo tempo e potencial!!! Culpa de quem? Culpa da mídia que seria um 4 poder útil mas não só coloca pauta que nada ajuda nossa nação!!!

        A mesma mídia, que reclama do alinhamento do Brasil com uma ordem mais liberal, mas nas férias vai ao exterior nos países ditos liberais ou ate mesmo produzir material para vender no Brasil.

        Me poupe disso de que lula não abaixou o nariz para os EUA…….

  2. Em relação à Siria o estilo é diferente, talvez seja mais parecido com a ofensiva à Ucrânia de Yanukovich. Criar uma forte divisão interna com uma liderança alternativa, e mante-la activa até o poder mudar de mãos.
    Penso que o Maduro, desta vez não se safa pelas razões já mencionadas. A eleição do Bolsonaro provavelmente definiu o timing desta operação.

    Krowler

  3. Max e amigos, temos falado aqui, a sociedade brasileira é dominada por uma elite com mentalidade escravocrata.
    Temos uma herança histórica de escravidão , sim.

    Acham que o tal “grito do Ipiranga” ( marco histórico da independência ), dado em 1822, se é que isso existiu, fez com que o Brasil imediatamente ficasse livre de Portugal. ? Quantas décadas se passaram até realmente termos um nivel básico de autonomia ?

    Acham que a tal “lei Aurea”, assinada em 1888 , fez com que libertassem os escravos no dia seguinte ? Quantas decadas se passaram até que efetivamente não houvesse nenhum negro cativo ?

    Esta mentalidade de dominação e opressão está enraizada até hoje na nossa sociedade. As elites constituidas, manipulam a midia , o judiciário e as mentes da maioria do ignorante povo brasileiro.

    Diria o nosso estimado blogueiro, Max: “Pare de reclamar, Sergio. Qual a solução ?”

    Não sei.

    Agora , acabando de chegar em casa, abro a Folha on line e vejo a entrevista do Deputado Jean Wyllys, que não retornará ao país com medo de ser morto.

    Faço um apelo aos amigos de outras nações, leiam na integra, tomem conhecimento do que está acontecendo por aqui, e por favor, divulguem para que o mundo também saiba.

    https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/01/com-medo-de-ameacas-jean-wyllys-do-psol-desiste-de-mandato-e-deixa-o-brasil.shtml

    Voltando a pergunta: Qual a solução ? Meu sentimento no momento me leva a uma unica resposta: Só pela luta armada.

  4. Não sei!
    Max como/porque apareceu o Chavez?
    Razões:
    Porque as maiores reservas do produto maldito (as maiores do mundo) estavam em mãos de multinacionais. Eles tinham 5% ou no máximo 10% se tanto governo/povo Venezuelano.
    Para que serve ser rico em algo se o que está no nosso território, pátria, país é para outros expolorarem?
    Quem já desde 2002 tentou através de golpe de estado (bem documentado) tentou acabar com o regime eleito pelo povo? E a seguir as eleições mais vigiadas de sempre, consideradas do mais legal possível?
    Quem tem embargo externo e interno(pago por externos)?

    As grandes corporações querem lá saber de Venezuelanos ou Brasileiros ou outros, querem é explorar os recursos com o mínimo de despesa e regras possíveis(sejam quais forem)
    Enquanto eles não meterem isso na cabeça(muito difícil, vão sofrer na pele e aí acordar) são simples satélites de Washington e do deep state, petrolíferas, industria bélica e pior a nível económico puros capachos.
    Quem vai pagar será o trapalhão do Maduro ou o povo?
    Imaginemos que voltam a haver eleições(as mais vigiadas de sempre(como se nada disso já não tivesse acontecido não uma mas várias vezes) onu e várias instâncias e até representantes de vários governos.
    Só pode ganhar a oposição(triunfo da democracia) claro.
    E se ganha o Maduro?
    Eleições viciadas, é uma ditadura etc…para que serve esse show se só um pode ganhar, o indicada por externos(parece uma tragicomédia)

    Ok para veres de outra perspectiva mais uma vez Pablo Escobar e Celso de Melo (Wikipedia):

    https://m.youtube.com/watch?v=oYkTZevqKqY

    Ps: essa cruzada anti Lula já chateia bolas porque a onu parabenizou e adoptou muitos dos seus programas? Bem o blog é teu mas o homem está preso e por? Ter tirado milhões da pobreza dar um rumo, aumentar o pib exportações etc… E olha fico por aqui a Maria e o Sérgio que expliquem, uma coisa é estar no terreno na altura e na outra, a distância não dá até porque esses veículos de propaganda não ajudam. Não se consegue ter uma vaga ideia sem ser no terreno.(da minha parte dico por aqui em relação a isso, aliás :-#)

    -》Lula a ser recebido davos 2007( a partir do min 6+/c com elogios e falar o tempo todo) e B.
    Comparar e tirar conclusões:

    https://m.youtube.com/watch?v=xcssCKV26J4

    Abraços

    nuno

    1. Olá Anónimo!

      Obrigado pelo link que confirma: Lula que recebe o prémio do World Economic Forum de Davos, o clube dos capitalistas neoliberais do planeta. Há que encher o peito, sem dúvida.

      Todavia a minha afirmação era referida a outro aspecto, nomeadamente àquele político: Lula & Dilma pertencem à mesma família ideológica dum Maduro, dum Chàves, a família esquerdista. É o re-propor da velha receita que já pertence ao passado. E, como salientado no artigo, não pode ser este o caminho, pena ficar sempre às margens do futuro, ser condenados a ficar como quintal de Washington. Que fique claro: nem o neoliberalismo de Bolsonaro é a resposta, não sendo mais de que a outra face da mesma velha receita.

      Continuo a pensar que a América Latina tem as melhores condições da actualidade para encontrar um novo caminho, mais do que uma Rússia, duma China (que já escolheram o percurso delas mas que de “novo” tem bem pouco) ou duma África (que tem que pagar o forte atraso). Agora, como é claro, é uma questão de livrar-se dos velhos esquemas mentais e pensar “out of the box”, como dizem os ingleses, “fora da caixa”. Não simples, de todo, mas a continuar com a cena “eu esquerda, tu direita” a certeza é continuar a ser o tal quintal no futuro também.

      1. concordo!! Acho que o neoliberalismo antiquado do bolsonaro é o caminho para este think out of box!!! O Brasil precisa evoluir com nação!! Nossa sociedade!! Me parece que o Brasil é aquela pessoa que tem potencial porém faz muita cagada na vida, sabe!!!! Espero o Brasil perceba o quantos antes como deve ser vivida a vida, antes que seja tarde demais……

        E pensar fora da caixa, fazer um nação forte assim como fazem os tigres asiáticos, Índia e outros, mas isto requer maturidade! Acho que, acho, que o neoliberarismo de bolsonaro, a depender dos ratos que os cercam nao forem famintos, podem levar o brasil da idade pré escolar para pré adolescência.

        Tomara que isto ocorrra!!

        Bolsonaro está tendo a mesma oportunidade que lula em 2002. Lula preferiu roubar, ou gastar o capital politico com copa do mundo e olimpiadas…

        Vamos ver o Bolsonaro

        1. Certo Rafa, mas se escolheram o vosso país para isso foi porque algo mudou (goste-se ou não), e tinham confiança em vocês.
          Coisa que antes nem em sonhos.

          O Bolsonaro? Está rodeado de figuras sinistras, não sei se leu mas o Max criticou um sistema e outro, como é que neo liberalismo antiquado é think outside the box?

          O problema é que nenhum repito nenhum dos tigres asiáticos usa a forma neoliberal usa uma mistura de estado com privado seja Coreia do Sul, Índia?(não é tigre tem é tigres) Vietnam, Malásia , Cingapura, Tailândia etc….aliás o estado ajudou no inicio e ainda, mas mesmo o Japão e horror dos horrores a tal de China que produz só 95% dos mais variados produtos mas isso olhe pergunte ao Max.

      2. Max fui eu nuno. Onde quero chegar é que a algo fizeram que melhorou a vida em geral estou a falar do que está preso e não da Dilma(não misturar) que por muitos erros que de facto cometeu nunca os colocou tão em baixo em relações internacionais, expetativas, futuro ou projeto de futuro o min. da fazenda/finanças é um chicago boy com provas dadas no Chile (o contrário de Keynes, em outro tópico)
        Só estou a constatar um fato nada mais a forma de aplicar na altura foi a possível, fazendo de forma a que não houvesse prejudicados?
        Se sou aldrabões é ver dados da cia, fmi etc tudo ultra liberal a opinião é mais do mesmo.
        Temer e agora B. que não vejo nenhum projeto de governo por enquanto. Só o contrário ou seja destruir ou a gente dá um jeito, até agora nada de nada.
        Mas pensas que interessa seja a quem for incluindo a plateia de davos ter um país (ou mercado) estável e em que se pode confiar, ou o faroeste?
        Porque ninguém para lá quer ir e estão a sair chineses, Árabes (balança positiva de trocas) e mesmo europeus (Alemanha e outros) e até norte-americanos? Não tem clima de confiança seja direita/esquerda ou o que for(irrelevante)
        Ainda à dias falei nisso com pessoas ligadas à indústria/economia, pude sair brevemente deste buraco(bem liberais, mas pragmáticos) e não metiam lá um tostão porque ninguém cumpre regras e preferem a China, Rússia, EUA e outros.
        E más experiências recentes.

        nuno

  5. Olá Max: agradeço aos comentaristas, que já me pouparam convites a reflexão. Nem esquerda nem direita, Max. Lula foi o único sujeito capaz de ser capitalista e socialista ao mesmo tempo. O único capaz de promover o desenvolvimento capitalista do país (daí o prêmio em Davos) e ao mesmo tempo tirar milhões da miséria. Talvez a tua dificuldade esteja no que um sul americano está falando, quando fala miséria. Penso com toda sinceridade que é diferente do que possa pensar um europeu vivido no espaço do Estado de bem estar social, e consequente cultura aí embutida. Concordo plenamente que com Celso Amorim nas relações internacionais, foi o único que promoveu a integração da América Latina e Caribe, sufocando a Alca, o que implica ter rompido o cordão umbilical da subserviência econômica ao império. Nas suas gestões desenvolveu-se o Mercosul e a Unasul. Ao mesmo tempo abriu embaixadas em países africanos (já fechadas por Temer), fez acordos comerciais com a África, e muito mais com igual respeito pela soberania dos povos ( como salientou um comentarista). Fez com que o Ibis viesse a dar origem aos Brics (que hora são Rics), juntou-se a uma intensão de mundo multipolar. Se isso não é ser um grande estadista, não sei o que é ser. Eu vejo o novo possível, dentro das condições de possibilidade sul americana por parte de Lula e Dilma, da mesma forma que vejo o mesmo em Rafael Correa, Chávez, Maduro, Evo Morales, Mujica e Cristina. Se um dia fores conhecer os povos andinos, como os bolivianos, 90% indígenas “de raiz” verás como é fácil fechar um Mc Donald em La Paz porque os índios de lá preferem as suas empanadas tradicionais Mas os brasileiros dão a vida para visitar o Pato Donald, e provar que foram, pendurando aquela bandeirinha dos EUA, que recebem de presente, em seus carros.Os peruanos ainda utilizam a ´´agua que desafia a gravidade, pura engenharia hidráulica dos incas ancestrais. Não dá para comparar a mobilização política dos argentinos, que só na Corrientes, em Buenos Aires, mantém funcionando 600 livrarias e casas de cultura com as cidades brasileiras sem uma livraria sequer, só papelarias.
    Nós somos muito diferentes, formações políticas diferentes, níveis de rebeldia diferentes, força identitária de nação diferente. No Brasil, as tribos indígenas são capazes de enfrentar grileiros armados até os dentes com arco e flecha, negros e quilombolas foram os protagonistas das maiores rebeldias como Canudos. Mas brancos, com exceção dos anarquistas, nada mais fazem que falar, e de preferência juntar-se aos vencedores. Vizinho Sergio, infelizmente, entre nós não há condições para a guerra civil. Infelizmente somos muito poucos capazes de passar da palavra à ação, e sempre fomos poucos. O Max requer uma mentalidade sul americana e caribenha. Mal começávamos a ensaiar esse canto e nossas gargantas foram cortadas. Te convido Max: vem conhecer a América Latina de dentro para fora: importante para ti e importante para nós. A tua inteligência merece este presente.

    1. Obrigado Maria vou aí e peço desculpa pelos erros é muita coisa, muita gente confundi com outra figura é muito nome e convém saber antes (ainda é muito) sei bem quem é o Celso Amorim.. Estranho é alguém com o seu historial só em tv alternativa de internet. Ou talvez não…

      Abraço

  6. «…a Síria fica no “quintal” da Rússia, deixar instalar um regime pró-ocidental a poucos quilómetros das suas fronteiras teria sido uma ameaça demasiado grave aos olhos de Moscovo…»

    A sua interpretação não corresponde à verdade; a Federação da Rússia (FR) actuou e actua na República Árabe da Síria (RAS) a pedido do próprio país de acordo com as normas do Direito Internacional (DI); qualquer país que se sinta ameaçado pode apelar pela ajuda de outros países para resolver a respectiva ameaça.

    «…No caso do Brasil, o maior País da América Latina e origem de muitos Leitores, continuo a ficar pasmado com a energia utilizada para individuar os culpados (Estados Unidos, israel, até a época colonial de Portugal, faltam só os antigos Egípcios)…»

    Neste caso realço que os únicos e verdadeiros Brasileiros são os Índios do Brasil, o restante da população desse país foi gerada pelos Portugueses e pelos restantes países Europeus após independência do Brasil, que passou a ser colonizado pelo ingleses e demais países da Europa.

    Aproveito também para informar que a partir de hoje qualquer cidadão pode nomear-se a si próprio Presidente da República Portuguesa (RP); se o sr. Guaidó nomeou-se a si próprio presidente da Venezuela, os outros também podem.

  7. OI Nuno: aquele vídeo que recomendastes hoje O Pepe Escobar entrevista o Celso Amorim, não o juíz do supremo Celso de Melo. também acho uma interessante entrevista

    Oi Sergio: Sei que a proposta do Rui Costa Pimenta é das mais honestas e lógicas deste nosso país. Já levei fé na luta armada, mas isso faz tempo, não levo mais.Nem naquele momento histórico, tão diferente deste que vivemos funcionou. Me daria por muito feliz participar de coisa tipo jalecos amarelos por aqui. Mas lá como aqui teríamos de enfrentar os progressos das estratégias policiais israelenses na contra revolta em área urbana.Nesse aspecto, concordo com o Pepe Escobar.
    Quanto ao Jean, ou sair ou virar presunto nas mãos da milícia Escritório do Crime, que provavelmente apagou a vereadora do Rio, Mariele, cujo apoio sabemos tem sido garantido pela atual governança do país.

    1. Certo Maria, confesso que meu comentário foi motivado pela emoção do momento, pois fiquei indignado ao ler a entrevista com o Dep. Jean ( unica coisa boa que saiu do Big Brother Brasil, em todo as edições desse programa ). Todos os brasileiros sabem que ele é homossexual , mas teve a coragem de cuspir na cara do Bozo e como diria Zelia Duncan: foi “mais macho do que muito homem”.

      Quanto aos comentários sobre o Lula, esta frase dele, resume o que vc falou: “No meu governo, o pobre e o rico ganharam dinheiro”.

      Porque então não deixaram PT no poder ?

      Porque muita gente não quer ver pobre viajando de avião, nem frequentando shopping center, nem dirigindo seu carrinho popular nas ruas, nem quer ver seu filho disputando vaga nas universidades publicas gratuitas com o filho da sua empregada, muito menos querem ver negros na universidade, nem quer ver sua vida colocada nas mãos de um médico negro ( como insinuou o presidente fake ).

      Max, tenho grande admiração por ti, mas como já te falamos, só conhecendo profundamente nossa realidade, conseguirás entender este país. Caetano Veloso usou essa expressão para definir a cidade de São Paulo, mas serve também para o Brasil : “És o avesso do avesso, do avesso do avesso”

      Falando com os pés no chão e dentro da realidade, as forças progressivas e democráticas devem se unir em torno de um nome, talvez o Ciro Gomes ( não é o politico dos meus sonhos, mas é o que temos para o momento ) e comandar a
      oposição para tentar salvar o que resta da riqueza do país. Nossa função e continuar denunciando e mostrando as barbaridades desse clã que quer comandar o país com se fosse uma republiqueta de bananas . A ordem agora é desconstruir este pseudo mito. Não desistam.

      Abraços

      1. o PT não mudou em nada a estrutura socioecônomica brasileira! isto que está falando e narrativa que vocês precisam falar para nao acabar a história de vocês!!

        Não vejo este alvoroço em relação ao atentado contra fernando hollyday em SP, vereador, negro, gay, vitima de tentativa de assasssinato!! Porque será ne??? rsrsrs

        O bom da esquerda do Brasil, ou triste, é que eles não querem o bem da nação, querem a soberania das ideias deles, vulgo, Maduro, além do mais, é só dar cordar para eles que eles se enforcam sozinhos….

        Quem sabe um dia nossa esquerda se nivela a um partido democrata americano, ou trabalhista britânico!!

        1. O do MBL Koch bros? É mau ou muito mau(não sabia), seja quem for…ou isso vira o velho oeste.

          Não mas agora é que está bom, ainda vão fazer uma graninha a privatizar o que sobra(do pré sal, Petrobras, electrobras, embreaer já foi e depois, aquíferos, etc…) depois a gente da um jeito(b)
          Isso de esquerda/ direita é algo irrelevante desde que exista rumo, objectivos.
          Mas olha eu já morei e aí estive por vários anos (felizmente estou bem vacinado, infelizmente e via familiares conheci a elite daí e a ideia é que é meio autofagica, nem todos mas a maioria).
          Vou aí para enquanto as coisas que tenho e enquanto tiverem valor vender e sayonara, e só visitar familiares mais tarde depende do nível de confusão (ou veem cá). Meus avós são daí.

          Essa de esquerda/direita
          Arre até tenho saudades do Itamar, Sarney e F Henrique sim tenho, não é a ala politica é confiança que não estão a criar e que antes com esses todos existia ou funcionava.
          Mas se querem um regime dominado por evangélicos, com o chanceler(negócios estrangeiros) que parece saído do hospício e o pior o Guedes e planos numa nação onde grande parte passa fome e não tem condições(e agora pioram de ano para ano)mínimas. O problema é que cada um só vê os seus interesses o seu umbigo os outros que se danem. Mas 4 armas por pessoa (para quem pode pagar) é um começo, já são o país com mais assassinatos por armas de fogo logo asseguram o lugar.
          E eliminar-se tudo que tenha o atrevimento de não estar nos santificados designios dos falsos moralistas ok…bom proveito e continuem a enganar-se eternamente a salvação estará proxima.
          Até os militares perderem a paciência ou ir para lá o vice.

          O que se passa com Flávio b. e o outro fulano que dança no hospital depois de operado e as ligações milícias e paramilitares?
          E o dinheirão que veio do céu*aleluia* então e o moro não diz nada?
          Mas também dizia que não ia para a política ou tinha objectivos nessa área, é por essas e outras que ninguém vos leva a sério. E infelizmente paga o justo pelo pecador.

          Através da uma falsa encenação já usada e testada(Itália p/ex): corrupção na vez de perseguir só os supostos réus destruíram e desmantelar quase tudo em várias areas alem de criaram mais desemprego/infra etc…. Na Alemanha, Espanha ou aqui é a pessoa não a empresa como um todo. Imagina a VW na Alemanha
          Cada um tem o que colhe

          Os democratas americanos e republicanos só variam ligeiramente (na América as instituições ainda funcionam) trabalhistas como o enganador Blair ou o atual Corbyn?

          Ah o Maduro como é? Eleições(proposta pela UE) ou é o “escolhido” pelo Trumpa (ingerência estrangeira como nunca vista) cof cof corporações petrolíferas? E se ele ganha como é continua com bloqueio económico ou os US vão bloquear a UE e outros.
          Uma coisa é certa não pode ficar como está

          abraço e não leva a mal a ironia

          N

  8. Infleizmente Max vc (1) é um desconhecedor da realidade e da história sul-americana (e brasileira) e (2) a sua visão ‘européia’ (italo-lusitana) te dá um viés muito distorcido da realidade que você supostamente acredita como real.

    1. Olá Sylvio!

      Estava a escrever um artigo bastante cumprido acerca do Brasil, da América Latina, do futuro. Depois li este comentário e pensei: “Não vale a pena”. Apaguei tudo e fiz coisa boa e justa. Porque não é correcto que eu esteja a atirar para o lixo o meu tempo quando do outro lado há pessoas que não me conhecem mas pretendem conhecer-me, saber o que eu sei e, nos factos, julgar o que posso ou não posso dizer.

      Triste também esconder-se atrás dum “não é daqui, não pode saber” quando as ideias defendidas forem diferentes. Mais lógico seria argumentar, apresentando factos e ideias.

      Uma pergunta: como é que tal observação (“Não é daqui”) não aparece em artigos dedicados à China, ao mundo árabe, aos Estados Unidos, à Rússia? Eu não sou chinês, não falo chinês, nunca estive na China. Nem nos Estados Unidos, nem na Rússia. Mais aí não apenas ninguém dizem “1) vc é um desconhecedor da realidade e da história chinesa, russa e árabe e (2) a sua visão ‘européia’ (italo-lusitana) te dá um viés muito distorcido da realidade que você supostamente acredita como real” mas até os Leitores participam activamente nas discussões, opinando.

      Vocês fiquem com o vosso Lula, eu vou aproveitar o serão do Domingo em vez que perder tempo aqui.

      1. Olá Max,
        Vale, claro que vale a pena.
        Porque vimos muitos aqui? Não será pela qualidade muito acima da media, misturada até com bom humor e até aprender e honestidade intelectual /cultural do bloger e muito mais?
        Olha esquece o PT e Lulas.(não gostas paciência e já explicaste bem o porquê).

        Sabes quantas vezes me atiraram isso à cara pessoalmente ou via estes meios(net), tantas que já perdi conta.
        Mandaram me dar uma volta ou ir para Portugal, fulano de fora não dá opinião etc.. (já estou tao habituado que já nem ligo e desisti porque o diálogo é difícil para não dizer impossível, mas isso é com eles) Aliás lá até lá me chatearem e tive que mostrar o Bi de identidade e pagamento de impostos, sim de lá.

        Mas entendo o Sylvio nada é bem o que parece a midia é a que vem de antes de 1985, mas é assim em toda a América Latina e pior não tem contraditório como aqui. E nisso os governos lá sempre falharam. Quem faz pactos com oportunistas (até o Bolso está a ser usado) queima-se sempre e facadas na costas.

        Explico: era para mudar em 2015 mas não deu, certos processos legais só ficaram prontos o ano passado lá (burocracia/atrasos) ou seja finalmente ia para lá este ano, mas com um ambiente desses não dá.

        Porque estão tantos a vir para cá e para outros lugares decerto não é por vontade
        é por necessidade.

        Já estou habituado faz tempo a segurança daqui (algo que aqui parecem não dar valor), ainda a pouco a minha cunhada teve 2 armas apontadas á cabeça e o meu sobrinho agredido num assalto.

        Agora com quase 50 anos não vou para um lugar em que alem da insegurança, tem um ambiente pesado.
        Vou lá tratar de vida e continuar por aqui (em Lisboa ou zona de Aveiro).
        Olha dava até para ficar lá, juros altos, e trabalho assegurado, mas “preso” num condomínio não obrigado, além disso a vida em grandes metrópoles lá é muito desgastante nada a ver com Lisboa, Madrid ou p/ex Roma.
        Mas vou ver
        E sim adoro aquele país(o positivo e é muito) é pena, mas com esse clima não dá mesmo.

        Abraço

        nuno

        1. Olá Max.

          É impossível para vc e qualquer outra pessoa estrangeira saber das particularidades de uma nação com população e territórios imensos e com tanta diversidade cultural e étnica. Mesmo assim, vc tem um conhecimento da complexa realidade brasileira, bem maior que a maioria dos brasileiros. Nossa intenção é mostrar o que vc não tem como captar por aÍ, pois não vive o nosso dia a dia.
          O comentário do Syvio foi muito infeliz e exagerado na intensidade.

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: