Donbass: ofensiva iminente?

O tempo de leitura estimado deste artigo é de 5 minutos

A Marinha Militar ucraniana anunciou o encerramento das zonas marítimas no Mar de Azov, zonas leste e oeste de Mariupol, tendo em vista operações militares com “lançamento de mísseis anti-aéreos e de artilharia”. A frente do Donetsk voltou a estar quente: o violento bombardeio na área separatista de Gorlovska na segunda metade de Maio, agora este anúncio.

Por um lado, estas operações podem ser uma forma para testar o dispositivo da marinha russa, que após a abertura da ponte de Kerch (que liga a Crimeia à terra natal) teve que ser reforçado por causa das ameaças de sabotagem (alguém pode lembrar-se que em meados de Maio um jornalista americano, Tom Rogan do Washington Examiner, sugeriu ao governo de Kiev que explodisse a ponte).

Mas a outra possibilidade é que, como parte da ofensiva esperada contra o Donbass, as zonas de exclusão marítima permitiriam preparar as forças de desembarque em vista do ataque.

As unidades ucranianas na frente, em maioria fanáticos neonazistas, estão a trocar mensagens animadas no Facebook nas quais falam de uma ofensiva iminente. A 93ª Brigada mecanizada, na sua página oficial no Facebook, postou um vídeo de propaganda com o título: “Prontos para a ofensiva! Em nome da Ucrânia, em frente para a vitória!”. A moral é alta já que em meados de Maio os fanáticos de Kiev receberam dos EUA pelo menos 210 mísseis antitanque Javelin, com os quais contam para derrotar os antigos tanques dos rebeldes soviéticos.

Afinal, é desde Dezembro que os instrutores da Nato estão na frente do Donbass para treinar as forças de Kiev. Um prisioneiro ucraniano, Yakov Veremeichik da 14ª Brigada Mecanizada, confirmou:

Em Dezembro de 2017 nos levaram para o campo de treino de Yavorisky, na região de Lviv, onde fomos treinados por pessoal da Nato, americanos, canadenses, polacos. Eles nos prepararam especificamente para invadir casas habitadas e ataques ofensivos.

O voluntário francês Erwan Castel, que combate com os russos do Donbass, refere a partir daí que, na óptica dele, os oligarcas de Kiev devem tentar um acto de força no Donbass para manter ocupados os milicianos ultranacionalistas, dar-lhes uma vitória e evitar a desintegração das forças armadas, feridas por causa das deserções:

O ideal para Kiev seria criar uma ruptura da frente, suficiente para causar danos à República de Donbass, não muito cara em termos de vida dos civis. Uma quebra da frente deveria resultar na captura física de um lugar, até secundário, um posto de fronteira ou um entroncamento que é importante o suficiente para ser visível no nível político.

De acordo com Castel, a ocupação dum lugar secundário mas com alguma importância estratégica, como Dokuchaievsk ou Debalcevo, está ao alcance do poder de fogo das forças de Kiev:

A dificuldade estaria em conservá-lo militarmente e administrar politicamente a população ocupada.

Mas nesta é seria provável uma intervenção dos Capacetes Azuis da ONU para “fixar” o avanço de Kiev e abrir a porta de um cenário jugoslavo, onde a ONU serviu, diretamente ou não, os interesses anti-sérvios. O plano poderia ser apenas isso.

Os próximos dias serão muito tensos ao nível da diplomacia e da frente tática desta linha. Nós todos seguramos a respiração, esperando pela explosão que vem.

A Rússia está consciente disso: Zakhar Prilepin, escritor e editor, perguntou a Putin como avalia uma situação onde “há a impressão de que o exército ucraniano pode aproveitar a Copa do Mundo para iniciar um verdadeiro ataque real”. E Putin respondeu:

Espero que esta provocação não seja alcançada; mas se isso acontecer, penso que as consequências para o regime ucraniano serão muito sérias. Mas quero ressaltar mais uma vez que conto para que nada disso ocorra “, reiterou; e acrescentou “É impossível intimidar as pessoas que vivem no DNR e no LNR [Donbass e Lugansk, ndt]. Nós fornecemos ajuda a ambas as repúblicas não reconhecidas e continuaremos a fazê-lo. Pela nossa parte, fazemos todo o possível para resolver o problema no âmbito dos acordos de Minsk.

A possibilidade de que os golpistas de Kiev estejam a preparar algo grande na zona do Donbass, possivelmente algo desencadeado durante o mundial de futebol, é uma hipótese que circuala, como bem sabe também o ex-líder do DNR e agora presidente dos voluntários Union of Donbass, Aleksandr Borodaj. Aponta Želobok, cerca de 50 km a noroeste de Lugansk, como uma das possíveis direções do ataque Ucraniano. Segundo ele, as forças de DNR e LNR têm poder de fogo suficiente para repelir qualquer ataque ucraniano; em torno de Donetsk e Lugansk estão concentrados muitas reservas para permitir, em caso de avanço da Ucrânia, de colocar os inimigos em sérios apuros.

Nos últimos dias as periferias de Donetsk, Jasinovataja, Dokuchaevsk, Gorlovka, Zajtsevo e Telmanovo foram alvo de pequenos ataques. Em particular Gorlovka, ao longo da linha que une Donetsk para Lugansk, estar sob cerco há quase dois meses. As forças ucranianas estão convencidas de que a conquista das colinas ao redor da cidade lhes permitiria o cerco definitivo de Dontesk. Seis pessoas ficaram feridas nas últimas horas como resultado do ataque contra um autocarro em Golubovskoe, 8 km ao norte de Kirovsk.

Com o fim de quebrar a resistência da população, as estações de filtração de água potável são regularmente atingidas; em 5 de Junho, fogo de morteiro sobre os centros habitados de Avdeevka e Jasinovataja (praticamente os subúrbios de Donetsk) atingiram uma das linhas de alta tensão, deixando sem electricidade a estação de filtragem local, o que garante a água para os 400.000 habitantes da área.

Entre os dias 18 e 25 de Maio, só na DNR houve 9 mortos confirmados (seis milícias e três civis) e 17 feridos. Durante alguns dias, não houve notícias de sete civis das aldeias de Gladosovo e Travnevogo, a meio caminho entre Gorlovka e Zajtsevo, anteriormente terra de ninguém e desde o passado mês de Novembro zona ocupada pelas forças ucranianas. Queimadas as casas de várias famílias dessas mesmas aldeias. Em 5 de Junho, assassinato de dois dos três milicianos da DNR feitos prisioneiros alguns dias antes em Zajtsevo. Em 2 de Junho, os subúrbios ocidentais de Donetsk continuaram sob o fogo das granadas, com danos a vários edifícios civis.

 

Ipse dixit.

Fontes: Maurizio Blondet, Réseau International, Alawata Rebellion, NRT24

3 Replies to “Donbass: ofensiva iminente?”

    1. Chaplin, a Ucrânia é gerida por um governo autoritário, financiado pelo Ocidente, que desfruta milícias neonazis. É só espreitar os símbolos deles: suásticas, runas e a parafernália toda. Até bandeiras nazis. Não acaso o ponto de referência político é a União Pan-Ucraniana, mais conhecida como “Svoboda”, que foi fundada em 1991 como o Partido Social-Nacional da Ucrânia (SNPU). Não me lembro de Nazis com muita simpatia pelos judeus… E se fosse um regime judaico, voltaria o velho problema: porque raio está a fazer a guerra ao Putin, que é financiado pelo oligarcas judeus? A não ser que… espera lá: será que a elite está dividida?!? Ohi Minha Nossa Senhora dos SS, queres ver que a elite não é monolítica?!?!?

  1. E alguma vez vc leu algum comentário meu que diga que a elite é monolítica? Sempre me refiro a “elites dominantes”. Mas isso não significa que as mesmas não possam convergir numa certa altura. Volta no tempo e repare nas antigas Ligas Gregas, formadas pelas cidades-estados, e perceberás exatamente isso. E sabe o que podemos constatar? Que a governança mundial não interessa um único governo mundial, pois o fundamento é dominar implicitamente.

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: