Gramsci, o servo e o patrão

O tempo de leitura estimado deste artigo é de 5 minutos

a mass of breathing souls
for times are desolate

 

Antonio Gramsci era comunista e como punição morreu ainda jovem. Todavia teve tempo para atirar para o ar um par de ideias, algumas das quais nada têm a ver com o Comunismo. Por exemplo, explicava Gramsci que uma teoria pode ser considerada revolucionária quando separa completamente o campo do servo daquele do patrão; quando cria uma área “inacessível” para os adversários e uma categorização do real que não pode ser absorvida pela ideologia dominante.

A teoria revolucionária (fala-se aqui de qualquer revolução, não das revoluções comunistas ou socialistas) deve pôr-se também como uma “luta de cultural”: ou seja, uma luta entre diferentes visões de mundo, em nítido contraste entre elas. Na ausência de uma teoria revolucionária, não pode haver um movimento revolucionário. Parece lógico, não é?

Mas é este o ponto que parece escapar aos que de vez em quando aparecem por aqui para perguntar em tom de desafio “Então o que você propõe?”. A verdade é que actualmente não há nenhuma teoria revolucionária que possa funcionar como referência. E, como tal, não há nenhum movimento revolucionário com ideias novas.

O sábio Leitor pensará: “Pára, Max, pára! Ideias novas há, muitas, mas o sistema é malandro e as oculta. Ou oculta-as. Ou as-oculta-as.”

Em verdade, em verdade vós digo: o que é uma ideia? A paz no mundo é uma ideia? Claro que é. Mas qual a utilidade dela do ponto de vista prático? Zero. Isso porque, continuava o defunto Gramsci antes de morrer, uma teoria revolucionária (o conjunto de ideias “novas”) tem que:

  1. realçar as contradições existentes no modelo em vigor
  2. delinear uma perspectiva em nome da qual agir no presente em prol do sucesso futuro
  3. actuar na hegemonia cultural e política para mobilizar as massas, levando-as a participar activamente no projecto para combater o presente.

Vamos a fazer um rápido controle:

  1. a ideia da paz no mundo realça as contradições existentes no modelo em vigor? Sim, realça: não há paz no mundo.
  2. a ideia da paz no mundo delineia uma perspectiva em nome da qual agir no presente em prol do sucesso futuro? Nem por isso: todos estamos de acordo acerca da paz no mundo, mas como alcança-la? A ideia de paz do mundo dum radical islâmico pode ser muito diferente da minha.
  3. a ideia da paz no mundo actua na hegemonia cultural e política para mobilizar as massas, levando-as a participar activamente no projecto para combater o presente? Mas nem pensar: de vez em quando há uma marcha algures, mas este é tudo o que as massa consegue.

Pelo que, a ideia de paz no mundo é destinada a ficar só um pio desejo e nada mais. E o mesmo pode ser dito no caso de muitas outras boas ideias.

Continuava Gramsci antes de ir para a cova: hoje as categorias conceituais usadas pelo servo (nós) são as mesmas usadas ​​pelo patrão. Não constituem uma área “inacessível” para o patrão que, pelo contrário, as utiliza para manter a situação tal como está. Gramsci falava de “morfinismo político” criado por estas categorias conceituais: todas estas ideias são utilizadas como uma verdadeira droga (a morfina) e têm como fim atordoar e adormecer as forças da mudança. E, no final, confirmam a subordinação dos dominados, a subordinação às ideias dominantes da classe privilegiada.

A vitória do patrão, portanto, deve ser entendida nos dias de hoje tanto ao nível do conflito material (na forma de massacre contra os servos: mercado livre, globalização, competitividade, etc.), tanto a nível de antagonismo cultural e simbólico. Isso é: das ideias. A luta cultural em favor da decomposição da consciência de classe está a avançar com grande sucesso: consegue ganhar a aceitação do servo, como se a condição dele fosse natural e fisiológica, fatal e inevitável.

Atenção: com o termo de “consciência de classe” não se entende aqui aquela do clássico “proletariado”, que está ou extinguido ou fortemente reduzido. A classe aqui presente é aquela massa formada por todos os servos: restos do proletariado, classe média, burguesia, desgraçados, etc. Este conjunto tem (quando é que tem) apenas uma vaga ideia de quem são os patrões, só sabem que são ricos, que têm o poder, mas ignora o enredo maior, não entende como funciona o sistema do qual é escravo e nem sabe indicar ao certo os nomes dos indivíduos culpados da actual situação. No geral, tende a identificar como culpados “os políticos”, por vezes “os bancos”, mas isso é tudo (corolário: a classe é ignorante).

O servo tem metabolizado o olhar do seu patrão: olhar que faz com que o servo ame as suas correntes e, como na caverna de Platão, recuse a ideia de Liberdade. O patrão até criou rótulos para caluniar o servo de modo que seja desqualificada qualquer perspectiva não alinhada (“comunista”, “fascista”, “xenófobo”, “populista”, “conspiração”, etc.) e o servo é bem feliz de utilizar estes insultos para atacar outros servos. Por esta razão, o massacre de hoje é não apenas simbólico, é real.

De facto, os perdedores da globalização (todos nós) são duplamente derrotados: no nível estrutural e naquele superestrutural, pois são perdedores e esforçam-se para assim permanecer. O servo (nós) cumprimenta com entusiasmo os processos globalizadores, contrariando tudo o que pode opor-se (estado nacional, regulação da economia, etc.). Qualquer pessoa que tente mostrar as contradições do nosso sistema e propor algo diferente encontra inevitavelmente outros escravos que começam a brandir termos dos quais nem conhecem o verdadeiro significado (os já citados “comunista, fascista, xenófobo, populista, conspiração, etc”.).

E aqui é interessante realçar como os termos apenas citados sejam, na maior parte dos casos, criações dos mesmos patrões, são as “áreas inacessíveis” deles, agitadas como ameaças para manter controlado o servo e para induzi-lo a combater em defesa da actual ordem.

Nestes tempos desolados, falar duma teoria revolucionária não passa duma mera utopia. E ainda menos faz sentido citar um movimento revolucionário. Pretender que alguém tenha na gaveta um novo modelo pronto para ser extraído sob pedido é infantil e desligado da realidade. Pode haver no futuro o surgimento duma nova teoria revolucionária com relativo movimento? A História ensina que sim, que é só uma questão de tempo.

 

Ipse dixit.

6 Replies to “Gramsci, o servo e o patrão”

  1. Bom Max, muuuuuito bom! Me vem a cabeça duas ideias desenvolvidas entre nós brasileiros que me parecem terríveis. Uma é de classe social, onde se insiste em dividir os extratos pelo que ganham as pessoas, e pior, considerar o patamar de ganho pelo salário. Isto é hilário porque a maior parte da população brasileira não é assalariada. Parte dela é precarizada, desempregada ou não empregada, os pobres, e a outra parte não precisa de salário pois sua renda provém de títulos patrimoniais, status social e cultural, poder público e financeirização, cuja matéria prima são toda sorte de ilegalismos. Consequentemente, eu passo a ser classe media alta, e junto comigo milhares de pessoas que nunca, jamais assim poderiam ter sido rotuladas. Os verdadeiros “patrões” passam desapercebidos, e sobre seus ganhos, nenhum conhecimento, nenhuma curiosidade…nada. Outra ideia desgraçada e, em parte, decorrente da primeira é a fatídica mudança de classe social, que é apurada exclusivamente sobre mudança de ganhos de capital, quando imprescindivelmente essa mudança se dá conjuntamente com a variação do capital cultural, e tudo que dele advém, em função de facilidades e perspectivas. Segue assim, e sinceramente, o Gramsci poderia ter vivido um pouco mais.

  2. E segmentos dos chamados “patroes” , associados a classe remediada, conseguiram convencer grande parte dos desafortunados, que a falsa moral advinda de um fundamentalismo religioso, é mais importante do que a sua própria subsistência e a de seus semelhantes.

  3. Com o devido respeito a Gramsci, não sinto que as suas teorias sejam do melhor que já se conjeturou , mas quanto á analise final que vivemos em “tempos desolados” ? Os tempos só são desolados para quem esteja em “fase terminal” .
    Uma teoria revolucionaria nada tem de utópico em tempo algum. E não só as ideias revolucionarias não são ” marca registada” dos alegados movimentos de esquerda , (os tais que ao sequestrarem o poder tornam-se tão de direita como os que já de direita eram). Alias , aquilo que vejo surgir no Brasil é uma revolução de direita …e as revoluções de direita na américa Latina dispensam grandes apresentações.
    Até ideias ” revolucionarias” como o cristianismo o foi descambaram em guerras religiosas , cismas, Estado do Vaticano e as suas multinacionais.
    Exatamente como a história ensina, um movimento revolucionário no futuro… será outro engodo, outra forma de manipular as massas e de prometer outro … Paraíso na terra., mais do mesmo.
    Portanto, pretendo seguir os ensinamentos da historia e mal ouça falar de outro movimento revolucionário… pretendo manter-me longe… bem longe.

    1. P. Lopes?
      Concodo contigo parece um processo repetivo, mas é o que é, e isto apanha quem está dentro e fora.(também lá chega)
      A coisa é um pouco mais complicada (não ligar à fonte) mas ao entrevistado que decerto estará mais dentro(do porquê) dos posts acima: Boaventura de Sousa Santos (por motivos óbvios que verás) :

      https://youtu.be/ZnJTt5GFop0

Obrigado por participar na discussão!

%d bloggers like this: